Mapa de visitantes

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

IMAGENS E SÍMBOLOS DO CÍRIO DE NAZARÉ

Imagens e Símbolos do Círio de Nazaré









EVENTOS, IMAGENS E SÍMBOLOS DO CÍRIO E FESTA DE NAZARÉ EM BELÉM E NO PARÁ

QUEM FOI MARIA NO DESÍGNIO DE DEUS PARA A HUMANIDADE E COMO DEVE SER A NOSSA RELAÇÃO COM A MÃE DE JESUS, A MARIA DE NAZARÉ:

Para que nossa relação com Maria não seja apenas uma relação de veneração e devoção à Mãe de Jesus, consideremos os seguintes aspectos da vida de Maria:

Como muitos outros mistérios da História de Salvação do Homem por Deus, Maria, como Mãe de Jesus, é um mistério de nossa fé cristã, e que deve se tornar para nós um ato de fé acreditar que Maria faz parte da Salvação do Homem. 
Conforme a História de Salvação do Homem, a figura de Maria começa a se configurar no Antigo Testamento e essa História de Salvação do Homem é fartamente esmiuçada em diversas passagens dos Evangelhos, do livro dos Atos dos Apóstolos, das Cartas de São Paulo e dos demais Apóstolos e vai culminar no Livro do Apocalipse.

Vejamos a figura de Maria e do mistério que ela representa para nós, através de alguns aspectos retirados dos livros acima mencionados.

Ser a Mãe do Salvador é a culminância do mistério de Maria. Ser Mãe de Jesus, significa ser Mãe de Deus, daí o enorme mistério que esse fato envolve e por causa dessa Maternidade Divina, e em função dela, Maria foi conhecida de antemão por Deus e, portanto, Maria foi predestinada, chamada, justificada, santificada e glorificada conforme os Livros Sagrados acima citados e enfatizada em Rm 8,28 a 30: “Ora, nós sabemos que Deus concorre em tudo para o bem dos que O amam, daqueles que, segundo o seu desígnio, são eleitos” e Rm 29: “Porque os que de antemão conheceu, também os predestinou para serem à imagem de seu Filho, a fim de que Este fosse o Primogênito de muitos irmãos” Rm 30: “E aos que predestinou, a estes também os chamou; e aos que chamou, a esses justificou; e aqueles que justificou também os glorificou”. 
Maria, portanto, para ser a Mãe de Jesus, a Mãe de Deus, foi pelo Pai ornada de todos os dons e carismas, conforme os Livros Sagrados citam: Cheia de Graça, Imaculada desde o primeiro instante da sua concepção (Conceição de Maria) e, portanto, Preservada do pecado original e de todo pecado, para ser a Mãe de Deus; Virgem, antes do parto, durante o parto e depois do parto; Elevada ao Céu em corpo e alma, porque Maria não estava sujeita ao pecado. E Maria, por ser a Mãe do Verbo Encarnado e do Filho de Deus feito Homem (Jesus para nós é o ápice da humanização do homem que cada um de nós deve almejar como cristão) e, portanto, Mãe de Deus, como foi proclamada no Concílio de Éfeso, em 431, que é tua Graça e tua Glória primordial nesse mistério do Amor de Deus pelo homem.
Maria deve ser proclamada como Mãe, que nos fala o Evangelho, quando no Calvário, seu Filho Crucificado te entrega João como Mãe e te entrega João como como filho e isto de Jesus agonizante que entregou seu sangue e a vida, tudo, num gesto final de seu Mandamento, quando entrega a própria Mãe, como ato de entrega a todos os seus Díscipulos e seguidores, até o fim do mundo e da história. Portanto, Maria, se tornou também a Mãe dos homens seguidores de Cristo e, portanto, a Mãe da Igreja de Jesus.
Maria, pela sua humildade, uma simples mulher, vinda ao mundo por Adão e Eva, mas predestinada a ser, conforme os Evangelhos, a “Bendita entre as mulheres” (Lc 1,42), a “Cheia de Graça”, aquela a “quem todas as gerações chamam Bem-Aventurada”, portanto, a mais perfeita discípula de Jesus e, por isso, modelo e exemplo para todos nós, que devemos ver em ti a nossa Mãe e nós como teus filhos que te veneram, te prestam devoção, mas que, acima de tudo, deve ser vista como nosso modelo de cristão e assim ser imitada como o rosto do novo homem redimido por Jesus Cristo em sua plenitude. Quem ama deve identificar-se com Maria. Só depois é que deve vir a veneração, junto com a reverência, a admiração e o amor de todos os devotos, peregrinos de tua Festa e Círio de Nazaré.
Maria, que disse “Faça-se em mim segundo a Tua Palavra”, e meditava em seu coração os planos misericordiosos de Deus para com os Homens e também meditava e guardava em seu coração os misteriosos desígnios de Deus para si e para a humanidade, conforme segue abaixo e também aplicava essas lições no amor e no serviço concreto aos irmãos, conforme “As bodas de Canâ”, quando intercede pelo bom vinho dado aos irmãos e os serviços que foi prestar à sua prima Isabel, conforme Lc 1, 39 a 56, com a visita à Isabel e quando esta disse: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre” entre outras coisas e onde Maria cantou o seu Cântico de Amor, o Magnificat, onde, entre outras coisas diz: “A minha alma glorifica ao Senhor, e o meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, porque olhou para a humilde condição de sua serva. De fato, desde agora todas as gerações me hão de chamar ditosa porque me fez grandes coisas o Onipotente. ...Derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes. Encheu de bens os famintos e aos ricos despediu-os com as mãos vazias. ...”Maria ficou com Isabel cerca de três meses. Depois regressou para casa”.
O que se poder deduzir do encontro de Maria com sua prima Isabel? Maria não foi a Isabel para cantar o Magnificat, mas foi à serviço do irmão e encontrou receptividade em Isabel que reconheceu Maria como Mãe de Jesus, portanto Mãe de Deus e, por isso, também cantou esse Canto de Amor, que significa a visão social de Maria e os três meses com Isabel significa que Maria meditava, glorificava à Deus e amava o irmão.
Nós devemos recorrer sempre a Maria devido as nossas limitações, ocasionadas pelo pecado original e demais pecados e limitações humanas, pedir sempre a intercessão de Maria por nós e nossos irmãos conforme o que diz o “rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte” da nossa Ave-Maria.
E quanto a imagem de Nossa Senhora, que muitos criticam essa devoção, não devemos ver a louça, a madeira, o vidro, o barro ou outro qualquer material inanimado da imagem de Maria, mas o que está por trás, o que simboliza, conforme acima especificado. As imagens de Maria apenas procuram viabilizar o invisível e tornar sensível o espiritual, para melhor crescermos no Amor e na Misericórdia que o Filho de Maria, Jesus Cristo nos ensinou, para também sermos outros Jesus na Terra, portanto, outros filhos de Maria.

A FESTA DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ EM ABAETETUBA:

Vários municípios do Pará e cidades do 

Brasil realizam a Festa e Círio de

Nossa Senhora de Nazaré

O mês de outubro se aproxima e os paraenses já começam a respirar os ares do Círio de Nossa Senhora de Nazaré que já começou em muitos lugares do Pará e tem o seu desfecho com o grandioso Círio de Nossa Senhora de Nazaré no 2º domingo de outubro. 
Festa de Nossa Senhora de Nazaré, que é uma festa antiga de Abaetetuba, nascida sob a influência da Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré, de Belém, através dos devotos Aldemos Maués, Hildefrides dos Reis e Silva e outros nos anos de 1940, e celebrada na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição e que agora é a 2ª maior festa de Santo em grandeza, que envolve todo o aparato religioso e musical já descrito nas demais festas, e agora é festa realizada em igreja própria, sito na Rua Magno de Araujo com Praça de Nazaré, com o dia da festa sendo realizado no dia 9/9/2012. Portanto, o clima da Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Belém já se faz sintir em Abaetetuba e muitas cidades do Pará e Brasil. Em Abaetetuba os artesões dos brinquedos de miriti há meses que já vêm desfrutando da euforia e devoção dessa festa pelos milhares de brinquedos que vêm fabricando e armazenando para levar para Belém.

Além da Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré na sede do município, existem dezenas de comunidades nas regiões das Ilhas e Estradas de Abaetetuba que também realizam a festa de Nossa Senhora de Nazaré e algumas bem mais antigas que a festa da cidade, chegando a existir comunidades que celebram essa festa há mais de 200 anos. 

No Rio Tucumanduba a festa de Nossa Senhora de Nazaré é uma das mais antigas e concorridas do interior do município, fato que comprova que as festividades de Nossa Senhora de Nazaré são bem antigas no município, e que, como as Festas de Nazré das outras localidades, se constitui em uma das maiores expressões da tradição local, pois a mesma já acontece há dezenas de anos e a reza é no modelo tradicional com a ladainha antiga (cantada), reunindo durante os quinze dias iniciais de Setembro grande parte da população do rio, durante todos os dias de festa. Há venda de comidas típicas como tacacá, cocada, maniçoba, vatapá e uma infinidade mais de iguarias, que dão um "sabor" especial à festa. Na primeira e na última noite são realizadas festas dançantes, onde a frequência do público é muito maior, pois devido a tradição existente, atrai gente de outros rios, da sede municipal e até da capital do Estado, Belém.

Círio e Festa de Nossa Senhora de Nazaré na Localidade Caripetuba:

Na localidade Caripetuba, no município de Abaetetuba, a Festa de Nossa Senhora de Nazaré já tem mais de 200 anos e este ano a festa promete ser bem concorrida.

Cartaz-convite com a Imagem Bi-Secular de
Nossa Senhora de Nazaré, da localidade
Caripetuba em Abaetetuba

FESTA DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ EM VIGIA/PA:

Devemos também considerar que a introdução da devoção à Senhora da Nazaré, no Pará, foi feita pelos padres jesuítas, no século XVII a partir da atual cidade de Vigia, no Estado do Pará, sendo, portanto, a manifestação religiosa mais antiga do Pará e que já vem desde o ano de 1616 e a 84 anos antes do Grandioso Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Belém/Pa que se realiza no 2º domingo de outubro e com 15 dias de festejo. O Círio de Nossa Senhora de Nazaré na cidade de Vigia será realizado em 9 de setembro de 2012, esperando-se mais de 200 mil pessoas acompanhando essa procissão e a cidade já está sentindo o clima dessa festa.

A FESTA E CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ EM OUTRAS CIDADES DO PARÁ E OUTRAS REGIÕES DO BRASIL:

A Festa de Nossa Senhora de Nazaré, por influência da festa em Belém já é realizada em várias cidades do Pará e em outras regiões do Brasil, devido a migração de paraenses, que por criar as procissões para estarem mais próximos de Belém, mesmo que pelo ato de Fé.

