Mapa de visitantes

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Um dia nos rios e feiras de Abaetetuba e brinquedos de miriti - Cultura e Arte de Abaetetuba

Um dia nos rios e feiras de Abaetetuba e brinquedos de miritiBrinquedos de Miriti - Cultura e Arte de Abaetetuba

Nesse barquinho, está presente grande parte da cultura, economia e vida ribeirinha de
Abaetetuba 
Figura típica de um ribeirinho com sua indumentária, sua canoa à remo e produtos para
venda
O chapéu é para se defender do calor do sol
Como produtos temos: açaí em paneiro, feixe de cana-de-açúcar, peixe, pato, castanha-do-pará,
pote de mel de cana,

Na realidade esse barquinho de miriti representa a antiga economia de Abaetetuba,
com produtos como:
. Cana-de-açúcar, que nos tempos dos engenhos de cachaça e açúcar era o principal
produto da antiga economia. Agora só alguns ribeirinhos se dedicam ao plantio de cana.
. Açaí na rasa, onde o açai está se constituindo o principal produto de nossa economia e
não mais vendido em canoinhas, mas em rabetas e barcos que recolhem esse produto
na feira de Abaetetuba e até nos centros produtores e para exportação, daí o fato do
açaí ter se tornado um produto proibitivo para o consumo dos pobres.
. Mel no pote, que é o mel de cana, produto raro no comércio de Abaetetuba, pelos motivos
citados acima.
.Pato e outras aves como frangos que ainda são vendidos nas feiras e embalados em paneiros
fabricados artesanalmente com talas das folhas dos miritizeiros
. Castannha-do-pará, que é outro produto já raro devido a derrubada dos castanhais nativos
de Abaetetuba e região, mas existindo algumas castanheiras que fornece castanhas em pequena
quantidade a consumidores interessados.
. O próprio barquinho, que representa uma canoa à remo, só existe em pequena quantidade nas
localidades e que foram substituídas pelas rápidas embarcações chamadas rabetas.
A rabeta é uma canoa motorizada que tem uma longa haste na proa e na extremidade
dessa haste é que fica a hélice que impulsiona a rabeta na água.
Existem grandes rabetas com toldo que defende os passageiros e mercadorias
contra o calor do sol e da chuva
As canoas à remo estão perdendo terreno no transporte de pessoas e
mercadorias, mas ainda existem


A farinha de mandioca embalada no paneiro
Esse tipo de embalagem de farinha só é usado por pouquíssimos colonos
das 'Estradas e Ramais de Abaetetuba' e o paneiro é feito com talas de miriti ou
arumã e as folhas são de arumã ou ubim

Grande parte dos produtos vendidos nas feiras de Abaetetuba vem dos
colonos das 'estradas e ramais' de Abaetetuba. Outra parte vem das localidades
ribeirinhas

Abanos feitos de palhas ou talas, folhas ou fibras de miriti. Os abanos servem para
se abanar o fogo dos fogões à lenha ou fogões de carvão vegetal ou os fogareiros de
barro. Pode ser usado pelas pessoas como abano para atenuar o calor do sol


O balaio abaixo é um grande paneiro de talas de miriti ou arumã e com folhas internas às camadas de talas onde se carrega pães para vendas pelas ruas e feiras
A bicicleta cargueira tem papel importante nessa venda de pães
A esteira é uma espécie de tapete feito da polpa e talas do caule das folhas
do miritizeiro e tem várias finalidades, entre as quais a de tapete, cama rudimentar,
paredes, enfeites de espaços, etc

Mostra de paneiros, paneirinhos, cestas, abanos, tipitis e outros artefatos em talas e cipós na
feira do "Miritifest'' em Abaetetuba
Na foto abaixo temos pintado em vermelho as antigas peneiras para amassamento do açaí e outras
massas. As peneiras pouco são usadas nos dias de hoje e elas eram feitas com talas de arumã, miriti
e acopladas em galhos finos de arbustos da várzea





