Mapa de visitantes

domingo, 29 de novembro de 2015

Nossa Senhora da Conceição - Festa e Círio 2015


Nossa Senhora da Conceição de Maria - Festa e Círio 2015
Praça e Igreja Catedral de Nossa S. da Conceição
em Abaetetuba
ALGUNS ASPECTOS DA ESPIRITUALIDADE E TEOLOGIA MARIANA 
A Espiritualidade e Teologia Mariana é bem antiga na Igreja Católica e outras Igrejas do Rito Oriental, tendo se originado nos primeiros tempos do Cristianismo e que teve seu ápice na Idade Média, quando da construção das suntuosas e ricas igrejas construídas para louvar a Virgem Maria, Mãe de Jesus e Mãe do Homem, em devoção que atravessou os séculos, com Maria recebendo mais de 120 denominações devido essa devoção milenar. A devoção popular à Maria perdura com muita ênfase nos dias atuais, basta ver a festa do Círio de Nossa S. de Nazaré em Belém, a festa de Nossa S. Aparecida, na cidade de Aparecida, em São Paulo, a festa de Nossa S. de Fátima, em Portugal, a festa de Nossa S. de Loudes, na França, a festa de Nossa S. de Guadalupe, no México e tantas outras milhares de festas dedicadas à Maria que se repetem no Pará, no Brasil e pelo Mundo inteiro e sempre com grande concorrência para render louvores à Maria, como a Medianeira entre o Homem e seu Filho Jesus Cristo.

A pergunta que fazemos é: Será somente o aspecto devocional que o cristão deve manifestar em relação à Maria, aquela que foi escolhida pelo próprio Deus para ser a Mãe de seu Filho Jesus, o Salvador e Redentor do Mundo, aquela que foi considerada pelo próprio Deus como a Cheia de Graças, a Bem Aventurada entre as mulheres, a Virgem Imaculada, aquela que intercedia, mesmo em vida, junto à Jesus em favor dos mais simples, dos pobres, dos de Boa Vontade, aquela que foi Assunta ao Céu em corpo e alma, pois não precisava morrer e ressuscitar dos mortos, porque foi concebida sem o pecado original que afeta todos os demais homens e a própria Criação de Deus que juntos devem ressurgir em Novas Terras e Novos Céus e Novos Homens para estar diante de Deus rendendo Glórias pelo seu grande Amor pelo Homem e toda a sua Criação?

Maria, a Mãe de Jesus, também foi a Díscípula perfeita de Jesus, seu amado Filho, pois seguia seus preceitos e ficou ao seu lado até à morte na Cruz. Maria também foi a Mãe Perfeita, a Mãe de Deus, e por desejo de Jesus se tornou a Mãe da Igreja e do Homem no colóquio final de Jesus com Maria e João Evangelista, seu discípulo muito amado.

Maria, junto com José e Jesus constituíram a Família de Nazaré, a Família Perfeita, como exemplo da Unidade da Trindade de Deus, em Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, que devem servir de exemplo para as famílias humanas, famílias religiosas, comunidades, conforme nos aponta o Livro dos Atos dos Apóstolos que diz que os primeiros seguidores de Jesus tinham "Um só Coração, Uma só alma, tinham tudo em comum, Dividiam entre si os seus bens, não havendo necessitados entre eles, pois todos repartiam entre si os seus bens" e Maria, a Mãe de Jesus, desfrutava entre os Apóstolos e os Díscipulos de Jesus a mais alta consideração, não só por ser a Mãe de Jesus, mas porque Ela era aquele Modelo Perfeito de Santidade, que todo cristão deve aspirar, para ser como Maria, também merecedor da Vida Eterna junto à Deus Pai, Deus Filho, os Santos Anjos do Senhor e os demais Santos do Paraíso, cujo início é aqui mesmo nesta nossa vida terrena com a nossa imitação de Santidade de Maria, a Cheia de Graças e Virtudes, diante dos Homens e de Deus.

