Mapa de visitantes

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Palavra de Vida de Dezembro 2016

Palavra de Vida de Dezembro 2016
  
Fonte: www.focolare.org
28 Novembro 2016
“Ele vem para vos salvar!” (Is 35,4)
O verbo está no presente: Ele vem. É uma certeza de agora. Não precisamos esperar o amanhã, ou o final dos tempos, ou a outra vida. Deus age de imediato: o amor não consente adiamentos ou atrasos. O profeta Isaías dirigia-se a um povo que esperava ansiosamente o término do exílio e a volta à pátria. Nesses dias em que esperamos o Natal não podemos deixar de lembrar que também Maria ouviu uma promessa de salvação, parecida com essa: “O Senhor está contigo” (Lc 1,28). O anjo lhe anunciava o nascimento do Salvador.
Ele não vem para uma visita qualquer. A sua intervenção é decisiva, da máxima importância: Ele vem para nos salvar! Salvar do quê? Será que estamos em grave perigo? Estamos, sim. Às vezes somos conscientes disso, às vezes não nos damos conta. Ele intervém porque vê os egoísmos, a indiferença para com quem sofre e está em necessidade, vê os ódios, as divisões. O coração da humanidade está doente. Ele vem, movido pela piedade para com a sua criatura. Não quer que ela se perca.
É como se Ele estendesse sua mão a um náufrago que está se afogando. Infelizmente hoje em dia essa imagem está sempre diante dos nossos olhos, voltando à cena dia após dia nos noticiários sobre os refugiados que tentam atravessar os nossos mares. Vemos como eles agarram desesperadamente aquela mão estendida, ou aquele colete salva-vidas. Também nós podemos agarrar a todo momento a mão estendida de Deus e segui-lo confiantes. Ele não só cura o nosso coração daquele fechamento em nós mesmos que nos isola dos outros, mas, da nossa parte, nos torna capazes de ajudar aos que se encontram em necessidade, na tristeza, na provação.
“Não é, decerto, o Jesus histórico, ou Ele enquanto Cabeça do Corpo místico quem resolve os problemas” – escrevia Chiara Lubich –. “Quem faz isso é Jesus-nós, Jesus-eu, Jesus- você… É Jesus no homem, naquele determinado homem – quando a sua graça se encontra nele –, quem constrói uma ponte, faz uma estrada. […] É sendo um outro Cristo, como membro do seu Corpo místico, que cada homem traz uma contribuição típica sua em todos os campos: na ciência, na arte, na política, na comunicação e assim por diante”. Dessa forma o homem é cocriador, corredentor com Cristo. “É a encarnação que continua, encarnação completa que diz respeito a todos os Jesus do Corpo místico de Cristo”1.
Foi exatamente o que aconteceu com Roberto, um ex-detento ao encontrar alguém que o “salvou” e que, por sua vez, se transformou em alguém que “salva”. Ele contou a sua experiência ao Papa que, no dia 24 de abril, compareceu na Mariápolis de Villa Borghese em Roma: “Tendo terminado um longo período de detenção, eu pensava em recomeçar a vida. Mas, como se sabe, mesmo quando  você cumpriu  sua pena,  para as pessoas você fica sempre sendo um caso suspeito. Procurando trabalho, encontrei todas as portas fechadas. Tive de andar por aí pedindo esmolas, durante sete meses fui morador de rua. Até o dia em que encontrei o Alfonso que, por meio da associação que ele criou, ajuda as famílias dos detentos. ‘Se quiser recomeçar’, disse ele, ‘venha comigo’. Agora já faz um ano que eu o ajudo a preparar as cestas básicas para distribuir às famílias dos detentos que nós vamos visitar. Para mim é uma graça imensa, porque nessas famílias eu revejo a mim mesmo. Vejo a dignidade dessas mulheres, cuidando sozinhas das crianças pequenas, que vivem em situações desesperadoras, aguardando alguém que lhes leve um pouco de conforto, um pouco de amor. Doando-me, reencontrei a minha dignidade de ser humano, a minha vida tem um sentido. Possuo uma força a mais porque tenho Deus no coração, me sinto amado…”.
Fabio Ciardi
1Chiara Lubich, Jesus Abandonado e a noite coletiva e cultural, no congresso das gen 2. Castel Gandolfo,7/1/2007 (lido por Silvana Veronesi).


Evangelho vivido: trabalhar em dois

A Palavra de Vida deste mês nos convida a não desanimar diante das adversidades,  mas sim a confiar em Deus. Ele chega também onde nós não conseguimos.





Sabia tudo
“Como sacerdote, eu acreditava que poderia julgar todas as coisas. Um dia fui convidado a celebrar a missa em um retiro com  alguns jovens,  durante a celebração eles explicitamente fizeram um pacto de estarem  prontos a dar a vida uns pelos outros. Fiquei chocado: eu teria coragem  de fazer uma coisa dessas? Tudo aquilo que parecia que eu sabia, não digo  que fosse inútil, mas   não  o suficiente para ser um verdadeiro cristão. Quantas coisas  negligenciadas  em nome do estudo, quantas omissões justificadas com algumas tarefas as quais eu julgava serem importantes…! Aqueles  jovens mudaram a minha vida”.  (R. P. – França)



Antes da oferta

“Depois de se mudar para uma nova cidade, nasceu uma amizade com uma família de vizinhos que nos ajudou muito, como a inserir-nos  no novo ambiente, a colocar as crianças nas   escolas… A estima era mútua, os filhos dessa família  nos chamavam de tios  e os nossos faziam o mesmo. Infelizmente com o passar do tempo  houve uma ruptura e os filhos dos vizinhos começaram a nos saudar com um “bom dia, senhores”. As coisas não podiam continuar desta forma,   porque afinal  fazíamos parte da mesma paróquia. Um domingo na missa a mensagem do Evangelho nos recordava que antes de fazer  a nossa oferta no altar é bom reconciliar-se  com seu irmão… Minha esposa e eu nos olhamos e decidimos agir em conformidade. Na saída da missa, fomos  em direção aos nossos  vizinhos e pedimos  perdão se caso tivéssemos  ofendido  a eles de alguma forma. Depois de um momento  após uma surpresa embaraçosa,  nos abraçamos” .(A.T. – Hungria)



Era uma outra pessoa
“No hospital onde eu trabalho como ginecologista uma mulher conhecida como uma prostituta havia feito uma cirurgia. Os  pacientes e até mesmo algumas enfermeiras tentavam evitá-la. Percebendo o seu isolamento,  eu lhe dei uma atenção especial, e isso serviu de incentivo a outros para conversar  e lhe prestar  ajuda. A história triste da sua vida atraiu  atenção e benevolência.  Em poucos dias  já parecia outra pessoa. Quando ela recebeu alta, agradecendo-me, disse: “A verdadeira cura não é a física…. A vida recomeça de outra maneira.” (M. S. – Polônia)


A “boutique rosa” atrás das grades
16 Setembro 2016
Na superlotada prisão feminina de Pozzuoli (Itália), uma loja de sabonetes e perfumes, como sinal da inclusão e do diálogo ecumênico. Uma ação de apoio para reencontrar a própria dignidade.
Em 2011, Maria Clara, recém-aposentada, transfere-se para as proximidades da penitenciária feminina de Pozzuoli (Nápoles), uma grande estrutura de detenção entre as mais superlotadas da Itália. Impressionada com os gritos de sofrimento que chega das janelas gradeadas, fala com os amigos da comunidade local dos Focolares e 25 deles (jovens, adolescentes, famílias…) decidem responder ao apelo. De acordo com a Caritas diocesana e com outros Movimentos, o grupo emerge-se naquela humanidade sofredora que está atrás das grades.
Esta experiência não é fácil, mas leva a afinar, como sinal da misericórdia, cada gesto e palavra, para ser a presença amorosa que aquele mundo espera. Cada um torna-se cada vez mais consciente de que não vai ali para “absolver”, julgar, ou simplesmente para fazer assistencialismo, mas apenas para amar, mirando à reconstrução da pessoa. Talvez tenha sido por este comportamento que rapidamente veem emergir em cada uma das detentas o lado positivo.
“Quando sair daqui quero ser uma pessoa nova”, confessa uma delas. Uma outra: “Agora que sei o que quer dizer ser cristã, quero viver segundo o Evangelho respeitando as minhas colegas de cela, mesmo aquelas que tornam a minha vida impossível”. Uma outra ainda: “Entendi que a verdadeira ajuda vem de Jesus Eucaristia e não dos ‘potentes’ da terra”.
Este afluir de luz e de graça não se conquista com uma baqueta mágica. É o fruto de uma contínua atenção às necessidades das detentas, ajudando-as a reencontrarem a própria dignidade numa discreta e perseverante formação à vida do Evangelho. Ir com elas à missa dominical, animando-a com cantos, e pôr-se à disposição para reconstruir a capela. Pedir e obter permissão da direção do cárcere de organizar, na Casa família “Mulher Nova” que hospeda mulheres em regime alternativo de detenção, uma série de laboratórios de educação sanitária, cursos de cozinha, yoga, costura, etc.
Uma das necessidades das presas – não dita, mas logo revelada – é o cuidado com a imagem pessoal. Foi assim que nasceu a ideia da “Boutique rosa”, um lugar gratuito dentro do cárcere, com as paredes pintadas de cor-de-rosa, com cortinas e prateleiras coloridas em contraste com o cinza das celas. É um ponto onde as presas, muitas vezes abandonadas ou distantes das próprias famílias, semanalmente podem receber produtos para a higiene e o cuidado pessoal, vestiário, roupas íntimas, etc, enfim, tudo o que serve para melhorar o “look” e aumentar a própria autoestima. Ao mesmo tempo, é um ambiente para partilharem as próprias dificuldades com as outras detentas ou com os agentes penitenciários. Sentem-se confortadas no sofrimento por não poderem se ocupar dos filhos em casa, constroem relacionamentos cada vez mais estreitos. Também é uma ocasião para partilharem pequenas e grandes alegrias, como por exemplo a diminuição de uma pena, uma visita inesperada ou as decisões tomadas para recomeçar a vida.
Muitas delas são de etnias e culturas diferentes e pertencem a várias igrejas cristãs ou religiões díspares. “Lembro-me de uma senhora ortodoxa – conta Maria Clara – que na semana de oração pela unidade dos cristãos quis participar com um canto-oração. Chorando, disse-me que oferecia o seu imenso sofrimento por causa da detenção pela unidade das igrejas. Depois fomos a Nápoles para conhecer o seu marido e os seus cinco filhos e para levar ajuda a eles.
Partilhamos esta experiência com algumas pessoas de outras igrejas cristãs de várias denominações com as quais a diocese abriu um diálogo ecumênico, propondo-lhes para virem ao cárcere para ajudar na “Boutique rosa”. Não esperavam outra coisa! Agora também colaboram conosco quatro irmãs evangélicas. Graças a elas, o relacionamento com as presas de várias igrejas tornou-se mais profundo e, muitas vezes, continua também quando elas saem da prisão”.



Reproduzido pelo Blog do Ademir Rocha

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Memórias 11 do Futebol e Outros Esportes e Atividades Esportivas em Abaetetuba

MEMÓRIAS 11 DO FUTEBOL DE ABAETETUBA

Postagem em construção
Acima o time do ALGODOAL
Em pé:
Mongo (goleiro), Joao, (zagueiro), Ieca, Reinaldo, Espeto, Xandanga, Gel, Brito, Pio
Agora agachados:
Negão, Bulacha, Pedrinho, Ingino, Bosco, Sidoca, Garoto, João

VÊNUS ATLÉTICO CLUB


O Vênus Atlético Club, tem uma história antiga de glórias na
prática do futebol em Abaetetuba. Essa história vem desde o ano
em que foi fundado, em 1949, por um grupo de abnegados dirigentes
e torcedores.

A HEGEMONIA DO VÊNUS E DO ABAETÉ NO FUTEBOL DE ABAETETUBA:

Após a criação da Liga de Futebol os times do Vênus e do Abaeté se revezavam na conquista dos títulos da cidade. Poucas vezes outros times de Abaeté, a partir dessa data, tiravam os títulos de Vênus e Abaeté. Quando em 1966 surgiu o Palmeiras, ele começou a formar um time de jogadores jovens e talentosos misturados a alguns veteranos. Em 1974 e 1975 o Palmeiras foi bicampeão de futebol de Abaeté.
Em 20 de maio de 2009 o Vênus Atlético Club completou 60 anos de existência, tendo na presidência, pela 1ª vez uma mulher, a professora Elis Bentes, e fazendo parte dos festejos aconteceu um torneio de futebol entre a diretoria, sócios e ex-atletas, além de coquetel.
Em 1997 o Vênus começou a participar do Campeonato Paraense de Futebol Profissional e do campeonato Brasileiro, da 3ª divisão.
Formação acima de 1953 do Vênus:
Em Pé:
~~~~~~,~~~~~~, Eurico, ~~~~~~~. Alair (goleiro) e ~~~~~~
Sentados:
Cavalinho, Alcimar, Susete,~~~~, e Diquinho Bala 


Foto acima de uma antiga sede do Vênus, situada na Av. Pedro Rodrigues, onde
também esse clube de futebol desenvolveu grandes bailes, quermesses e festas
em Abaetetuba

Acima temos 3 jogadores do Vênus Campeão do ano de 1953:
Pelhanca, Bilico e Cavalinho

Formação: acima do Vênus:
Em pé:
Edmilson Bechir, Tucuxi, Dé, Zé Leitão, Dijó,Tiririca e Perácio (treinador)
Agachados:
~~~~~~~, André Pontes, Manoel do Jeep, Filinho, Afonso, ~~~~~~~,Fernandinho

Vênus
O Sr. Raimundo Cruz, o 'Cruzinho' chegou a ser dirigente do
Vênus, conforme foto abaixo.







O Sr. Sebastião Pinheiro Góes, o 'Goeszinho', que foi dono
de marcenaria, diretor da Coletaria Federal em Abaetetuba,
foi um dos antigos presidentes do Vênus, em um tempo de
muitas glórias para esse clube e da Seleção de Futebol de
Abaetetuba. Na foto abaixo aparece o Sr Goeszinho.




Formação acima:
Em Pé:
 , Rivair,
Agachados: ~~~~,Fernandinho, Filinho, Pipoca ,Olavo,~~~~~ ,Verediano


ALGUMAS FORMAÇÕES DO VÊNUS

Uma formação do Vênus em 1952/1953:
Barriga; Estanilo /Terçado e Pombo da Maroca Lima; Omar Felgueira, Eurico e Cataban; Sabá do cego, Biroba, Diquinho Bala, Alcimar e Cavalinho.
1955: Alair: ...e Aristides; Guino Eurico e Cataban; Sabá do cego, Biroba, Diquinho Bala, Alcimar e Cavalinho.
Formações do Vênus e do Brasil em um memorável clássico do futebol de Abaeté, disputado no dia 07/8/1960:
Vênus: Alair; Mafra e Aristides; Guino, Bicicleta e Rivair; Dodinha, Diquinho Bala, Bilico, Manoel e Miguel.
Brasil: Cangula; Bacu e Saúde; Sabá, Vicente e Gata; Cavalinho, Elídio, Piranha, Alcimar e Edir. Preparador físico do Brasil: Eurico.


Algumas formações do Vênus:

Uma formação do Vênus em 1952/1953:
Barriga; Estanilo/Terçado e Pombo da Maroca Lima; Omar Felgueira, Eurico e Cataban; Sabá do Cego, Biroba, Diquinho Bala, Alcimar e Cavalinho.
Outra formação de 1952/1953:
Alair; Mafra e Aristides; Cataban, Eurico e Veridiano; Sabá do Cego, Alcimar, Diquinho Bala, Cavalinho e Bilico.
1955:
Alair; Mafra e Aristides; Guino, Eurico e Cataban; Sabá do Cego, Biroba, Alcimar, Cavalinho, Diquinho Bala.
Formações do Vênus e do Brasil em um memorável clássico do futebol de Abaeté, disputado no dia 7/8/1960:
Vênus
Alair; Mafra e Aristides; Guino, Bicicleta e Rivair; Dodinha, Diquinho Bala, Bilico, Manoel e Miguel.
Brasil
Cangula; Bacu e Saúde; Sabá, Vicente e Gata; Cavalinho, Elídio, Piranha, Alcimar e Edir. Preparador físico do Brasil: Eurico.



Uma Formação do Novo Brasil:

Cangula; Bacu e Saúde; Sabá, Vicente e Gata; Cavalinho, Elídio, Piranha, Alcimar e Edir. Preparador físico do Brasil: Eurico.
Essa Formação do Brasil foi a que enfrentou o poderoso time do Vênus em um memorável clássico do futebol de Abaeté disputado no dia 7/8/1960.
A formação do Vênus que enfrentou o Brasil:
Alair; Mafra e Aristides; Guino, Bicicleta e Rivair; Dodinha, Diquinho Bala, Bilico, Manoel e Miguel. Vide nas postagens do time do Vênus. Identificação de alguns jogadores do Brasil:




ABAETÉ FUTEBOL CLUBE

Abaeté Futebol Clube
O Abaeté Futebol Club é o clube de futebol mais antigo de Abaetetuba em atividade,
pois foi fundado em 1935, ainda nos antigos tempos dos clubes Vera Cruz
Sport Club, Brasil e outros clubes antigos



Foto acima via Valter Lobato, filho do grande zagueiro Wilson (o mais alto da
fileira em pé)
Formação:
Em pé:
Odival,~~~~ , Zinho, Wilson,~~~~ e Chinesinho
Agachados:
Manoel do Jeep, Berrani, ~~~~ , Afonso e Viloca

Agachados:
Viloca, Berrani, Bilico, Afonso e Dodinha

Séde do Abaeté
A antiga séde do Abaeté, no tempo do presidente Humberto Parente, ficava em
um prédio anexo ao também antigo campo de futebol desse clube, na atual Trav. Luiz Varela,
canto com a atual Av. D. Pedro II. No andar térreo funcionavam algumas salas e outros
compartimentos, sendo que o antigo Bar Guará, do Sr. Ari Gomes, funcionava na frente,
à esquerda e com esse lado dando para a Av. D. Pedro II.

A foto acima faz parte do acervo fotográfico de Altemar Paes, que mostra
a penúltima sede do Abaeté, que funcionava nesse prédio anexo ao
antigo campo de futebol desse clube. No andar superior se desenrolavam festas,
bailes, quermesses e outras atividades que não o futebol.

Abaixo temos dois ex-jogadores, hoje aposentados do futebol de clubes. os
jogadores Messias Sena e Tonho Lopes. Foto via Roberto Osório

Abaixo três grandes craques que jogaram no Abaeté: Odival, Wilson e Rivair..
Odival Quaresma jogava como vigoroso zagueiro direito; Wilson jogava também
na zaga cental, com muita raça, um verdadeiro leão na defesa do Abaeté, devido
sua grande altura, onde bolas aéreas não passavam facilmente. E Rivair também
jogava na defesa, como jagueiro esquerdo, outra fera na defesa do Abaeté. Esses
grandes atletas também jogaram na Seleção de Futebol de Abaetetuba.

Abaixo temos o jogador Wilson, do Abaeté e o jagador Olavo, do Vênus, em
foto via Vater Lobato.
Eram amigos cordiais, mas em dia dos jogos desses times eram duas feras
em seus times. O clássico Vênus x Abaeté aconteceram até os anos de
1980, 1990, 2000 e. depois, não mais aconteceu devido ambos começarem
a participar do Campeonato Paraense de Futebol. O Vênus ainda disputa a
chamada 'Segundinha', que é a parte inicial do campeonato que envolve os
pequenos clubes da Capital e do interior do Pará. O Abaeté passa por um
momento de pausa no dito campeonato, mas esperamos que ele volte logo
para a disputa do Campeonato Paraense.


Acima temos a foto de 3 grandes jogadores de futebol: Afonso, Alair e
Wilson, que após encerrarem suas carreiras como jogadore, também
deram suas contribuições como bandeirinhas nos jogos.