Uma muda do miritizeiros e suas grandes folhas de onde são tiradas a polpa e
talas para a confecção de artefatos vários em miriti e os famosos 'brinquedos de
miriti' de Abaetetuba e as talas usadas na confecção de paneiros, cestas e outros
artefatos em talas


A rede maqueira acima é toda feita da polpa da folha do miritizeiro
Acima vários artefatos feitos co polpa de miriti
Abaixo o paneiro balaio

Os grandes paneiros feitos em talas de urumã, miriti ou jupati são encontrados nas feiras de Abaetetuba servem para embalar mercadorias vendidas para municípios vizinhos, na forma de
camarão frito e fresco, peixe salgado e fresco e outras mercadorias
Paneiros grandes simples feitos de talas de arumã ou miriti
Alguns paneiros são pintados
Abaixo os grandes paneiros já com camarões embalados para as
viagens para outros municípios vizinhos à Abaetetuba

 
Os paneiros abaixo são os chamados paneiro rasa feitos com talas de arumã, miriti, jupati, cipós, etc, que servem para carregar o açaí dos centros produtores das 'Ilhas de Abaetetuba' para a cidade e a venda do açaí é feita tendo como medida o paneiro rasa cheio de frutinhas de açaí e custa aproximadamente R$ 100,00 o paneiro
O paneiro abaixo é chamado marataca, feito com talas de arumã, miriti e serve para expor o camarão para venda nas feiras. Repare que numa marataca tem o camarão fresco e na outra o camarão já frito
 

O camarão vendido fresco ou frito vems das 'Ilhas de Abaetetuba', de Muaná, Ilha do Capim e
quando na entresafra do camarão, importa-se o camarão fresco vindo do 'Salgado ou Maranhão. O
certo é que o camarão tem o ano todo e o local abunda na chamada safra, de março a junho
O camarão abaixo é o de lance, de Abaetetuba e ainda está vivo
O camarão abaixo vem de Muaná e já esta morto devido o modo de acondicionamento

Os vendedores de camarão misturam o 'miúdo' ao 'graúdo' e assim vão vendendo e enganando
a nós consumidores inveterados de camarão. O camarão pode ser: frito, assado em brasa, torta 
de camarão, camarão cozido e com caldo, sopa grossa com massa de camarão e o camarão é um 
dos componentes de muitos outros pratos típicos como o tacacá e outros.

Abaixo o 'camarão frito' , foto de 'Made in Abaeté'

 O camarão frito é componente do famoso 'tacacá' do Pará,
em foto de 'Made in Abaetetuba'


Abaixo, 'camarão assado no espeto', uma delícia


Matapis são artefatos cilíndricos feitos em talas de jupati e servem para a pesca de
camarões. Esse artefato tem duas aberturas em cada extremidade em forma de cones
internos ao cilindro. Por essa engenhosidade cabocla, o camarão entra para comer a
isca dentro do matapi, geralmente feito de fubá, mas não sabe sair pelo orifício central no centro do cone interno. O cilindo de tala possui uma tampa, também em tala, para se colocar a 'isca' de fubá dentro do matapi e que também serve para se tirar os camarões que ficam presos.
Esse cesto abaixo chamado pera, onde são acondicionados caranguejos,
não é feito em Abaetetuba, mas tem muitos pelas
feiras da cidade, vindos das localidades onde se apanham carangueijos,
que são embalados nesse tipo de paneiro para vendas nas cidades paraenses
Abaetetuba é um dos maiores centros consumidores de carangueijos vindos da
'Região do Salgado' do Pará, principalmente de São Caetano de Odivelas
Abaixo temos frutos, temperos, legumes e outras mercadorias para 
venda aos consumidores. Alguns frutos: limão do 'nosso' e enxertado, turanjas (para
limpar e temperar peixe fresco), cebolas, tomates, cheiro verde, cebolinha, cebola, 
alho, chicória, pimentas várias, frutos e cascas de plantas medicinais, etc

Vassouras feitas com a tala da piaçava
 Na feira de Abaetetuba nunca falta o peixe fresco ou 'salgado'
Acima o chamdo 'jacaré alemão'
Abaixo o peixe mapará 'salgado'
Abaixo o mapará 'assado'
Abaixo o mapará 'assado moqueado'
Abaixo o peixe mapará 'fresco', ainda no paneiro