Então, como fazer para vivermos esses aspectos da Espiritualidade e Teologia Mariana? É o que tentaremos colocar aqui neste espaço através de alguns aspectos dessa espiritualidade. Para que nossa relação com Maria não seja apenas uma relação de veneração e devoção à Mãe de Jesus, consideremos os seguintes aspectos da vida de Maria: 

Como muitos outros mistérios da História de Salvação do Homem por Deus, Maria, como Mãe de Jesus, é um mistério de nossa fé cristã, e que deve se tornar para nós, como todos os demais mistérios de Deus, um ato de fé acreditar que Maria faz parte da Salvação do Homem. Conforme a História de Salvação do Homem, a figura de Maria começa a se configurar no Antigo Testamento e essa História de Salvação do Homem é fartamente esmiuçada em diversas passagens dos Evangelhos, do livro dos Atos dos Apóstolos, das Cartas de São Paulo e dos demais Apóstolos e vai culminar no Livro do Apocalipse.
Vejamos a figura de Maria e do mistério que ela representa para nós, através de alguns aspectos retirados dos livros acima mencionados. 

Ser a Mãe do Salvador é a culminância do mistério de Maria. Ser Mãe de Jesus, significa ser Mãe de Deus, daí o enorme mistério que esse fato envolve e por causa dessa Maternidade Divina, e em função dela, Maria foi conhecida de antemão por Deus e, portanto, Maria foi predestinada, chamada, justificada, santificada e glorificada conforme os Livros Sagrados acima citados e enfatizam em Rm 8,28 a 30: “Ora, nós sabemos que Deus concorre em tudo para o bem dos que O amam, daqueles que, segundo o seu desígnio, são eleitos” e Rm 29: “Porque os que de antemão conheceu, também os predestinou para serem à imagem de seu Filho, a fim de que Este fosse o Primogênito de muitos irmãos” Rm 30: “E aos que predestinou, a estes também os chamou; e aos que chamou, a esses justificou; e aqueles que justificou também os glorificou”. 

Maria, portanto, para ser a Mãe de Jesus, a Mãe de Deus, foi pelo Pai ornada de todos os dons e carismas, conforme os Livros Sagrados citam: Cheia de Graça, Imaculada desde o primeiro instante da sua concepção (Conceição de Maria) e, portanto, Preservada do pecado original e de todo pecado, para ser a Mãe de Deus; Virgem, antes do parto, durante o parto e depois do parto; Elevada ao Céu em corpo e alma, porque Maria não estava sujeita ao pecado. E Maria, por ser a Mãe do Verbo Encarnado e do Filho de Deus feito Homem (Jesus para nós é o ápice da humanização do homem que cada um de nós deve almejar como cristão) e, portanto, Mãe de Deus, como foi proclamada no Concílio de Éfeso, em 431, que é tua Graça e tua Glória primordial nesse mistério do Amor de Deus pelo homem. Maria deve ser proclamada como Mãe, que nos fala o Evangelho, quando no Calvário, seu Filho Crucificado te entrega João como Mãe e te entrega João como como filho e isto de Jesus Crucificado e Abandonado, de Jesus agonizante que entregou seu sangue e a vida, tudo, num gesto final de seu Mandamento "Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei", quando entrega a própria Mãe, como ato de entrega final a todos os seus Díscipulos e Seguidores, até o fim do mundo e da história. Portanto, Maria, se tornou também a Mãe dos homens seguidores de Cristo e, portanto, a Mãe da Igreja de Jesus. 