FESTA E CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ EM MARABÁ/PA:

A cidade de Marabá também sua Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré, que segue o roteiro das demais festas Nazarenas. A Imagem de Nossa Senhora de Nazaré sai em peregrinação pelas comunidades que fazem parte da Paróquia que tem Nossa Senhora de Nazaré como Padroeira e vai até outros municípios em peregrinação. O Círio de Nossa Senhora de Nazaré acontece no 3º domingo de outubro e neste ano cairá no dia 21/10 e sairá às 7:00 com previsão de chegada ao Santuário de Nossa Senhora de Nazaré às 11:30h.

A FESTA E CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ EM BELÉM E SUA REGIÃO METROPOLITANA: 

O Termo "Círio" tem origem na palavra latina "Cereus", que significa vela grande.

Embora o culto tenha se iniciado na povoação da Vigia, foi a partir de Belém que a tradição ganhou corpo a partir do ano de 1700, quando Plácido, um caboclo, descendente de portugueses e de índios, andava pelas imediações do igarapé que hoje corresponde aos fundos da atual Basílica de Nazaré, quando encontrou uma pequena estátua de Nossa Senhora de Nazaré, que encontrava-se entre pedras lodosas e bastante deteriorada pelo tempo. Plácido levou a imagem consigo para casa, onde a limpou e improvisou um altar.
Mesmo levando a imagem para devoção em outros lugares de Belém, de acordo com a tradição local, a imagem sempre retornava, inexplicavelmente, ao lugar do achado, e por diversas ocasiões, até que, interpretando o fato como um sinal divino, o caboclo decidiu erguer às próprias custas uma pequena ermida (capela) no local, como sinal de devoção. A divulgação do milagre da imagem santa que sempre retornava ao local de origem atraiu a atenção dos habitantes da região, que passaram a acorrer à capela, para render-lhe homenagem.
O Círio é uma enorme manifestação de fé do povo paraense e brasileiro que acontece a cada ano no 2º domingo de outubro e a partir daí segue-se os 15 dias da Festa de Nossa Senhora de Nazaré. Essa festa de mais de 200 anos envolve o preparo de um ano inteiro para a sua realização e oenvolve muitas outras expectivas e esperanças no docorrer do ano para o povo paraense, quer no aspecto de fé, quer no aspecto econômico e também afetivo e é por tudo isso que a procissão do Círio de Nossa Senhora de Nazaré atrai uma multidão de mais de 2,5 millões de pessoas à essa grandiosa procissão, porém a Festa e Círio de Nazaré atrai mais de 6 milhões de pessoas às demais procissões que antecedem ou sucedem o grande Círio e nos 15 dias de festejo da Festa de Nossa Senhora de Nazaré em Belém, na chamada Quadra Nazarena.

História do Círio Nazaré:

O Círio de Nazaré surgiu em 1793, na época do governador da Província do Pará, Francisco de Souza Coutinho, em parceria com o Vigário Capitular, Pe. José Noronha, quando o governador tem a idéia de criar uma feira de produtos regionais, cujo objetivo era chamar atenção em cima do culto à Nossa Senhora de Nazaré, este iniciado pelo caboclo Plácido em 1700, quando a devoção atraía cada vez mais visitantes do interior.
A procissão antiga era encabeçada pela tropa militar da cidade de Belém, seguida pelos esquadrões de Cavalaria e a Infantaria, todos em trajes de gala. Depois vinham as famílias abastadas com suas carruagens de luxo e no meio desses grupos é que vinha a Imagem da Santa, colocada em cima de um pequeno palanque, este puxado por bois e, só no final da procissão é que vinham as classes mais pobres da Capital, fazendo com que aquela devoção do povo pobre se tornasse uma coisa pomposa e oficial. 

O Carro dos Milagres:

Mas foi somente em 1855 o Círio de Nazaré começou a cair no agrado do povo que tinha sido descartado nos primeiros tempos da procissão. E isso se deve ao fato ocorrido em 1846, quando o brigue São João Batista naufragou com seus 28 passageiros, quando apenas 12 desses escapou a bordo de um bote. Esses 12 ficaram tão convencidos de que fora um milagre da Virgem de Nazaré, que esses sobreviventes prometeram carregar esse bote nas costas por ocasião do próximo Círio de Nazaré, fato que acabou não acontecendo por não terem tido a permissão para assim fazer e o bote ficou apenas pendurado na varanda da capela da Virgem. Porém aconteceu uma epidemia de varíola em Belém que ceifou a vida de milhares de pessoas e surgiu o boato de que fora um castigo devido o não cumprimento da promessa pelos que se salvaram no naufrágio do brigue. E, de fato, após a epidemia de varíola, a embarcação foi incorporada á festa religiosa do Círio, levando 12 meninos vestidos de marinheiros. Essa é a história dos Carros dos Milagres que hoje todos podem presenciar nos atuais Círios de Nazaré.

Os Conflitos do Círio de Nazaré:

O Estado quis se apropriar da devoção à Virgem de Nazaré e, de fato, foi através da iniciativa do Estado que em 1793 tiveram início os Círios de Nazaré, que agora já vai para a sua 220ª edição. Por causa do capital político que a devoção à Virgem de Nazaré proporcionava aos governadores da antiga Província e, depois, Estado do Pará, foram muitos os embates entre a Igreja Católica e o Estado, pelo controle da festa. E por causa desses conflitos muitas medidas impopulares foram tomadas, resultando em sangrentas disputas com os romeiros, lembrando que estes é que davam credibilidade e fervor a essa festa religiosa. Foi em 1926, com a posse do novo Arcebispo Dom João Irineu Jofilly, de origem paraibana, que não aceitava que homens e mulheres disputassem junto o espaço da Corda, que já tinha se tornado tradicional no Círio de Nazaré. Além da retirada da Corda, o arcebispo tomou outras medidas: retirada da Berlinda e do Carro que recebia as peças de cera, além de proibir a presença de pessoas descalças, anjos em carros ou cavalos e peças e filmes considerados por ele imorais no antigo Arraial de Nazaré. Na véspera do Círio o clima de indignação e revolta era tão grande que o Governador da época resolveu reforçar o policiamento nas ruas com tropas de homens armados de baionetas no percurso do Círio. Porém o conflito foi inevitável, com muitas pessoas sendo presas e espancadas, pisoteadas por cavalos e feridas a golpes de sabres da cavalaria, em verdadeira selvageria, sendo esse o Círio mais violento de todos os demais. Quis a sensatez em 1931, através do Governador Magalhães Barata, que inicia uma campanha pela volta do Círio tradicional, na Câmara e até na Capital Federal, onde conseguiu o apoio do Ministro Mello Franco, o que culmina em uma passeata em solidariedade à Barata, no dia 1/10/1931, fazendo com que a Igreja atendesse o Governador Magalhães Barata, com a volta da Corda, da Berlinda e tudo o que o povo já fazia durante as antigas procissões do Círio de Nazaré e, agora, com mais fervor e devoção à Virgem de Nazaré.

AS PEQUENAS ROMARIAS:

Existem as pequenas ROMARIAS, feitas com a Imagem Peregrina ou réplicas dessa imagem, na jornada de evangelização, com novenas e reflexões evangélicas, em preparação espiritual para o Círio, nos 30 dias que antecedem o Grande Círio, com visitas a órgãos públicos de todos os níveis, casas, escolas. Essas procissões se iniciaram em 1972 e a partir daí vem sempre aumentando a cada ano e até pelo interior do Estado do Pará e outras capitais e cidades de outros estados. 

Pequenas Romarias em 2012:

Faltando menos de um mês para o Círio e Festa de Nossa Senhora de Nazaré, o clima de fé já se faz sentir nos corações dos paraenses que se preparam para o grande dia do Círio e início da Quadra Nazarena. No seuo de muitas famílias os preparativos começam com as Peregrinações da Imagem da Padroeira pelos lares paraenses, em uma tradição que já existe há 40 anos e que, só no ano passado de 2011, visitou mais de 110 mil lares na Região Metropolitana de Belém. Essas Peregrinações são realizadas diariamente em casas diferentes, famílias distintas que abrem as portas de suas casas para a entrada da pequena Imagem de Nossa Senhora de Nazaré e que consistem em novenas de Evangelização no seio dessas famílias.

ROMARIAS 2012 DA IMAGEM PEREGRINA DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ:

As ROMARIAS com a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré continuam acontecendo nas diversas repartições de todos os poderes, órgãos públicos, escolas e universidades localizados em Belém/Pa. 

Vários são os grupos que fazem o acompanhamento dessas Romarias, como bandas, grupos de oração da Igreja católica e os funcionários dessas diversas instituições que de antemão se preparam para a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré. Não faltam as caminhadas, fogos, orações, lágrimas, emoções rezas e, muitas vezes, a reza de Missas nos prédios visitados. É impressionante se ver a emoção nos rostos e lágrimas nos olhos das pessoas, olhos grudados na Imagem Peregrina, pedidos de bênçãos à Mãe Santíssima e agradecimentos pelas graças alcançadas já à partir dessas Romarias. Quando o prédio da instituição visitada é grande, como das universidades e escolas, acontecem as paradas para as devidas homenagens para a Virgem de Nazaré, acompanhadas das devidas orações. E é bonito se ver a procissão ganhar maior corpo á medida que avança por entre os diversos prédios dos locais visitados. No final acontecem sempre mais orações e a Bênção Final, dada pelos padres que acompanham as Romarias e, estando presente o Arcebispo de Belém, ele mesmo celebra a Missa e dá a Benção Final, acompanhado dos padres presentes às Romarias.

A ROMARIA DA IMAGEM PEREGRINA DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ já é uma tradição na Festa de Nazaré e já faz parte do Calendário Oficial do Círio, porque essa é uma forma de Evangelização que atinge diferentes segmentos e níveis da sociedade belenense. Como todas as Romarias, a da Imagem Peregrina começou pequena e, agora, já atinge uma grande quantidade de instituições visitadas e mais pessoas presentes ás diversas Romarias com a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré.

AS ROMARIAS: 

As Romarias de Nossa Senhora de Nazaré são feitas com a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré em municípios da Região Metropolitana de Belém e em muitos municípios do Estado do Pará e em outras Capitais e Cidades do Brasil.

O Círio da Polícia Civil:

Como os Policiais Civis de Belém e da sua Região Metropolitana têm que fazer a Segurança do Círio e Festa de Nazaré, dificilmente podem participar desses eventos devido o sobreaviso que ficam em relação ao Círio e aos variados eventos da Quadra Nazarena. Daí a criação, há 14 anos, do Círio da Polícia Civil. A 14ª edição do Círio da Polícia Civil aconteceu no dia 30/9/2012, que reuniu centenas de pessoas, com essas comemorações iniciando com uma Missa, celebrada pelo Pároco de Nazaré, na sede da Delegacia Geral da Polícia Civil, no bairro de São Brás. Após a Missa, teve início a procissão, que contou com Carros dos Anjinhos, banda marcial do Corpo de Bombeiros e apoio dos Escoteiros mirins de Belém e de grupos de motociclistas. A Berlinda com a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré percorreu a Avenida Magalhães Barata e outras ruas das proximidades, até chegar à Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré. 