Departamento Feminino do Abaeté
Abaixo temos a foto do Departamento Feminino do Abaeté, reorganizado
no tempo do antigo presidente Antonio Flavio Ribeiro, segundo os escritos da
foto mais abaixo.
Quando o futebol se iniciou em Abaeté, nos anos finais do Século 19, os antigos
clubes tinham o seu departamento feminino, inclusive temos documentos que
compravam a existência da chamada 'Liga de Torcedoras do Vera Cruz Sport Club.
O Abaeté, em 1949, mostra o Departamento Feminino do Abaeté Futebol Club, 
conforme pose abaixo e na gestão do seu antigo Presidente Antonio Flávio Ribeiro,
este também antigo jogador do 'Abaeté Football Club', quando os nomes dos
clubes eram influenciados pela língua inglesa, pois foi na Inglaterra que esse
esporte foi inventado

No verso da foto acima está escrito:
Departamento Feminino do Abaeté Futebol Clube
Reorganização na gestão do Presidente Antonio Flávio Ribeiro,
1949


Abaeté Futebol Clube, participando de um desfile do '7 de Setembro'
O "Dia da Pátria"


Abaixo temos uma formação do Abaeté com a presença do
Tenente Humberto Parente, Sidney Dias e o Dr. Lopes como
dirigentes do Abaeté

O presidente do Abaeté, Tenente Humberto Parente, além de comerciante
e industrial, também era político, conforme foto abaixo.

Outra foto abaixo com o Tenente Humberto e Vává, este filho
do Sr. Crizanto Lobato, de cuja famílias saíram muitos jogadores
de futebol em Abaetetuba.

Foto acima via Osvaldo Lobato, filho do zagueiro Wilson, que
brindou seus amigos com mais uma foto do tradicional Abaeté.
Formação:
Em pé:
Banana, Wilson, Alair (goleiro), Crizantinho (goleiro), Dijó, Perácio, Aristides, Tenente Humberto (presidente do Abaeté) e Vavá (diretor)



O Abaeté adotava a cores vermelha e branca e devido o
vermelho de seu uniforme ser a cor mais em evidência,
recebeu o codinome de 'Guará", no caso o Guará de
Abaetetuba. Esse tradicional clube de Abaetetuba jamais
deve desaparecer do cenário esportivo e social de Abaetetuba.
Formação acima:
De pé:
Nato, Repucha, Saúde, Zinho, Miriquinho, Crizantinho e o irmão do jogador
Zé Higino, na foto.
Agachados:
Zé Higino, Piranha, Vamilton, Vicente, Veras, Béti e Café

Formação abaixo:





ALGUMAS FORMAÇÕES DO ABAETÉ FUTEBOL CLUB

1952/1953:
Cametá; Antonio Sena e Mimi Grande (Abreu); ...; Luís lima, Mario Tabarana, Pusa, Sinésio e Tabajara.
Antonio Sena/Antonio dos Passos Sena.
Luis Lima, filho de Chico Lima.
Mario Tabaranã, sapateiro, c/residência à Trav. Pe. Lyuz Varella, perto do escritório da CELPA.
Tabajara/Tabajara Bello, filho de Samuel C. Bello.



ALGUMAS FORMAÇÕES DO ABAETÉ NOS ANOS DE 1940/1950/1960:

• Cametá; Antonio Sena e Suzete; Mimi Grande, Abreu e Banana; Luís Lima, Mario Tabarana, Pusa, Sinésio e Tabajara.
• Bebé; Perácio e Suzete; Toró, Wilson e Banana; Sinésio, Tatu, Mário Tabaranã, Viloca e Luís Lima.
Foto acima
Em Pé: Dé, Arminho, Bacu da Dedame, Saúde, Cebola, Batista da Dora e Alcimar.
Agachados: Gabiru, Café, Piranha, Chinesinho e Filinho.
Foto acima
Em pé: Manoel Ferreira, Alair, Perácio, Eurico, Josué, Veridiano e outro goleiro ou árbitro de futebol (desconhecido). Agachados: Toró, Calandrine, Luiz Lima, Afonso e Diquinho Bala.
Foto acima:
Em Pé: Perácio, Crizantinho, Mário Tabaranã, Toró, Banana e Zinho.
Agachados: Pedro Figueiredo, Berrane, Luiz Lima, Afonso e Viloca.



ALGUMAS FORMAÇÕES DO ABAETÉ FUTEBOL CLUB

1952/1953:
Cametá; Antonio Sena e Mimi Grande (Abreu); ...; Luís lima, Mario Tabarana, Pusa, Sinésio e Tabajara.
Antonio Sena/Antonio dos Passos Sena.
Luis Lima, filho de Chico Lima.
Mario Tabaranã, sapateiro, c/residência à Trav. Pe. Lyuz Varella, perto do escritório da CELPA.
Tabajara/Tabajara Bello, filho de Samuel C. Bello.


SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS

A Sociedade Esportiva Palmeiras, entidade esportiva que foi fundada em 26/7//1966.

A Sociedade esportiva Palmeiras foi fundada em 26/7/1966, pelo comerciante e desportista Alcimar Carneiro de Araujo e outros co-fundadores como Adonai Rocha, Coropó. O time de futebol foi formado partir de jovens talentos locais e após várias campanhas brilhantes somente em 1974 se tornou campeão de futebol de Abaeté e em 1975 foi bicampeão. O Palmeiras veio para quebrar uma hegemonia do Vênus, Abaeté e Tieté como campeões de futebol de Abaetetuba.
Uma Formação do Palmeiras, que para Alcimar Araújo foi o grande time do Palmeiras de 1972 e 1973 que não chegou a conquistar títulos e que tinha os craques de futebol:
Bacu; Guarasuco e Zé Maroca; Jango, Lúcio e Veridiano; Pedrão, Tonho Lopes, Nani, Rooselvet e Ítalo.
O time bicampeão do Palmeiras possuía o seguinte elenco:
Goleiros, Fernando Ribeiro, Ziza e Zé Maria, que se revezavam no gol; os laterais eram: Luluca, Baíco, Mendonça, Burunga e Arara; os atacantes eram: Amujacy, Fran Lopes, Sidoca, Cabá, Vaval, e ainda, Lula, Macaco e Orêncio.
Uma das formações do time bicampeão do Palmeiras:
• Fernando Ribeiro (Ziza); Zé Marocas e Baíco; Mendonça, Burunga e Arara; Amujacy, Fran Lopes, Sidoca, Cabá e Vaval. Jogavam também: Luluca, Lula, Macaco, Lúcio e Orêncio.
Para Alcimar Araújo o grande time do Palmeiras foi o de 1972 e 1973, que tinha os craques de futebol:
• Bacu; Guarasuco e Zé Maroca; Jango, Lúcio e Veridiano; Pedrão, Tonho Lopes, Nani, Rooselvet e Ítalo.
Ao ser fundado, lá pela década de 1960, esse clube se chamava
Sociedade Esportiva Palmeiras, como seu similar gigante de
São Paulo, Capital do Estado de São Paulo.
Mas já vimos fotos com outro nome.
A publicação das fotos abaixo chegou em nossas mãos através
do grande coletor de fotos antigas de Abaeté, o conhecido Tio Cabra,
e que mostra 3 momentos desse time: a 1ª foto nos mostra o Palmeiras
formado por jovens valores do clube, possivelmente o time B do Palmeiras.
A 2ª foto nos mostra outro grande time do Palmeiras, com craques que
formaram na Seleção de Futebol de Abaetetuba e a 3ª foto nos mostra o
Palmeiras com outra grande formação, tendo como dirigente, além do grande
jogador e, posteriormente, treinador Alcimar, os conhecidos Adonai (este irmão do autor
do Blog do Ademir Rocha), Olavo e e outros grandes craques de futebol.
Vide a 1ª formação abaixo ao lado da foto:
O Sr. Adonai Rocha, Alcimar Carneiro de Araujo e Olavo Sena,
aparecem como dirigentes do Palmeiras na foto abaixo.

Formação acima ao lado da foto e abaixo:
Em pé:
Adonai (diretor), Olavo (diretor), Luluca, Baíco, Fernandão (goleiro), Mendonça, Fran Lopes
Burunga e Alcimar (treinador)
Agachados:
Sidoca, Cabá, Amujaci (Muja), Arara, Lúcio e Quito


O Sr. Adonai Rocha e Coropó, este irmão de Alcimar, aparecem
na formação acima do Palmeiras em 1983.
Formação:
Em pé:
Adonai (diretor), Vadico (treinador), Bitita, Arara, Baíco, Rafael, Joãozinho, Orêncio, Carlos, Valdo e Coropó (diretor))
Agachados:
Marupá, Amiraldo, Zemaria (Zema), Fran Lopes, Bode, Airton, Muja e Tatu


Formação acima:
Em pé:
Arara, Theca, Branco Melo, Butisca, Tatá e Genésio
Agachados:
Tonico, Larasuco, Tonho Lopes, Haroldo, Biliquinho e Joãozinho (João Silva)



Formação acima:
Em pé:
Amoroso, Arara, Petrides, Jandir, Zemaria (goleiro) e Odir
Agachados:
Mundinho, Tonho Lopes, Cabono, Fran Lopes e Lúcio


 Formação acima:
De pé:
Fred, Jorge (goleiro), Édson, Alcimar, Tota, Cloter e Diquinho Bala (treinador).
Agachados:
Joãozinho, Viloca, Augusto Lopes, Olavo, Célio Paes e Mário Tabaranã.

Abaixo temos uma escalação do time do Plameiras:
Uma formação do Palmeiras abaixo:

Formação correta abaixo:
Em pé:
Adonai (diretor), Baixote, Alair (goleiro), Fredilton, Édson, Cláudio Sereni,
Tota, Branco Melo e Alcimar (treinador)
Agachados: 
Pombo, Lúcio Lima, Vilobaldo, Haroldo, Joãozinho (João Silva) e Célio Paes

Uma formação do grande e bicampeão (1972 e1973) time
do Palmeiras, acima:
Em pé:Verediano, Alcimar (treinador), Pedrão, Bacu, Jango,
Guarasuco e Zé Maroca
Agachados: Haroldo (filho do popular Soí), Rosevelt, Nani, Lúcio e Santana (Célio Santana)

VASCO DA GAMA
O Clube Vasco da Gama foi criado no início da década de 1950 e, além
das glórias no futebol, se destacou também nas festas, bailes, quermesses e desfiles do '7 de Setembro'

Vasco da Gama, foi fundado em 15/5/1951 com o nome de Bangu, depois passou para Vasco da Gama Juvenil Club e posteriormente foi chamado de Vasco da Gama Sport Club, com sede social na Rua Silva Jardim, nº 1483 e sede recreativa na Rua 15 de agosto, nº 161 e campo de futebol à R. 1º de maio. A antiga Rua Silva Jardim hoje é a Travessa Padre Luiz Varela e suas cores eram o preto e branco, com faixa transversal na frente, como a camisa do Vasco da Gama do Rio de Janeiro. O Vasco da Gama, apesar dos grandes times que formava não chegou a ser campeão em Abaeté.

Em 1953 o presidente do Vasco da Gama era Raimundo de Araujo Quaresma e quem organizava a parte social do Vasco da Gama era o popular Bandute Sena/Benedito Sena dos Passos. O Vasco da Gama já é um clube extinto hà muitos anos, porém deixou seu nome na história pelas festas sociais e de carnaval que promovia e pelo grande elenco de futebol que disputava o campeonato abaetetubense nos anos de 1950 e onde despontaram vários craques de futebol e muitos dos quais figuraram na seleção de futebol de Abaetetuba.
• Benedito Sena dos Passos/Bandute Sena, origem na localidade Rio Acaraqui, antigo jogador de futebol nos anos de 1940/1950, folclorista, carnavalesco que organizava festas de carnaval e blocos de salão na antiga sede do clube Vasco da Gama nos anos de 1950, desportista diretor do Vasco da Gama, fundador do Sonoros Capacabana (hoje Empresa Copacabana), político sendo vereador nos governos dos prefeitos: Pedro Pinheiro Paes (1948-1951), Joaquim Mendes Contente (1951-1955), Pedro Pinheiro Paes e seu substituto Dionísio Edmilson Lobato (1955-1959), João Luiz dos Reis (1959-1963), e com nome de rua em Abaetetuba e quem organizava a parte juvenil do Vasco da Gama Juvenil Club era Bandute Sena.
ALGUMAS FORMAÇÕES DO VASCO DA GAMA:
Formação de 26/2/1953: Pedro Poty; Biroba e Davi: Bendelac I, Eurico e Manoel (Zilo); Cravo, Afonso, Sandoval, Acapu e Diquinho Bala.
Pedro; Costinha e Davi (Bilico); Mariscal, Cleto e Eurico; Sandoval (Sabito), Afonso, Maguari, Diquinho Bala e Meia Noite.
Pedro Poty; Nita e Davi; Ferreira, Suzete e Jango; Cravo, Afonso, Sabito, Sandoval e Cornélio.
Uma formação de 1952/1953: Pedro Poty; Nita e Davi Abreu; Milico, Cleto e Acapu; Cravo, Afonso, Sabito, Sandoval e Luís Olegário.
Pedro Poty; Davi e Nita; Veridiano, Otério e Marico; Afonso, Cravo, Sandoval, Sabito e Cornélio. Uma formação de 1955: Pedro Poti; Manoel e Odival; Veridiano, Cravo e Afonso; Pacheiro, Sabito, Sandoval, Luis Olegário e Cornélio.
Pedro Poti; Davi e Nita (ou Papagaio); Marico, Veridiano e Otero; Afonso, Cravo, Sandoval Rodrigues, Sabito e Cornélio.

Uma desgastada foto de um grupo de jogadores e dirigentes
do clube Vasco da Gama de Abaetetuba

A foto acima foi tirada no antigo campo de futebol do Abaeté. 
situado na Trav. Luiz Varela, canto com a Av. D. Pedro II.
A identificação foi feita a partir das casas do Sr. Crispim Ferreira
e D. Anita Calliari
Formação:
Em pé: Zé Bossó, Cavalinho, ~~~~~~ Nita e
Agachados: , Afonso, Cravo, ~~~~~~~e João Bunda
Abaixo, a mesma foto


Os grandes nomes do futebol antigo de Abaetetuba passaram
pelo Vasco da Gama, como na foto abaixo, duas versões:



Formação do Vasco, acima:
Em pé:
Dijó, Verediano, ~~~~, Pedro Poty (goleiro), Manoel Ferreira e Nita,
Agachados:
Cravo, Afonso, Sabito, Sandoval do Maxico, ~~~~~, e
~~~~~

Abaixo, Francisco Cruz, antigo industrial que comprou a Serraria Veneza
Paraense, foi um dos antigos presidentes do Vasco da Gama, que
aparece na foto abaixo.


Formação acima:
Francisco Cruz (diretor), Natálio, ~~~~, ~~~~, ~~~~, Verdiano e
~~~~~~~~~~
Agachados:
Zeca, Mimim Abreu, ~~~~~, ~~~~, ~~~~~ e Nita

O Vasco da Gama nos Desfiles de '7 de Setembro', o 'Dia da Pátria'
O Vasco da Gama foi o clube que mais se destacou nos desfiles da Patria,
festejádo em '7 de Setembro'
Abaixo o Vasco no desfile da Pátria de 15/09/1954
Clique na foto e, após, no link que aparece abaixo
  para ampliar a imagem



ASSOCIAÇÃO BENEFICIENTE ESPORTIVA TIETÊ

• O Tietê Esporte Club é uma entidade esportiva que foi fundada em 28/10/1962 e com sede na atual Rua Lauro Sodré nº 1920 e suas cores eram vermelho e branco e camisa como a do Flamengo do Rio de Janeiro e teve os seus antigos presidentes e entre estes o Sr. Cornélio de Almeida Silveira e este obteve a concessão de terreno com limites pela frente com a Travessa Pinto Marques e fundos com a Rua Floriano Peixoto, dado por aforamento em documento de 13/11/1954, terreno com 100 x 60m e que serve de campo de treinamento de futebol para o time do Tietê.

O Tietê ainda existe nos dias de hoje e sua sede continua no mesmo endereço, agora em alvenaria. O campo de futebol do Tietê se localiza na Travessa Pinto Martins, bairro de São João.
O Campo de futebol do Tietê Esporte Club se localizava na Travessa Pinto Martins”.





CLUBES MAIS ANTIGOS
o Futebol








FUTEBOL EM ABAETETUBA APÓS A DÉCADA DE 1990
O futebol de Abaetetuba, após os anos dourados do futebol das décadas
de 1950, 1960, 1970, 1980 e 1990, veio caindo de produção, em qualidade
de times e grandes jogadores. Mesmo assim o futebol continuou sendo
praticado e com a fundação de novos clubes, que assim que apareciam,
desapareciam, como por encanto. Servem como exemplo os clubes: ARA,
FRANCILÂNDIA, JAIRLÂNDIA, UTL, ALGODOAL, BOSQUE,
CASTANHEIRA e outros, sendo que alguns formaram bons times e
até foram campeões de futebol em Abaetetuba. Vamos tentar recolher
informações desses clubes e dos atuais clubes que disputam a 1ª
Divisão do Futebol, e outras divisões, em Abaetetuba.

JOGADOR SIDOCA
Agradecemos ao ex-jogador Sidoca que prestou grandes informações sobre
sua vida e sobre os diversos clubes em que jogou futebol. Lembramos dele,
quando jogou no Palmeiras, Tietê e outros times. A seguir publicamos suas
valiosas informações sobre o futebol e fotos de alguns times, que publicamos
nesta postagem.
SIDOCA E SEUS CLUBES DE FUTEBOL
ALGODOAL
Formação do time campeão de Futebol em Abaetetuba:
Em pé:
Mongo (goleiro)Joao (zagueiro), Ieca, Reinaldo, Espeto, Xandanga, Gel, Brito e Pio
Agora agachados:
Negão, Bulacha, Pedrinho, Ingino, Bosco, Sidoca, Garoto e João




Abaixo o jogador de futebol Sidoca, com a faixa de campeão
pelo clube Algodoal
Abaixo o ex-jogador de futebol Sidoca, hoje morando em
Curuçá/PA
Abaixo o jogador Sidoca, formando no clube Tietê, junto a
outros dois jogadores do mesmo time

Na foto abaixo: Sabão e Sidoca no clube Tietê nos anos de 1980

Em 02/11/2016 19:09, escreveu:
Sou Sidoca que jogava nos anos 1980 e queria ver meu nome na historia.
O time bicampeão do Palmeiras possuía o seguinte elenco:
Goleiros, Fernando Ribeiro, Ziza e Zé Maria, que se revezavam no gol; os laterais eram: Luluca, Baíco, Mendonça, Burunga e Arara; os atacantes eram: Amujacy, Fran Lopes, Siloca, Cabá, Vaval, e ainda, Lula, Macaco e Orêncio

ALGODOAL
Em 02/11/2016 19:24, escreveu:
Abaixo vai em ordem os nomes dos jogadores do Algodoal campeão nesse ano.

Em pé:
Mongo, goleiro
Joao, zagueiro
Ieca
Reinaldo
Espeto
Xandanga
Gel
Brito
Pio

Agora agachados
Negão
Bulacha
Pedrinho
Ingino
Bosco
Sidoca
Garoto
João
Joguei futebol dos 26 até os 40 anos.
Nesse período residia no bairro do Algodoal, na Rua Veiga Cabral, em Abaetetuba.
Hoje, já com 61 anos (nascido em 1955), resido em Curuçá-PA e sou casado com Ana Lúcia com tive 3 filhos: Liliane Altorbelly e Alcides Júnior, este o que mais puxou o futebol do pai. Além dos filhos com Ana Lúcia tive, de casamentos anteriores, mais 6 filhos: Welhington Cley, e Lira, e com outra: Robson, Rosemary, Rosângela e Rosely,  dos quais tenho muito orgulho e vivo até os dias de hoje muito grato por tudo que conquistei, feliz ao lado dos filhos e netos.
Em 02/11/2016 19:05, escreveu:
Titulos:
Sidoca foi campeão pelo Palmeiras/Tietê/Algodoal/Castanheira/Bosque. do Peladâo e Seleçâo de Futebol de Abaetetuba.

Nome: ALCIDES LIMA FILHO (o Sidoca),  filho do (Soí) irmão do Haroldo
Times do Palmeiras, tendo na formação o jogador Haroldo, irmão do Sidoca.

Formação acima:
Em pé:
Arara, Theca, Branco Melo, Butisca, Tatá e Genésio
Agachados:
Tonico, Larasuco, Tonho Lopes, Haroldo, Biliquinho e Joãozinho (João Silva)
O irmão do Sidoca, Haroldo, formando no time do Palmeiras, acima.

O jogador Sicoca na foto abaixo do Palmeiras.