Maria, pela sua humildade, uma simples mulher, vinda ao mundo por Adão e Eva, mas predestinada a ser, conforme os Evangelhos, a “Bendita entre as mulheres” (Lc 1,42), a “Cheia de Graça”, aquela a “quem todas as gerações chamam Bem-Aventurada”, portanto, a mais perfeita discípula de Jesus e, por isso, modelo e exemplo para todos nós, que devemos ver em ti a nossa Mãe e nós como teus filhos que te veneram, te prestam devoção, mas que, acima de tudo, deve ser vista como nosso modelo de cristão e assim ser "imitada" como o rosto do novo homem redimido por Jesus Cristo em sua plenitude. Quem ama deve identificar-se com Maria. Só depois é que deve vir a veneração, junto com a reverência, a admiração e o amor de todos os devotos, peregrinos de tua Festa e Círio da Conceição. Maria, que disse “Faça-se em mim segundo a Tua Palavra”, e meditava em seu coração os planos misericordiosos de Deus para com os Homens e também meditava e guardava em seu coração os misteriosos desígnios de Deus para si e para a humanidade, conforme segue abaixo e também aplicava essas lições no amor e no serviço concreto aos irmãos, conforme “As bodas de Canâ”, quando intercede pelo bom vinho dado aos irmãos e os serviços que foi prestar à sua prima Isabel, conforme Lc 1, 39 a 56, com a visita à Isabel e quando esta disse: “Bendita és tu entre as mulheres e Bendito é o fruto do teu Ventre” entre outras coisas e onde Maria cantou o seu Cântico de Amor, o Magnificat, onde, entre outras coisas diz: “A minha alma glorifica ao Senhor, e o meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, porque olhou para a humilde condição de sua serva. De fato, desde agora Todas as Gerações me hão de chamar ditosa porque me fez grandes coisas o Onipotente. ...Derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes. Encheu de bens os famintos e aos ricos despediu-os com as mãos vazias. ...”Maria ficou com Isabel cerca de três meses. Depois regressou para casa”.

O que se poder deduzir do encontro de Maria com sua prima Isabel? Maria não foi a Isabel para cantar o Magnificat, mas foi à serviço do irmão e encontrou receptividade em Isabel, que reconheceu Maria como Mãe de Jesus, portanto Mãe de Deus e, por isso, também cantou esse Canto de Amor, que significa a Visão Social de Maria e os três meses com Isabel significa que Maria meditava, glorificava à Deus e amava o irmão. Nós devemos recorrer sempre a Maria devido as nossas limitações, ocasionadas pelo pecado original e demais pecados e limitações humanas, pedir sempre a intercessão de Maria por nós e nossos irmãos conforme o que diz o “rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte” da nossa Ave-Maria.

E quanto a imagem de Nossa Senhora, que muitos criticam essa devoção, não devemos ver a louça, a madeira, o vidro, o barro ou outro qualquer material inanimado da imagem de Maria, mas o que está por trás, o que simboliza, conforme acima especificado. As imagens de Maria apenas procuram viabilizar o invisível e tornar sensível o espiritual, para melhor crescermos no Amor e na Misericórdia que o Filho de Maria, Jesus Cristo nos ensinou, para também sermos outros Jesus na Terra, portanto, outros filhos de Maria. Qual o filho que não tendo mais a presença física de sua mãe, não guarda com carinho as suas lembranças: cartas, retratos, esculturas, pinturas, objetos, jóias e demais lembranças?

Fonte: Círio da Imaculada Conceição
SOLENIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA

Para ser a Mãe de Cristo, Deus escolheu uma mulher santa e pura, cheia de graça. Para ser mãe do Verbo, Deus preservou Maria do pecado original e a fez cheia de graça, a fez a imaculada concebida sem pecado original. Maria foi imune de toda mancha da culpa original desde o primeiro instante de sua concepção, em vista dos méritos de Cristo, Nossa Senhora confirmava essa verdade. Aparecendo Bernadete, na cidade de Lurdes, apresentou-se: Eu sou a Imaculada Conceição. Nossa devoção deve sempre lembrar a moça que soube dizer Sim ao chamado para ser mãe do salvador. Maria e a pessoa simples, pobre, que pertencia aos excluídos de sua época. É a mulher firme na condução do Reino de Deus. Como e bom saber que temos uma mãe carinhosa que sempre olha por nós, caminha conosco pelas estradas da vida, guarda-nos sob seu manto de amor e conduz nossos passos ao encontro de seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo. Nossa Senhora é a mãe que nos ama mesmo quando nada fazemos para merecer o seu amor. Seguramente, é nessas horas que dela nós mais precisamos. Cada vez que nos colocamos diante de uma representação de Nossa Senhora, seja ela uma pequena imagem, ou uma pintura, que nossos pensamento se eleva ao céu para contemplar aquela que deu a luz a Jesus o nosso Salvador. Nos não adoramos nossa senhora mais sim prestamos uma total veneração pela mulher que soube dar o seu Sim ao chamado de Deus, Maria é a janela que nos faz louvar a Deus. Eis que Doravante todas as gerações me chamarão de Bem Aventurada ( Lc 1, 48). São tantas graças alcançadas por ti o Mãe eu mesmo fico grato pelas graças alcançadas em minha vida. Maria tu nos ensina a vivência, tu nos ensina a orar, tu nos ensina a ter fé. E procurando a tua proteção tudo em nossa vida vai ficando bem, tu vai passando a frente e vai abrindo caminho porque tu és a mãe, tu és a intercessora, és a porta do Céu . E hoje em que contemplamos Nossa Senhora da Conceição ousamos dizer: À vossa proteção recorremos Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. Amém
 