O Círio da Polícia Civil surgiu da necessidade que os servidores dessa corporação pudessem prestar suas homenagens à Padroeira do Pará, Nossa Senhora de Nazaré. O 1º Círio da Polícia Civil aconteceu em 1999 e, desde essa data vem sendo realizado e atraindo os policiais civis, como também seus familiares, amigos e moradores das proximidades da Delegacia Geral. Muitos fazem questão de participar do evento para agradecer as graças alcançadas e para homenagear a Virgem de Nazaré. Esse Círio, como os demais, também se torna um momento de confraternização, de rever os amigos e renovar os laços de amizade. Todos os anos o Círio da Polícia Civil vem reunindo cada vez um maior número de pessoas, inclusive fiéis de fora dos quadros da Polícia Civil.

O Círio da Cruz Vermelha: 

A Procissão do Círio da Cruz Vermelha já acontece há 11 anos, tornando-se um momento de agradecimento dos voluntários e dirigentes da Cruz Vermelha, como também os familiares e amigos, em Belém. A procissão aconteceu no dia 29/9/2012, saindo da sede da Cruz Vermelha em Belém, contando com missa, procissão e bênçãos com a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré. A procissão aconteceu nas ruas próximas à sede da Cruz Vermelha, na Avenida Gentil Bitencourt e ruas das proximidades.

Visita da Imagem Peregrina às Lojas de Belém: 

Também a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré faz visitas a algumas grandes lojas e empresas de Belém. Foi o que aconteceu em 1/10/2012 com a visita da Imagem Peregrina à loja matriz do grupo Y. Yamada, que é uma das patrocinadoras da Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré, quando essa peregrinação reuniu gerentes, funcionários, clientes e demais acompanhantes das peregrinações da Imagem Peregrina da Virgem de Nazaré. Esse evento se mostrou mostrou um grande momento de oração e demonstração de fé na Padroeira dos Paraenses, cuja irmagem percorreu parte do interior da loja-sede desse grupo empresarial e pelo 5º ano consecutivo e todos pedindo saúde, paz e harmonia para o sistema formado pelos colaboradores e clientes do grupo. O grupo cordenador das visitas da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré prevê mais de 150 visitas aos diversos órgãos, entidades e comunidades de Belém.

A visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré ao TCM:

A sede do Tribunal de Contas dos Municípios, que se localiza no bairro do Telégrafo, em Belém do Pará, recebeu em 1/10/12 a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, onde também parte da comunidade desse bairro pôde participar ativamente dessa visita. A Imagem da Santa chegou em carreata, vinda da Basílica-Santuário de Nossa Senhora de Nazaré. Como em todas as visitas à órgãos, entidades e grandes empresas, uma Missa foi celebrada e os servidores e comunitários do bairro do Telégrafo puderam participar da Missa e das homenagens à Virgem de Nazaré e com o mesmo entusiasmo e emoção das visitas que se verificou nas visitas à outros lugares.

TRASLADO DE NOSSA SENHORA:

Procissão que marca o percurso da imagem de Nossa Senhora de Nazaré, da Basílica de Nazaré, pelas ruas da cidade, até a igreja matriz, no município de Ananindeua, município vizinho a Belém. Percurso este, feito em carro aberto, onde Nossa Senhora recebe inúmeras homenagens. A imagem da Santa passa a noite neste município, onde o povo fica durante toda à noite em vigília. Essa Romaria acontece de sexta para sábado, que antecede o domingo do círio. Esta romaria normalmente sai as 9h da Basílica de Nazaré, e segue pela Avenida Nazaré, Avenida Almirante Barroso, BR-316, Ananindeua, Marituba e volta para Ananindeua até a Igreja Matriz.

ROMARIA RODOVIÁRIA:

Depois de uma noite em Ananindeua, e uma missa pela manhã, a imagem parte de madrugada em mais uma procissão, agora em uma nova direção, a Vila de Icoaraci, distrito de Belém. Mesmo sendo de madrugada, os fiéis aguardam a passagem da Santa, rendendo-lhe inúmeras homenagens. A procissão é acompanhada pelos carros da diretoria do círio, carros de polícia, bombeiros, ambulâncias, carros oficiais e civis. Daí a origem do nome da romaria.

CÍRIO FLUVIAL:

Nesta romaria, a imagem da Santa é levada por mais de 400 embarcações de todos os tipos e tamanhos, enfeitadas e coloridas, pela Baia do Guajará, baia esta que cerca a cidade de Belém, e é seguida por inúmeros outros, enfeitados de acordo com as condições do próprio dono. Aqui se vêem barcos, iates e simples canoas de ribeirinhos que seguem a procissão. O percurso Icoaraci-Belém pode levar até 5 horas, a partir das 9h, depois de percorrer 18km. Ao chegar no cais do porto da cidade, a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré é recebida por uma multidão e outras homenagens se seguem. A romaria foi introduzida em 1985, como uma forma de homenagear a todos os que vivem e dependem dos rios da região, como a população ribeirinha, que devido suas condições não pode se dirigir a Belém, e com isso, pode fazer suas homenagens. Após desembarcar no Cais do Porto de Belém, na Praça Pedro Teixeira, por volta das 11,30h e de lá segue a Moto-Romaria.

MOTO-ROMARIA:

A MOTO-ROMARIA, que é a continuação do Círio Fluvial, formada por milhares de motos, que inicia a partir do momento em que a Imagem de Nossa Senhora de Nazaré desembarca no Cais do Porto de Belém, após o Círio Fluvial.
Por volta das 11h da manhã de sábado a imagem da Santa chega ao cais de Belém, dali a imagem segue em carro aberto agora seguida por motoqueiros, que buzinam incessantemente, anunciando a passagem da Santa, o povo pára nas ruas seus afazeres, saem de suas casas, e saúdam a Virgem, com as mãos levantadas, como a pedir a bênção. A Romaria se estende pelas ruas da cidade até o Colégio Gentil Bittencourt, onde uma outra multidão de fiéis espera a Imagem. E à noite, logo após a missa, dará início a Trasladação.

A TRASLADAÇÃO: 

A Procissão da Trasladação da imagem ocorre uma noite antes do Círio, em uma procissão à luz de velas. Simbolicamente visa recordar a lenda do descobrimento da imagem e o retorno ao local de seu primeiro achado. Nesta cerimonia somente a Berlinda, que é o carro onde é levada a imagem de Nossa Senhora, é utilizada num trajeto em sentido inverso ao do Círio. Essa procissão já é uma enorme procissão que congrega mais de 1,5 milhão de romeiros.

O CÍRIO DE NAZARÉ:

A grande procissão do Círio de Nossa Senhora de Nazré reúne cerca de 2,5 milhões de pessoas, em um cortejo que chega a durar cerca de 4 a 5h, percorrendo uma distância de cerca de cinco quilômetros entre a Catedral Metropolitana e a Basílica de Nazaré. O Círio é iniciado às 6h da manhã com a celebração de uma missa, após a qual os fiéis se postam nas ruas ao longo do trajeto. Às 7h, o Arcebispo conduz a imagem de Nossa Senhora até a Berlinda, para dar início ao Círio. São pessoas vindas de todos os recantos do Pará, do Brasil e do mundo, entre estes muitos turistas que abarrotam os hotéis da Capital e municípios metropolitanos. É uma festa de fé, um grande congraçamento entre pessoas de origens, cores, classes e crenças diferentes, tudo na alegria e paz. A procissão do Círio de Nazaré foi oficializado em 1793 e, inicialmente, não tinha dia definido para acontecer. Oficialmente, a partir de 1901, sempre acontece no 2º domingo do mês de outubro de cada ano.

O CÍRIO DAS CRIANÇAS: 

O Círio ou Romaria das Crianças, com cerca de 300 mil devotos, principalmente crianças, que existe há 22 anos e reune adultos e crianças de diversos municípios paraenses. Esse círio se caracteriza por ser um momento familiar na Quadra Nazarena. Esse Círio sai da Praça Santuário às 8h e percorre um trajeto de 3km pelas ruas do bairro de Nazaré e com chegada às 20h30 na mesma Praça.

A CICLORROMARIA: 

A Ciclorromaria, que sai às 8h30 e percorre cerca de 14km na homenagem dos cerca de mil ciclistas à Virgem de Nazaré. A romaria inicia e termina na Basílica-Santuário de Nazaré, iniciando às 8h30 e terminando às 10h30.

A ROMARIA DA JUVENTUDE: 

A Romaria da Juventude, que acontece à tarde do mesmo dia da Ciclorromaria e iniciando às 16h com a presença de 17 mil jovens. Essa romaria já existe há 10 anos, com percurso de 4,5km, saindo da Igreja de Santa Maria Goreti e com chegada às 17h30 na Praça Santuário. A Romaria da Juventude é a mais alegre das procissões da Quadra Nazarena, com orações, pregações, cânticos. Depois da chegada acontece a Missa na Praça Santuário.

O RECÍRIO:

Duas semanas após o Círio, acontece o Recírio, uma procissão de despedida feita no dia imediato ao Dia da Festa de Nossa Senhora de Nazaré e para levar de volta a imagem da Santa ao seu nicho na Basílica de Nossa Senhora de Nazaré.

A FESTA DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ: 

A Festa de Nossa Senhora de Nazaré, com 219 anos de existência, realizada em Belém, é uma devoção iniciada em 1700 pelo caboclo Plácido José de Souza e foi oficialmente criada em 1793 pelo 5º Bispo do Pará, D. João Evangelista, que colocou Belém sob a proteção da Virgem de Nazaré, que iniciou com missa cantada e procissão, que atualmente dura 15 dias a partir do Círio realizado no 2º domingo de outubro de cada ano. A devoção a Nossa S. de Nazaré foi trazida pelos portugueses no século XVII e se iniciou a 6/1/1616 na pequena Freguesia de Nossa S. de Nazaré, hoje cidade de Vigia de Nazaré. Nossa S. de Nazaré é a padroeira dos paraenses, a sua medianeira, intercessora e mãe que provém a todos que nela acreditam com muitas graças e milagres alcançados durante o ano inteiro.

ROTEIRO, SEGURANÇA E VOLUNTÁRIOS NO CÍRIO E FESTA DE NAZARÉ:

Um evento grandioso como é o CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ, em Belém, exige um ano inteiro de preparativos para esse gigantesco evento. E a Diretoria da Festa de Nossa Senhora de Nazaré é quem faz toda essa organização.
Pela grandiosidade do Círio e das demais Romarias e Procissões, a Diretoria faz um cuidadoso estudo e preparação de projeto que atinja todos os segmentos necessários à realização do Círio e Festa de Nossa Senhora de Nazaré. Essa organização geral é apresentada aos órgãos de segurança, atendimento médico e outros órgãos e entidades envolvidas nos numerosos eventos do Círio e Festa de Nossa Senhora de Nazaré. É um verdadeiro plano de ações que deve ser apresentada a todos os órgãos e entidades envolvidas e já com a previsão de quantos voluntários serão necessários para atuação no Círio e demais romarias. 