Formação acima ao lado da foto e abaixo:
Em pé:
Adonai (diretor), Olavo (diretor), Luluca, Baíco, Fernandão (goleiro), Mendonça, Fran Lopes
Burunga e Alcimar (treinador)
Agachados:
Sidoca, Cabá, Amujaci (Muja), Arara, Lúcio e Quito
 
Formação correta abaixo:
Em pé:
Adonai (diretor), Baixote, Alair (goleiro), Fredilton, Édson, Cláudio Sereni,
Tota, Branco Melo e Alcimar (treinador)
Agachados: 
Pombo, Lúcio Lima, Vilobaldo, Haroldo, Joãozinho (João Silva) e Célio Paes


Formação acima:
Em pé:
Adonai (diretor), Olavo (diretor), Luluca, Baíco, Fernandão (goleiro), Mendonça, Fran Lopes
Burunga e Alcimar (treinador)
Agachados:
Sidoca, Cabá, Amujaci (Muja), Arara, Lúcio e Quito

Clubes em que Sidoca Jogou:
PALMEIRAS
TIETÊ
ALGODOAL
CASTANHEIRA
ABAETÉ
BOSQUE
E SELEÇÃO DE FUTEBOL DE ABAETETUBA

Em 29/10/2016 22:32, "Heloisa Pinheiro Da rocha" escreveu:
Ok, estarei arrumando de forma organizada e logo te enviarei.

WANDER GOMES E SEUS CLUBES
Wander Gomes, escreve seus times onde jogou futebol:
Meu amigo Ademir Rocha,o trabalho que você faz é excelente, resgatando a memória do futebol Abaetetubense. Passei horas lendo e relendo. Como é bom voltar ao passado. A maioria desses jogadores fez parte do meu passado: Baíco, Luluca, Burunga, Mendonça, Turuca, Sidoca...ETC. Ainda cheguei a jogar no Abaeté, com Sidoca, Bombeiro, Fortunato, Bernardo, Cavalinho, Cuia, Chandanga,etc. Meu último jogo pelo Abaeté foi contra o ARA do DER, vencemos de 3x1. Ao lê sua reportagem fui lembrando do meu passado e escrevendo, me senti muito feliz, obrigado !
Jogadores citados pelo Wander Gomes:
 Wander Gomes
Baíco
Luluca
Burunga
Mendonça
Turuca
Sidoca
Wander jogou no Abaeté, juntamente com os jogadores:
Sidoca
Bombeiro
Fortunato
Bernardo
Cavalinho
Cuia
Chandanga
Times onde Wander Gomes Jogou:
PALMEIRAS
ABAETÉ
ARA, do DER
 Quem tiver informações desses e outros clubes e jogadores, estamos aqui na disposição
de publicar esse grande aspecto da vida de Abaetetuba, que foi e continua sendo, o Futebol. Abs.
Postagem em construção 

Identificação de Jogadores, Dirigentes, Técnicos e Auxiliares nos Clubes de Futebol de Abaetetuba


1955
Em pé:

Perácio, Alair, Verediano, Eurico, Bilico e Susete
Agachados: Cravo, Sandoval Rodrigues, Diquinho Bala, Afonso e
Luiz Lima
Abaixo temos a Seleção de Futebol de Abaetetuba, ano 1957
Formação em 1957:
Em pé:
Heitor Maués (diretor), Dr. Almiri (diretor), Edir Paes (diretor) , Perácio, Crizantinho, Aristides, Dijó, Verediano, Rivair e Felício Pontes (diretor)
Agachados:
Miguel do Domiciano, Diquinho Bala, Bilico, Afonso e Luiz Lima
Acima temos a foto da Seleção de Futebol de Abaetetuba, via Roberto Osório
Formação:
Em pé:
Zemaria, Nato, Crizantinho, Tota, Curé e Valmiton
Agachados:
Mundinho, Vicente, Tonho Lopes, Zé Higino e Piranha

Abaixo temos a Seleção de Futebol de Abaetetuba, já em traje civil,
que foi a seleção campeã nesse ano, tendo como dirigente o Sr.
Everaldo dos Santos Araújo e outros a identificar.
Jogadores:
Em pé: Everaldo Araújo, ~~~~~~, ~~~~~~~~~, Alair (goleiro), ~~~~,
Bilico, ~~~~~~.~~~~~~~~~e ~~~~~~~~~~
Agachados:
Luiz Lima, Cravo, Diquinho Bala, Afonso e ~~~~~~

IDENTIFICAÇÃO DOS JOGADORES E DIRIGENTES DO FUTEBOL DE ABAETETUBA
• Cametá,
• Antonio Sena, era irmão do Bandute Sena/Benedito Sena dos Passos.
. Susete e Biroba eram irmãos e chegaram à Abaeté vindos da cidade de Vigia/Pa, por volta de 1953. Abaeté os atraíra devido a fama de melhor futebol do interior do Pará e eles só sabiam jogar bola. Suzete impressionava a todos pela técnica apurada, reflexo e recursos variados nas jogadas. Foi modelo para muitos zagueiros que o sucederam, jogando no Abaeté e Vênus. Biroba, seu irmão, era desdentado, alegre, sorridente e quando sorria parecia uma janela. Jogou no Vênus como atacante e era um matador clássico e jogava um futebol que a todos impressionava pela habilidade com a bola nos pés. Suzete e Biroba ao encerrarem as suas carreiras foram embora para Macapá, onde vieram a falecer. Mas deixaram seus nomes inscritos no futebol de Abaeté.
• Mimingrande, Mimi, era o filho do Mestre Abreu e irmão do Miminzinho.
• Abreu,
• Banana, filho do conhecido e popular Guilherme Medeiros e Maria, este citado em 1930, amável comerciante com famoso botequim na Ponte Grande em Abaeté nos anos de 1940/1950 e Banana é irmão dos conhecidos Birá, Pedro Poty (este grande goleiro de futebol em Abaeté), Pindubussu, Parajara (este também jogou futebol). Banana era um jogador alto e foi um bom zagueiro na defesa do Abaeté e ainda é mestre ferreiro e mecânico e casado.
• Luiz Lima, filho do também jogador de futebol Chico Lima, este tendo outros filhos que brilharam como jogadores de futebol: Diquinho Bala e Sandoval Lima. Luiz Lima jogava uma boa bola e era rápido e de dribles desconcertantes, c/c Teca Solano e com filhos.
• Mário Tabaranã/Mário Fernandes Lopes, filho de Hygino Tabaranã, que tem inúmeros irmãos e parentes espalhados pelo Pará e que tem atualmente (4/2011) 84 anos de idade e Mário é mestre dos calçados, aluno de Carlito Loureiro, e trabalha até os dias atuais nessa profissão (3/2011), foi jogador e ferrenho torcedor do Abaeté nos anos de 1950/1960/1970, que por seu temperamento irrascível recebeu os apelidos de “Orelha”, “Bafento” e como jogador joagava em várias posições e especialmente na ponta esquerda, era velocíssimo, arisco e carniceiro, pois dividia todas as jogadas e fazia uma dupla de atacantes infernal com seu companheiro Luís Lima e chegou a jogar na seleção de futebol. Tinha categoria e habilidade no trato com a bola e melhorava mais ainda quando chovia, conduzindo a bola com perfeição e jogou por 18 anos no Abaeté, clube de seu coração. Foi contatado em 4/1995 e deu seu depoimento sobre o antigo futebol de Abaeté. C/c Dejá, esta filha de Vicente Gama da Silva e tem filhos: Marina, Mariana e outros. Segundo Mário Tabaranã, os grandes adversários do Abaeté foram os clubes: Brasil, Vênus e Vasco da Gama em memoráveis clássicos de futebol.
• Pusa
• Sinésio
• Tabajara/Tabajara Bello, filho de Samuel Bello e irmão do jogador Samuquinha. Tabajara jogava como volante e era poeta.
• Bebé
• Perácio/Edilson da Silva Lobato, filho de Crizanto Lobato, pertence a uma família, incluindo seu parente Bebé do Preto, de bons jogadores de futebol até a 3ª geração como seu filho Baíco, família também de grandes mestres ferreiros, serralheiros, fundidores e mecânicos. Foi vereador na 2ª Gestão do prefeito Hildo Tavares Carvalho (1973-1977). Se caracteriza na vida pessoal por ser uma figura alegre e bonachã. São seus irmãos jogadores de futebol: Vavá (este falecido em desastre de moto na antiga Rua do Arame, atual Rua 7 de Setembro), Toró, Crizantinho, Tatu, Rui, Evandro, filhos e primos, que grandes glórias proporcionaram aos seus clubes e à Seleção de Futebol de Abaetetuba. Como jogador de futebol, Perácio , era um zagueiro central vigoroso e também era uma muralha, que junto com Aristides Sobrinho formavam uma grande dupla de zagueiros na Seleção de Abaetetuba, porém quando furavam os chutes os adversários dos bons times de Bragança, Capanema, Castanhal, Monte Monte Alegre e outras seleções que não perdoavam esses erros e quando aconteciam as poucas derrotas da Seleção de Futebol de Abaetetuba que foi 11 vezes campeã de futebol do interior do Pará, contando com jogadores dessa tradicional família de Abaetetuba. Perácio e seus irmãos jogadores de futebol, devido influência de seu saudoso pai Crizanto Lobato, ferrenho torcedor do Abaeté (deve ter sido também seu jogador) jogaram inicialmente no Abaeté Futebol Clube. Porém Perácio, como bom desportista, também jogou e trabalhou como técnico de futebol em outros clubes, inclusive no grande time do Vênus Atlético Club. • Toró/Arlindo Lobato Neto/Toró, filho do Mestre Crizanto Lobato, irmão do jogador Perácio (vide Perácio acima), pertence a uma família de futebolistas, é mestre ferreiro e foi jogador de futebol do Abaeté Futebol Club e da Seleção Abaetetubense nos anos de 1950/1960, tinha um bom domínio de bola, passes certeiros e dribles curtos e desconcertantes, é casado e com filhos. • Wilson/Conterrâneo, era cearense, forte e alto e chegou à Abaeté por volta de 1955 e foi convidado pelo Mestre Crizanto Lobato para trabalhar em sua oficina mecânica e, posteriormente, casou com filha de criação do Mestre Crizanto e como jogador de futebol não era muito técnico, porém era um vigoroso e sério zagueiro, um verdadeiro cão de guarda na defesa do Abaeté e da seleção de futebol onde se tornou várias vezes campeão Jamais se valeu da força e do tamanho para fazer jogadas desleais com seus colegas adversários. • Tatu, Tatu/ é irmão de Vavá, Perácio, Toró, Crizantinho, Rui, Evandro que também eram jogadores de futebol e moravam no antigo bairro do Cafezal, filhos de Crizanto Lobato/Mestre Crizanto, que possuía uma grande oficina de serralharia, fundição, mecânica na Rua Siqueira Mendes no bairro de São José e onde trabalhavam a maioria de seus filhos, genros e muitas outras pessoas. Tatu, rompedor de áreas, como seus irmãos era vigoroso jogador, incansável em campo. Tatu atualmente mora e trabalha em Macapá/Ap.
• Viloca/Vilobaldo Lobato Dias, filho de Sara Lobato e Claudomiro Dias, irmão do famoso Mestre Gildo, este mecânico e Zezé Lobato, este marceneiro e dono da Oficina de Marcenaria São José e Viloca era rápido com a bola nos pés ejogou futebol no Abaeté nos anos de 1950, no Vênus nos anos de1960 e no Palmeiras nos anos finais do 1960, era representante comercial, c/c Maria Helena Gonçalves e com filhos/Badu e outros.
• Dé, é o saudoso Manoel Maria Cardoso de Castro/Mestre Dé, filho de Euzébio de Castro e Dina Cardoso, já falecido, irmão dos jogadores Afonso, Laburina, Dijó e Ari Cardoso de Castro, foi concluinte da 1ª turma de Humanistas do Ginásio Bernardino Pereira de Barros (1965), mecânico de bicicletas em Abaetetuba, vereador na gestão do prefeito João Alberto da Silva Bitencourt (1983-1988), famoso e popular jogador de futebol nos anos de 1960/1970 do Abaeté, Vênus, outros clubes e seleção de futebol, que depois de parar com a vida de jogador tornou-se desportista incansável pelo futebol de sua terra em defesa do Vênus e de outros clubes e da Seleção de Futebol, um dos poucos torcedores da Tuna Luso que quando ganhava um título o Mestre Dé fazia churrasco de carne de carneiro, casado com filhos. Vide família de Dé em família Cardoso de Castro.
• Arminho, é irmão do também jogador Nita que jogou no Vasco da Gama e de Gatinho, Oscarino e Osmarina dos Santos, parente do Mestre Roldão/Raimundo Rodrigues Mendonça fundador do boi Pai do Campo dos anos de 1940/1950/1960. Arminho e seus irmãos tinham olhos claros e ele como jogador de futebol era muito rápido e driblador.
• Bacu da Dedame/Adilson Negrão Leite, filho de Manoel Leite e Dedame da Silva Negrão, que na juventude, apesar de corpulento, foi um ágil e elástico goleiro do Abaeté, do Pameiras e da seleção de futebol nos anos de 1970 e que foi trabalhar para Manaus/Am e lá faleceu.
• Saúde, irmão do jogador Piranha, é alto, forte, vigoroso e saudável jogador de futebol na zaga central do Brasil nos anos de 1950, do Vênus, do Abaeté e da seleção de futebol de Abaetetuba nos anos de 1960/1970 e que por sua boa altura em dias inspirados não permitia jogo aéreo na zaga de seus times.
• Cebola, jogava um bom futebol ao ponto de levá-lo a figurar no time do Abaeté.
• Batista da Dora/João Batista de Moraes, foi criado pela cozinheira Dora, antigo jogador de futebol do Abaeté e outros clubes nos anos de 1970/1980, comentarista de futebol, professor, casado com Graça Lima e com filhos.
• Alcimar Carneiro de Araújo, filho de Stoesel Orlando Lima de Araujo/Bacuritita que jogou futebol no antigo time do Abaeté e Andrelina Carneiro, nasceu em 19/12/1935, sapateiro e comerciante de calçados, foi jogador de futebol do Brasil, Vênus, técnico de futebol do Abaeté, Palmeiras, outros clubes e da seleção de futebol, desportista e foi comentarista e articulista esportivo na imprensa falada e escrita e também é cantor de músicas românticas, onde chegou a gravar CDs e em 26/7/1966 Alcimar e algumas outras pessoas fundaram A Sociedade Esportiva Palmeiras, clube que chegou a quebrar a hegemonia do Vênus, do Abaeté e do Tietê com a conquista de dois títulos de futebol nos anos de 1960, c/c Ana de Figueiredo Cardoso e com 7 filhos: Alderi Orlando, Alcimar Amujaci/Muja, Aderildo Raimundo/Dedeco, Alciana Dolores, Amiraldo de Jesus e Andrelino Valdeci Cardoso de Araújo.
• Gabiru/Raimundo Alírio Silva Santos, falecido em 3/3/2011, filho do fotógrafo Dico Cururu, bancário no BASA chegando ao posto de gerente da UNICRÉVEA-Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Banco da Amazônia, era um veloz ponta direita do Abaeté e da seleção de futebol, era casado com Maria de Jesus Dias e com filhos: Pablo Fabrício e Jesáli Maria e com neta Ana Luísa.
• Café/ Café Margalho, filho da famosa parteira de Abaeté, Zita Margalho, que trabalhou nessa função por mais de 35 anos “aparando” milhares de abaetetubenses que vieram ao mundo através de suas abençoadas mãos, pois naqueles tempos a cidade de Abaeté carecia de água encanada, luz elétrica e a falta de serviços de saúde e saneamento na cidade, atualmente em 2011 já esta com 70 anos de idade e é muito conversista e guardião de grande parte da memória do futebol de Abaetetuba, dos antigos cordões de pássaros e de bois e da genealogia da cidade e é um verdadeiro depositário dessas memórias, trabalhou como aorediz de marcenaria na oficina do Apolônio Araujo e é um antigo mestre pedreiros dos bons, entendendo também de muitos outros aspectos da construção de casas e de outros serviços de pedreiro e marcenaria, junto com alguns de seus filhos, c/c Socorro e teve 8 filhos. Ele é irmão do saudoso Miguel e do Bito, antigos moradores da Rua Magno de Araujo, em frente à Escola Bernardino. Suas irmãs: Ana, casada com o jogador de futebol Milico e Tereza, casada com o alegre Filoca Ribeiro. Como jogador de futebol em sua juventude despontou para o futebol, como revelação, no jogo de Vênus 3 x 1 Tuna (vide postagens anteriores sobre Memórias do Futebol), e jogou em outros clubes de Abaeté, tendo baixa estatura, porém era rapidíssimo com a bola nos pés em direção ao gol adversário.
• Piranha/Humberto Maciel, é irmão dos bons jogadores Vicente, Vamilton e Nato, e Piranha era um pouco mais baixo que seus irmãos e jogou futebol como veloz ponta direita do Brasil, do Abaeté, outros clubes e da seleção de futebol nos anos de 1960/1970, tendo dado muitas glórias ao Abaeté com seus passes e gols e deu o nome para a quadra de esportes desse clube.
• Chinesinho, veio da localidade Jarumã para Abaeté para trabalhar como mestre barbeiro e como veloz jogador do Abaeté e que muitas alegrias deu aos torcedores desse clube e é casado e com filhos.
• Filinho/Benedito Góes Teixeira, irmão do jogador Verediano, foi jogador de futebol do Vasco, Abaeté e Vênus nos anos de 1960/1970 e também atuou na seleção de futebol, tinha um potente chute e é casado e com filhos: Meire e outros. É irmão do grande jogador Verediano e do Zé Bossó, este trabalha e mora em Manaus/Am. Filinho, grande e alegre figura e rápido e bom jogador de futebol de Abaeté.
• Crizantinho/Crizanto Lobato Filho, filho de Crizanto Lobato, mestre ferreiro e serralheiro, iniciou jogando como zaqueiro e posteriormente, quando o Abaeté precisou de um goleiro, Crizantinho se apresentou e se tornou o grande goleiro do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaetetuba nos anos de 1950/1960, goleiro seguro que dava muita confiança ao time porque jogava sempre com muito amor e seriedade e fazia defesas incríveis, devido sua grande elasticidade e agilidade de felino. Metia o pé, o peito, o rosto e tudo fazia para não deixar cair sua cidadela e rivalizava com o outro grande goleiro, o Alair Melo. Crizantinho, foi vereador nas gestões dos prefeitos: Hildo Tavares Carvalho (1973-1977), Ronald Reis Ferreira (1977-1982), c/c Rosa Costa e com filhos.
• Zinho, vigoroso jogador da defesa do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaetetuba que se caracterizava pela raça em campo e é casado com filha de Aldemos Batista Maués e com filhos.
• Pedro Figueiredo/Pedro Negrão Figueiredo, filho de Marcelino Figueiredo e Anna Rita Negrão, irmão dos conhecidos Raimundo Figueiredo e Mestre Bideca, comerciante, casou e com filhos: Raquel, Angélica e Pedro Ribera Figueiredo/Pedrinho. Como futebolista Pedro Figueiredo jogava um razoável futebol como ponta direita do Abaeté.
• Berrane, filho do Sotero, este administrava a vacaria do Sr. Joaquim Mendes Contente, onde hoje está assentado o Clube Bancrévea ou Secretaria de Educação de Abaetetuba e Berrane também era um veloz atacante, rompedor de defesas, que deu muitas glórias ao Abaeté.
• Afonso/Afonso Cardoso de Castro, filho de Euzébio de Castro e Dina Cardoso, funcionário aposentado dos Correios, era de uma família de grandes futebolistas, iniciou sua trajetória no futebol aios 13 anos e iniciou no Clube da Saúde da Fundação SESP organizado pelo Dr. Abílio (esse time se tornou a base do Vasco da Gama recém fundado) e jogou no Abaeté onde foi campeão em 1956 e 1963, no Vasco da Gama, no Vênus onde foi campeão em 1964, 1965, 1966, 1967, 1968 e 1969, na seleção de futebol onde foi campeão em 1955, 1958, 1961 e 1962 e jogou no Payssandu de Belém/Pa convidado que foi pelo grande jogador Guimarães jogando parte do ano de 1955 quando volta para Abaeté para depois retornar por pouco tempo para as fileiras do Payssandu e jogou também no Clube do Remo da Capital convidado que foi pelo grande goleiro Júlio Véliz tendo jogado os anos de 1957 e 1958 e na seleção de futebol onde foi campeão em 1955, 1958, 1961 e 1962, sendo um dos melhores jogadores de futebol de Abaetetuba de todos os tempos junto com um punhado de outros bons jogadore e era um craque, um mestre com a bola nos pés, jogador estilista e passes milimétricos que redundavam quase sempre em gols nos pés dos atacantes de seus clubes e Afonso jogou futebol durante 28 anos tendo encerrado sua carreira aos 43 anos no Vênus. Afonso jogava na função de meia-esquerda e nunca foi expulso de campo e nunca jogou no time reserva e depois de aposentado como jogador trabalhou como juiz de futebol e na vida civil trabalhou na Agência dos Correios e na Prefeitura de Abaetetuba onde se aposentou. Afonso casou com Cecé Silva Santos e tiveram filhos: Paulo Afonso Santos de Castro e outros. Afonso era irmão dos grandes jogadores: Ari, Dijó, Laburina e Dé que foram também grandes jogadores de futebol.
• Manoel Ferreira, é irmão de Davi e Sidney e Manoel Ferreira é antigo jogador de futebol que jogava de zagueiro do Abaeté, Vasco da Gama e Vênus nos anos de 1950/1960.
• Alair/Alair M. Melo, filho de Laurita Melo, esta irmã de Lalá e Luama, e o saudoso Alair nasceu em 8/2/1934 e faleceu em 8/8/1980, e ele foi um dos melhores goleiros que já apareceu em Abaetetuba que fazia defesas acrobáticas e de muita elasticidade e que revezava com o outro grande goleiro Crizantinho na meta da Seleção de Futebol de Abaetetuba. Alair jogou no Abaeté e no Vênus nos anos de 1950 e nos mesmos clubes nos anos posteriores e também jogou pela seleção de futebol, tendo jogado até os anos de 1970. Em uma das fotos do Vênus aparece como goleiro do grande time do Vênus de 1953, time que foi várias vezes campeão do futebol de Abaetetuba e que rivalizava com o outro grande time do Abaeté Futebol Clube na conquista de títulos de campeões de futebol. Depois de aposentado do futebol Alair trabalhou como juiz e bandeirinha de futebol.
• Eurico/Eurico Damião de Carvalho, era mestre pedreiro e residia na Av. D. Pedro II, às proximidades da casa de Chrispim Ferreira, um moreno alto, verdadeiro maestro no meio campo ou como centro médio, elegante ao jogar e de cabeça erguida e jogava sorrindo como se a bola fosse brinquedo, jogava um futebol clássico, de fintas rápidas e passes precisos e que se adaptava em qualquer posição e jogava principalmente de centroavante, tendo mudado para a posição de meia direita, era casado e com filhos que foram embora para morar em Belém/Pa.
• Josué, era irmão de Josias, ambos alegres e sorridentes e Josué jogava um razoável futebol no time do Abaeté nos anos de 1950.
• Verediano/Veridiano Góes Teixeira, nasceu em Abaetetuba em 26/8/1934 e era irmão de outro grande jogador de futebol, o Filinho. Veridiano foi um grande jogador de futebol desde os anos de 1950, tendo atuado em vários clubes como o Abaeté, Vasco da Gama nos anos de 1950 e no grande time do Palmeiras dos anos finais de 1960 até os anos iniciais do 1970 e figurou por muitos anos como titular de Seleção de Futebol de Abaetetuba. Era um jogador boa altura, bom cabeceador sendo por isso chamado de Cabecinha de Ouro, jogando um futebol técnico e elegante, nunca dando chutões e era um maestro com a bola nos pés e que jogava de cabeça erguida na armação das jogadas. Veridiano era um dos poucos veteranos do grande time de futebol do Palmeiras nos anos de 1970. Verediano era também um bom compositor musical de músicas carnavalescas. Participou dos blocos de rua, para quem compunha as canções. Suas principais composições são: “Rainha do Tocantins”, “Carajás Serra Dourada”, “Nossa Pobre terra Rica”, “Biquini vermelho”, “Conde, Vila Antiga”, “Roubaram Minha Nêga”, “Volta Pro Nosso Barraco” e “Vou embora deixar minha Carajás”. Eram músicas de exaltações às localidades e cidades e de críticas sociais e também são belas composições cheias de ironia e de amor pela terra natal. Ele é o autor da música “Abaetetuba” que nunca saiu das paradas de carnaviais. É casado e com filhos.
• Um desconhecido, provavelmente o árbitro de futebol nesse jogo do Abaeté.
• Calandrine, era jogador que vinha de Belém para atuar nos clubes de Abaeté.
• Diquinho Bala. Diquinho Bala/Raimundo de Jesus Lima, filho de outro grande jogador de futebol de Abaeté, o Chico Lima. O Diquinho Bala era rápido com a bola nos pés, um bom driblador e rompedor de área e tinha um canhão nos pés e pobre do goleiro que tentasse pegar seus potentes chutes, e daí seu apelido e era irmão do jogadores Luiz e Sandoval Lima, era casado.

