Mapa de visitantes

quinta-feira, 19 de julho de 2012

A Quadra Natalina, O Ano Novo na Musicalidade 4 de Abaetetuba Através dos Anos

A MUSICALIDADE 4 DE ABAETETUBA ATRAVÉS DOS ANOS
Conjunto Os Muiraquitãs
Foto do arquivo de
Lial Bentes
A MUSICALIDADE 4 EM ABAETETUBA ATRAVÉS DOS ANOS

A musicalidade é um dos aspectos da cultura de Abaetetuba que funciona como guardiã de uma rica memória, ainda viva na lembrança de cada filho destas terras que vivenciou os ricos períodos desse aspecto cultural e em muitas de suas vertentes, considerando aspectos dos mitos, do imaginário e da cultura que essas vertentes da musicalidade construíram através dos tempos, como veremos a seguir. Esse aspecto cultural da musicalidade usou suas vertentes como forma de comunicação, de transmissão de mensagens, de histórias que marcaram pra sempre, direta ou indiretamente, a vida de muitas pessoas que ainda são depositárias dessas memórias ou que já estão marcadas nos escritos de nossos historiadores em um rico acervo onde pode se encontrar esses variados aspectos da musicalidade de Abaetetuba.

A música em si nada mais é que um conjunto de sons articulados para formar um discurso poético de sons, vozes e encenações de linguagem transmitida através dos tempos usando de recursos rústicos até chegar aos mais sofisticados, de acordo com o período histórico em questão.

Deste modo a musicalidade torna-se uma importante fonte ou documento histórico da memória sobre o nosso passado, conservado e analisado a partir de pessoas e contextos que  nos permite uma volta a esse passado para o conhecimento de seu meio e dos variados aspectos da musicalidade a ser analisada. 

FESTAS DA QUADRA NATALINA:

A Quadra Natalina possuía o seu período de festas que ia desde o dia 24 de dezembro até a Festa dos Santos Reis em 6 de janeiro, isto é, da véspera de natal ao Dia dos Santos Reis Magos. Esse também era um período de belas festas em Abaetetuba, onde a musicalidade se fazia presente nas várias festas e eventos realizados na Igreja, nas escolas, pelas ruas e nos teatros improvisados. A manifestação natalina mais comum desse período eram as festivas Pastorinhas, os Autos de Natal e a Tiração de Reis.

As Pastorinhas e Autos de Natal:

AS PASTORINHAS E AUTOS DE NATAL, que vieram das festas da Quadra Natalina existente em Portugal e que eram elaborados com elementos populares do ciclo folclórico do Natal. Logo vieram para o Brasil, onde encontraram boa receptividade, e por aqui criaram raízes incorporando elementos da cultura brasileira da época, em novas criações dos poetas da Terra de Santa Cruz.

As pastorinhas e Atos de Natal de Abaetetuba eram comédias compostas pelos artistas locais em homenagem popular ao Deus Menino, em dramas ensaiados para bem se apresentarem nas visitas que faziam a igreja, capelas, escolas e casas onde existisse um presépio instalado, louvando a data natalina de Cristo.

Terminada a representação dos personagens das pastorinhas, todas vão admirar o presépio, geralmente montado na Igreja, escolas ou casas, onde se encontram as imagens da Sagrada Família, com o Menino Jesus deitadinho na manjedoura de palha, rodeado de animais do nascimento de Jesus ou animais domésticos da cultura local.

Nas comédias os personagens, devidamente paramentados como tais, se apresentavam em quadros musicados ou com fundo musical comoventes, de palco ou mesmo cordões de rua, encenando os fatos e personagens referente ao Nacimento do Menino Jesus, cada qual cantando uma ou mais quadrinhas apropriadas, geralmente de louvação. como:

·         O Menino Jesus, que era a personagem principal, em torno da qual se desenvolvia toda a temática da Pastorinha ou Auto de Natal;
·         Os Pastores, em visita ao Menino Jesus;
·         Os Camponeses, personagens de motivação local;
·         Os Reis Magos, em visita ao Menino Jesus com os seus presentes:
·         Os Anjos, anunciadores do nascimento de Jesus e os Anjos cantores celestes;
·         São José, o pai adotivo do Menino Jesus;
·         Santa Maria, a Mãe de Jesus;
·         Estrela de Davi (ou Estrela d’Alva), que guiava os Pastores e Reis Magos na visita ao Menino Jesus;
·         Os Animais do Presépio, como jumentinho ou burrinho, ovelhas, vacas e animais locais, como: gatos, cachorros, galinhas, etc;
·         Os Marinheiros, motivação local;
·         Barqueiros, motivação local;
·         A Lua;
·         O Sol;
·         Caboclinhos, etc.