Os Voluntários no Círio de Nazaré:
Para o Círio 2012 a Diretoria da Festa de Nazaré apresentou, como parte dos preparativos do Círio e demais eventos, um total de 26.138 voluntários , ligados a 25 instituições do Estado, que vão participar de todo o esquema já montado de todo o apoio e segurança das 11 Romarias que serão realizadas durante o Círio e Festa de Nazaré. São principalmente jovens, os voluntários que se inscrevem para esses serviços de apoio. 
O Plano de Ações leva em conta, também, a desobstrução de ruas e suas transversais e o bloqueio das ruas para que a população possa participar das procissões com mais tranquilidade e que pessoas possam ser socorridas com mais presteza no caso de ocorrência de acidentes e desmaios. 
Vão participar do Círio 2012 os seguintes órgãos: Marinha, Exército, Aeronáutica, Secretaria de Segurança, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, CTBel, GBel, Secon, Sesan, Defesa Civil, Sesma, Agência Distrital de Icoaraci, Belemtur, Paratur, Prefeituras de Ananindeua e Marituba, Cruz Vermelha, Sespa, Detran, Guarda de Nossa Senhora de Nazaré e outras Guardas, Federação Paraense de Motociclismo, ministério da Saúde, Samu 192 e outros órgãos e em regime de revezamento e rodízio em alguns órgãos que deverão trabalhar no Círio e durante os 15 dias de Festejos de Nossa Senhora de Nazaré.

O esquema das ruas por onde deverão passar o Círio e demais procissões já foi elaborado e com a presença dos órgãos envolvidos, Vide abaixo esse esquema.


Fonte: Jornal Diário do Pará

IMAGENS E SÍMBOLOS DA FESTA E CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ:

O Círio e Festa de Nossa Senhora de Nazaré tem vários objetos e circunstâncias simbólicas que podem ser apreciados durante o trajeto das diversas procissões e do grandioso Círio de Nossa Senhora de Nazaré e durante todo o tempo do decurso da Quadra Nazarena:

A IMAGEM DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ:

A Imagem de Nossa Senhora de Nazaré original, tem 28 cm de altura, cabelos sobre o ombro direito e que carrega ao colo o MENINO JESUS, este despido e com um globo nas mãos. Aos pés da Virgem existe a cabeça alada de um anjo. Essa foi a imagem encontrada pelo caboclo Plácido José de Souza em 1700, e que foi usada nas procissões até 1969 e que, posteriormente, foi substituída pela atual IMAGEM PEREGRINA, porque sai às ruas em todas as procissões e cerimônias oficiais da festa de Nazaré e que tem 40 cm e foi esculpida pelo italiano Giacomo Mussner, que traz traços da mulher amazônica e o MENINO JESUS que recebeu características indígenas e caboclas. A imagem original fica guardada em uma redoma de cristal no altar-mor, o Glória, entre anjos, nuvens e um belo esplendor de raios. De lá ela só é retirada uma vez por ao ano, numa cerimônia conhecida como “Descida da Imagem” ou “Descida do Glória”, que ocorre na véspera do Círio, às 13 horas, onde fica guardada durante os 15 dias da festa no presbitério, mais perto dos devotos, na Basílica-Santuário de Nazaré e a Peregrina fica guardada na Basílica-Santuário de Nazaré e que tem uma réplica em uma redoma na Praça de Nazaré e que está aberta às visitas durante o período da Festa de Nazaré. Milhares de outras réplicas da Virgem de Nazaré, em diferentes tamanhos, são vendidas durante o período da Festa Nazarena. Pois bem, milhares de cópias da Imagem Original e também da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré são distribuídas ou vendidas aos milhares pelos comerciantes ambulantes, camelôs e lojas especializadas.

A BASÍLICA-SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ:

A Basílica-Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, grandiosa, antiga e bela Igreja-Templo e que se iniciou como pequena ermida, que era uma choupana de palha, para abrigar a imagem da Virgem de Nazaré, encontrada pelo Caboclo Plácido José de Souza em 1700 e que deu início à devoção à Virgem de Nazaré, em Belém. Com o passar dos anos e com o aumento da devoção, a choupana foi substituída por outra edificação mais estável, que por sua vez foi substituída pelo majestoso templo que guarda a Imagem encontrada pelo caboclo Plácido e cuja devoção aumentava de ano para ano e cuja Igreja se enche de mais brilho e explendor no decorrer da Quadra Nazarena. Todos querem vê-la, fotografá-la e adentrá-la movidos pelo seu fervor de devotos.

OS HINOS E CANTOS A NOSSA SENHORA DE NAZARÉ:

Os Hinos e Catos à Nossa Senhora de Nazaré,s HINOS E CANTOS, que hoje são dezenas, cantados nos eventos, novenas e procissões da Festa de Nossa S. de Nazaré. O mais antigo, conhecido e popular é o hino “Vóis Sois o Lírio Mimoso”, composto em 1909 pelo maranhense Euclides Correa de Faria e musicado pelo paraense Ernesto Antonio Dias, modificado o estribilho, com a introdução do nome de Nossa Senhora de Nazaré, pelo advogado Dr. Aldebaro Cavaleiro de Macedo. Esse hino caiu nas graças do povo e passou a ser cantado durante as procissões da Festa de Nossa Senhora de Nazaré. Os corais e os devotos cantam os hinos no Círio, demais procissões, novenas e missas e ele vem impresso em praticamente todos os tipos de ventarolas distribuídas no comércio e nas diversas procissões da Festa de Nazaré, principalmente no Círio e são cantados e gravados pelos artistas locais e nacionais.

A BERLINDA DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ: 

A Berlinda, construída com riquezas de detalhes em madeira, que serve de proteção e transporte da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, em meio a cores e flores e que é um dos ícones das procissões da Virgem de Nazaré, muito exaltada pelos fiéis que a vêem ou tocam com muita emoção e que dá mais esplendor à pequena imagem da Vigem de Nazaré e hoje é transportada no Carro da Berlinda, tanto na Trasladação como no Círio da Santa. Segundo a lenda o uso da Berlinda já vem desde o ano de 1793, porém, sabe-se que o uso da berlinda nas procissões do Círio de Nazaré, vem desde 1855, substituindo a carruagem puxada por cavalos ou bois. A Berlinda, desde essa data, já está em sua 5ª versão e é constantemente reformada e mantendo o estilo barroco. Muitas réplicas da Berlinda de Nazaré são vendidas durante a quadra nazarena.

O MANTO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ: 

O Manto, que segundo a lenda da imagem encontrada pelo caboclo Plácido já possuía MANTO, e este envolve a pequena Imagem de Nossa Senhora de Nazaré, que é obra artesanal, ricamente bordada e adornada com cristais e jóias. Esse costume antigo era realizado por anônimos até 1953, pelas Filhas de Maria, e a partir daí era feito pelas irmãs da Congregação das Filhas de Sant’Anna, do colégio Gentil Bittencourt até 1973 e partir dessa data foi confeccionado pela aluna Ester Paes França e até 1992. Daí em diante vários devotos passaram a confeccionar o manto. Muitas réplicas do manto da Virgem de Nazaré são oferecidos no comércio especializado de Belém. A confecção do manto é toda envolvida em clima de mistério, feitas com a ajuda de doações, quase sempre anônimas.

OS PROMESSEIROS: 

Os Promesseiros, das cordas e outros milhares de pessoas, pagando suas promessas à Virgem de Nazaré, de todas as formas: carregando os objetos da graça alcançada, cruzes, partes em cera do corpo e miniaturas de casas, barcos, tijolos, potes com água e muitos outros tipos de objetos. As promessas são de vários tipos: de pés descalços, em longas caminhadas (promesseiros que vêm à pé de outras cidades vizinhas), caminhadas de joelhos no asfalto, mãos nas cordas das romarias, ex-votos (partes do corpo em cera).

OS ROMEIROS: 

Os Romeiros, são todas as pessoas que acompanham as procissões, especialmente o Grande Círio de Nossa Senhora de Nazaré. Na Procissão da Trasladação são mais de um milhão de devotos e na Procissão do Círio são mais de dois milhões e meio de pessoas.

OS DEVOTOS: 

Os Devotos, que em sua maioria são católicos, porém existindo pessoas que depositam sua fé em na Virgem de Nazaré e que são de diversas religiões e que acompanham ou não as procissões da Festa de Nazaré são os mais de 6 milhões de pessoas que afluem às diversas Romarias, especialmente ao grande Círio de Nossa Senhora de Nazaré.

O ALMOÇO DO CÍRIO: 

O Almoço do Círio é o almoço feito após a procissão do Círio de Nossa Senhora de Nazaré em família e com os amigos e como um ato de comunhão. O Almoço do Círio tradicionalmente é composto de farta mesa de comidas típicas, especialmente a maniçoba e o pato-no-tucupi, e que reúne toda a família e amigos e parentes chegados de outras partes do Pará e de outros estados, em verdadeiras festas de confraternização familiar. O tradicional Almoço do Círio é o dia em que a culinária paraense ganha ainda mais destaque. O Almoço do Círio tem a sua tradição, desde quando os promesseiros do Círio de Nazaré paravam na Casa de Plácido, quando eram agraciados com típicas comidas indígenas feitas com ervas e raízes. Hoje a culinária paraense chama a atenção para as iguarias cujo preparo peculiar, como a maniçoba e o pato no tucupi, já é objeto dos grandes restaurantes especializados de Belém.
O Pato-no-tucupi, tradicional prato da culinária paraense, é acompanhado de arroz branco e a Maniçoba também tradicional item da culinária da região.

Almoço do Círio 2012
Ingredientes Mais Usados no Preparo de Pratos do Almoço do Círio de Nazaré:

Maniva, folha da mandioca moída para o preparo da maniçoba, vendida fresca ou pré-cozida na Feira do Ver-o-Peso e demais feiras de Belém e cidades da Região Metropolitana de Belém.
Tucupi, suco amarelado extraído da massa da mandioca, usado no o preparo do pato-no-tucupi e do tacacá, vendido em garrafas peti de 1 litro na Feira-do-Vero-o-Peso e demais feiras de Belém e Região Metropolitana.
Pato, ave ainda viva que é vendida na feira do Ver-oPeso e outros pontos de venda de Belém e das cidades da Região Metropolitana de Belém. Patos abatidos e vendidos congelados nos supermercados de Belém é outra maneira de se comprar o pato, mas o sabor não é o mesmo do pato comprado vivo, daí essa tradição do Círio de se comprar a ave ainda viva. São mais de 10 mil aves vendidas nos diversos pontos de venda para suprir a tradição do consumo do pato-no-tucupi no almoço do Círio de Nazaré.

A CORDA:

A Corda é o disputado espaço de pagamento de promessas dos romeiros. A corda, que sustenta a fé na padroeira dos paraenses, possui a média de 400 metros de comprimento e pesa aproximadamente 700 quilos, de puro sisal torcido, que requer maior sacrifício físico e emocional. Usada desde 1855 e, depois, incorporada à celebração em 1868 e 1885 e que originalmente substituía a junta de bois que até então puxava a berlinda da imagem; posteriormente passou a ser utilizada para separar a berlinda e o carro dos milagres juntamente com os políticos e signatários, da multidão que a acompanha e assim conservar um equilíbrio perfeito característico da fé aliada a obediência. No ano de 2005 a direção do Círio, modificou o formato da corda, que ao invés de contornar a berlinda como normalmente era feito, a corda ainda do mesmo tamanho, veio na forma de um rosário, na tentativa de que não ocorressem atrasos no traslado, como já havia ocorrido anos antes.