• Cangula
• Bacu. Vide acima na formação do Abaeté.
• Saúde.
• Sabá
• Vicente. Vide acima.
• Gata, é o popular Sargento Gata.
• Cavalinho, é o Manoel Joaquim Costa, filho de Raimundo Pedro da Costa e Maria Francisca dos Santos, foi jogador de futebol nos times do Brasil e do Vênus nos anos de 1950 e era exímio tocador de cavaquinho, banjo e violão, tendo participado de muitos grupos de serestas e conjuntos musicais, como o Jazz Tupy de Ramito Dias, Jazz do Margalho, do Jazz Trabalhista do Furo Grande, os grupos de seresta “Luar de Abaeté” e “Os Coroas”, Afilhados da Lua de Teodolino Maués, conjunto de seresta Piçarra dos Lacerda, Os Coroas e tocou nos shows musicais do Fantosma nos anos de 1980, compôs choros e chorinhos para os conjuntos de seresta.
• Elídio
• Piranha. Vide acima em uma das formações do Abaeté.
• Alcimar. Vide acima em formações do Abaeté.
• Edir, é o Edir Quaresma Gomes, antigo jogador de futebol do Brasil nos anos de 1940/1950, comerciante na Av. D. Pedro II, quase canto com a Rua Lauro Sodré, parente do advogado Odival Quaresma.
• Eurico, era o Eurico Damião de Carvalho, mestre pedreiro, foi jogador de futebol, jogando um futebol clássico, cadenciado, bom cabeceador e jogava no meio de campo ou como centro médio do Vasco da Gama, do Vênus, do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaetetuba nos anos de 1950, preparador físico do Brasil nos anos de 1960, pedreiro, casado e com filhos.
Apolônio Rodrigues de Araujo e o Vênus:
• Apolônio Rodrigues de Araujo, falecido em 10/12/2010 com 90 anos de idade, era filho de Theodolino Sousa de Araujo, estes vindos da região do Salgado do Pará, e Apolônio foi junto com Gabi Castro, Mestre Adi e Everaldo dos Santos Araujo, um dos fundadores do Vênus Atlético Club em 1949. Como Apolônio possuía posses, foi ele que doou os terrenos do campo de futebol e da sede do Vênus, esta na Av. Pedro Rodrigues e foi ele que doou de suas terras a madeira para cercar o campo do Vênus, e era mestre marceneiro e dono de marcenaria onde trabalhavam: Nazareno, Taquari, Tio Café, Natálio/Natalício, Curubuçu e que tinha como encarregado o Mestre Gabi Castro, e Apolônio era casado e com filhos: José Erundil e outros.
A cor predominante do Vênus era o azul e mais o branco e esse clube ficou sendo conhecido como o Leão Azul de Abaetetuba e tinha como símbolo um leão azul, como o Clube do Remo da Capital. Em 1957 o campo de futebol do Vênus ficava na antiga Travessa Basílio de Carvalho.
Everaldo dos Santos Araujo e o Vênus:
Everaldo dos Santos Araujo, nascido em 8/6/1929, filho de Lauro Ribeiro de Araújo (este nascido em 15/8/1902 na Vila de Ponta de Pedras/Pa e falecido em 6/1/1981 em Abaetetuba/Pa) e Raimunda Dulcelina dos Santos/Flor, era alfaiate com fábrica de roupas na antiga Rua Rui Barbosa (hoje trecho da Av. D. Pedro II) com o nome de “Alfaiataria Araújo & Cia”, nomes que aparecem em documentos de 1969 a 1970, 1º secretário do Vênus nos tempos de Apolônio Rodrigues de Araujo e presidente desse clube. Everaldo c/c Maria Delcy Silva e tiveram 11 filhos: Maria de Fátima, Lauremir (Bibas), Everaldo, Carlos Ivanildo (Vanvan), Delciraldo (Déo), José Nilton (Cotoca), Iracenildo (Garoto), Maria do Socorro, Raimunda Dulcelina (Flor), Raimundo Nonato (Reco) e Lauro Augusto Silva Araújo.
Na gestão de Apolônio como presidente do Vênus a partir de 1949, Everaldo dos Santos Araujo era o 1º secretário desse clube e existem algumas citações a respeito:
Um bilhete: Secretaria do Vênus Atlético Clube, em 9 de abril de 1951. Ilustríssimo Senhor Ademar Lobato Rocha. De ordem do Sr. Presidente do Vênus Atlético Club, tenho o grato prazer de comunicar-vos, que em sessão deste clube, e por proposta do associado Apolônio Rodrigues de Araujo, fostes unanimemente aceito para o quadro de sócio Coluna 1 desta sociedade. Aproveito o ensejo para apresentar-vos as minhas cordiais Saudações. Everaldo dos Santos Araujo, 1º Secretário.
Alguns diretores e sócios do Vênus Atlético Club em 9/4/1951, Everaldo dos Santos Araujo, 1º secretário e sócios: Ademar Lobato Rocha, Sandoval Flexa Tavares, Zilomar Soares Brito, Mário Gonçalves Felgueiras, Otávio Gama, com sede à Rua 1º de maio.
Everaldo dos Santos Araujo chegou a ser presidente do Vênus. Identificações:
• Gabriel Correa de Castro/Gabi, nasceu em 2/7/1921 e faleceu em 3/3/2000, origem na localidade Rio Camotim, citado em 1944, antigo jogador de futebol dos antigos clubes de futebol de Abaeté e do Vênus, clube de que foi um de seus fundadores em 1949, trabalhou como encarregado da marcenaria de Apolônio Rodrigues de Araujo, casado e com filhos.
• Uadir Felix dos Santos/Mestre Adi, filho do Mestre Ali (sírio-libanês), com oficina de ferreiro no bairro do Algodoal, citado em 1948 como presidente da LOA-Liga Operária Abaetetubense com sede na antiga Trav. D. Pedro I em Abaeté (não é a atual Trav. D. Pedro I).
• Nazareno
• Taquari
• Tio Café. Vide acima.
• Natálio/Natalício, este é irmão do jogador de futebol Canindé dos anos de 1960/1970.
• Curubuçu, ainda é vivo (4/2011).
• Ademar Lobato Rocha, filho de Olyntho Rocha e Maria Lobato, esta filha de Dionísio Pedro Lobato, antigo funcionário da prefeitura e agente do IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas durante 30 anos, sócio do Vênus em 1951, c/c Risoleta Lima de Araujo/Sinhá e com filhos: Ademar Filho, Ruth, Adonai, Adilson, Rosita e outros.
• Sandoval Flexa Tavares
• Zilomar Soares Brito
• Mário Gonçalves Felgueiras, citado nos anos 1940/1950, foi jogador de futebol, era funcionário e agente do IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sócio do Vênus Atlético Club em 1951, citado em 1969, com nome de rua em Abaetetuba, era jogador de futebol e c/c Valdomira e com filhos: Manduca, George, Iracema, Luiz Pedro, Mariozinho, Miguel e todos desenvolvendo atividades profissionais em Abaetetuba, Belém e outros lugares do Brasil.
• Otávio Gama.

Identificação de Alguns Jogadores, Dirigentes e Técnicos de Futebol em Abaetetuba:
• Barriga
• Estanilo/Terçado
• Pombo da Maroca Lima/Francisco de Lima Batista, filho da famosa parteira Maroca Lima, foi jogador de futebol do Vênus nos anos de 1950, dirigente da Liga Esportiva Abaetetubense, membro do Grupo Scênico de Abaeté que atuva no Teatro de Nossa S. da Conceição, fundador de cordões de pássaros na quadra junina, oficial de justiça, um dos primeiros funcionários da Escola Bernardino a partir do anos de 1962, c/c Gilce Rodrigues e com filhos.
• Omar Gonçalves Felgueiras, irmão de Mário G. Felgueiras, antigo jogador de futebol do Vênus nos anos de 1940/1950 e que em campo não brincava em serviço com um jogo viril e sério, antigo sapateiro, comerciante, funcionário e aposentado pelo INPS, citado em 1969, c/c Santinha Lima e com filhos: Regina, Elvira, Cabá, Luluca, Dorinha e outros e todos já adultos e desempenhando funções na sociedade, casou uma 2ª vez e sem filhos.
• Eurico. Vide acima em uma das formações do Abaeté.
• Cataban/Cataban da Silva Pinheiro, filho de Berlindo Pinheiro e irmão do jogador de futebol Otério da Silva Pinheiro, antigo jogador de futebol do Vênus, Abaeté nos anos de 1950, c/c Leonice de Araujo Aracaty, professora no governo do prefeito Pedro Pinheiro Paes (15/12/1948-1951) e tiveram 8 filhos: Beline/falecida, Ademir, José Elias, Sandra Suely, Edmilson, Higino, Ivanilda e Leonice Maria Aracaty Pinheiro.
• Sabá do Cego,
• Biroba. Susete e Biroba eram irmãos e chegaram à Abaeté vindos da cidade de Vigia/Pa, por volta de 1953. Abaeté os atraíra devido a fama de melhor futebol do interior do Pará e eles só sabiam jogar bola. Suzete impressionava a todos pela técnica apurada, reflexo e recursos variados nas jogadas. Foi modelo para muitos zagueiros que o sucederam, jogando no Abaeté e Vênus. Biroba, seu irmão, era desdentado, alegre, sorridente e quando sorria parecia uma janela. Jogou no Vênus como atacante e era um matador clássico e era um craque com a bola nos pés e impressionava a todos com sua habilidade com a bola. Ao encerrarem as suas carreiras foram embora para Macapá, onde vieram a falecer. Mas deixaram seus nomes inscritos no futebol de Abaeté.
• Diquinho Bala. Vide acima em uma das formações do Abaeté.
• Alcimar. Vide acima uma das formações do Abaeté.
• Cavalinho. Vide acima em uma formação do Brasil.
• Alair. Vide acima em uma das formações do Abaeté.
• Mafra, só sabemos que ele trabalhava na COSANPA/Companhia de Saneamento do Pará, Agência de Abaetetuba e que ele como jogador de futebol era um verdadeiro ferro, uma muralha na defesa de seus times, qualidade que supria a sua deficiência técnica.
• Aristides/ Aristides dos Reis e Silva Sobrinho, sobrinho do famoso Coronel Aristides, era comerciante e antigo jogador de futebol do Abaeté, do Vênus e da Seleção de Futebol nos anos de 1950/1960, vereador na gestão do prefeito Francisco Leite Lopes e de seu substituto em 1964, o interventor municipal Mariuadir Miranda Santos (1963-1967), foi prefeito de Abaetetuba (1970-1972), vice-prefeito na gestão do prefeito Hildo Tavares Carvalho (1967-1970). Chegou a exercer um mandato-tampão de prefeito municipal no período de 1972/73. C/c Elizabeth Parente e Silva e tiveram filhos: Ana Rosa, João Clóvis, Aristides dos Reis e Silva Filho, Emília de Nazaré Parente e Silva e Marcolino Domingos Parente dos Reis e Silva. Era sobrinho do famoso político de Abaeté, Coronel Aristides dos Reis e Silva.
Como jogador de futebol foi um viril lateral direito, sem muita técnica, compensada pela sua disposição em campo.
• Verediano. Vide acima uma das formações do Abaeté.
• Diquinho Bala. Vide acima em uma das formações do Abaeté.
• Bilico, do qual só sabemos o apelido, pai dos craques de futebol Ramito e Carmo. Bilico foi outro grande craque do futebol de Abaetetuba, muito habilidoso com a bola nos pés, rápido e que tinha um canhão no pé esquerdo e brilhou nos times do Vênus e da Seleção de Futebol de Abaetetuba, goleador nato, tendo marcado muitos gols pelo Vênus e Seleção. Bilico, pelo brilhante futebol que praticou se tornou uma lenda do futebol de Abaetetuba, junto com Diquinho Bala, dupla que era terror das defesas adversárias.
• Guino/Guino Carvalho, irmão de Oneide e Nivaldo Carvalho, era alto e magro e jogava na armação no meio de campo, c/c Leonice Aracaty e com filhos.
• Bicicleta, veio de Castanhal/Pa, jogou futebol no Vênus e outros clubes, casou com abaetetubense e teve um filho que jogava futebol.
• Rivair, não sabemos seu sobrenome e ele era filho do saudoso Mestre Zizino, pedreiro dos bons de Abaeté. Rivair jogava na lateral esquerda e era um vigoroso jogador de defesa, que era a sua maior qualidade como jogador.
Dodinha/Hilton Elias Ferreira, antigo funcionário agente e hoje aposentado do IBGE-Abaetetuba, era de estatura baixa, porém com uma impulsividade grande e disputava bolas altas com os zagueiros dos outros times e Dodinha era atacante.
• Manoel
• Miguel.

Outros Grandes Dirigentes do Vênus:
• Góeszinho/ Sebastião Pinheiro Góes, já é falecido, era dono de oficina de marcenaria, comerciante, paraninfo da turma de Humanista da escola INSA em 1962, coletor de rendas, desportista, presidente do Vênus nos anos de 1960, já falecido, c/c Palmira Soares Sarges/Zeza e tiveram filhos: Cristina e outros.
Goészinho, foi um entusiasta e folclórico político de Abaetetuba e presidente do Vênus Atlético Club, período em que esse clube experimentou uma boa fase de hegemonia e fausto no futebol e nas atividades sociais do clube. Acredita-se que esse famoso desportista tenha tirado de seus recursos financeiros para manter o clube, tanto que ele chegou a ficar pobre no fim de sua vida. Mas o Vênus Atlético Club e o futebol de Abaetetuba devem muito ao desportista Goészinho.

VASCO DA GAMA SPORT CLUB:
ALGUMAS FORMAÇÕES DO VASCO DA GAMA
26/2/1953: Pedro; Biroba e Davi: Bendelac I, Eurico e Manoel (Zilo); Cravo, Afonso, Sandoval, Acapu e Diquinho Bala.
5/8/1953: Pedro; Costinha e Davi (Bilico); Mariscal, Cleto e Eurico; Sandoval (Sabito), Afonso, Maguari, Diquinho Bala e Meia Noite.
1952/1953: Poti; Nita e Davi Abreu; Milito, Cleto e Acapu; Cravo, Afonso, Sabito, Sandoval e Luís Olegário.
1953: Poti; Nita e Davi; Ferreira, Suzete e Jango; Cravo, Afonso, Sabito, Sandoval e Cornélio.
1955: Poti; Manoel e Odival; Veridiano, Cravo e Afonso; Sabito, Sandoval, ..., Luis Olegário.