Abaixo o peixe 'ituí' fresco

Apesar de não existir mais com fartura, como antigamente, o peixe

pirarucu 'salgado' não falta na feira de Abaetetubaa. Foto abaixo
 
Abaixo paneiros toscos feitos com talas de arumã ou miriti, servindo na embalagem de patos, galinhas, frangos e caças vivas, estas proibidas por lei para venda
O cipó xixica nunca falta para venda nas feiras de Abaetetuba e ele
tem inúmeras finalidades

Antigamente o comércio e a 'feira de Abaetetuba eram servidos pelas
pontes e trapiches encarregados de receber as antigas embarcações no
embarque/desembarque de mercadorias e passageiros. Hoje as pontes
estão rareandon na 'beira', agora tomadas de barcos rabetas e popopôs e
alguns barcos maiores

 Acima ponte e trapiche movimentado por pessoas e barcos
em negócios vários
 Acima o antigo navio '3 de Outubro" que fazia parada em Abaetetuba, no transporte
de mercadorias e passageiros

Grande parte dos feirantes de Abaetetuba vem da 'Região das Ilhas' e seus
barcos rabetas ficam ancorados nos portos públicos e particulares da frente
da cidade. Vide abaixo

Pela frente da cidade, em vários quiosques, quitandas ou botequins são encontrados
os produtos da cerâmica abaetetubense, como: potes, bilhas, bacias, tigelas, vasos, urnas
panelas de barro
Panelas de barro e vaso
Panela e moringa em barro
Fogareiros, panela e moringa em barro
Bacia e vaso em barro


 Pote de barro, em foto de Adenaldo Santos Cardoso, que serve como depósito
de água potável para se beber
Abaixo, artefatos da 'indústria cerâmica' de Abaetetuba eram vendidos no
antigo 'comércio de regatão', do Baixo Tocantins

Acima os 'batalhadores de bicicleta' que até poucos anos atrás enchiam
as ruas de Abaetetuba e do 'centro comercial', à espera de uma 'deixada'
dos compradores do comércio e feira de Abaetetuba. Deram lugar aos
'mototaxistas'

 Muitos tipos de frutas são vendidas pelas feiras de Abaetetuba e, na foto
e poesias abaixo, de Adenaldo dos Santos Cardoso, temos o famoso miritizeiro
e seus cachos de miriti e no paneiro para venda nas feiras de Abaetetuba.
A massa extraída do fruto do miriti tem várias aplicações, sendo algumas:
vinho de miriti usados como o açaí; doces variados




Em foto de Walda Marques temos o fruto pupunha, em diferentes variedades,
sendo vendido no Mercado do Ver o Peso em Belém, e grande parte é de
Abaetetuba e nas feiras de Abaetetuba esse saboroso fruto é vendido à
fartura na sua safra

Casas de colonos à beira das estradas de Abaetetuba e região

Além de virem vender seus produtos nas feiras de Abaetetuba, os colonos tem seus
rústicos quiosques de vendas de frutas regionais em frente às suas casas nas estradas
Frutos: cupuaçu e pupunhas


Onde tem feira 'à céu aberto' também tem os urubus

Abaixo a antiga frente da cidade, ainda não aterrada


Abaetetuba é uma das muitas cidades ribeirinhas do chamado
'Estuário Amazônico'. Fotos abaixo



O fruto açaí sempre esteve presente na feira e na culinária de 
Abaetetuba

 Abaixo o 'apanhador de açaí', usando a 'peconha' nos pés para
o sustento na palmeira miritizeiro
Acima o fruto açaí ainda nos cachos e abaixo sendo 'debulhado' no
paneiro 'rasa'

A 'castanha do Pará' nunca falta na feira de Abaetetuba. Abaixo






Os famosos 'brinquedos de miriti'




Barcos do cotidiano dos ribeirinhos de Abaetetuba
São centenas de barcos num movimento constante
de vai-e-vem






















Barcos grandes









Blog do Ademir Rocha, de Abaetetuba/PA