A Corda do Círio e da Trasladação, hoje é símbolo indispensável de devoção, seguradas pelas mãos de centenas de pessoas, em verdadeiro sacrifício de fé pelas graças e milagres alcançados por promessas a Nossa Senhora de Nazaré. No fim da procissão do Círio a corda é feita em pedacinhos e cada pedaço é como um grande troféu para o promesseiro que passou tantos sacrifícios segurando a grossa corda durante todo o trajeto da grande procissão.

A Corda do Círio 2012:

A diretoria da Festa e Círio de Nossa de Nazaré apresentou em 25/9/2012, no Centro Social de Nazaré, a Corda do Círio 2012. Ela foi confeccionada em fibra de sisal e medindo 800m, com diâmetro de duas polegadas e pesando 1.250kg e, sendo um dos maiores símbolos do Círio, essa corda foi confeccinada em Santa Catarina/SC e foram necessários 7 dias de viagem rodoviária para a Corda chegar em Belém. Como medida de maior agilidade na procissão do Círio, a Corda já veio dividida em pedaços de 50m cada e com as devidas argolas para o momento do desatrelamento da Berlinda que carrega a Imagem de Nossa Senhora de Nazaré.
Cerca de 400m dessa Corda já serão usados na Procissão da Trasladação da Imagem de Nossa Senhora de Nazaré e os outros 400m serão usados no Círio.
A chegada da Corda do Círio de Nossa Senhora de Nazaré é sempre um momento de grande importância para a Diretoria da Festa e dos fiéis, devido se constituir num dos maiores símbolos do Círio. Imaginemos se essa Corda não chegasse para a procissão do Círio de Nossa Senhora de Nazaré? 
O corte da Corta este ano deverá ser realizada dentro do que foi programado, sem precipitações por parte dos promesseiros e que todos devem levar o seu pedacinho da Corda como lembrança de seu sacrifício à Virgem de Nazaré.

Corda do Círio 2012:
Campanha: “Não Corte a Corda”:

A partir desta segunda-feira (1/9/12) começa oficialmente a Campanha "Não Corte da Corda” do Círio 2012, promovida pela Diretoria da Festa de Nazaré e pela Arquidiocese de Belém. Inserções publicitárias em emissoras de rádio e televisão pretendem conscientizar os milhões promesseiros sobre os problemas e riscos causados pelo corte da corda nas procissões do Círio e da Transladação.
Em anos anteriores, a corda era cortada antes do final das romarias para apressar o final do Círio e da Transladação. Ao romper a corda, romeiros que levavam objetos afiados durante o trajeto, cortavam a corda para levar um pedaço para casa. Porém, facas e estiletes guardados e levados durante todo o percurso são considerados pela organização do evento um risco eminente de acidentes.
A campanha contra o corte da corda começou na procissão do Círio do ano passado e como uma tentativa de manter o símbolo e, ao mesmo tempo, evitar acidentes durante as romarias que usam a corda. Entre os princípios defendidos pela iniciativa está a recomendação de não levar para o Círio facas ou objetos cortantes a fim de evitar que as pessoas se machuquem durante o trajeto.
Como no Círio 2011, o arcebispo metropolitano Dom Alberto Taveira fará a benção da corda somente na Avenida Nazaré, em frente ao colégio Santa Catarina de Sena – e não na saída da Transladação, em frente ao colégio Gentil Bittencourt, como acontecia antes – e, após esse momento, a própria Guarda de Nazaré fará o corte da corda e entregará aos fiéis.
Corda é usada desde 1855:
Ela foi usada pela primeira vez durante as procissões em 1855, quando a berlinda que conduz a imagem de Nossa Senhora ficou atolada durante uma das romarias e precisou ser puxada. Em 1885 ela se incorporou às festividades e, dedes então, passou a ser o elo entre Nossa Senhora de Nazaré e os fiéis, tornando-se um dos mais fortes símbolos do Círio de Nazaré.

AS VELAS OU CÍRIOS:

As velas, ou círios, são feitas de cera, em vários formatos, retratando partes do corpo humano, ou ainda, uma vara de cera da mesma altura do pagador da promessa. As velas, são um símbolo da fé dos promesseiros, que através delas, 'pagam' a uma graça alcançada.

OS CARROS DE PROMESSAS: 

Os carros de promessas ou dos milagres, que recolhem os ex-votos ilustrativos das graças alcançadas pelos fiéis.

AS BLUSAS E CAMISAS COM A IMAGEM DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ:

As Blusas e Camisas de Nossa Senhora de Nazaré começaram a ser introduzidas nos Círio de Nossa Senhora de Nazaré e rapidamente se tornaram como outro símbolo de fé para o povo paraense. São milhares e milhares de camisas e blusas que se vêem durante o trajeto do Círio e muitas que são levadas como lembranças pelos fiéis e devotos de Nossa Senhora de Nazaré.

OS BRINQUEDOS DE MIRITI NA FESTA E CÍRIO DE NAZARÉ:

Brinquedos de Miriti de Abaetetuba na 

Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré

Atualmente os Brinquedos de Miriti de Abaetetuba fazem parte da Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré, como faz parte também de inúmeros eventos e atividades que se desenvolvem em torno do Círio de Nazaré, antes e depois dessa grande festa. É o que acontece nas manifestações culturais e no comércio de Belém, que já têm os Brinquedos de Miriti como parte integrante e importante de todas as manifestações que acontecem, tendo o Círio como a maior festa religiosa do Pará, Brasil e Mundo. Por esse motivo foi criado o slogan "Nazaré em Todo Canto", para dizer que aquele determinado evento que está acontecendo tem relação com o Círio de Nazaré.


Nos tempos mais recuados da história do Círio de Nazaré, os Brinquedos de Miriti de Abaetetuba eram trazidos junto com toda a parafernália que os caboclos de Abaeté traziam para participar do Círio de Nazaré. Como esses brinquedos começaram a despertar o interesse das crianças e outras pessoas, os Brinquedos de Miriti passaram a se constituir um meio de renda para os ribeirinhos do município tocantino onde a palmeira miritizeiro era parte integrante e abundante das várzeas dos rios e igarapés e, após muitos anos das vendas dos Brinquedos de Miriti através das tradicionais girândolas (cruzes feitas dos próprios braços de miriti onde são espetados dezenas de Brinquedos de Miriti), passaram a despertar o interesse dos governantes, associações de classes e órgãos da cultura que organizaram a chamada Feira do Miriti, inicialmente pelas praças de Belém e, em 2011, ficou localizada na Estação das Docas, que é o lugar de maior afluência de turistas de Belém/Pa.

Um pouco dessa história: 

· No sábado, véspera do Círio, o Bairro da Cidade Velha, que era o palco do início da procissão, adquire novas cores, um mundo de cores para homenagear à Virgem de Nazaré, os artesãos de Abaetetuba que trazem os Brinquedos de Miriti. Impossível não olhar para a praça cheia de girândolas onde balançam cobras, tatus, barcos, a vida e a cor da Amazônia.
Esses brinquedos de mais de 200 anos se tornaram os Brinquedos do Círio de Nazaré, porque só na véspera da procissão é que se via este colorido pelas ruas. O Brinquedo do Círio acabou se tornando também a Cara do Pará e que mostra que a Festa de Nazaré não é só de Belém. 

Os Brinquedos de Miriti

Em Abaetetuba os preparativos para o Círio começam assim que chega o verão, quando os artesãos saem em busca dos talos de miriti, a Mauritia flexuosa, uma palmeira que embeleza as margens dos rios e igarapés. Do miolo macio saem barcos, bichos, gente; das mãos dos artesãos vai saindo beleza, parece que este é o destino do miriti. 
Ninguém sabe precisar ao certo o íniício dessa tradição que já tem mais de 200 anos, mas a idéia nasceu mesmo no primeiro Círio, por inspiração do Governador, que mandou organizar uma feira de produtos regionais para a ocasião. 
Ora, um dos maiores riscos de quem vive nestas águas é justamente o naufrágio e todos se agarram à Virgem de Nazaré na hora do perigo e depois de salvos ou sem passar pelos perigos dos que vivem no mar, que agradecem levando réplicas das canoas e barcos que escaparam de afundar, feitos em miriti, palmeira para qual a população ribeirinha encontrou diversas utilidades. Com uma polpa maleável, permite a confecção de um sem-número de objetos. 
Dos barcos a outros elementos da vida amazônica foi um passo e agora existe uma gama de brinquedos que enchem os olhos não só das crianças. A cobra que se contorce, os bonecos batendo no pilão, os pássaros que bicam a comida, o tatu que mexe a cabeça e o rabo, gaiolas com pássaros, coretos de praça, tudo o que se vê em volta da gente.
Mas não é só isso. Os tempos vão mudando, coisas novas vão acontecendo, novos brinquedos vão surgindo das mãos dos artesãos. Já tem também a televisão de miriti, o ventilador de miriti e outros materiais de artesanato.
E a tradição se aperfeiçoa, pois há canoas com paneiros de açaí, um homem remando, o retrato da vida ribeirinha vai ficando cada vez mais vivo. 
Os artesãos vão chegando a Belém nos últimos dias da semana, mas é na madrugada da sexta para sábado que chega a maioria. Vão tomando conta da praça. Antes era no Largo do Carmo, atualmente eles preferem a praça da Sé. Não importa o lugar, o efeito é o mesmo. A praça amanhece colorida, as pessoas vão chegando, parando e tudo vira festa ( nessa época, em Belém, tudo vira festa mesmo). Depois de preparados os brinquedos na girândola, os artesãos vão ganhando a rua e alegrando a cidade. Uma tradição que, queira a Virgem, continue sempre acompanhando o Círio de Nazaré.
No artesanato de miriti ágeis mãos cortam, lixam, montam e pintam o miriti e as oficinas dos artesãos de miriti de Abaetetuba estão a pleno vapor.

Tradição é passada de pai para filho:

Ninguém sabe ao certo a origem do brinquedo de miriti. Os artesãos mais antigos contam que os índios foram os primeiros a produzir os brinquedos. A técnica foi ensinada aos ribeirinhos e chegou até hoje porque é passada de pai para filho. As crianças faziam seus próprios brinquedos, geralmente barquinhos, para brincar nos igarapés.
Agora cada artesão cria seus próprios brinquedos. Além dos tradicionais barco, cobra, canoa, serrador, pila-pila, come-come, são feitas árvores de natal, móbiles, dançarinos e patos na cesta.