Identificação de Alguns Jogadores do Vasco da Gama:
• Pedro Poty/Pedro Poty Medeiros, filho de Guilherme Medeiros e Maria Medeiros, antigo jogador de futebol do Vasco da Gama nos anos de 1950 que jogava como goleiro e bom goleiro com suas defesas acrobáticas na meta do Vasco da Gama e outros clubes. Guilherme Medeiros, citado em 1930, amável comerciante com famoso botequim em Abaeté nos anos de 1940/1950 que era ponto de alguns notáveis de Abaeté no jogo de gamão e dominó, c/c Maria Medeiros e tiveram filhos: Ubirajara/Birá, Pedro Poty, Iracema, Banana, Pindubussu, Parajara, Manoel Urubatan, Jacy, Paraguassu, Ubiracy, Esmeralda Medeiros. Ramos e Rochedo eram agregados a essa família.
• Biroba. Vide acima as formações do Vênus e Abaeté sobre Biroba e seu irmão Susete.
• Davi
• Bendelac I
• Eurico. Vide acima uma formação do Abaeté.
• Manoel
• Zilo
• Cravo, irmão do também jogador Dicó, este se formou padre e depois abandonou a batina numa viagem de visita à Abaeté. Cravo era um craque de futebol.
• Afonso. Vide acima em uma formação do Abaeté.
• Sandoval/Sandoval Rodrigues, é filho de Maximiano Antonio Rodrigues/Professor Maxico, este era famoso professor em Abaeté no seu externato e nas escolas da cidade e Sandoval foi jogador de futebol do Vasco da Gama nos anos de 1950, dirigente da Liga Esportiva Abaetetubense, militar do Exército que chegou ao posto de capitão, casado e com filhos.
• Acapu
• Diquinho Bala. Vide acima em uma formação do Abaeté.
• Costinha
• Bilico. Vide acima as formações do Vênus.
• Mariscal
• Cleto
• Sabito
• Maguari
• Meia Noite
• Nita
• Ferreira
• Suzete. Suzete e Biroba eram irmãos e chegaram à Abaeté vindos da cidade de Vigia-Pa, por volta de 1953. Abaeté os atraíra devido a fama de melhor futebol do interior do Pará. Eles só sabiam jogar bola. Suzete impressionava a todos pela técnica apurada, reflexo e recursos variados nas jogadas. Foi modelo para muitos zagueiros que o sucederam, jogando no Abaeté. Biroba, seu irmão, era desdentado, alegre, sorridente e quando sorria parecia uma janela. Jogou no Vênus como atacante. Era um matador clássico e jogava um futebol que a todos impressionava pela habilidade com a bola nos pés. Ao encerrarem as suas carreiras foram embora para Macapá, onde vieram a falecer. Mas deixaram seus nomes inscritos no futebol de Abaeté.
• Jango
• Cornélio/Cornélio Silveira, grande mestre mecânico e que foi jogador de futebol pelo Vasco da Gama e outros clubes nos anos de 1950 e foi dirigente do Abaeté e que dirigiu também o Tietê e foi ele que obteve a concessão de terreno com limites pela frente com a Travessa Pinto Marques e fundos com a Rua Floriano Peixoto, dado por aforamento em documento de 13/11/1954, terreno com 100 x 60m e que serve de campo de treinamento de futebol para o time do Tietê. Cornélio ele é o pai do grande goleiro Odinaldo que figurava até na seleção de futebol de Abaetetuba. Mestre Cornélio como político chegou a ocupar o cargo de vereador nas gestões dos prefeitos: Hildo Tavares Carvalho (1973-1977), Ronald Reis Ferreira (1977-1982), é casado e com filhos: Odinaldo Carvalho Silveira e outros.
• Davi Abreu, antigo jogador de futebol do Vasco da Gama nos anos de 1940/1950, irmão do também jogador Bebé do Abreu e da famosa folclorista e artesã Nina Abreu, filhos de Raimundo Abreu, este ator e ensaiador teatral, membro do Grupo Scênico de Abaeté nos anos de 1920, citado em 1944, abnegado carnavalesco e folclorista de Abaeté junto com sua esposa, introdutor do Cordão dos Pretinhos no carnaval abaeteense (junto com os mestres Afonso, Severino e outros), c/c Joanna Lopes e tiveram filhos Nina Meire de Abreu e outros.
• Milico, este é irmão mais velho dos também jogadores de futebol Verediano e Filinho. Milico jogou futebol no Vasco da Gama nos anos de 1950.
• Luís Olegário
• Verediano. Vide acima em uma formação do Abaeté.
• Otério/Otério da Silva Pinheiro, falecido em 18/7/2009, filho de Berlindo Pinheiro, mestre carpinteiro, antigo jogador de futebol do Vasco da Gama e de outros clubes, técnico e juiz de futebol nos anos de 1950/1960, casado e com filhos, entre os quais o professor Milton dos Santos Pinheiro, Biro-Biro e outros.
• Marico
• Odival/Odival Quaresma, filho de Romeu Quaresma e Ercília e Odival atualmente é advogado militante em Abaetetuba. Odival Quaresma, advogado, vereador na gestão do prefeito Francisco Leite Lopes e o substituto interventor em 1964 Mariuadir Miranda Santos (1963-1967).
• Pacheiro, era irmão do Odival Quaresma e era um arisco e rápido ponta direita do Vasco. Se mudou para Belém.
• Papagaio
O Clube da Saúde quando nasceu não era um clube de futebol e sim um clube para congregar os jovens de Abaeté e conscientizálos dos riscos do consumo de cachaça, esta abundante em Abaeté e esse clube foi fundado pelo Dr. Lessa que era um médico do antigo SESP-Serviços de Saúde Pública. Com a ida do Dr. Lessa para outra cidade, veio para substituí-lo o Dr. Abílio, que também médico no SESP e ele gostava muito de futebol e assim o Clube da Saúde se tornou um clube que continuava a congregar os jovens de Abaeté, mas agora, também, praticando o futebol.
O primeiro clube de Afonso Cardoso de Castro foi o Clube da Saúde, time que, alguns anos depois, veio a ser a base do Vasco da Gama. Afonso começou a jogar futebol aos 13 anos nesse time e finalizou sua carreira aos 43 anos de idade, jogando pelo Vênus.
• O Dr. Abílio, era médico do SESP e era ele que organizava os primeiros torneios de futebol em Abaeté antes da criação da LEA-Liga Esportiva de Abaetetuba.

O TIETÊ ESPORTE CLUB
Alguns Jogadores do Tietê:
• Evandro, filho de Crizanto Lobato, irmão dos jogadores Perácio (vide Perácio acima) e que jogava um futebol regular e sempre garantia sua escalação devido sua seriedade e esforço em campo.
• Zé Buraco, centro avante do Tietê autor de muitos gols para seu time e que chegou a conquistar título pelo seu clube.