Os atos da comédia, além de relacionados com o Nascimento de Jesus, também retiravam elementos da cultura brasileira ou abaetetubense. Eram as senhoras católicas locais que organizavam os quadros das Pastorinhas e Autos de Natal, especialmente as professoras: Maria Zaíde Cardoso, Pequenina e Alexandrina Sena. Essas apresentações eram festas muito concorridas em Abaeté e atualmente já não mais existem.

Os Autos de Natal praticamente seguiam o mesmo esquema das Pastorinhas, com algumas modificações de atos mais dramatizados e mais motivações locais.

A FOLIA DE REIS:

A Folia de Reis é uma festa religiosa de origem portuguesa, que chegou ao Brasil no século 18 e que em Portugal tinha a finalidade de divertimento, enquanto no Brasil adquiriu um caráter religioso-folclórico. Em alguns lugares é realizada no período que vai de 24 de dezembro a 6 de janeiro, no Dia de Reis. Compõe-se de um grupo de cantadores e instrumentistas que percorrem a cidade entoando versos relativos à visita dos Reis Magos ao Menino Jesus e que paravam em determinadas casas, entoando cantos de louvores em homenagem ao nascimento do Menino Jesus e cantavam também as súplicas de uma “oferenda” a eles.

A Tiração de Reis em Abaetetuba:

A Tiração de Reis (nome que a Folia de Reis recebia em Abaetetuba desde os tempos das antigas  Folias de Santos ou Tiração de Esmolas em Abaeté),  eram realizadas tanto na cidade como pelo interior do município e num período maior de dias (agora gora está reduzida da véspera para o Dia dos Santos Reis) e os instrumentos utilizados eram os mesmos das antigas Folias de Santos: viola, violão, reco-reco, flauta, rabeca, caixa, chocalhos, cavaquinho, triângulo, pandeiro e outros instrumentos. Os personagens centrais das folias eram: O menino Jesus, seus pais Maria e José, os Três Reis Magos e outras motivações do nascimento de Jesus. Os Foliões de Reis locais eram formados peos intrumentistas, tendo entre eles o Mestre que comandava a folia, os cantadores (ou tirador de versos musicados) e a comitiva, todos devidamente paramentados de acordo com seus personagens e funções. Com suas cantorias seguiam os foliões pela noite adentro em longas caminhadas, levando a "Bandeira" (estandarte de madeira ornado com motivos religiosos),  e a imagem do Menino Jesus aos quais tributavam especial respeito e devoção. Vão liderados pelo mestre e outras figuras de relevância dentro da Folia por conhecerem os versos, os puxadores dos cantos.

Em Abaetetuba, a Folia de Reis, por ter sido introduzida na Zona Ribeirinha e na Zona Rural do município e por ter quase a mesma finalidade das Folias de Santos (ou Tiração de Esmolas), a manifestação era chamada de TIRAÇÃO DE REIS. Uma justificativa que modernamente se dá ao termo “Tiração de Reis” era a da retirada do Menino Jesus e o conseqüente desarme do Presépio, justificativa que condiz com a tradição de se “Tirar Reis” apenas em um dia, o dia 6 de janeiro, mas não condiz com a tradição local mais antiga, devido ao fato das antigas Folias de Abaeté serem realizadas em um período maior de dias, e a Tiração de Reis antiga, envolvia vários dias de festejos, para que se pudesse atingir um maior número de devotos do Menino Jesus, usando as motivações natalinas (Não esqueçamos que as antigas Tirações de Reis eram um modo dos antigos foliões de santos prestarem sua devoção ao seus santos de devoção e o Menino Jesus era um dos santos da antiga devoção popular de Abaeté). A tradução para Tiração de Reis era realmente a tiração de versos e cantos pelos puxadores de cantos e a conseqüente “tiração de esmolas” pelos antigos, uma espécie de contribuição como nas Folias de Santos. Os grupos desse tipo de folia saíam de porto em porto (se nas Ilhas) ou de casa em casa (se na cidade), ou pelos caminhos, (se nas colônias rurais), tirando Reis e sendo presenteados pelos moradores das casas visitadas com comidas, frutas, galinhas, patos, ovos e valores em dinheiro.

E será essa a expressão que usaremos, por ser tratar de um termo típico usado em Abaetetuba para a festa que em outros lugares do Brasil se chama Folia de Reis.