SEBRAE estimula o primor pela qualidade:

Desde o primeiro Círio, em 1793, ainda na era provincial do Pará os brinquedos de miriti fazem parte da celebração. Durante a primeira festividade de Nazaré, aconteceu a Feira de Produtos Regionais da Lavoura e da Indústria. Para esta feira, cada vila ou cidade do interior enviou produtos como cacau, pirarucu salgado, mandioca, guaraná, cerâmica e redes de pesca, isto é, aquilo que produzia. Os moradores de Abaetetuba levaram seus brinquedos de miriti.
A cada ano, os brinquedos se tornavam mais conhecidos e mais artesãos vinham para Belém vender seus produtos. Nas feiras das praças, cerca de mil peças foram vendidas na Praça da Sé, na tenda do Carmo e pelos vendedores ambulantes com suas girândolas. Todo ano, a prefeitura cede um kit com tintas e pincéis para os artesãos e disponibiliza um ônibus para transportar as famílias para Belém durante as festividades.
A parceria que começou em 2000 já deu bons resultados. Cerca de cem artesãos já participaram dos cursos de capacitação, promovidos pelo Sebrae. Segundo a responsável pelo Centro de Resultado de Artesanato de Abaetetuba, Elisa Ikeda, a mudança no trabalho dos artesãos depois do curso de design é notável. "De dois anos para cá as peças têm tido um acabamento melhor, as cores usadas são mais harmônicas", conta Elisa.

E agora os BRINQUEDOS DE MIRITI DE ABAETETUBA, que fazem parte do Círio e Festa de Nazaré, como parte integrante não só do Círio, como do decorrer de boa parte da Quadra Nazarena. As peças confeccionadas pelos artesões de miriti de Abaetetuba reproduzem a cultura amazônica na forma de animais, frutos, flores, vegetais, barcos, canoas, casas, pessoas nas mais diferentes atividades rurais e muitas outras formas, devidamente pintados em colorido que chama a atenção de todos, principalmente crianças e turistas, que ficam encantados com tanta beleza. Esses brinquedos oficialmente ficam colocados à venda em diversas feiras de Belém e também são vendidos por pessoas que carregam as chamadas “girândolas” de brinquedos de miriti, na Praça de Nazaré. Agora, em especial acontece a Feira do Círio e do Miriti, na Estação das Docas de Belém, onde se encontra o melhor do artesanato paraense, além de jóias, gastronomia, apresentações e representações de grupos variados de danças, teatros e outros.
Peixes em miriti

Nazaré em Todo Canto

“Nazaré em Todo Canto” se refere a uma série de eventos culturais que têm como motivação a Festa e Círio de Nazaré, em Belém e que reúne uma série de instituições e entidades voltadas à cultura do pará.

BRINQUEDOS DE MIRITI NO CÍRIO 2012:
Brinquedos de Miriti de Abaetetuba invadem Belém:

Fonte: G1.globo.com 

Os Brinquedos de Miriti de Abaetetuba já estão invadindo a Capital do Pará, Belém, com várias exposições espalhadas pelos diversos pontos turísticos da cidade e os que brinquedos que já estão chegando para serem vendidos na Feira do Miriti que se instalará na Praça Waldemar Henrique, na Praça do Carmo e na Estação das Docas em Belém, a partir do dia 10/10/2012, enquanto outras exposições já estão acontecendo pela Capital do Pará. São mais de 25 mil peças desses brinquedos multicoloridos e representando a cultura de Abaetetuba e da Amazônia representados por esses belos e delicados objetos produzidos por 127 artesões da Associação de Artesanato e brinquedos de Miriti de Abaetetuba-ASAMAB e da associação MIRITOG, que é outra associação de artesões de brinquedos de miriti de Abaetetuba.

Esses brinquedos começam a ser fabricados a partir do mês de julho, envolvendo toda a família dos artesões de miriti e na maior parte do dia, para poder produzir a quantidade necessária para levar e vender em Belém. No artesanato de miriti de Abaetetuba existem as preferências na fabricação dos brinquedos, variando dos temas clássicos dos brinquedos de miriti, dos que representam a natureza, da cultura ribeirinha, da devoção à Nossa Senhora de Nazaré e outros brinquedos com temas variados. Os brinquedos de miriti são representados em formato gigante, grande, médio, pequeno e miniaturas feitas da polpa do miriti e todos recebendo o colorido que fazem dessas peças uma atração a mais na venda das milhares de peças que serão colocadas à venda à partir do dia 10/10/12.
Entre os brinquedos e artefatos de miriti que fogem dos outros temas, existem alguns artesões de miriti que trabalham na fabricação de peças como molduras, espelhos, quadros, flores, vasos e outras peças conceituais. Existem artesões que se dedicam a produzir peças pequenas e miniaturas de brinquedos de miriti, cuja beleza e qualidade chama a atenção de muitos que visitam as feiras que serão montadas em Belém. Uma peça gigante feita de miriti chega a custar até R$ 1 mil e outras peças R$ 700,00 e desse sofisticados artefatos os preços vão descendo até os mais simples e básicos brinquedos com o valor que varia de R$ 5,00, R$ 10,00 e outros valores maiores.
Os brinquedos de miriti de Abaetetuba exercem magia singular nas pessoas, devido suas temáticas e cores, que encantam pessoas de todas as faixas etárias, temáticas que vai dos simples barquinhos, avança para os animais e frutos da Amazônia e demais representações da cultura amazônica e chegam a outras temáticas com representações de aviões de guerra, helicópteros, navios, caravelas e brinquedos que representam a cultura pop nacional e internacional, como figuras de desenhos animados, de programas infantis e outras figuras da moda nacional e internacional.
O artesanato de miriti de Abaetetuba já saiu do âmbito do Pará e já alcança as feiras e lojas em todo o Brasil e que cada vez mais fazem as encomendas desses brinquedos para venda nessas feiras e lojas de outros estados brasileiros.
Os brinquedos de miriti são fabricadas a partir da fibra da palmeira miritizeiro, cuja textura de madeira leve permite manipular a fibra tal qual um isopor, daí o apelido que a fibra de miriti recebe de “Isopor da Amazônia”. Existem variedades dessa palmeira em outros estados brasileiros, porém o artesanato é exclusivo do Pará, em especial o município de Abaetetuba. Ressaltamos que as outras partes do miritizeiro são utilizados no artesanato de Abaetetuba ou em outra atividade, como por exemplo na culinária, onde diversificados pratos podem ser feitos a partir do fruto miriti.

Miriti das Águas:

Fonte: G1.globo.com 

Exposição 'Miriti das Águas' traz peças de Abaetetuba para Belém, que remetem ao Círio de Nazaré, em exposição que fica aberta ao públicos de 10 a 20/12/2012:

A exposição "Miriti das Águas" traz à Belém peças produzidas a partir da fibra do miriti, técnica de artesanato tradicional em Abaetetuba, nordeste do Pará. Duas mil peças, inspiradas no Círio de Nazaré, fazem parte da exposição, que tem curadoria de Emanuel Franco e Rosângela Brito. Os objetos poderão ser visitados pelo público entre os dias 10 e 20 de outubro, na Estação das Docas.
O objetivo da mostra é incentivar o artesanato em miriti, através da valorização do conhecimento e das técnicas das comunidades de artesãos que vivem em Abaetetuba. Para o artesão Adonias Vilhena, o evento é uma chance de aumentar a visibilidade da produção em miriti. “Levarei peças que fogem dos tradicionais objetos de miriti e estão voltadas para a decoração. Essa iniciativa de expor nosso trabalho durante a quadra nazarena preserva e divulga a nossa arte”, afirma.

Oficinas Ensinam a Técnica da produção do Brinquedo de Miriti:

Além da exposição "Miriti das Águas", o público também poderá participar de oficinas sobre o artesanato em miriti. Dois artesãos vão ensinar as técnicas utilizadas para produzir as peças. As aulas acontecem em dois turnos, das 10h às 13h, e das 16h às 19h, durante o período de 10 a 20 de outubro. A participação é gratuita.

Serviço:

A exposição "Miriti das Águas" acontece de 10 a 20 de outubro, no Armazém 3, na Estação das Docas, localizada na avenida Boulevard Castilhos França, s/n, no bairro da Campina, em Belém. Mais informações pelo telefone (91) 3212-5660 ou através do site e a entrada é gratuita.

OS FOGOS:

Os Fogos, belo espetáculo das pistolas e fogos de artifícios, em verdadeiros shows pirotécnicos que acontecem durante as inúmeras procissões e na noite do Dia da Festa de Nossa S. de Nazaré, quando os fogos de artifício embelezam de cores e luzes a noite do Dia da Festa de Nossa S. de Nazaré. Os fogos são um dos pontos altos da festa da Padroeira, da Trasladação à grande procissão do Círio de Nazaré e na noite da Festa. Os fogos servem para avisar o início e o desenrolar da Festa Mariana e que indicam a alegria de todos pela festa da Padroeira dos paraenses. Lojas especializadas fazem o comércio dos fogos em Belém. E os fogos fazem parte do grupo de símbolos tradicionais do Círio de Nazaré.

Fogos no Círio de Nazaré de 2012:

Os Fogos no Círio e Festa de Nossa Senhora de Nazaré são uma tradição que vem desde o ano de 1946, no caso dos fogos dos Sindicatos dos Estivadores e Arrumadores do Estado do Pará, espetáculo feito na escadinha do Cais do Porto de Belém e e na Praça dos Estivadores, em frente à Estação das Docas do Pará. Vários são os pontos onde se realizam os espetáculos pirotécnicos dos Fogos de Nazaré. O mais tradicional ponto de fogos pirotécnicos é o dos sindicatos dos Estivadores e Arrumadores que realizam esses shows durante as procissões no Cais do Porto de Belém. 
Para soltar os fogos tem que haver a perícia técnica feita nos projetos, pelo Corpo de Bombeiros. E os responsáveis pelos fogos precisam sem representados por um engenheiro responsável, para exame dos fogos quanto a polegada dos fogos, carga a ser utilizada, se existe área de segurança e evacuação em caso de acidentes e, depois, disso, o Corpo de Bombeiros dá o aval para o show pirotécnico. Para o Círio 2012 estão previstos 3.000 dúzias de pistolas, mais uma grande variedade de outros fogos de artifícios que enfeitam o céu na noite da Procissão da Trasladação e na véspera do Círio

AS NOVENAS: 

As Novenas, são ciclos de orações realizadas durante as semanas que antecedem a festividade, por devotos que realizam pequenas romarias pelas casas de vizinhos.

OS BRINQUEDOS DO ARRAIAL DE NAZARÉ/PARQUE DE NAZARÉ:

Os Brinquedos do Arraial de Nazaré, são uma tradição antiga feita de brinquedos de todos os tipos, tamanhos, como as indispensáveis rodas-gigantes e corrosséis e muitos brinquedos onde as pessoas, e principalmente as crianças, se divertem muito.