Identificação de Alguns Jogadores e Dirigentes do Palmeiras:
• Alcimar (técnico). Vide acima uma das formações do Vênus.
• Bacu. Vide acima uma das formações do Abaeté.
• Guarasuco. Vide acima uma das formações do Abaeté.
• Zé Maroca, irmão do escultor Chico Paes e jogava na defesa do Palmeiras e da seleção de futebol.
• Jango/João Lima, irmão de Mapará/Andrelino e que jogava um futebol cadenciado na armação de jogadas e muito proveitoso para seu time.
• Lúcio/Lúcio Fonseca Lima, irmão dos jogadores Zeca do Rosa e Pipoca, filhos do Mestre Rosa e Lúcio era um clássico e bom jogador de futebol que jogava no meio de campo do Palmeiras.
• Verediano. Vide acima em uma formação do Abaeté.
• Pedrão, era filho do Mestre Galo Mouro, este famoso pedreiro de Abaeté famoso pedreiro de Abaeté que ajudou a construir a Igreja matriz de Nossa S. da Conceição nos anos de 1930 e Pedrão, irmão do Kisso-Kisso, era um jogador alto e clássico e jogava no meio de campo do Palmeiras e da seleção de futebol. Como jogador foi para Belém/Pa jogar no Sporting Clube do Pará.
• Tonho/Antonio Leite Lopes, irmão dos jogadores Augusto, Lopinho e Luiz Leite Lopes, filhos de Francisco Lopes e Júlia Leite.
• Nani
• Rosevelt
• Ítalo/Ítalo Calliari Baia, filho de Aluízio Bahia e Roma Calliari Parente, estes com imóvel à Avenida D. Pedro II e tiveram os seguintes filhos: Júlio, Ítalo, Otoni, Rui Benedito e Anita Maria Calliari Bahia. Ítalo jogou futebol no Palmeiras e outros times de Abaetetuba.
• Fernando/Fernando Rodrigues Ribeiro, filho de Pedrinho Ribeiro e Lourdes Rodrigues e Fernando era um bom goleiro do Pameiras que revezava com outro bom goleiro que era o Ziza.
• Ziza, filho do dentista Francisco Leite Lopes/Dr. Lopes e Maria Lima, era o bom goleiro do Pameiras que revezava com Fernando.
• Zé Maria/José Maria, Santana irmão do jogador Guarasuco e Zé Maria trabalhava na Justiça do Trabalho e jogava como goleiro do Palmeiras.
• Luluca/Luiz Lima Felgueiras, filho de Omar Felgueiras e Santinha Lima, e Luluca jogava no zaga com um futebol viril como de seu pai Omar.
• Baíco, filho do grande jogador Pérácio e já vem ser da 3ª geração de jogadores de futebol da família Lobato. Baíco era uma muralha na defesa de seus times da da seleção de futebol e jogou futebol no Palmeiras e outros times.
• Mendonça, funcionário da Agência dos Correiros e jogava na defesa do Palmeiras e outros times e na seleção de futebol de Abaetetuba.
• Burunga
• Arara/Iderlino Fonseca dos Santos, filho de Raimundo Silvino e Maria do Carmo Fonseca, e Arara era vendedor de bilhetes de loteria como seu pai, irmão de Regala, Boé e Tio Tráia e jogava futebol na defesa do Palmeiras e da seleção de futebol.
• Amujacy/Alcimar Amujacy, filho de Alcimar Carneiro de Araujo e Ana de Figueiredo Cardoso, comerciante de caçcados como seu pai e também jogador de futebol pelo Palmeiras.
• Fran Lopes/Francisco Lima Lopes, filho do dentista Francisco Leite Lopes e Maria Lima e Fran jogava como um maestro no meio de campo do Palmeiras, outros times e na seleção de futebol.
• Sidoca, era um daqueles jogadores rápidos e voluntariosos a quem chamam tanque, pela garra em campo.
• Cabá, filho de Omar Felgueiras e Santinha Lima, jogava um bom futebol no time do Palmeiras.
• Vaval/Edval Chagas, sobrinho do goleiro Alair.
• Lula/Luiz Ferreira, irmão de Edgar.
• Macaco
• Orêncio, irmão de Ivanildo do Banco da Amazônia.
Outros Jogadores do Palmeiras:
• Vilobaldo Lobato Dias/Viloca, chegou a jogar futebol no Palmeiras.
Após a criação da LEA em 1955 Abaeté e Venus se revezavam na conquista de títulos da cidade. Porém o futebol começou a sofrer uma acentuada decadência e os times de Abaeté e Vênus se nivelaram aos outros e o Tietê que era um clube sem muitos recursos financeiros começou a também ganhar títulos da cidade, tendo formado alguns bons times, que infelizmente não temos ainda as formações desses times campeões do Tietê.
Nas décadas de 1960/1970 o futebol de Abaetetuba que estava bastante decadente como sofreu um revigoramento com a fundação da Sociedade Esportiva Palmeiras em 1966, tendo à sua frente o grande desportista Alcimar, sendo ajudado por Coropó, Adonai e outros idealistas do futebol de Abaetetuba e assim o Palmeiras montou um jovem time de futebol mesclado com alguns veteranos, fato que deu um revigorada no futebol praticado em Abaetetuba. Abaeté, Vênus e Tietê continuavam a ganhar os títulos de futebol da cidade, porém o Palmeiras, que adotava o princípio da renovação nos seus quadros futebolísticos, foi se igualando a esses três tradicionais times de Abaetetuba até que em 1974 e 1975 ganhou um bicampeonato de futebol da cidade de Abaetetuba. Para Alcimar, contudo, o grande time do palmeiras foi o de 1972/1973. Vide acima. Como o campeonato de futebol do Pará começou a se interiorizar, pois antes somente os clubes de Belém é que disputavam o Campeonato Paraense de Futebol, 1º foi o Vênus em 1997 e depois o Abaeté começaram a participar desse campeonato paraense. No início o Vênus contava com alguns valores da terra em seus times e depois, tanto no Vênus como no Abaeté a predominância era de jogadores que vinham de outros times de Belém e de outros lugares para compor nos times locais.
E o campeonato de futebol de Abaetetuba continuava, porém sem o Vênus e o Abaeté e com a presença de outros clubes que iam surgindo a cada ano e surgindo e desaparecendo e sem o brilho do futebol do passado de Abaetetuba.
Identificação de Jogadores e Dirigentes da Seleção de Futebol:
• Vicente, irmão de Nato, Vamilton e Piranha/Humberto, iniciou sua carreira de jogador na defesa e depois passou para o ataque e era um jogador alto, ligeiro, raçudo, de passadas largas, bom cabeceador e goleador do Abaeté, outros clubes e da seleção de futebol dando muitas glórias para Abaetetuba e veio de uma família de jogadores de futebol.
• Guarasuco, irmão do Zé Maria, este jogando como goleiro e que trabalhava na Justiça do Trabalho e Guarasuco razoável jogador de futebol dos clubes e da seleção de futebol, muito esforçado e jogava de zagueiro.
• Verediano. Vide acima em formações do Abaeté.
• Saúde. Vide acima em formações do Abaeté.
• Edmilson, foi jogador de futebol como um bom e elástico goleiro do Vênus e da seleção de futebol e dirigente do Vênus por muitos anos.
• Amor/Benedito Costa, era cunhado do Sargento Niquito e jogava um razoável futebol nos clubes e na seleção de futebol.
• Gabiru. Vide acima em formações do Abaeté.
• Piranha. Vide acima em formações do Abaeté.
• Bené do Lídio, filho de Lídio Sena, irmão de Emílio e Messias, este também foi jogador de futebol dos clubes e da seleção de futebol. Bené do Lídio foi um jogador de jogadas técnicas e apuradas e que jogava nos clubes e na seleção de futebol.
• Filinho. Vide acima em formações do Abaeté.
• Tonelada, dirigente da LEA, irmão de Jair Nery.
• Nato/Fortunato, irmão de Vicente, Vamilton e Piranha, bom e vigoroso jogador de futebol nos clubes e da Seleção de Futebol de Abaetetuba nos anos de 1960/1970. Jogos Preliminares dos Antigos Jogos de Futebol:
Nos jogos preliminares dos clássicos de futebol dos antigos clubes, como Brasil x Abaeté e outros clássicos, aconteciam os jogos preliminares entre dois times rivais – Bafento x Convencido, que eram formados por veteranos do futebol de Abaeté, como os jogadores Kemil, Antonio Paes, Fabico, Romeu Quaresma, os da família Parente, Chico Lima, Carlito e Pedro Loureiro e outros veteranos.
• Família Lima. Iniciou com Chico Lima e seus filhos: Diquinho Bala, Luís Lima, Sandoval Lima e os da 3ª geração de futebolistas: Fran Lopes, Sapuca, Ziza, Manelão, Cabá, Luluca que eram netos de Chico Lima.
• Família Medeiros, com os irmãos Pedro Poty, Parajara e Banana, filhos de Guilherme Medeiros.
• Família Lobato, que inicia com o Mestre Crizanto Lobato e seus filhos: Vavá, Perácio, Toró, Crizantinho, Evandro, Tatu, Rui e a 3ª geração de futebolistas, netos do Mestre Crizanto: Baíco. • Família Bello, que inicia com Samuca e, posteriormente seus filhos: Tabajara e Samuquinha. Outra família Lobato se destacou no futebol, com os irmãos: Nito e Arminho Lobato.
• Família Lopes, que inicia com Lopinho, Augusto Leite Lopes e Tonho que são irmãos e seus sobrinhos: Fran Lopes, Ziza, Sapuca, Manelão e o primo de Tonho e Augusto: Bacu/Adilson Leite.
• Família Castro, que tem os irmãos: Afonso, Laburina, Dijó, Ari, Dé.
• Bilico e seus filhos: Carmo e Ramito.
Comentários:
Odinaldo/Odinaldo Carvalho Silveira, é filho do Mestre Cornélio de Almeida Silveira, também antigo jogador de futebol nos anos de 1940/1950, vereador nas gestões dos prefeitos: Hildo Tavares Carvalho (1973-1977); Ronald Reis Ferreira (1977-1982), mecânico, que foi presidente do Tietê Futebol Club citado em 13/11/1954 e foi ele que conseguiu a concessão de terreno com limites pela frente com a Travessa Pinto Marques, fundos com a Rua Floriano Peixoto. Odinaldo era um goleiro alto para os padrões de Abaetetuba e de muita agilidade e plasticidade nas suas defesas.
Orenço (Orêncio), que morava ali na esquina da Rua Magno de Araujo com Av. Pedro Rodrigues, irmão do Ivanildo, funcionário do BASA e foi um dos bons laterais direito que a Seleção de Futebol de Abaetetuba já teve, de muita raça em campo.
Zé Leitão, com comentários em Memórias do Futebol 4.
Vicente, alto, ligeiro e raçudo jogador da Seleção de Futebol, de passadas largas, bom cabeceador de bolas e para o gol. Veio de uma família de jogadores de futebol. Se não me engano, nessa seleção acima, eram seus irmãos: Vamilton e Humberto da família Maciel, que forneceu gerações de jogadores de futebol para a seleção de Abaetetuba.
Vamilton, também era alto, ligeiro e de passadas largas, um rompendor de área e bom cabeceador e goleador nato como seu irmão Vicente. Nesse jogo ele fez 2 gols.
Humberto, era um pouco mais baixo, porém, rapidíssimo pela direita e com passes certeiros em direção ao gol adversário. Tem também o seu nome perpetuado no futebol do Abaeté Futebol Clube e na seleção de futebol.
Tota, só o conhecemos por esse apelido e jogava um bom futebol pela lateral esquerda dos clubes e da seleção.
Arara, que ninguém em Abaetetuba o conhece pelo seu nome de batismo: Iderlino Fonseca dos Santos, famoso vendedor de bilhetes de lotéricas em Abaetetuba, filho do também antigo vendedor de bilhetes de lotérica Raimundo Manoel dos Santos, mais conhecido como Raimundo Silvino e Arara ainda é irmão dos populares Regala, Tio Tráia, Biru, Boé e mais 9 irmãos e irmãs.
Arara jogava um futebol requintado no meio de campo, combativo, como se vê na foto e bom no desarme. Fez parte do grande time do Palmeiras dos anos de 1970.
Miguel, que substituiu Arara por contusão nesse jogo, provavelmente, pela sua fisionomia na foto perto de Hildo Carvalho, é o Miguel do Domiciano, com comentários em Memórias do Futebol de Abaetetuba 4.
Fran, é o Fran Lopes, filho do Dr. Francisco Leite Lopes e Maria Lima. Fran, seus irmãos Sapuca, Ziza, Manelão e seus primos Cabá e Luluca, representam a 3ª geração de bons futebolistas da família Lima, do inesquecível Chico Lima. Fran jogava um futebol técnico, cadenciado, com passes perfeitos para os atacantes de seus times e da seleção de futebol.
O Mundinho dessa só uma foto do Sr. Café tiraria as dúvidas, penso que deve ser o Mundinho/Raimundo Rodrigues Dias, filho do Mestre Gildo e irmão do Guri, este funcionário do Banco do Brasil, Agência de Abaetetuba até os dias de hoje. Ele, era rapidíssimo e habilidoso com a bola nos pés. E a reportagem diz que Mundinho fez o que quis com seus adversários.
Vamilton, com comentários acima, em Vicente.
Messias, é o Messias Sena, irmão do Emílio Sena, ambos antigos bancários no Banco do Estado do Pará/Banpará e o Messias, ainda foi o Secretário de Agricultura na gestão do Prefeito Luiz Gonzaga Leite Lopes. Era um rápido atacante, rompedor de áreas e em qualquer vacilo de zagas, lá estava ele a fazer seus gols.
Humberto/Humberto Maciel, com comentários acima, em Vicente.
Foto do time do Vênus, em jogo de placar: VÊNUS 3 X 1 TUNA, jogo em 1953 no antigo campo de futebol do Abaeté Futebol Clube.
Time do Vênus Atlético Club:
De pé: Hildo Tavares Carvalho (dirigente), um diretor da Tuna Luso Brasileira, Alair (goleiro), Mafra, Dijó, Rivair, Veridiano, Aristides, Didico Cacheado (ou um de seus filhos) e Góeszinho (presidente do Vênus).
Agachados: Miguel do Domiciano, Café, Diquinho Bala, Afonso e Bilico.
Hildo Carvalho também era um desportista entusiasmado que apoiou os clubes locais e a Liga Esportiva Abaetetubense/LEA ainda como gerente do BASA e principalmente como prefeito de Abaetetuba e ele, com seu peculiar entusiasmo, passava essa qualidade para os jogadores e dirigentes de seus clubes ou times e no seu período a Seleção de Futebol conquistou vários títulos do Campeonato de Futebol do interior do Estado.
• Alair/ Alair M. Melo, o saudoso Alair nasceu em 8/2/1934 e faleceu em 8/8/1980, e ele foi um dos melhores goleiros que já apareceu em Abaetetuba, revezando com o outro grande goleiro Crizantinho na meta da Seleção de Futebol de Abaetetuba. Na foto acima ele aparece como goleiro do grande time do Vênus Atlético Club de 1953, time que foi várias vezes campeão do futebol de Abaetetuba e que rivalizava com o outro grande time do Abaeté Futebol Clube na conquista de títulos de campeões de futebol.
Alair Melo, era filho de Laurita Melo, irmã de Lalá e Luama, casado e com filhos.
• Mafra, só sabemos que ele trabalhava na COSANPA/Companhia de Saneamento do Pará, Agência de Abaetetuba e que ele como jogador de futebol era um verdadeiro ferro, uma muralha na defesa de seus times, qualidade que supria a sua deficiência técnica.
• Dijó, não sabemos o seu nome, porém sabemos que ele era filho de Euzébio de Castro e Dina Cardoso e irmão de outros craques de futebol: Afonso, Laburina, Ari e Dé, da família Cardoso de Castro de Abaeté, e que tinha outros irmãos: Mita, Rebenque e Josina Cardoso de Castro. Dijó era baixo em estatura, porém era vigoroso na defesa de seus time e já é falecido.
• Rivair, não sabemos seu sobrenome e ele era filho do saudoso Mestre Zizino, pedreiro dos bons de Abaeté. Rivair jogava na lateral esquerda e era um vigoroso jogador de defesa, que era a sua maior qualidade como jogador.
• Verediano/ Veridiano Góes Teixeira, nasceu em Abaetetuba em 26/8/1934 e era irmão de outro grande jogador de futebol, o Filinho. Veridiano foi um grande jogador de futebol desde os anos de 1950, tendo atuado em vários clubes de Abaetetuba. Figurou por muitos anos como titular de Seleção de Futebol de Abaetetuba. Era um jogador de uma boa altura e que jogava de cabeça erguida, sendo uma espécie de maestro na armação das jogadas. Era muito técnico e bom cabeceador. Veridiano era um dos poucos veteranos do grande time de futebol do Palmeiras nos anos de 1970.
Verediano era também um bom compositor musical de músicas carnavalescas. Participou dos blocos de rua, para quem compunha as canções. Suas principais composições são: “Rainha do Tocantins”, “Carajás Serra Dourada”, “Nossa Pobre terra Rica”, “Biquini vermelho”, “Conde, Vila Antiga”, “Roubaram Minha Nêga”, “Volta Pro Nosso Barraco” e “Vou embora deixar minha Carajás”. Eram músicas de exaltações às localidades e cidades e de críticas sociais e também são belas composições cheias de ironia e de amor pela terra natal. Ele é o autor da música “Abaetetuba” que nunca saiu das paradas de carnaviais. É casado e com filhos.
Benedito Góes Teixeira/Filito, jogador de futebol do Abaeté Futebol Club nos anos de 1970, casado e com filhos: Meire e outros. É irmão de Verediano e Zé Bossó, este trabalha e mora em Manaus/Am.
• Aristides/ Aristides dos Reis e Silva Sobrinho, comerciante e antigo jogador de futebol do Vênus e da Seleção de Futebol nos anos de 1950/1960, vereador na gestão do prefeito Francisco Leite Lopes e de seu substituto em 1964, o interventor municipal Mariuadir Miranda Santos (1963-1967), foi prefeito de Abaetetuba (1970-1972), vice-prefeito na gestão do prefeito Hildo Tavares Carvalho (1967-1970).
Chegou a exercer um mandato-tampão de prefeito municipal no período de 1972/73.
C/c Elizabeth Parente e Silva e tiveram filhos: Ana Rosa, João Clóvis, Aristides dos Reis e Silva Filho, Emília de Nazaré Parente e Silva e Marcolino Domingos Parente dos Reis e Silva. Era sobrinho do famoso político de Abaeté, Coronel Aristides dos Reis e Silva.
Como jogador de futebol foi um viril lateral direito, sem muita técnica, compensada pela sua disposição em campo.
• Didico Cacheado/Didico Cacheado Silva, aparece como dirigente do Vênus junto ao Góezinho, era grande e simpático comerciante de Abaeté e comerciante viajante, casado e com vários filhos e filhas, algumas das filhas com olhos verdes, como de sua mãe.
• Góeszinho/ Sebastião Pinheiro Góes, dono de oficina de marcenaria, comerciante, paraninfo da turma de Humanista da escola INSA em 1962, desportista, coletor de rendas, presidente do Vênus nos anos de 1960, já falecido, c/c Palmira Soares Sarges/Zeza e tiveram filhos: Cristina e outros.
Goészinho, foi um entusiasta e folclórico político de Abaetetuba e presidente do Vênus Atlético Club, período em que esse clube experimentou uma boa fase de hegemonia e fausto no futebol e nas atividades sociais do clube. Acredita-se que esse famoso desportista tenha tirado de seus recursos financeiros para manter o clube, tanto que ele chegou a ficar pobre no fim de sua vida.
Mas o Vênus Atlético Club e o futebol de Abaetetuba devem muito ao desportista Goészinho.
• Miguel do Domiciano, não temos informações sobre esse jogador. Sabemos que ele era filho do Sr. Domiciano e que praticava um bom futebol e sendo as suas maiores características o vigor nas jogadas e suas velozes arrancadas em direção ao gol adversário.
• Café/ Café Margalho, filho da famosa parteira de Abaeté, Zita Margalho, que trabalhou nessa função por mais de 35 anos “aparando” milhares de abaetetubenses que vieram ao mundo através de suas abençoadas mãos, pois naqueles tempos a cidade de Abaeté carecia de água encanada, luz elétrica e a falta de serviços de saúde na cidade.
O jogador de futebol Café atualmente em 2011 já esta com 70 anos de idade, e é muito conversista e guardião de grande parte da memória do futebol de Abaetetuba, dos antigos cordões de pássaros e de bois e da genealogia da cidade. É um verdadeiro depositário dessas memórias. E é um antigo mestre pedreiros dos bons, entendendo também de muitos outros aspectos da construção de casas e de outros serviços de pedreiro, junto com alguns de seus filhos. Ele casou muito jovem com Socorro e teve 8 filhos. Ele é irmão do saudoso Miguel e do Bito, antigos moradores da Rua Magno de Araujo, em frente à Escola Bernardino. Suas irmãs: Ana, casada com o jogador de futebol Bilico e Tereza, casada com o alegre Filoca Ribeiro.
Como jogador de futebol em sua juventude despontou para o futebol, como revelação, nesse jogo de Vênus 3 x 1 Tuna, e jogou em outros clubes de Abaeté, tendo baixa estatura, porém era rapidíssimo com a bola nos pés em direção ao gol adversário.
• Diquinho Bala/ Raimundo de Jesus Lima/ Diquinho Bala Lima, antigo jogador de futebol do Vasco da Gama, do Vênus e da Seleção de Futebol nos anos de 1950/1960, era filho de Francisco Lima/Chico Lima e Hidebrandina de Almeida, comerciante anos de 1940, 1950, sendo também este antigo jogador de futebol de Abaeté, delegado de polícia, fundador em 1936 da entidade futebolística Itatiaia Sport Club, casado e com filhos: Luís Lima, Diquinho Bala, Maria Lima, Santinha, Sandoval Lima e outros. Era de uma família de onde despontaram muitos e bons jogadores de futebol: Sandoval, Luís Lima e o Diquinho Bala e outros da 3ª geração de futebolistas: Fran Lopes, Ziza, Sapuca, Manelão, Cabá, Luluca e outros.
A casa da família de Chico Lima, pai de Diquinho Bala, ficava na antiga Rua Silva Jardim, hoje Trav. Pe. Luiz Varella servia de sede social para o Vasco da Gama.
Diquinho Bala/Raimundo de Jesus Lima, possuía um canhão nos pés e pobre do goleiro que tentasse pegar seus potentes e certeiros chutes e fazia uma dupla perfeita com o meia Bilico, este também de chutes indefensáveis.
• Afonso/Afonso Cardoso de Castro, filho de Euzébio de Castro e Dina Cardoso, funcionário aposentado dos Correios, antigo jogador de futebol do Clube da Saúde da Fundação SESP, do Vasco da Gama, do Vênus, da Seleção de Futebol de Abaetetuba, do Clube do Remo, do Payssandu, estes de Belém e vários outros clubes, tendo jogado até os 40 anos, sendo um dos melhores jogadores de futebol de Abaetetuba, casado e com filhos: Paulo Afonso e outros. Afonso era de uma família de jogadores de futebol: Ari, jogou futebol dos anos de 1950/1960 no time da Praça e outros clubes e atualmente (1/20111) mora em Marabá/Pa; Dijó, já é falecido, jogou futebol nos anos de 1940/1950; Jovaci Cardoso de Castro/Laburina, já é falecido, e jogou futebol nos anos de 1940/1950, tendo falecido vítima de tétano; Manoel Maria Cardoso de Castro/Mestre Dé, já é falecido, foi concluinte da 1ª turma de Humanistas do Ginásio Bernardino Pereira de Barros (1965), mecânico, vereador na gestão do prefeito João Alberto da Silva Bitencourt (1983-1988) e jogou futebol nos anos de 1960/1970, ferrenho torcedor da Tuna Luso Brasileira, de Belém, casado e com filhos. Outros irmãos de Afonso: Josina, Mita e Rebenque Cardoso de Castro.
Afonso, foi um dos melhores jogadores de futebol de todos os tempos de Abaetetuba, um verdadeiro craque, um maestro com a bola nos pés, que jogava na armação das jogadas de meio do campo.
• Bilico, do qual só sabemos o apelido, pai dos craques de futebol Ramito e Carmo. Bilico foi outro grande craque do futebol de Abaetetuba, muito habilidoso com a bola nos pés, rápido e que tinha um canhão no pé esquerdo e brilhou nos times do Vênus e da Seleção de Futebol de Abaetetuba, goleador nato, tendo marcado muitos gols pelo Vênus e Seleção. Bilico, pelo brilhante futebol que praticou se tornou uma lenda do futebol de Abaetetuba, junto com Diquinho Bala, dupla que era terror das defesas adversárias.
Foto do time do Vênus, em jogo realizado em 25/4/1971, de placar: Vênus 1 x 1 Palmeiras, jogo no antigo campo do Abaeté Futebol Clube.
De pé: Tiririca, Zé Leitão, .....(filho de D. Eudócia), Zé Maria, Dé, Banana, Filinho, Perécio (técnico) e Messias Lobato.
Agachados: Abel do Neves, Ítalo, Tatu, Zé Elídio, Ari, ....(casado com a filha do Sr. Capivara) e André Pontes.
Comentários:
Para quem não se recorda dessas pessoas tão caras para a memória do futebol de Abaetetuba, publicamos um pequeno resumo de suas biografias e existem 2 jogadores desse time do Vênus de quem o Sr. Café só lembra alguns detalhes e não lembra o nome. Quem souber o nome desses jogadores favor nos avisar nos comentários ou (e-amail-ademir-heleno@bol.com.br). Desde já agradecemos a grande contribuição para a memória do futebol de Abaetetuba.
• Tiririca, é filho do popular Marcelino/ Marcelino Soares de Lima, fruteiro no antigo Mercado de Carne e sobrinho do popular Benedito Soares de Lima/Benedito Fruteiro, nascido em 1932, ambos falecidos e filhos de Sebastiana Venuta Soares de Lima.
• Zé Leitão, possivelmente de nome José Leitão, grande zaqueiro dos times de futebol de Abaetetuba e da Seleção de Futebol de Abaetetuba. Ele marcava de perto os atacantes adversários e não lhes dava chances de gol, mesmo que para isso tivesse que dá umas bicadas nos tornozelos em faltas imperceptíveis pelos juízes de futebol. É casado e com filhos.
• O filho de D. Eudócia o Sr. Café não lembrou o nome, mas ele é de fisionomia conhecida nossa do blog, tendo estudado na Escola Bernardino.
• Zé Maria, é o José Maria Matias de Sena, que jogava um futebol razoável e foi estudar para Belém, formando-se engenheiro civil e presta seus serviços profissionais em Abaetetuba.
• Dé, é o saudoso Manoel Maria Cardoso de Castro/Mestre Dé, irmão dos jogadores Afonso, Laburina, Dijó e Ari. Vide família de Dé em Afonso Cardoso de Castro, acima. Mestre Dé já é falecido, foi concluinte da 1ª turma de Humanistas do Ginásio Bernardino Pereira de Barros (1965), mecânico de bicicletas em Abaetetuba, vereador na gestão do prefeito João Alberto da Silva Bitencourt (1983-1988), que por sua honestidade como político, não se reelegeu, porém famoso jogador de futebol nos anos de 1960/1970, que depois de parar com a vida de jogador tornou-se desportista incansável no futebol de sua terra em defesa do Vênus e de outros clubes e da Seleção de Futebol, um dos poucos torcedores da Tuna Luso que quando ganhava um título o Mestre Dé fazia churrasco de carne de carneiro, casado com filhos.
• Banana, filho do conhecido e popular Guilherme Medeiros, citado em 1930, amável comerciante com famoso botequim na Ponte Grande em Abaeté nos anos de 1940, 1950 que era ponto de alguns notáveis de Abaeté no jogo de gamão e dominó, c/c Maria Medeiros e tiveram filhos: Ubirajara/Birá, Pedro Poty, Iracema, Banana, Pindubussu, Parajara, Manoel Urubatan, Jacy, Paraguassu, Ubiracy, Esmeralda Medeiros. Ramos e Rochedo eram agregados a essa família. Banana, é irmão dos jogadores de futebol Pedro Poty e Parajara e é mestre mecânico em Abaetetuba e casado.
• Filinho, Benedito Góes Teixeira, grande e alegre figura e bom jogador de futebol de Abaeté. Vide Verediano acima.
• Perácio/Edilson da Silva Lobato, pertence a uma família, incluindo seus primos Bebé do Preto, família também de grandes mestres serralheiros, fundidores e mecânicos e grandes jogadores de futebol, penso que até a 3ª geração, como Baíco e outros. Foi vereador na 2ª Gestão do prefeito Hildo Tavares Carvalho (1973-1977). Se caracteriza na vida pessoal por ser uma figura alegre e bonachã. São seus irmãos, também grandes jogadores de futebol: Vavá (este falecido em desastre de moto na antiga Rua do Arame, atual Rua 7 de Setembro), Toró, Crizantinho, Tatu, Evandro e alguns seus filhos e primos, que grandes glórias proporcionaram aos seus clubes e à Seleção de Futebol de Abaetetuba.
Como jogador de futebol, Perácio jogava na defesa como zagueiro central e também era uma muralha, que junto com Aristides Sobrinho formavam uma grande dupla de zagueiros na Seleção de Abaetetuba, porém quando furavam os chutes os adversários dos bons times de Bragança, Capanema, Castanhal, Monte Monte Alegre e outras seleções não perdoavam e aconteciam as poucas derrotas da Seleção de Futebol de Abaetetuba que foi 11 vezes campeã de futebol do interior do Pará, contando com jogadores dessa tradicional família de Abaetetuba.
Perácio e seus irmãos jogadores de futebol, devido influência de seu saudoso pai Crizanto Lobato, ferrenho torcedor do Abaeté (deve ter sido também seu jogador) jogaram inicialmente no Abaeté Futebol Clube. Porém Perácio, como bom desportista, também jogou e trabalhou como técnico de futebol em outros clubes, inclusive no grande time do Vênus Atlético Club.
• Messias Lobato/Messias de Sigmaringa Lobato Neto, filho do saudoso dono de farmácia Dionísio Edmilson Lobato, este nascido em 19/7/1919, católico fervoroso e baluarte na construção da Igreja Matriz de Abaeté, c/c Inês Bahia e tiveram filhos: Bernardete, Maria Ellen, Maria José, José Edmilson,Maria de Fátima, Messias de Sigmaringa Neto, Paulo e outros. Messias Neto, conforme o Sr. Café, era apaixonado torcedor de jogos do Vênus e entrou na foto como um alegre penetra.
• Abel do Neves. Abel Neves/Abel do Neves, filho do dono do engenho Santo Antonio, comprado de Arthur Nunes Ferreira na Costa Maratauhyra e comerciante de ferragens, Raimundo Neves. Abel jogou futebol na juventude como folclórico ponta direita do Abaeté e rápido como era na ponta direita, quando avançava, o público vibrava e gritava “Cruza Abé, cruza Abé” e com esses cruzamentos saíram muitos gols do Abaeté e Abel herdou a loja de ferragens de seu pai e é casado.
• Ítalo/Ítalo Calliari Baía, filho da descendente de italianos Roma Calliari Parente, c/c Aluízio Baía, com imóvel na Av. D. Pedro II e que além de Ítalo, tiveram outros filhos: Júlio (tmabém jogou futebol no Vênus), Otoni Bebedito/Suto (jogou futebol no grande time do Palmeiras dos anos de 1970), Rui e Anita Maria. Ítalo era de baixa estatura, bom e técnico jogador de futebol na juventude, iniciado nas peladas do Time da Praça. Foi para Belém e se formou engenheiro agrônomo. Deu muitas glórias aos times da Praça, do Palmeiras e do Vênus. Otoni Benedito Calliari Bahia/Sutó c/c Luzia Rodrigues Batista, esta filha de Francisco de Lima Batista e tiveram filhos. Sutó apesar de magrinho era um vigoroso zagueiro do Time da Praça e do Palmeiras.
• Tatu/ é irmão de Vavá, Perácio, Toró, Crizantinho, Evandro que também eram jogadores de futebol e moravam no antigo bairro do Cafezal, filhos de Crizanto Lobato/Mestre Crizanto, que possuía uma grande oficina de serralharia, fundição, mecânica na Rua Siqueira Mendes no bairro de São José e onde trabalhavam a maioria de seus filhos, genros e muitas outras pessoas. Tatu, rompedor de áreas, como seus irmãos jogadores eram vigorosos jogadores, incansáveis em campo e que davam tudo pelos seus times de futebol.
• Zé Elídio/José Elídio Santos, filho de um freteiro marítimo de Abaeté e sobrinho de Raimundo Souza Santos/Dico Souza, este lendário fotógrafo e seresteiro de Abaeté, músico que tocava violão, c/c Maria Silva Melo e tiveram filhos: Cecé, Dorinha Melo Santos, Raimundo Alírio e outros. Raimundo Alírio, o Gabiru, também foi jogador de futebol, jogando na ponta direita do Abaeté.
Zé Elídio era um rapidíssimo e atacante de muita habilidade com a bola nos pés, que quando jogou contra o time do Clube do Remo, de Belém/Pa, o mesmo despertou grande interesse desse time e Zé Elídio foi outro grande craque de futebol de Abaeté a jogar nos grandes clubes de Belém.
• Ari/Ari Cardoso de Castro, irmão dos jogadores Afonso, Dijó, Laburina e Dé, era um baixinho e habilidoso meia armador que iniciou sua vida de jogador jogando na Time da Praça e daí passou para o Vênus, time para o qual contribuiu com muitas vitórias desse time do Vênus dos anos de 1970. Vide Afonso Cardoso de Castro acima. Ari foi embora para Marabá e lá deve estar aposentado de suas atividades na vida civil e futebolística.
• O jogador no meio de Ari e André Pontes, conforme o Sr. Café, é casado com filha do popular Sr. Capivara, cunhado do professor José Maria, este que foi diretor da Escola Leonardo até pouco tempo atrás. Quem souber de suas refências, favor repassá-las para nosso blog para os devidos acréscimo.
• André Pontes/André Pontes Pimentel, filho do grande músico tocador do instrumento “rabecão”, um contrabaixo poderoso dos antigos conjuntos musicais de Abaeté e Silvio de Sousa Pimentel foi também o antigo administrador da merenda no governo do prefeito Pedro Pinheiro Paes (1948-1951), músico da Banda Carlos Gomes, c/c Pautila de Lima Pontes e com filhos: Sílvia Maria, Ivo, Miguel, Sandra, Cileno e André Pontes Pimentel/André Pontes, que era adotivo.
André Pontes é uma pessoa boa praça, trabalhador e razoável jogador de futebol, com um característico drible riscado, com o pé esquerdo, que desnorteava o adversário e o time do Vênus tirava proveito dessas jogadas.
Esta postagem foi feita com a colaboração do antigo jogador Café, filho da famosa parteira abeteense Zita Margalho, atual Mestre Café, popular pedreiro, pintor de Abaetetuba, atualmente, 1/2011, com 70 anos de idade, c/c Socorro e com 8 filhos. O mesmo é depositário da memória não só do futebol, como também dos cordões de pássaros e bois de Abaeté e de grande parte da história de Abaetetuba.
Primeira foto, time do Abaeté Futebol Clube, campeão do futebol de Abaetetuba em 1956. Ao fundo aparecem as casas de Lorico/Lourival Lima Leite Lobato, c/c Cotita Coutinha e D. Alfa, mãe do Chico, na antiga Rua Floriano Peixoto, hoje Rua Lauro Sodré. Nesse local deviam existir apenas uma 3 ou 4 casas.
Em pé: Sabito, Perácio, Josué, Alair, Mota, Crizantinho, Mário Tabaranã, Cornélio e Dr. Lopes.
Agachados: Toró, Cravo, Wilson, Afonso e Diquinho Bala.
Sabito, dirigente do Abaeté, filho do Didico Cacheado Silva.
Perácio, filho de Crizanto Lobato.
Josué, filho de um comerciante que vendia cimento e outros produtos para construção de casas, na Rua Magno de Araujo.
Alair/Alair Melo, filho de Laurita Melo, irmã de Lalá e Luama.
Mota, um jogador do Clube do Remo, de Belém/Pa.
Crizantinho, irmão do Perácio, filho de Crizanto Lobato, quando jogava na defesa, que é uma novidade. Quando o Abaeté precisou de um goleiro, o Crizantinho se apresentou e a partir daí, não mais saiu do gol.
Mário Tabaranã, um mestre dos calçados de Abaetetuba.
Cornélio/Cornélio Silveira, dirigente do Abaeté, mestre mecânico de Abaetetuba.
Dr. Lopes/Francisco Leite Lopes, dentista em Abaetetuba, dirigente do Abaeté.
Toró/Arlindo Lobato, outro filho de Crizanto Lobato, que era uma tradicional família de grandes craques do futebol de Abaetetuba.
Cravo, filho do popular Manoel Eugênio c/c Benedita.
Wilsom, como novidade jogando no ataque, pois, depois, se consagrou como vigoroso jogador de defesa no Abaeté e Seleção de Futebol. Chegou à Abaeté e foi convidado pelo Mestre Crizanto Lobato para trabalhar em sua oficina mecânica. Ficou e casou com uma filha de criação de Crizanto Lobato.
Afonso/Afonso Cardoso de Castro, um grande jogador de futebol de Abaeté, junto com seus irmãos: Laburina, Dijó, Ari, Dé.
Diquinho Bala/Raimundo de Jesus Lima, filho de outro grande jogador de futebol de Abaeté, o Chico Lima. O Diquinho Bala possuía um canhão nos pés e pobre do goleiro que tentasse pegar seus potentes chutes.
Segunda foto, de 1957, apresenta o time do Abaeté Futebol Clube:
Em Pé: Perácio, Crizantinho, Mário Tabaranã, Chinesinho, Banana e Zinho.
Agachados: Gabiru, Berrane, Luiz Lima, Afonso e Viloca.
Que é outra grande formação do Abaeté dos anos de 1950.
Perácio/Perácio Lobato, jogador do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaeté.
Crizantinho/Crizanto Lobato Filho, já como goleiro e grande goleiro do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaeté.
Mário Tabaranã, mestre dos calçados, jogador e ferrenho torcedor do Abaeté.
Chinesinho, veio da localidade Jarumã para Abaeté, para trabalhar como mestre barbeiro e como veloz jogador do Abaeté.
Banana, filho do amável Sr. Guilherme Medeiros, de filhos com nomes indígenas. Banana, além de bom jogador de futebol, era e ainda é mestre ferreiro em Abaetetuba.
Zinho, jogador vigoroso da defesa do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaetetuba. Ainda vive e alguém precisa ajudá-lo em seus problemas.
Gabiru, sobrinho do fotógrafo Dico Cururu, veloz ponta direita do Abaeté.
Berrane, filho do Sotero, este administrava a vacaria do Sr. Joaquim Mendes Contente, onde hoje está assentado o Clube Bancrévea ou Secretaria de Educação de Abaetetuba. Berrane também era um atacante muito veloz e rompedor de defesas, que deu muitas glórias ao Abaeté.
Luiz Lima, filho do também jogador de futebol Chico Lima, que tinha outros filhos jogadores de Futebol: Diquinho Bala e Sandoval Lima. Luiz Lima jogava uma boa bola e era rápido e de dribles desconcertantes.
Afonso/Afonso Cardoso de Castro. Já comentado.
Viloca/Vilobaldo Dias, filho de Dona Maura, irmão do Mestre Gildo, mecânico. Vilobaldo era rápido com a bola nos pés e não brincava em serviço pelo seu Abaeté. Seus amigos de Juventude: Olavo, Adonai e Coropó.
BRASIL SPORT CLUB/BRASIL VELHO
O Brasil Sport Club foi fundado em 24/5/1936 e possuía 116 associados e 53 associadas. Teve como um de seus presidentes, em 1930, o folclórico Mestre César/César de Assis Negrão.
César de Assis Negrão era filho de Francisco de Assis Negrão e Deodata Góes e c/os irmãos: Leandro, Clarita, Rosa, Edwirges, Odete e Dedame da Silva Negrão.
No tempo do Mestre César, o Brasil Sport Club tinha como grande adversário o Abaeté Futebol Club, que tinha como presidente Chrispim Ferreira. Esses dois times eram como Payssadu e Remo em Belém, grandes rivais do futebol abaeteense. Chrispim Ferreira tinha um timbre de voz abafada e fina e o Mestre César tinha um tom de voz forte, um vozeirão, como se diz. Um igarapémiriense sentenciou: “são rivais até na voz”.
No governo do prefeito Aristides dos Reis e Silva era o Mestre César que dirigia o caminhão marca Ford para o município, o segundo caminhão a trafegar na cidade, mais tarde, o Mestre César passou a o gerente técnico da Usina Elétrica de Abaeté, em 1942.
O Mestre César foi o eletrecista responsável pela antiga Usina Elérica de Abaeté, movida à vapor de lenha e situada na Rua do Trapiche, no local onde ficava o antigo engenho de Pedro Rosado. Mestre César acumulou a função de eletrecista da usina com a de motorista do 1º caminhão de Abaeté, apelidado de “Lama”. Esse caminhão transportava a produção agrícola das Colônias “Velha” e “Nova” para a cidade de Abaeté.
Como desportista existem algumas citações:
A Sociedade Brasil Sport Club teve como um de seus presidentes, em 1930, o Mestre César. O Mestre César consolidou o Brasil Sport Club no cenário social e esportivo da cidade, clube que contava com um bom número de associados.
1931: R. Siqueira Campos, onde se localizava a casa de César de Assis Negrão.
Em 1953 o presidente da Sociedade Brasil Sport Club era Oziel Pimentel Coutinho,que foi outro grande desportista em Abaeté, que dirigiu o Brasil Velho, filho do Cap. Orêncio Pereira Coutinho e Maria de Araujo Pimentel. Oziel n. em 1/4/1907, foi b. em Beja pelo Pe. Pimentel, funcionário da prefeitura de Abaeté/Pa, tesoureiro na gestão do prefeito Pedro Pinheiro Paes (1948-1951), e contador na 2ª gestão do mesmo prefeito (1955-1959) e casado com Turquinha Jorge. Foi esse grande cidadão abaeteense que dirigiu o Brasil em s/1ª fase de existência.
Brasil Velho se refere ao Brasil Sport Club dos primeiros tempos e o Brasil Novo se refere ao mesmo time refundado alguns anos depois de s/criação.
Formações do Vênus e do Brasil em um memorável clássico do futebol de Abaeté, disputado no dia 7/8/1960:
Vênus: Alair; Mafra e Aristides; Guino, Bicicleta e Rivair; Dodinha, Diquinho Bala, Bilico, Manoel e Miguel.