Devemos, como Maria, ir ao encontro de nossos
irmãos mais necessitados, para servi-los em suas
mais prementes necessidades de todos os tipos, 
 como os bens materiais, mas também de outras
necessidades, para, assim, elevá-los à sua dignidade
de Filhos de Deus, portanto, irmãos nossos
A Irmã Elisa, falecida recentemente, soube muito bem
imitar Maria no amor e serviço ao irmão

A mesma deferência que o Papa Francisco dedica
aos poderosos, que podem ajudar a resolver as
problemáticas do mundo, especialmente a justa
distribuição das riquezas para os mais empobrecidos
do mundo, também, e muito mais, dedica aos mais
pobres de todas as partes

Fonte da foto: Adenaldo Santos Cardoso
Como Maria foi um Templo Vivo de Jesus,
o Filho de Deus e do Homem, nós também
devemos nos tornar templos vivos da morada
da Trindade de Deus, amando a todos
com o mesmo Amor de Deus, sendo o próprio
Jesus e vendo-O em cada irmão que passa ao
nosso lado

Fonte da foto: Site Círio da Imaculada Conceição
"Tudo o que fizerdes ao menor dos meus irmãos,
a Mim o fazes", disse Jesus. 
Logo, nossa veneração à Maria, a Mães de Deus,
deve se transformar em Amor Misericordioso a
todos, especialmente aos mais pobres, como fez e
testemunhou Maria no seu Cântico de Amor, o
Magnificat

Fonte: Círio da Imaculada Conceição
A nossa devoção à Maria deve ser expressa
em amor concreto ao irmão

Fonte da foto: Adenaldo dos Santos Cardoso
A Natureza "Sofre e geme as dores do parto...",
isto é, o Meio Ambiente é afetado pelo nosso
 pecado da ganância e derrespeito à Natureza.
Não é à toa que estão acontecendo desastres
naturais e os provocados pela própria ganância
do homem, como o de Mariana, em Minas Gerais,
a do Pará em Vila do Conde, pelo afundamento do
navio com milhares de cabeças de bois e óleo, que, pela
decomposição dos corpos e difusão do óleo, contaminou as águas
que os ribeirinhos usavam para todas as suas necessidade
e a Amazônia sofre os mesmos ataques vindos
das governanças e dos homens.


A Rainha de Toda a Criação
Maria, a mãe que cuidou de Jesus, agora cuida com carinho e preocupação materna deste mundo ferido. Assim como chorou com o coração trespassado a morte de Jesus, assim também agora Se compadece do sofrimento dos pobres crucificados e das criaturas deste mundo exterminadas pelo poder humano. Ela vive, com Jesus, completamente transfigurada, e todas as criaturas cantam a sua beleza. É a Mulher «vestida de sol, com a lua debaixo dos pés e com uma coroa de doze estrelas na cabeça» (Ap12, 1). Elevada ao céu, é Mãe e Rainha de toda a criação. No seu corpo glorificado, juntamente com Cristo ressuscitado, parte da criação alcançou toda a plenitude da sua beleza. Maria não só conserva no seu coração toda a vida de Jesus, que «guardava» cuidadosamente (cf.Lc2, 51), mas agora compreende também o sentido de todas as coisas. Por isso, podemos pedir-Lhe que nos ajude a contemplar este mundo com um olhar mais sapiente.