PARQUE DE NAZARÉ:

As festas de Santos no Pará sempre tiveram o que o povo paraense chama de arraial. Os arraiais antigos de festas de Santos eram caracterizados por uma série de elementos que faziam parte da cultura das festas religiosas mais antigas e entre esses elementos, destacamos: os fogos, as bandeirinhas, os diferentes tipos de jogos, as vendas, as barraquinhas, a música, o teatro, o mastro e os brinquedos do arraial.
A Festa de Nossa Senhora de Nazaré, em Belém, não fugia a essa regra e também possuía o seu Arraial de Nazaré, onde existiam também os folguedos de arraial e entre esses, os brinquedos do Arraial. Antigamente esses brinquedos se caracterizavam pelos balouços, danglers, barquinhas, carrossel e outros. Porém, com a Festa e Círio de Nossa Senhora de Nazaré sempre crescendo em todos os seus aspectos a cada ano que se passava, os Brinquedos do Arraial de Nazaré foram também ficando a cada ano mais gigantesco e sofisticado. Hoje já não mais se fala nos Brinquedos de Nazaré, mas no PARQUE DE NAZARÉ, que é constituído de uma diversificada e gigantesca praça de lazer, onde os brinquedos são quase todos de estrutura metálica e movidos à eletricidade.
Pelo fato do Parque de Nazaré ser constituído de gigantescos brinquedos em estrutura metálica e movidos à eletricidade, precisa que tenha a fiscalização dos órgãos competentes para o devido funcionamento. A vistoria, pelo Corpo de Bombeiros, passa pela análise da documentação de cada brinquedo, os encaixes das estruturas metálicas e das instalações elétricas e de cada equipamento e instalação, itens que merecem uma acurada fiscalização com o intuito da preservação da integridade física dos que vão se utilizar de cada tipo de brinquedo. Após a vistoria, estando tudo devidamente dentro dos parâmetros de funcionamento, é dado o “habite-se” ou outra forma de liberação para que o brinquedo possa ser utilizado pelos que querem aproveitar o período da Quadra Nazarena para se divertir, também.

O PARQUE DE NAZARÉ, da Festa de 2012, deve passar por uma rigorosa inspeção a fim de que possa ser liberado sem o perigo de colocar em risco a vida de crianças, jovens e adultos que porventura queiram se divertir no Parque de Nazaré.

AS VENTAROLAS: 

As Ventarolas, que são abanos usados para amenizar o grande calor da época da Festa de Nazaré e que são distribuídas durante as procissões, por entidades, órgãos e empresas interessadas em fazer propaganda comercial de suas ações ou produtos, que têm grande utilidade no grande calor. Em tempo: O Círio e Festa de Nazaré movimentam 2,5 milhões de reais em seu preparo e o evento todo introduz 500 milhões de reais no comércio local e outros 25 milhões através dos 75 mil turistas que chegam para participar do Círio e Festa de Nazaré.

OS CARTAZES DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ:

Os Cartazes de Nossa Senhora de Nazaré, vem do Cartaz Oficial e outros tantos cartazes para serem pregados às portas e janelas das casas de Belém e de outras cidades, distribuídos pela Igreja Católica e pelos grandes jornais de Belém.

OS ANJINHOS:

Os Anjinhos, são crianças vestidas de anjos Os Anjinhos, que são uma tradição antiga no Círio de Nazaré e que são transportados nos Carros dos Anjos, ou outros carros, durante as procissões da Festa de Nazaré e, principalmente, durante o grande Círio de Nazaré.

O AUTO DO CÍRIO: 

O Auto do Círio, é uma manifestação de fé misturada a motivos folclóricos-profanos, evento organizado pelos artistas de Belém e de outras partes do Pará, com encenações teatrais, musicais e outros motivos.

AS CORRIDAS DO CÍRIO:

As Corridas do Círio, promovida peo Sistema Liberal de Comunicações, com a Corridinhas das Crianças e a Corrida do Círio, que atram muitos participantes de outros municípios do Pará.

As Varandas de Nazaré na Passagem do Círio:

No trajeto do Círio de Nossa Senhora de Nazaré pelas avenidas e ruas do percurso da Grande Romaria, quem tem posses, prepara as varandas das casas antigas dessas ruas para ver a passagem do Círio e, especialmente, da Berlinda com a Imagem de Nossa Senhora de Nazaré. Essas varandas são devidamente enfeitadas com motivos da Festa e Círio de Nazaré. Muitas dessas varandas de casas enfeitadas abrigam os componentes e amigos dessas famílias.
Alguns artistas e personalidades de renome do Estado chegam a alugar determinadas casas com varandas para, assim, preparar o ambiente para receber personalidades e jornalistas de outros estados e internacionais, para que elas possam ver, sentir e levar toda a magnitude e a emoção desses grandes eventos, especialmente do Grande Círio de Nazaré, para todo o Brasil e mundo. Algumas personalidades terão também a oportunidade de conhecer a cidade de Belém, a Gastronomia Paraense e acompanhar outros eventos como o Círio Fluvial, a Trasladação e o Círio.

O MUSEU DO CÍRIO E O MEMORIAL DE NAZARÉ:

O Museu do Círio já existe há vários anos e serve para abrigar o acervo do Círio de Nazaré, ou seja, tudo aquilo que diz respeito à procissão do grande Círio de Nazaré, como o material que aqui chamamos de Símbolos do Círio de Nazaré, especialmente a Berlinda, a Corda, os Mantos da Virgem e, especialmente, os materiais que são objetos dos diferentes tipos de promessas, e entre estas, o material dos ex-votos, que são parte do corpo humano feitos em cera.
Quanto ao Memorial de Nazaré, será outro modo de se analisar e resgatar a memória da Festa e Círio de Nazaré, por meio de fotos, imagens, objetos e símbolos especialmente ligados à grande procissão do Círio de Nazaré, que se pode dizer que é a maior procissão desse tipo que se realiza no Brasil e, quiçá, mundo, no mundo referente ao Catolicismo. Porém os turistas, fiéis, romeiros e demais visitantes só poderão conhecer o espaço do memorial de Nazaré a partir de 9 de outubro, que é a data prevista para a abertura oficial do Círio de Nazaré. Esse memorial ficará localizado no Centro Social de Nazaré, onde antes existia uma loja de venda de materiais religiosos e estará aberto durante todos os dias da Quadra Nazarena e também funcionará como exposição permanente que poderá ser visitada por turistas e pela população de Belém e demais cidades vizinhas. A idéia desse memorial da Festa e Círio de Nazaré partiu da historiadora e museóloga Rosa Arraes, que já trabalhava no estudo dos Mantos da Imagem de Nazaré e, nesse estudo, se deparou com um material mais vasto que poderia também servir numa exposição desse material. A idéia avançou e hoje já pode dizer que o memorial de Nazaré é uma realidade que também contará com recursos áudio-visuais que mostram a Festa e Círio de Nazaré em todos os seus aspectos.

E, em 2013, novos espaços do Complexo de Nazaré estão sendo reformados para abrigar os carros, berlindas e objetos que ficarão expostos ao público como num museu permanente.

EVENTOS PARALELOS NA FESTA E CÍRIO DE NAZARÉ:

Além da programação oficial realizado pela Diretoria da Festa de Nazaré, existem as programações particulares que acontecem por todos os recantos de Belém e nos diversos segmentos da sociedade.

Nazaré em Todo Canto

“Nazaré em Todo Canto” se refere a uma série de eventos culturais que têm como motivação a Festa e Círio de Nazaré, em Belém e que reúne uma série de instituições e entidades voltadas à cultura.

Fundação Curro Velho:

A exposição “Nossa Mãe”, na Fundação Curro Velho (Rua Professor Nelson Ribeiro, 287 – Telégrafo), de 8 a 31/10, das 9h às 17h.

No dia 8/10/2012 será aberta na Fundação Curro Velho a exposição “Nossa Mãe”, reunindo trabalhos resultantes de oficinas em diferentes linguagens artísticas, como fotografias, pinturas, esculturas, objetos em cerâmica e gravuras, que procuram homenagear a padroeira Nossa Senhora de Nazaré e as visitações públicas podem ser feitas até o dia 31/10, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h e com entrada gratuita e 
a mostra apresenta os trabalhos produzidos por crianças, jovens e adultos que participaram das oficinas oferecidas pela Fundação. Durante a visitação pública haverá também a apresentação da Corporação Musical da Escola Estadual Magalhães Barata. E como a sede dessa instituição fica às margens da Baía de Guajará, no sábado, dia 13/10, além da apreciação da exposição, o público poderá apreciar à passagem do Círio Fluvial no trapiche do Curro Velho. 
Toda a programação de outubro da Fundação Curro Velho faz parte do circuito cultural “Nazaré em Todo Canto” e com a presença de outras atrações, como a Orquestra Choro do Pará que também participa da programação, com um concerto dia 16/10, às 19h, no teatro da Fundação. Nia 19/10, será apresentado o espetáculo teatral “Os Apaixonados da Mangueirosa”, resultado da oficina de linguagem cênica, às 17h, no mesmo teatro, e toda a programação tem entrada franca.

Programação do Centro Cultural SESC Boulevar:

Fonte: sesboulevar.blogspot.com.br

Programação diversificada e gratuita pode ser uma ótima pedida para paraenses, turistas, devotos e promesseiros:
Programação diversificada e gratuita pode ser uma ótima pedida para paraenses, turistas, devotos e promesseiros:O Círio de Nossa Senhora de Nazaré, considerado uma das maiores manifestações religiosas do mundo, é também um ícone da cultura amazônica. Desde o início de outubro, o Pará inteiro se mobiliza para os festejos, que têm o auge no segundo domingo do mês. Além das homenagens culturais já tradicionais, como o Arrastão do Pavulagem e o Auto do Círio, os romeiros terão também a oportunidade de conhecer a programação do Centro Cultural SESC Boulevard, que durante todo o mês irá trazer grandes atrações em música, cinema, literatura, fotografia e teatro.
Como homenagem principal, acontecerá no dia 09 a abertura da exposição Círio de Memórias, que este ano tem como tema “Miriti, esculturas de luz”, onde será mostrado o resultado de um trabalho fotográfico desenvolvido ao longo do ano com os artesãos de miriti da região de Abaetetuba. As ações do projeto foram conduzidas no sentido de reunir e mesclar os conhecimentos e vivências dos artesãos com o dos antigos profissionais da fotografia, conhecidos como “lambe-lambes”.
A agenda musical irá trazer Salomão Habib (10) com o show Suíte de Outubro, no qual o violonista, através de notas musicais, contará a história do Círio de Nazaré.