Brasil: Cangula; Bacu e Saúde; Sabá, Vicente e Gata; Cavalinho, Elídio, Piranha, Alcimar e Edir. Preparador físico do Brasil: Eurico.
Saúde/veio da família Maciel, que era um vigoroso zagueiro que jogou, além do Brasil, em outros times como o Abaeté e a seleção de futebol.
Gata/é o Sargento Gata.
Cavalinho/irmão do músico Cardinal.
Piranha/Humberto Maciel, vigoroso e rápido jogador que jogou, também, p/muitos anos no Abaeté e na seleção de futebol. A quadra de esportes do Abaeté tem o nome desse atleta.
Edir/Edir Quaresma.
ABAETÉ FOOT-BALL CLUB/ABAETÉ FUTEBOL CLUB
Inicialmente chamado Abaeté Foot-Ball Club, foi fundado em 5/8/1935 e tinha o seu campo à Rua 1º de maio e s/séde ficava no antigo prédio da Prefeitura Municipal de Abaeté, que era de propriedade do Velho Galileu, filho do Velho Salico.
Um dos Presidentes do Abaeté Foot Ball Club foi Francisco Lopes.
O Abaeté Foot-Ball Club chegou a possuir 150 associados e 30 associadas pagando mensalidades.
Outro presidente do já chamado Abaeté Futebol Club foi Chrispim Ferreira, nos anos de 1930.
Crhispim Ferreira, era comerciante, empresário do setor de padaria e cinema em Abaeté e desportista. Chrispim Ferreira lembra cinema e a famosa “Padaria Chibé”. Era um dos organizadores das antigas festas de N. S. da Conceição em Abaeté.
1931:
Residiam na Rua Nilo Peçanha Chrispim Ferreira e Francisco de Miranda Margalho.
A chamada “Escolas Reunidas” teve o seu início em uma casa de propriedade do comerciante Chrispim Ferreira, no subúrbio Sertão, com 50 crianças, tendo como sua 1ª professora a professora Maria Zaíde Cardoso, em 22/4/1936, sendo o prefeito da época o Sr. João Francisco Ferreira.
Crispim Ferreira, unindo-se a Juca e a José Saul, fundaram o Cine Glória. Crispim, depois, montou o seu próprio cinema o Cine Natan, no terreno onde hoje fica situado o Edifício Charrua, na antiga Rua grande, hoje Avenida D. Pedro II. As sessões do Cine Natan se tornaram memoráveis para adultos, jovens e crianças daquele tempo, como: Durango Kid, Zorro, Tarzan, Bomba, Búfalo Bill, os filmes de faroeste e os de capa-e-espada e inúmeros seriados que existiam naqueles tempos. Era a única diversão da cidade.
Como desportista, Chrispim Ferreiro, foi presidente do Abaeté Futebol Club. No tempo de Chrispim Ferreira como presidente do Abaeté, este clube tinha como grande adversário o Brasil Sport Club, que tinha como presidente o Mestre César. Esses dois times eram como Payssadu e Remo em Belém, grandes rivais do futebol abaeteense. Chrispim Ferreira tinha um timbre de voz abafada e fina e o Mestre César tinha um tom de voz forte, um vozeirão, como se diz. Um igarapémiriense sentenciou: “são rivais até na voz”.
Crispim Ferreira casou com Maria Stela Reis Ferreira e tiveram os seguintes filhos: Ronald, Rosildo Reis Ferreira, Rosete Ferreira Vilhena, Rosenete Ferreira Castro e Rosilda Reis Ferreira.
Rosete Ferreira Vilhena é casada e com filhos e netos.
Antes da rivalidade entre Vênus e Abaeté a rivalidade era entre o Brasil e Abaeté, que era um grande clássico, que mobilizava toda a cidade, c/torcidas apaixonadas e vibrantes. antes da criação da Liga Esportiva de Abaetetuba.

A ERA TENENTE HUMBERTO PARENTE À FRENTE DO ABAETÉ FUTEBOL CLUB
O Ten. Humberto Parente, quando presidente do Abaeté Futebol Club, comprou a área chamada “Silva Jardim”/atual trecho da Trav. Pe. Luiz Varella, onde construiu o 1º campo de futebol do clube. Posteriormente esse campo foi loteado e com o produto da venda da área o Ten. Humberto construiu o 2º campo de futebol do Abaeté na Rua 1º de Maio, onde se encontra até os dias de hoje. Esse campo foi reformado p/seu presidente Afonso Silva Sarges da Rocha e foi reinaugurado em 3/11/1991.
O Ten. Humberto Parente, filho do grande comerciante e industrial italiano Garibaldi Parente, foi um dos grandes nomes do futebol em Abaeté. Se tornou presidente do Abaeté Futebol Club e p/longos anos dirigiu esse clube. No s/tempo o futebol em Abaeté era empolgante, existindo outros grandes times de futebol que quando se enfrentavam mexia c/a cidade de Abaetetuba, verdadeiros clássicos de futebol e grandes rivalidades, especialmente contra o maior adversário do Abaeté, o Vênus Atlético Club.
O tempo do Ten. Humberto foi o tempo em que a seleção de futebol de Abaetetuba estava no s/auge Do sucesso, papão de títulos de futebol do Campeonato Intermunicipal de Futebol do Pará.
O grande rival do Abaeté do Ten. Humberto Parente foi o Vênus Atlético Club, que tinha como presidente ou folclórico desportista, Goeszinho/Sebastiaão Pinheiro Góes, que travaram inigualáveis embates no antigo campo de futebol do Abaeté, levando multidão de torcedores a esse campo e jogando um futebol de 1ª linha, onde despontaram verdadeiros craques do futebol de Abaetetuba e que chegaram a jogar em grandes times de futebol da capital, Belém/Pa. A rivalidade entre esses dois grandes times era imensa, com torcidas apaixonadas e sendo os times que mais títulos de futebol conquistaram na cidade.
O Ten. Humberto Parente como desportista se iguala a outros grandes desportistas de Abaeté como Chico Lima/Itatiaia, Mestre César/César de Assis Negrão/Brasil, Góeszinho/Sebastião Pinheiro Góes/Vênus e modernamente, Alcimar Carneiro de Araujo, à frente da Sociedade Esportiva Palmeiras nos anos de 1970.
Como homenagem ao grande desportista que foi o Tenente Humberto Parente, além do Estdio de Futebol Humberto Parente, do Abaeté Futebol Club, existe uma rua em Abaeteuba/Pa com o nome: Passagem Humberto Parente.


VÊNUS ATLÉTICO CLUB
OS PRIMEIROS DIRETORES E ASSOCIADOS DO VÊNUS ATLÉTICO CLUB
Citação de 1949:
O Vênus Atlético Club foi fundado em 20/5/1949, c/sede à Rua 1º de Maio em Abaetetuba/Pa.
Quando a séde do Vênus se localizava na Av. Pedro Rodrigues, em uma casa de propriedade de Apolônio Rodrigues, perto da casa do Sr. Moreno/Manoel do Carmo Rodrigues, dono da loja de comércio “A Suely Armarinho, seus associados ainda eram aprovados p/reunião da diretoria.
Uma carta escrita por Everaldo dos Santos Araujo:
Secretaria do Vênus Atlético Clube, em 9 de abril de 1951. Ilustríssimo Senhor Ademar Lobato Rocha. De ordem do Sr. Presidente do Vênus Atlético Club, tenho o grato prazer de comunicar-vos, que em sessão deste clube, e por proposta do associado Apolônio Rodrigues de Araujo, fostes unanimemente aceito para o quadro de sócio Coluna 1 desta sociedade. Aproveito o ensejo para apresentar-vos as minhas cordiais Saudações. Everaldo dos Santos Araujo, 1º Secretário.
Everaldo dos Santos Araujo chegou a ser presidente do Vênus.
Alguns diretores e sócios do Vênus Atletico Club em 9/4/1951: Everaldo dos Santos Araujo, 1º secretário e sócios: Ademar Lobato Rocha, Sandoval Flexa Tavares, Zilomar Soares Brito, Mário Gonçalves Felgueiras, Otávio Gama, c/sede à Rua 1º de maio.
Everaldo era filho de Lauro Ribeiro de Araújo, que n. em 15/8/1902 e Raimunda Dulcelina dos Santos/Flor e teve outra irmã: Ângela Angelita Santos Araujo. N. em 8/6/1929 e c/c Maria Delcy Silva e tiveram 11 filhos: Maria de Fátima, Lauremir (Bibas), Everaldo, Carlos Ivanildo (Vanvan), Delciraldo/Déo, José Nilton/Cotoca, Iracenildo/Garoto, Maria do Socorro, Raimunda Dulcelina/Flor, Raimundo Nonato/Reco e Lauro Augusto Silva Araújo.
Everaldo Santos Araújo era proprietário da famosa Alfaiataria Araujo/Alfaiataria Araujo & Cia., nos anos de 1969, 1970. Foi esse cidadão um dos sustentáculos do Vênus Atlético Club nos seus pripeiros anos de existência.
Como homenagem ao comerciante, empresário de moda, despotista Everaldo dos Santos Araujo, existe uma rua em Abaetetuba/Pa uma rua com o nome: Trav. Everaldo dos Santos Araujo, no bairro do Algodoal.
SEBASTIÃO PINHEIRO GÓES/GOESZINHO:
Outro grande baluarte à frente do Vênus foi o cidadão Sebastião Pinheiro Góes/Góeszinho, outro folclórico desportista, presidente do Vênus na década de 1960. No seu tempo o Vênus cresceu como clube de futebol e clube social, onde em s/sede da Av. Pedro Rodrigues se realizaram grandes bailes, festas de carnaval e quermesses aos domingos à tarde, c/grande afluência de pessoas que lotavam aquela sede.
No tempo de Goeszinho à frente do Vênus, este clube se tornou o grande rival do Abaeté Futebol Club, dirigido pelo Ten. Humberto Parente, quando esses dois grandes times de futebol criaram um clássico de futebol que eletrizavam a cidade inteira em dias de jogos e disputas de campeonatos da cidade. Eram esses dois grandes times de futebol que disputavam, ano a ano, os títulos de campeões de futebol da cidade de Abaetetuba e eram eles que forneciam a base dos grandes times de futebol da Seleção de Futebol de Abaetetutuba, que ganhou 11 títulos de futebol do interior do Estado do Pará. Vide os grandes jogadores de futebol de Abaetetuba.
Após a criação da Liga Esportiva Abaetetubense, em 15/5/1955, os times do Vênus e do Abaeté se revezavam na conquista dos títulos da cidade. Poucas vezes outros times de Abaeté, a partir dessa data, tiravam os títulos desses dois times. Quando em 1966 surgiu o Palmeiras, ele começou a formar um time de jogadores jovens e talentosos. Em 1974 e 1975 o Palmeiras foi bicampeão de futebol de Abaeté, quebrando a hegemonia de Vênus e Abaeté.