Não pode ser autêntico um sentimento de união íntima com os outros seres da natureza, se ao mesmo tempo ... não houver ternura ... pelos seres humanos (L.S.91)
"
É evidente a incoerência de quem luta contra o
tráfico de animais em risco de extinção, mas fica
completamente indiferente perante o tráfico de
pessoas, desinteressa-se dos pobres ou procura
destruir outro ser humano de que não gosta. Isto
compromete o sentido da luta pelo meio ambien-
te. Não é por acaso que São Francisco, no cân-
tico onde louva a Deus pelas criaturas, acrescen-
ta o seguinte: « Louvado sejas, meu Senhor, por
aqueles que perdoam por teu amor ». Tudo está
interligado. Por isso, exige-se uma preocupação
pelo meio ambiente, unida ao amor sincero pelos
seres humanos e a um compromisso constante
com os problemas da sociedade.
"
(Papa Francisco, Encíclica Laudato Si)
 
Vivo na Amazônia e observo esse espetáculo em minhas viagens de trabalho. Tudo me remete a Deus, como se a natureza falasse a sua mesma linguagem; fala-me dEle e me transmite sua mensagem. Insere-me nessa harmonia e eleva meu espírito. E então, descubro o valor das coisas em Deus.
 
TODO MALTRATO A QUALQUER CRIATURA É "CONTRÁRIO À DIGNIDADE HUMANA"

"Além disso, quando o coração está verdadei-
ramente aberto a uma comunhão universal, nada
e ninguém fica excluído desta fraternidade. Por-
tanto, é verdade também que a indiferença ou a
crueldade com as outras criaturas deste mundo
sempre acabam de alguma forma por repercu-
tir-se no tratamento que reservamos aos outros
seres humanos.
...Tudo está relacionado, e todos nós, seres humanos, ca-
minhamos juntos como irmãos e irmãs numa pe-
regrinação maravilhosa, entrelaçados pelo amor
que Deus tem a cada uma das suas criaturas e que
nos une também, com terna afeição, ao irmão sol,
à irmã lua, ao irmão rio e à mãe terra."
(Papa Francisco, Encíclica Laudato Si)


"OUVIR TANTO O CLAMOR DA TERRA COMO O CLAMOR DOS POBRES"
A natureza clama por atenção, respeito e harmonia. Tanto a natureza enquanto meio ambiente, quanto a natureza enquanto ser humano.
Às vezes, não paramos para pensar que nossos atos interferem diretamente na harmonia do meio ambiente. Cada nossa ação incide bem ou mal no ambiente onde vivemos e em larga escala, em todo o planeta. Nosso agir deve ser em plena harmonia com a natureza, desde o simples gesto de descartar o lixo até a utilização consciente de coisas poluentes como o carro.
Se com o meio ambiente é assim, mais ainda deve ser com o ser humano. Devemos consumir alimentos e bens com a consciência de que pessoas carecem do mínimo necessário à nossa volta.
Antes de ostentar minhas posses, devo pensar em partilhá-las para que meu relacionamento com todos seja harmônico em todos os sentidos.



"OS OUTROS SERES VIVOS TEM UM VALOR PRÓPRIO DIANTE DE DEUS"(L.S. 69)
Se observarmos um ecossistema preservado, inclusive com a presença humana, vemos uma harmonia que impressiona. Cada coisa está em seu lugar. Existe espaço para todos, nada está em demasia e nada falta: presas e predadores, fauna e flora que se completam, uma harmonia que encanta.
Vivo na Amazônia e observo esse espetáculo em minhas viagens de trabalho. Tudo me remete a Deus, como se a natureza falasse a sua mesma linguagem; fala-me dEle e me transmite sua mensagem. Insere-me nessa harmonia e eleva meu espírito. E então, descubro o valor das coisas em Deus.
 
 Fonte: Francisco Teixeira


Fonte: Círio da Imaculada Conceição

Fonte da foto: Amarildo Dias
Em primeiro plano temos a figura de Jesus Crucificado e Abandonado e,
após, a figura da Igreja e Maria e que nos pedem para irmos ao encontro
as chagas do mundo moderno e resolvê-las com a nossa união e ação

Programação


Blog do Ademir Rocha