A TIRAÇÃO DE REIS de Abaetetuba, era uma festa da Quadra Natalina, uma tradição do povo abaeteense dos anos iniciais do século 20, principalmente das décadas de 1940, e 1950, que relembra a visita dos Reis Magos ao Menino Jesus na Gruta de Nazaré, segundo a tradição católica e que perdurou nas décadas seguintes em festas que,  depois, passaram a ser realizadas entre os dias 5 e 6 de janeiro, quando essas folias passaram a ser realizadas apenas na cidade e outros poucos locais do interior. As Tirações de Reis envolviam, como hoje, muita musicalidade e atualmente as músicas saíram um pouco da tradição religiosa do fato, incorporando outras músicas populares alegres, como o carimbo, frevos, sambas, forrós e outras.

Atualmente algumas pessoas e grupos fizeram retornar essa antiga festa folclórica de Abaeté, tentando resgatar essa tradição. Entre esses novos grupos destacamos:

·         O Grupo de Tiração de Reis “Menino Jesus”, liderado pela professora Iacilda Freitas e músico e arte-educador Ney Viola, grupo que entre os instrumentos musicais se encluem os chocalhos, pandeiros, bumbos, cavaquinhos e violões e músicas populares paraenses como o carimbo e personagens natalinas devidamente paramentadas como tais, enfim, que ainda procura manter alguns motivos das antigas Tirações de Reis de Abaetetuba;

·         Grupo de Tiração de Reis “Nossa Senhora da Conceição”, liderado pela professora e pesquisadora de folclore Hélia Quaresma, que anfatiza o aspecto religioso da folia, com o Menino Jesus, os Reis Magos vestidos de acordo com a tradição e uso de instrumentos musicais tocando músicas religiosas e populares;

·         Grupo de Tiração de Reis São Dimas, liderado por Mariana, que usa instrumentos musicais nos cantos populares e com os personagens do nascimento de Jesus;

·         Grupo de Tiração de Reis Os Filhos de Osny, que vem do grupo carnavalesco de mesmo nome, liderado pelo jovem Checha e que contribui com a tradição da Folia de Reis com as alegres características do carnaval;

·         Grupo de Folias da Banda do Boca, que vem do grupo musical de mesmo nome e tocando músicas populares nessa tradição;

Existem outros grupos de Tiração de Reis que saem cantando músicas religiosas, sambas tradicionais, músicas de carimbo e das quadra junina e carnavalesca.

A Atual Quadra Natalina de Abaetetuba e o Ano Novo:

A Quadra Natalina e o Ano Novo em Abaetetuba ainda são eventos festivos, porém adaptada aos tempos modernos da comercialização e do consumismo desses períodos e quase sem religiosidade.

Alguns aspectos desse Natal e Ano Novo modernos: Comércio, Árvore, Enfeites e Ceia de Natal e Ano Novo:

Consumismo Exagerado:

O comércio de Abaetetuba se enfeita com os variados tipos de motivações natalinas e do Ano Novo, porque tem nesses eventos um período de  grandes vendas dos diversificados produtos que serão usados no decorrer dessas festas, como os das árvores de Natal, os presentes (roupas, eletrônicos, calçados, brinquedos, perfumes são os mais  comercializados), os enfeites de Natal e Ano Novo, os produtos das ceia de Natal e do Ano Novo (em Família ou Comunidades), as bebidas (alcoólicas e refrigerantes), os fogos e outros motivos.

Poluição Sonora:

As propagandas comerciais natalinas e de Ano Novo pelas rádios e TVs e propagandas através dos veículos automotivos de publicidade, que fazem parte do chamamento da populaçao às lojas comerciais e às inúmeras festas dançantes do período e shows em alto volume de sons de vozes e músicas, contando ainda os sistemas de som das lojas do centro comercial da cidade anunciando seus produtos, descontos, etc., gerando uma altíssima poluição sonora que supera em muito os índices legais de sonoridade permitidos através de leis específicas e nenhum órgão ou secretaria do governo municipal e nem entidades e autoridades competentes do município tomam providência para coibir essa prática de sonoridade exagerada na praça comercial e pelas ruas da cidade.

Presentes, Brindes:

Nas famílias abastadas, antes da Ceia de Natal, acontecem as distribuições dos presentes entre os participantes e com direito aos abraços de confraternizações, de Feliz Natal, Feliz Ano Novo, de muita Paz, Saúde e Felicidade e as tradicionais Ceias de Natal e Ano Novo, ao som de muita música natalina e outras.

Brinquedos e Camelôs:

Os brinquedos importados enchem os espaços de algumas lojas do centro comercial e  ruas da cidade que são tomadas por centenas de camelôs vendendo brinquedos e produtos de Natal e Ano Novo por preços mais acessíveis ao bolso da camada mais pobre da população;

Os Enfeites de Natal e Confraternizações de Natal e Ano Novo:

Muitas famílias enfeitam suas casas com as tradicionais Árvores de Natal, Presépio e enfeites cheios de luzes, brilhos e cores à espera do Dia de Natal e Ano Novo e as famílias mais abastadas promovem as tradicionais ceias e confraternizações familiares.