POMBO DA MAROCA LIMA/Francisco de Lima Batista, filho da famosa parteira de Abaetetuba, Maroca Lima. Foi um razoável jogador de futebol e também foi ator amador e comediante em Abaeté. Casou com Dilce Rodrigues e tiveram filhos.
OMAR FELGUEIRAS, irmão de Mário Felgueira, que jogava um grande futebol, casado c/uma filha de Chico Lima e seus filhos trouxeram a genética do futebol: Cabá e Luluca, do grande time campeão do Palmeiras, anos de 1970.
EURICO, morava numa casa na Av. D. Pedro II, perto da casa do Sr. Chrispim Ferreira, era um humilde operário de Abaetetuba, mas que jogava um grande futebol. Era um moreno alto, forte, um verdadeiro maestro em campo, ditando as jogadas, em futebol clássico, passes milimétricos e de fintas rápidas e que se adaptava em qualquer posição/curinga, mas preferia a função de centroavante e jogando sempre de cabeça erguida. Dificilmente errava uma jogada e dava gosto vê-lo jogar.
SABÁ DO CEGO, filho de um cego, da família humilde. Ponta direita veloz que quando de posse da bola ninguém o segurava devido s/velocidade.
BIROBA, grande jogador de futebol, que chegou à Abaetetuba junto c/outro irmão, também grande jogador de futebol. Ambos jogavam o futebol clássico. Biroba era o tipo de jogador clásico, c/pleno domínio da bola e jogadas.
ALCIMAR/Alcimar Carneiro de Araujo, filho de Bacuritita/Stoesel Orlando de Araujo, ambos sapaterios e Alcimar comerciante e empresário do ramo de calçados de Abaetetuba, muito franzino, mas c/muita garra jogando futebol. Era um apaixonado p/futebol, tornando-se um dos maiores desportistas de Abaetetuba, tendo fundado e mantido p/muitos anos a Sociedade Esportiva Palmeiras, que foi o time que veio tirar de Vênus e Abaeté a primazia de campeão de futebol de Abaetetuba, com os grandes times de futebol dos anos de 1970.
CAVALINHO, além de futebolista era músico e irmão do músico Cardinal, era baixinho e franzino, mas muito veloz c/a bola nos pés.
ALAIR/Alair Melo, grande goleiro do Vênus e da Seleção de Futebol de Abaetetuba, goleiro que fazia defesas incríveis, de grande elasticidade e plasticidade. Ele voava, literalmente, fazendo sensacionais defesas acrobáticas na meta do Vênus e da Seleção. Rivalizava c/outro grande goleiro, Crizantinho, goleiro do rival Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaetetuba.
Como homenagem a esse grande jogador de futebol existe uma rua em Abaetetuba com o seguinte nome: Trav. Alair Melo, no bairro de S. Sebastião.
ARISTIDES, era o Aristides dos Reis e Silva, sobrinho do Cel. Aristides, um zagueiro s/muita técnica, mas vigoroso, de grande força nas pernas. Por ele, passava a bola e ficava o adversário. Também jogava na seleção de futebol de Abaetetuba. Além de jogador de futebol era comerciante e político, tendo sido verador na gestão de Francisco Leite Lopes (1963-1967) e prefeito em Abaetetuba/Pa (1970-1972).
GUINO, era o Guino Carvalho, alto e c/técnica apurada, jogando no meio de campo, futebol cadenciado.
BICICLETA, veio da cidade de Castanhal/Pa, casou c/uma abaetetubense e jogava futebol de modo clássico e vigoroso, conforme a ocasião determinava. Chegou a jogar na deleção de futebol.
RIVAIR, jogador vigoroso e pegador, jogando na lateral esquerda.
DODINHA/Hilton Elias Ferreira, baixinho, mas com uma impulsividade impressionante, disputando c/grandes zagueiros as bolas altas. Era ponta direita e muito veloz na corrida em direção ao gol adversário. Fazia muitos gols. Trabalhou na Agência de Estatísticas de Abaetetuba, tendo se aposentado na função de Agente de Estatíticas desse órgão.
DIQUINHO BALA/Raimundo de Jesus Lima, filho de Chico Lima que também foi jogador de futebol. Diquinho Bala era centroavante do Vênus e da seleçao de futebol, muito rápido, dribador e rompedor de áreas e tinha um canhão nos pés, certeiro. Ele rivalizava em potência dos chutes com outro grande jogador do Vênus, Bilico. Esses dois eram o terror dos goleiros adversários.
BILICO, foi um dos maiores jogadores de futebol de Abaetetuba, jogava no ataque, era muito rápido e habilidoso c/a bola nos pés e c/um chute potente e certeiro, um goleador nato. Junto c/Diquinho Bala foram os grandes goleadores do Vênus e da seleção de futebol. É o pai dos jogadores Ramito e Carmo.
VASCO DA GAMA ESPORTE CLUB
O Vasco da Gama Esporte Clube foi fundado em 26/5/1951. Em 1953 o presidente do Vasco da Gama foi Raimundo de Araujo Quaresma. A séde social do Vasco da Gama ficava na Rua Silva Jardim, nº 1.483, a séde recreativa na Rua 15 de agosto, nº 161 e o campo de futebol à Rua 1º de maio.
Em 1953 foi formada o Vasco da Gama Juvenil Clube, inicialmente com o nome de Bangu. Era a a parte juvenil do Vasco da Gama, formado pelo publicitário Bandute Sena/Benedito Sena dos Passos, 1º fundador e proprietário do “Sonoros Capacabana”, que existe até os dias de hoje com o nome de Empresa Copacabana de Comunicação.
PEDRO POTI, filho de Guilherme Medeiros, moreno alto, bom goleiro do Vasco da Gama, de muita elasticidade em s/defesas.
CRAVO, outro mestre da bola, que jogava na armação.
AFONSO CARDOSO DE CASTRO E SEUS IRMÃOS JOGADORES DE FUTEBOL:
AFONSO/Afonso Cardoso de Castro, foi um dos maiores jogadores de meio campo do futebol de Abaetetuba. Afonso era o tipo de jogador clássico e s/passes tinham endereço certo nos pés dos grandes goleadores de Abaetetuba, como Diquinho Bala, Bilico, e outros atacantes que vieram posteriormente.
Além do Vasco da Gama, Afonso jogou em outros clubes de Abaetetuba e na seleção de futebol, nesta, p/longos anos.
O primeiro clube de Afonso Cardoso de Castro foi o Clube da Saúde, fundado pelo Dr. Abílio, do antigo SESP/Serviços Especiais de Saúde Publica, time que, alguns anos depois, veio a ser a base do Vasco da Gama.
Afonso começou a jogar futebol aos 13 anos, no Clube da Saúde e finalizou sua carreira aos 43 anos de idade, jogando pelo Vênus.
Afonso era o mais velho dos irmãos, todos jogadores de futebol, como Laburina, Dijó, Ari, Dé.
Afonso jogava na função de meia-esquerda e jogou por vários clubes de Abaeté e no Paissandu e Remo da capital do Estado. Jogou futebol durante 28 anos e nunca foi expulso de campo e nunca jogou no time reserva.
Os clubes pelos quais passou foram os seguintes: Clube da Saúde, Vênus/campeão de Abaeté em 1964, 1965, 1966, 1967, 1968 e 1969, Seleção Abaetetubense/onde foi campeão intermunicipal em em 1955, 1958, 1961, e 1962 e Abaeté/onde foi campeão em 1956 e 1963. Afonso era um mestre com a bola nos pés, jogador estilista e passes milimétricos para a finalização dos seus companheiros.
Em Belém jogou um ano de (1955) pelo Payssandu, convidado que foi pelo jogador Guimarães do mesmo Payssandu. Depois volta para jogar em Abaetetuba. Novamente volta para Belém para jogar pelo Payssandu, onde passa pouco tempo. Jogou pelo Clube do Remo, convidado que foi pelo Goleiro Júlio Veliz, onde jogou os anos de 1957 e 1958.
Afonso, na vida civil, trabalhou na Agência dos Correios, em Abaeté, onde se aposentou. Laburina, s/irmão, também era um craque de futebol e jogava no Vênus, anos de 1956 e 1957. Laburina morreu precocemente, muito jovem. Ari também era um bom jogador de futebol e Dé era um zagueiro vigoroso. Dijó era zagueiro lateral esquerdo, driblador e vigoroso.
SANDOVAL/Sandoval Rodrigues, filho do Prof. Maxico, impetuoso avante do Vasco da Gama.
SABITO/Sebastião Pontes, filho de João Nepomuceno Pontes, bom jogador de futebol.
LUÍS OLEGÁRIO, era um rapidíssimo ponta esquerda, s/muita técnica, mas com muita garra, um lutador em campo.
ACAPU, foi um grande jogador de futebol de Abaeté, de postura firme em campo, um garçon servindo a bola aos s/companheiros.
SUZETE, era irmão do Biroba, que jogava um bom futebol.
CORNÉLIO/Cornélio de Almeida Silveira, que trabalhava como mecânico em Abaetetuba e foi presidente do Tietê Esporte Clube.
ODIVAL/Odival Quaresma, que atualmente é advogado em Abaetetuba. Foi um vigoroso lateral do Vasco da Gama e da seleção de futebol de Abaetetuba. Tinha um irmão, de nome PACHEIRO, que também jogava no Vasco da Gama.
VASCO DA GAMA ESPORTE CLUB NO ASPECTO SOCIAL
Além do futebol, Abaeté, Vênus e Vasco da Gama disputavam a primazia dos eventos sociais na cidade de Abaetetuba. Vênus e Abaeté faziam bonitos e concoridos bailes e quermesses em s/sedes. Mas foi o Vasco da Gama quem mais se destacou no aspecto social, promovendo concorridos bailes de carnaval e festas sociais, quando era dirigido p/Bandute Sena e a família Cruz, proprietária da serraria que antes fora de Garibaldi Parente. As festas de carnaval do Vasco da Gama tinha concursos de fantasias, de blocos e de máscaras. E ainda tinha os s/famosos bailes de carnaval infantil, imbatíveis, na época.
TIETÊ ESPORTE CLUB
O Tietê Esporte Club foi fundado em 28/10/1952, com séde na atual Rua Lauro Sodré, nº 1920. Teve como um de seus primeiros presidentes o Sr. Cornélio de Almeida Silveira.
Cornélio de Almeida Silveira, obteve concessão de um terreno c/limites pela frente c/a Trav. Pinto Martins e fundos c/a R. Floriano Peixoto, dado p/aforamento em documento de 13/11/1954, terreno com 100 x 60m. Esse terreno abriga o campo de futebol do Tietê e existe até os dias de hoje.
S/séde fica na atual R. Lauro Sodré, bem em frente à Escola Magalhães Barata/Abaetetuba/Pa.
SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS
A Sociedade esportiva Palmeiras foi fundada pelo antigo jogador de futebol, comerciante e empresário de calçados Alcimar Carneiro de Araujo, contando c/ a ajuda de Adonai Olívio Rocha, também sapateriro e outras pessoas, em 26/7/1966.
Alcimar, que também se tornou técnico de futebol, optou p/formar o time do Palmeiras com jovens valores do futebol de Abaetetuba, mesclado c/alguns veteranos.
Após várias campanhas brilhantes somente em 1974 se tornou campeão de futebol de Abaeté e em 1975 foi bicampeão, em memorável campanha. Dava gosto ver aquele jovem time jogar futebol, onde a garra e a técnica se aliavam p/formar um time onde o conjunto era o s/forte, mas c/a presença de verdadeiros valores do futebol, tendo alguns desses jovens jogadores integrados a seleção de futebol de Abaetetuba e outros optando em jogar nos times da capital Belém/Pa.
O Palmeiras veio para quebrar uma hegemonia do Vênus, Abaeté e também do Tieté, que se revezavam na conquista dos títulos de futebol da cidade.
ELENCO DO TIME BICAMPEÃO DO PALMEIRAS
Goleiros: Fernando/Fernando Ribeiro, Ziza/Ziza Lopes, filho do Dr. Lopes, que se revezavam no gol.
Laterais: Zé Maria/Zé Marocas/José Maria Maués Paes, Luluca/Luiz Lima Felgueiras, Baíco/filho do antigo jogador Perácio, Mendonça.
Meio do campo: Burunga e Arara/filho do Silvino Santos e vendedor de bilhetes de loterias;
Atacantes: Amujacy/Amujacy Cardoso de Araujo, filho de Alcimar, Fran Lopes/irmão do Ziza Lopes, Siloca, Cabá/irmão do Luluca Felgueiras, Vaval/Edval Chagas, e ainda, Lula/Aloísio Ferreira, Macaco e Orêncio.
Para Alcimar Araújo o grande time do Palmeiras foi o de 1972 e 1973, que tinha os jogadores: Bacu/Bacu da Dedame/Adilson Negrão Lopes, Guarasuco, Zé Maroca, Jango/João, Lúcio/Lúcio Lima, irmão do Tio Cabra, Veridiano/Veridiano Góes Teixeira, Pedrão/filho do Galo Mouro, Tonho Lopes/ irmão do Ziza e de Fran Lopes , Nani, Rooselvet e Ítalo/Ítalo Calliari Baía/irmão do Sutó.
Após a criação da Liga de Futebol os times do Vênus e do Abaeté se revezavam na conquista dos títulos da cidade. Poucas vezes outros times de Abaeté, a partir dessa data, conseguiam tirar os títulos de Vênus e Abaeté. Quando em 1966 surgiu o Pameiras, ele começou a formar um time de jogadores jovens e talentosos. Em 1974 e 1975 o Palmeiras foi bicampeão de futebol de Abaeté. As torcidas de Vênus e Abaeté eram quentes e fanáticas.
VERIDIANO/Veridiano Góes Teixeira, era um verdadeiro craque de futebol, que jogava de volante, no desarme, toques refinados, sempre de cabeça erguida, driblando e dando passes sensacionais, que sempre redundavam em gols e ele mesmo era um cabeceador emérito, apelidado “Cabecinha de Ouro”. Veridiano nunca dava chutões com a bola por que era o tipo de jogador clássico, que tinha completo domínio das jogadas, era o cérebro dos times onde atuava.
Jogou futebol p/muitos anos e em vários clubes e na seleção de futebol de Abaetetuba. Além de jogador de futebol era funcionário do DER/Pa, em Abaetetuba e muito bom compositor de marchas carnavalescas e sambas-enredos p/as escolas de samba de Abaetetuba.
CRIZANTINHO/Crizanto Lobato Filho, que pertencia a uma família de verdadeiros futebolistas, como seus irmãos Vavá, Toró, Perácio, ...Era um goleiro seguro, que dava muita confiança ao time, porque jogava sempre com muito amor e seriedade e fazia defesas incríveis, devido sua grande elasticidade e agilidade de felino, rivalizava c/o goleiro Alair Melo em agilidade e platicidade . Metia o pé, o peito, o rosto e tudo fazia para não deixar cair sua cidadela. Ele, como todos os s/irmãos trabalhavam na siderurgia e mecânica. Jogavam todos no Abaeté Futebol Club.
PERÁCIO/irmão de Crizantinho, era uma zagueiro vigoroso.
TORÓ, jogava no meio campo e possuía dribles rápidos e passes certeiros, muito combativo.
LUÍS LIMA, irmão de Diquinho Bala, ponta esquerda, de dribles rápidos e bons cruzamentos.
CUTÉIA/Enildes Casemiro dos Santos Carvalho, nascido em 4/3/1936, filho do Mestre Damião de Carvalho, moreno vigoroso, que jogava na defesa e tinha a característica de “limpar” a defesa com as suas rasteiras.
WILSON, zagueiro alto, sério e vigoroso, daqueles que passa a bola e o adversário fica.
VICENTE/Vicente Maciel, jogava no ataque como centroavante do time, rompedor, um matador nato. Mas era um jogador versátil, adaptando-se rapidamente a qualquer posição/curinga. Era um jogador técnico, rápido, de passadas largas, que deu, com seus numerosos gols, vários títulos aos seus clubes e seleção de futebol de Abaetetuba.
UMA FORMAÇÃO DA SELEÇÃO DE FUTEBOL DE ABAETETUBA
Crizantinho, Odival, Piranha, Canindé, Afonso, Bené do Lídio, Amor, Filinho, Nato, Vicente e Verediano.
CRAQUES DE FUTEBOL DE ABAETETUBA/PA
Perácio, Bebé do Preto, Bebé do Abreu, Mimimzinho, Mimimgrande, Pipira, Duquinha, Nicola, Omar Felgueiras, Sandoval Lima/filho do Chico Lima, Vavá, Cláudio Andrade, Gabi, Crisanto, Canela, Eurico, Tacy, Sabito, Chechéu, Deca, Bandute, Clóvis Parente, Samuca e tantos outros que rolavam a bola nas peladas em frente à Igreja da Conceição e nos campos de futebol do Abaeté, do Itatiaia e do Brasil.
Pedro, Biroba, Davi, Bendelac I, Eurico, Manoel, Zilo, Cravo, Afonso, Sandoval, Acapu, Diquinho Bala, Costinha, Bilico, Mariscal, Cleto, Sabito, Maguari, Meia Noite, Pedro Poti, Nita, Ferreira, Suzete, Jango, Cornélio, Davi Abreu, Milito, Cleto, Acapu, Pau Preto, Luís Olegário, Barriga, Estanilo, Terçado, Pombo da Maroca Lima, Omar Felgueiras, Cataban, Sabá do Cego, Alcimar, Cavalinho, Cametá, Antonio Sena, Mimi Grande, Abreu, Luís Lima, Mário Tabaranã, Humberto Parente, Cid, Pusa, Sinésio, Tabajara, Alair, Mafra, Aristides, Guino, Bicicleta, Manoel, Odival, Veridiano, Davi Ferreira, Laburina (irmão dos jogadores Afonso, Ari, Dijá e Dé Castro), Vicente, Humberto (Piranha), Crizantinho (irmão dos jogadores Vavá, Perácio, Toró, ...), Perácio, Dodinha, Cataban, Luís Lima, Sandoval Lima, Rivail, Manoel, Miguel, Toró, Wilson, Pacheiro (irmão de Odival Quaresma), Zinho, Saúde, Zelídio, Dijó, Peri, Ari, Otério, Chico, Manoel Ferreira, Vivito, Zé Leitão, André Pontes, Bené do Lídio, Samuca, Dé, Mafra, Guino, Manoel, Miguel, Cangula, Bacu, Gata, Edir, Bebé do Preto, Bebé do Abreu, Mimizinho, Pipira, Duquinha, Nicola, Vavá, Cláudio Andrade, Gabi, Crizanto, Canela, Taci, Chechéu, Deca, Bandute, Clóvis Parente, Samuca, Canindé, Amor, Filinho, Nato, Alcimar, Olavo, Coropó, Cangula, Bacu, Saúde, Sabá, Vicente, Gata, Cavalinho, Elídio, Piranha, Alcimar, Edir.
Outros jogadores mais recentes, dos anos 1970, 1980 e parte de 1990, muitos dos quais jogaram na Seção de Futebol de Abaetetuba:
Pipoca, Batista/João Batista Moraes, Fernando Ribeiro, Ziza, Zé Maria ou Zé Marocas, Luluca, Baíco, Mendonça, Burunga, Arara, Jango, Lúcio, Amujaci, Fran Lopes, Siloca, Cabá, Vaval, Lula, Macaco, Orêncio, Bacu da Dedame, Guarasuco, Pedrão, Tonho Lopes, Samuca, Nani, Rooselvet, Ítalo, Meio-Quilo, Manelão Lopes, Ramito, Carmo, Vieirinha.
Primeira foto, time do Abaeté Futebol Clube, campeão do futebol de Abaetetuba em 1956. Ao fundo aparecem as casas de Lorico/Lourival Lima Leite Lobato, c/c Cotita Coutinha e D. Alfa, mãe do Chico, na antiga Rua Floriano Peixoto, hoje Rua Lauro Sodré. Nesse local deviam existir apenas uma 3 ou 4 casas.
Em pé: Sabito, Perácio, Josué, Alair, Mota, Crizantinho, Mário Tabaranã, Cornélio e Dr. Lopes.
Agachados: Toró, Cravo, Wilson, Afonso e Diquinho Bala.
Sabito, dirigente do Abaeté, filho do Didico Cacheado Silva.
Perácio, filho de Crizanto Lobato.
Josué, filho de um comerciante que vendia cimento e outros produtos para construção de casas, na Rua Magno de Araujo.
Alair/Alair Melo, filho de Laurita Melo, irmã de Lalá e Luama.
Mota, um jogador do Clube do Remo, de Belém/Pa.
Crizantinho, irmão do Perácio, filho de Crizanto Lobato, quando jogava na defesa, que é uma novidade. Quando o Abaeté precisou de um goleiro, o Crizantinho se apresentou e a partir daí, não mais saiu do gol.
Mário Tabaranã, um mestre dos calçados de Abaetetuba.
Cornélio/Cornélio Silveira, dirigente do Abaeté, mestre mecânico de Abaetetuba.
Dr. Lopes/Francisco Leite Lopes, dentista em Abaetetuba, dirigente do Abaeté.
Toró/Arlindo Lobato, outro filho de Crizanto Lobato, que era uma tradicional família de grandes craques do futebol de Abaetetuba.
Cravo, filho do popular Manoel Eugênio c/c Benedita.
Wilsom, como novidade jogando no ataque, pois, depois, se consagrou como vigoroso jogador de defesa no Abaeté e Seleção de Futebol. Chegou à Abaeté e foi convidado pelo Mestre Crizanto Lobato para trabalhar em sua oficina mecânica. Ficou e casou com uma filha de criação de Crizanto Lobato.
Afonso/Afonso Cardoso de Castro, um grande jogador de futebol de Abaeté, junto com seus irmãos: Laburina, Dijó, Ari, Dé.
Diquinho Bala/Raimundo de Jesus Lima, filho de outro grande jogador de futebol de Abaeté, o Chico Lima. O Diquinho Bala possuía um canhão nos pés e pobre do goleiro que tentasse pegar seus potentes chutes.
Segunda foto, de 1957, apresenta o time do Abaeté Futebol Clube:
Em Pé: Perácio, Crizantinho, Mário Tabaranã, Chinesinho, Banana e Zinho.
Agachados: Gabiru, Berrane, Luiz Lima, Afonso e Viloca.

Que é outra grande formação do Abaeté dos anos de 1950.
Perácio/Perácio Lobato, jogador do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaeté.
Crizantinho/Crizanto Lobato Filho, já como goleiro e grande goleiro do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaeté.
Mário Tabaranã, mestre dos calçados, jogador e ferrenho torcedor do Abaeté.
Chinesinho, veio da localidade Jarumã para Abaeté, para trabalhar como mestre barbeiro e como veloz jogador do Abaeté.
Banana, filho do amável Sr. Guilherme Medeiros, de filhos com nomes indígenas. Banana, além de bom jogador de futebol, era e ainda é mestre ferreiro em Abaetetuba.
Zinho, jogador vigoroso da defesa do Abaeté e da Seleção de Futebol de Abaetetuba. Ainda vive e alguém precisa ajudá-lo em seus problemas.
Gabiru, sobrinho do fotógrafo Dico Cururu, veloz ponta direita do Abaeté.
Berrane, filho do Sotero, este administrava a vacaria do Sr. Joaquim Mendes Contente, onde hoje está assentado o Clube Bancrévea ou Secretaria de Educação de Abaetetuba. Berrane também era um atacante muito veloz e rompedor de defesas, que deu muitas glórias ao Abaeté.
Luiz Lima, filho do também jogador de futebol Chico Lima, que tinha outros filhos jogadores de Futebol: Diquinho Bala e Sandoval Lima. Luiz Lima jogava uma boa bola e era rápido e de dribles desconcertantes.
Afonso/Afonso Cardoso de Castro. Já comentado.
Viloca/Vilobaldo Dias, filho de Dona Maura, irmão do Mestre Gildo, mecânico. Vilobaldo era rápido com a bola nos pés e não brincava em serviço pelo seu Abaeté. Seus amigos de Juventude: Olavo, Adonai e Coropó.

  
Blog do Ademir Rocha, de Abaetetuba/PA