Mangal das Garças:

A instalação visual, “Revoada de Pássaros”, fica em exposição de 7/10 a 11/11, das 9 às 18h, no Armazém do Tempo, no Mangal das Garças.
O espaço turístico zoo-botânico Mangal das Garças, abrirá seus espaços para a exposição “Revoada dos Passaros” de 8 a 11/10, onde ficarão expostos 200 pássaros feitos de miriti, confeccionados pelos artesões de miriti de Abaetetuba, cidade conhecida pelo grande envolvimento de seus moradores com o miriti. As visitações podem ser feitas das 9h às 18h, no espaço Armazém do Tempo, do Mangal das Garças e com entrada franca. 
Desse modo as araras, papagaios, guarás, tucanos e garças são algumas das espécies de aves amazônicas frequentemente encontradas no artesanato de Abaetetuba e que estarão presentes na instalação visual no Mangal. Os pássaros de miriti ficarão suspensos no teto do Armazém do Tempo, como se estivessem em seu habitat natural. A curadoria da exposição é do artista plástico e diretor do Museu da Navegação, Emmanuel Franco. A mostra dos pássaros em miriti foi denominada ‘Revoada dos Pássaros’ pela afinidade visual com os pássaros do Mangal. 
Para escolher os pássaros que compõem a exposição, Emmanuel Franco visitou o município de Abaetetuba e selecionou o material de 18 ateliers que fabricam peças de miriti. 
Há mais de 200 anos, artesãos da cidade produzem as peças feitas com o talo da palmeira. Elas são uma representação do universo ribeirinho da região de Abaetetuba. Além dos pássaros, barcos e dançarinos são temas muito comuns no artesanato local.
A exposição também aproveita o período do Círio para apresentar aos turistas uma das principais artes da região. “É uma oportunidade diferente de conhecer os objetos de miriti. A ‘Revoada dos Pássaros’ contempla a beleza do Mangal das Garças e da quadra Nazarena”, conta Emmanuel Franco. 

Instituto Arraial do Pavulagem:

“A Pavulagem de Um Brinquedo de Miriti” é o tema para o “Arrastão do Círio” que o Instituto Arraial do Pavulagem realizará no 2º sábado de outubro (13/10/12), logo após o Círio Fluvial.
Corró-corró é o termo carinhoso como o abaetetubense denomina o brinquedo sonoro que emite um som ao ser rodopiado, mas que poderia também ser chamado de roc-roc pelo seu peculiar som emitido por um espécie de caixa de ressonância sonoro que compõe o brinquedo e que é usado pelos vendedores de brinquedos de miriti através das girândolas desses brinquedos. Só é necessário um simples rodopiar desse brinquedo e o som vai surgindo para se incorporar ao colorido e à simplicidade do objeto, numa espécie de encantaria para atrair crianças e adultos. É magia que resgata a memória da cidade e a história do Círio de Nazaré.
Contam os antigos artesãos de Abaetetuba/Pa, que o roc-roc ou corró-corró aparece na cena do Círio como peça de divulgação dos pontos de vendas dos brinquedos de miriti. Uma vez acionado, sua sonoridade cativa os olhares e a atenção dos devotos, para revelar uma infinidade de outros formatos de brinquedos em cores inspiradas no imaginário ribeirinho e no cotidiano do caboclo paraense, diz Ronaldo Silva, que é músico e pesquisador cultural do Instituto Arraial do Pavulagem.
No contato e diálogo com os artesãos de miriti veio a descoberta e a percepção de que o brinquedo já quase não vinha mais para a feira tradicional de miriti na Quadra Nazarena e em 2002, ele passou a fazer parte do Arrastão do Círio, o cortejo de cultura popular realizado pelo Arraial para reverenciar e homenagear a padroeira dos paraenses no segundo sábado de outubro, logo após o Círio Fluvial.
Segundo Ronaldo Silva, no cortejo pelas ruas, o Instituto reinventa a sonoridade do brinquedo e evoca os ruídos da floresta na chegada dos brincantes à Praça do Carmo, no bairro da Cidade Velha em Belém.
É quando centenas de roc-roc começam a ser girados para o alto numa 
profusão de cores e sons chamada de “Valsa dos Roc-Roc”, que se torna um momento de reflexão sobre os sons da natureza em comparação com os sons produzidos pelas atividades humanas no planeta. “Sobre os sons que não escutaremos mais, sobre os sons naturais que ainda escutamos, aqueles nocivos à saúde humana e aqueles mágicos e encantadores que nos equilibram, nos fortalecem, nos identificam”, completa Ronaldo.

A Equipe da Concepção e Fabricação do Corró-Corró:

Durante as semanas que antecedem o Arrastão do Círio, uma pequena equipe de participantes do cortejo se dedica a conceber o corró-corró. Um trabalho feito com carinho e cuidado para criar mil exemplares do singelo brinquedo que vão ser distribuídos para o público na concentração do evento, na Avenida Boulevard Castilhos França, em frente à Estação das Docas, enquanto todos aguardam a chegada da imagem de Nossa Senhora para homenageá-la com música.
As atividades estão aceleradas na sede do Arraial, localizada no bairro da Campina, onde mais de 800 roc-roc já foram feitos, em todos os tamanhos, em múltiplos formatos e de todas as cores. Ganharam forma e vida pelas mãos de Silvio Nascimento e suas 3 colaboradoras, num exercício de criatividade e paciência, que começa às 8h e só termina às 18:00 h, de segunda a sábado. “Mas é divertido também”, garante Silvio, músico e artesão de 41 anos que assumiu este ano a tarefa de conduzir o processo de criação do brinquedo.

Estrutura do Corró-Corró: 

É Silvio quem sai pela cidade para recolher a matéria-prima do corró-corró, os rolos que servem de suporte para o papel nas gráficas de Belém. Depois vai medi-los e cortá-los. Em seguida, os rolos recebem cola de sapateiro em toda a estrutura e uma das extremidades é tampada com cola quente. A parte fechada recebe um furo logo depois, por onde passará o pequeno fio que será girado quando o objeto estiver pronto. O fio é enrolado em uma das pontas a um pedaço de madeira “breado” (espécie de seiva aquecida). “É como o breu-branco”, tenta explicar Silvio. É a seiva que deixa a superfície da madeira lisa, essencial para o som nascer. “É ele que permite esse atrito da cordinha com a madeira para fazer o som”, pontua. E no meio de todo o processo de construção do corró-corró vem a pintura, sempre bem colorido. E, depois, é só deixar secar e verificar o resultado depois nas ruas, pelas mãos do povo, na celebração da cultura popular. “As pessoas ficam alegres. É legal ver”, se orgulha Silvio.

O Arrastão do Círio 2012:

O Arrastão do Círio 2012 ocorre no sábado, 13/10, logo depois do Círio Fluvial. O cortejo se concentra na Avenida Boulevard Castilhos França, em frente à Estação das Docas (nas proximidades da Escadinha) para aguardar a chegada da imagem peregrina de Nossa Senhora e prestar uma bela homenagem à padroeira, com o Batalhão da Estrela tocando o hino do Círio de Nazaré ao som de mazurca, um dos ritmos da marujada de Bragança. Na praça do Carmo, além da Valsa dos Roc-Roc está prevista ainda a realização de uma grande roda de Carimbó com as participações de vários artistas locais e o Arrastão faz parte da programação “Nazaré em Todo o canto”, do Governo do Pará, e tem patrocínio da operadora Vivo, por meio do programa Conexão Vivo, da Lei Semear, da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves e apoio da Prefeitura Municipal de Belém.

A Festa e Círio de Nazaré Aquece o Turismo e o Comércio do Pará 
Círio de Nazaré como o Primeiro Natal dos Paraenses: 

A devoção à Nossa Senhora de Nazaré aquece o Turismo no Pará no mês de outubro, quando se verifica um dos maiores de desembarques de passageiros no Aeroporto Internacional de Belém, em Val-de-Cans, que nivela com os meses de Julho e Dezembro. E o transporte aéreo é o que mais transporta turistas para o Pará no mês de outubro, estando prevista a chegada de mais de 300 mil passageiros, fato que obriga as empresas de transporte aéreo a disponibilizar voos extras para atender a grande demanda do Círio, sendo que o pico esperado de turistas são os dias 11 e 12/10/12 e que também exige viagens extras dos transportes rodoviários, onde o Terminal Rodoviário de Belém recebe milhares de romeiros que aproveitam a oportunidade do Círio de Nazaré para também se confraternizar com seus parentes da Capital.

A Companhia de Turismo do Pará-PARATUR já se preparou para bem receber esses turistas, vindos principalmente de Fortaleza, Macapá, Santarém, Marabá e Altamira, além de muitos outros turistas vindos de outras regiões do Brasil. Esses turistas, a partir do dia 9/10, serão atendidos com manifestações culturais no Aeroporto Internacional de Belém e no Terminal Rodoviário de Belém, e como maneira de bem acolher esses visitantes com a peculiar hospitalidade do paraense.
Só para o Círio são esperados mais de 76 mil turistas, que incrementarão a economia de Belém com mais de 28 milhões de dólares e, por isso, os órgãos do Turismo do Pará estão com todo esse aparato de receptividade aos turistas do Círio de Nazaré.

Todo esse movimento de pessoas aquece não só os serviços do Turismo em Belém, como o Comércio também fica tomado de pessoas em busca de lembranças do Círio, como os próprios moradores da Capital que estão em busca frenética de todos os materiais que comporão os enfeites das residências, do Almoço do Círio, artigos do vestuário e tantos outros elementos que nessa época têm demanda como se fosse o 1º Natal dos Paraenses, movimento esse se reflete nos ínumeros Shopping Center, casas comerciais, supermercados e feiras de Belém. 

CÍRIO COMO O 1º NATAL DO PARAENSE:
A Festa e Círio de Nazaré Aquece o Turismo e o Comércio no Pará:

A devoção à Nossa Senhora de Nazaré aquece o Turismo e o Comércio no Pará no mês de outubro, quando se verifica um dos maiores de desembarques de passageiros no Aeroporto Internacional de Belém, em Val-de-Cans, que nivela com os meses de Julho e Dezembro. E o transporte aéreo é o que mais transporta turistas para o Pará no mês de outibro, estando prevista a chegada de mais de 300 mil passageiros, fato que obriga as empresas de transporte aéreo a disponibilizar voos extras para atender a grande demanda do Círio, sendo que o pico esperado de turistas são os dias 11 e 12/10/12.
A Companhia de Turismo do Pará-PARATUR já se preparou para bem receber esses turistas, vindos principalmente de Fortaleza, Macapá, Santarém, Marabá e Altamira, além de muitos outros turistas vindos de outras regiões do Brasil. Esses turistas, a partir do dia 9/10, serão atendidos com manifestações culturais no Aeroporto Internacional de Belém e no Terminal Rodoviário de Belém, e como maneira de bem acolher esses visitantes com a peculiar hospitalidade do paraense.
Só para o Círio são esperados mais de 76 mil turistas, que incrementarão a economia de Belém com mais de 28 milhões de dólares e, por isso, os órgãos do Turismo do Pará estão com todo esse aparato de receptividade aos turistas do Círio de Nazaré.

Blog do Ademir Rocha

2 comentários:

  1. Me chamo Laíse e estou montando meu blog.
    Gostaria de postar um desenho que consta no seu blog.
    Eu cheguei até ele pesquisando imagens do Círio no Google.
    É um desenho onde aparece a Basílica, alguns promesseiros e a corda.
    Ele está logo no início dessa página.
    Posso?

    ResponderExcluir
  2. Cara Laise Lobato, obrigado pela visita ao nosso Blog, parabenizo-a desde já pela montagem de seu Blog e pode usar as imagens e fotos do nosso Blog. Grande parte das imagens e fotos que usamos são recortes de revistas e jornais e fotos também copiadas e de nossa autoria. Abçs, ADEMIR ROCHA

    ResponderExcluir