Os Presépios de Natal das Famílias:

Entre os criativos Presépios de Natal, destacamos os das casas dos professores Riba Pantoja e Hélia Quaresma e o da Catedral de Nossa S. da Conceição, que atraem centenas de pessoas a visitar esses Presépios. Antigamente o Presépio da Igreja de Nossa S. da Conceição era acompanhado pelas motivações natalinas que extrapolavam as paredes da Igreja e se transformavam em verdadeiros Autos de Natal pelas ruas da cidade e desfecho grandioso no interior da Igreja;

As Confraternizações Natalinas das Escolas, Repartições, Órgãos, Grupos, Comunidades:

No espaço de tempo entre o Período Natalino e o Ano Novo que se aproxima e além dele, inúmeras repartições, órgãos públicos, escolas, lojas, entidades, grupos religiosos, grupos de amigos e comunidades promovem as tradicionais “Confraternizações de Natal e Ano Novo” entre seus componentes, não faltando a música, as comidas e bebidas, os brindes, os presentes, as brincadeiros de “amigo invisível” e até as festas dançantes.

O Espetáculo dos Fogos de Ano Novo:

Na noite de Natal e especialmente na virada do Ano Velho para o Ano Novo algumas famílias fazem explodir no ar pelas ruas da cidade os fogos das pistolas, rojões e de artifícios durante aproximadamente o tempo de 30 minutos, saudando o novo ano que chega, porém com alguns perigos de incêndios e graves queimaduras pelos passantes das ruas da cidade.

A Festa do Reveillon:

Após os fogos e as ceias de Ano Novo muitas pessoas saem para as famosas e tradicionais festas de réveillon que acontecem em variados pontos de festas existentes na cidade, para desfrutar dos bailes que acontecem nesses pontos. As festas de Ano Novo de Abaetetuba tem algumas facetas de misticismo, onde o uso da roupa branca é ítem quase obrigatório, especialmente pelas mulheres. O Branco representa a paz, a felicidade, a sorte, a saúde e progresso que se deve ter no novo ano.

O Reveillon do Equatorial Park Club:

O Equatorial Park Club é um grande e complexo centro de lazer e entretenimento da cidade de Abaetetuba, com variados ambientes para eventos e que, agora, é o espaço onde se realiza uma das poucas festas dançantes de réveillon da cidade com relativa segurança, pois muitos clubes desistiram de realizar essas festas, devido o alto consumo de bebidas alcoólicas que gera um elevado índice de violência entre os brincantes e pela cidade, levados pelo excesso de consumo de bebidas alcoólicas e consumo de drogas.

As Festas Dançantes na Quadra Natalina dos Pontos de Festas:

Inúmeras festas dançantes acontecem no decorrer da quadra natalina e ano novo pelos clubes, centros de lazer, casas de shows, bares, boates, balneários, interior do municípiona e outros pontos de festas da cidade, quando grandes estrelas musicais vindas de Belém e do Brasil, junto com as sofisticadas aparelhagens de som e dos DJs, são as atrações dessas festas e que atraem centenas de pessoas a esses lugares, ao som de músicas eletrônicas e do modernos estilos funk e tecnos e com um grande aparato de segurança dos próprios pontos e grupos de festas.

Uma novidade na cidade foi o arrastão carnavalesco que aconteceu no Natal de 2011, festa que aconteceu sob a complacência das autoridades e que gerou severas críticas do Bispo, dos religiosos e das comunidades da Diocese, por flagrantes afronta às igrejas e às famílias cristãs da cidade. Também achamos que esse tipo de festa e seu barulho exagerado não condiz com a tradição religiosa da maioria do povo, que se encontra em casa fazendo a Ceia de Natal e se confraternizando em família.
.
Os Grupos das Artes Cênicas, Cantos e Danças:

Existem pela cidade inúmeros grupos das artes cênicas que se dedicam também às encenações do Nascimento de Jesus ou Autos de Natal, e outros grupos de cantos, danças e músicas apropriadas para a quadra e sugerimos apoio e colocação dessas peças e artes como eventos da Quadra Natalina e Ano Novo, em espaço onde as peças e perfomaces possam ser apresentadas, em datas selecionadas, para apreciação por parte da população e como evento turístico da cidade. Alguns Grupos de Artes da cidade:

·         O Grupo Teatral “Encenart”, de Abaetetuba, envolve mais de 50 pessoas entre artistas e demais voluntários de idades variadas, especialmente os adolescentes e jovens. O grupo é coordenado pelo casal Marcelo Nóbrega e Sônia Seixas, do bairro da Francilândia. As principais pelças teatrais do grupo são a encenação de Natal e da Paixão de Cristo, que se apresenta entre os meses de dezembro e início de janeiro e na Semana Santa, em peças de mais de uma hora de duração que encanta a todos que as assistem. Nas peças a musicalidade se faz presente fazendo parte das encenações ou como fundo musical, junto com o cenário com efeitos da iluminação e os figurinos dos personagens. As encenações são gratuitas e têm a finalidade de levar para as artes os adolescentes e jovens que se encontram em situação de vulnerabilidade social e que encontram nas artes o refúgio diante dessas situações de riscos sociais. Logo, o grupo Encenart não se preocupa somente com a formação de artistas, mas em ocupar os adolescentes e jovens com coisas positivas e na formação da cidadania. Tudo dos espetáculos vêm da criatividade dos membros do grupo, como a montagem do cenário, do estúdio, a produção musical, os cantos e figurinos que vem dos grupos juninos para reciclagem e adaptação para o figurino dos personagens. O local para os ensaios são emprestados e alguns tecidos vem do patrocínio de algumas pessoas e a costura das peças é feita por familiares dos coordenadores do grupo.

O grupo, com todas as dificuldades que enfrenta, cada vez mais vai conquistando o público e adquirindo fama, com apresentações nos bairros de Abaetetuba e que fez até apresentação em Belém no dia 7 de janeiro, no Memorial dos Povos. Agora, só resta aos abaetetubenses, empresários, autoridades governamentais, órgãos e entidades da defesa dos adolescentes e jovens, apoiarem e financiarem esse grupo que procura tirar pessoas do caminho da marginalidade, do mundo das drogas e bebidas alcoólicas, do baixo desempenho escolar e dos problemas familiares. Belo exemplo desse grupo!

Estamos no aguardo e pesquisas dos hitóricos e finalidades dos demais grupos das variadas artes do município, cujos dados serão acrescentados aqui mesmo neste item ou outros itens que tratem das artes em Abaetetuba.

Sugestões de Melhorias para a Quadra Natalina e Ano Novo:

Sugerimos que seja feita a concentração da queima dos fogos, inclusive os de artifícios,  em um determinado local da cidade (exemplo: no calçadão da frente da cidade e devidamente revitalizado), que seja mais seguro para a integridade física das pessoas e afaste o risco de incêndios na cidade e com a contratação de peritos para a armação do show pirotécnico, com a coordenação por parte da Prefeitura Municipal e a fiscalização do Corpo de Bombeiros e Instituto de Perícias Renato Chaves e com a presença dos órgãos de segurança do município. E que essa queima de fogos em um só lugar seja acompanhada de um grande show artístico e sem o consumo de bebidas alcoólicas.

Sugestões de Enfeites e Atrações Para a Quadra Natalina e Ano Novo:
                                     
Junto com as luzes, brilhos e demais enfeites tradicionais da Quadra Natalina e Ano Novo, sugerimos o uso dos brinquedos de miriti (e que os artesãos de miriti apresentem um plano ou projeto para o plantio do miritizeiro, árvore que fornece a matéria-prima miriti ou uso de material alternativo ao miriti na confecção dos brinquedos) e materiais vindos da coleta seletiva de Abaetetuba (garrafas PET, vidros, latas de alumínio, latão e outros metais, papel, papelão, caixas aproveitáveis da coleta seletiva e e que sejam transformados em flores, fitas, candelabros, brinquedos, vestuário e outros objetos de decoração (e que as entidades da coleta seletiva do lixo apresentem pelas escolas, entidades, repartições públicas, órgãos, igrejas, etc. os seus projetos para conscientização nesses lugares sobre os objetivos da coleta seletiva do lixo, para que também comecem a fazer as suas próprias coletas seletivas, com entrega dos produtos para as mesmas entidades que já fazem a coleta seletiva), para também enfeitar as árvores de Natal públicas e particulares e pelas ruas da cidade durante a quadra natalina e Ano Novo;

O Auto da Padroeira, organizado pelos artistas de Abaetetuba, promove pelas ruas da cidade um bonito desfile e com variados espetáculos para homenagear Nossa Senhora da Conceição, a Padroeira do município de Abaetetuba e que, na Quadra Natalina, poderia também apresentar essa espécie de arrastão cultural pelas ruas da cidade.

Blog de Ademir Rocha, de Abaetetuba/Pa
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário