Mapa de visitantes

domingo, 9 de janeiro de 2011

Memórias 4 do Futebol de Abaetetuba

Memórias 4 do Futebol de Abaetetuba

MEMÓRIAS 4 DO FUTEBOL DE ABAETETUBA

As antigas fotos destas memórias são obras dos fotógrafos Dico Cururu e Pastel, mostrando parte da história da gloriosa fase do futebol abaetetubense, época dos grandes craques dos times de Abaetetuba e da Seleção de Futebol de Abaetetuba nos anos de 1950/1960/1970.

Esta postagem foi feita com a colaboração do antigo jogador Café, filho da famosa parteira abaeteense Zita Margalho, atual Mestre Café, popular pedreiro, pintor de Abaetetuba, atualmente, 1/2011, com 70 anos de idade, c/c Socorro e com 8 filhos. O mesmo é depositário da memória não só do futebol, como também dos cordões de pássaros e bois de Abaeté e de grande parte da história de Abaetetuba.

Foto do time do Vênus, em jogo de placar:
VÊNUS 3 X 1 TUNA, jogo em 1953 no antigo campo de futebol do Abaeté Futebol Clube.

Time do Vênus Atlético Club:

De pé:
Hildo Tavares Carvalho (dirigente), um diretor da Tuna Luso Brasileira, Alair (goleiro), Mafra, Dijó, Rivair, Veridiano, Aristides, Didico Cacheado (ou um de seus filhos) e Góeszinho (presidente do Vênus).
Agachados:
Miguel do Domiciano, Café, Diquinho Bala, Afonso e Bilico.

Comentários:

Para quem não se recorda dessas pessoas tão caras para a memória do futebol de Abaetetuba, publicamos um pequeno resumo de suas biografias:

• Hildo Carvalho/Hildo Tavares Carvalho, é o saudoso gerente do Banco da Amazônia/BASA, que foi também prefeito em Abaetetuba e o construtor e presidente do famoso clube social Bancrévea Clube de Abaetetuba, tendo sido talvez o mais dinâmico e trabalhador prefeito de Abaetetuba e sem ser filho desta cidade. Chegou aqui como gerente do Banco da Amazônia/BASA, trazendo toda a sua família consigo para morar em Abaetetuba.
Como gerente do BASA construiu o prédio da Ag. de Abaetetuba e nessa condição também construiu o grande prédio do Bancrévea Club de Abaetetuba no terreno onde antes existia a vacaria do farmacêutico Joaquim Mendes Contente e em frente do antigo prédio da fábrica do Guaraná Abaeté de Mito Ribeiro. O prédio do Bancrévea Clube de Abaetetuba foi inaugurado em 1/5/1963 e Hildo Tavares Carvalho foi seu presidente por muitos anos. No seu tempo as festas sociais e festas de carnavais no Bancrévea eram memoráveis e imbatíveis, quando as grandes orquestras de Belém e os grandes conjuntos musicais de Abaetetuba animavam aquelas festas. A grande rival do Bancrévea Clube de Abaetetuba foi a Assembléia Abaetetubense que organizava também inesquecíveis bailes sociais e carnavalescos.
Como político Hildo Carvalho chegou facilmente ao cargo de prefeito municipal de Abaetetuba devido suas qualidades de administrador e ele foi prefeito em dois mandatos (1967-1970 e 1973-1977), sendo um prefeito dinâmico e trabalhador, qualidades que eram visíveis na direção da agência do BASA de Abaetetuba. Como prefeito suas realizações foram muitas: construção das estradas Colônia-Itacuruçá-Acaraqui, Abaetetuba-Beja e outras; o novo campo de pouso; facilitou a instalação, pela COTELPA, do sistema telefônico da cidade, com mais de 300 aparelhos iniciais; construção do atual prédio da Prefeitura Municipal de Abaetetuba; instalação de mais de 40 escolas municipais, entre as quais o Grupo Escolar “Dr. Vicente Maués inaugurado em 28/8/1968 e muitas obras na saúde. Foi um dos Homenageados Especiais da Turma de Humanistas, turma de 1960, do Ginásio N. S. dos Anjos.
Na sua 1ª eleição como prefeito foi candidato pela sub-legenda da Aliança Renovadora Nacional/ARENA, apoiado pelo Movimento Democrático Brasileiro-MDB, enfrentando O saudoso Dionísio Edmilson Lobato. Tomou posse em 1/2/1967, tendo como vice-prefeito o Sr. Aristides dos Reis e Silva Sobrinho.
O Grupo Escolar Dr. Vicente Maués, anteriormente, abrigava alunos das chamadas Escolas Reunidas, que sem prédio próprio, funcionou em várias casas alugadas adaptadas para escola. Em 28/8/1968 o prefeito Hildo Carvalho finalmente resolveu esse grande impasse dessa antiga e tradicional escola, quando foi inaugurado o prédio próprio do Grupo Escolar “Dr. Vicente Maués”, com a presença do Governador do Estado, Tenente Coronel Alacid da Silva Nunes, do prefeito municipal, Hildo Tavares Carvalho, do pároco local, Padre Vicente Mitidieri, da filha do Dr. Vicente Maués, Catarina Maués Farias, tendo como 1ª diretora a professora Maria Zaíde Cardoso.
Hildo Carvalho também era um desportista entusiasmado que apoiou os clubes locais e a Liga Esportiva Abaetetubense/LEA ainda como gerente do BASA e principalmente como prefeito de Abaetetuba e ele, com seu peculiar entusiasmo, passava essa qualidade para os jogadores e dirigentes de seus clubes ou times e no seu período a Seleção de Futebol conquistou vários títulos do Campeonato de Futebol do interior do Estado.

• Alair/ Alair M. Melo, o saudoso Alair nasceu em 8/2/1934 e faleceu em 8/8/1980, e ele foi um dos melhores goleiros que já apareceram em Abaetetuba, revezando com o outro grande goleiro Crizantinho na meta da Seleção de Futebol de Abaetetuba. Na foto acima ele aparece como goleiro do grande time do Vênus Atlético Club de 1953, time que foi várias vezes campeão do futebol de Abaetetuba e que rivalizava com o outro grande time do Abaeté Futebol Clube na conquista de títulos de campeões de futebol.

Alair Melo, já é falecido, era filho de Laurita Melo, irmã de Lalá e Luama, casado e com filhos.

• Mafra, só sabemos que ele trabalhava na COSANPA/Companhia de Saneamento do Pará, Agência de Abaetetuba e que ele como jogador de futebol era um verdadeiro ferro, uma muralha na defesa de seus times, qualidade que supria a sua deficiência técnica e em 2015 aida estava vivo com mais de 85 anos.

• Dijó, não sabemos o seu nome, porém sabemos que ele era filho de Euzébio de Castro e Dina Cardoso e irmão de outros craques de futebol: Afonso, Laburina, Ari e Dé, da família Cardoso de Castro de Abaeté, e que tinha outros irmãos: Mita, Rebenque e Josina Cardoso de Castro. Dijó era baixo em estatura, porém era vigoroso na defesa de seus time e já é falecido.

• Rivair, não sabemos seu sobrenome e ele era filho do saudoso Mestre Zizino, pedreiro dos bons de Abaeté. Rivair jogava na lateral esquerda e era um vigoroso jogador de defesa, que era a sua maior qualidade como jogador.

• Verediano/ Veridiano Góes Teixeira, nasceu em Abaetetuba em 26/8/1934 e era irmão de outro grande jogador de futebol, o Filinho. Veridiano foi um grande jogador de futebol desde os anos de 1950, tendo atuado em vários clubes de Abaetetuba. Figurou por muitos anos como titular de Seleção de Futebol de Abaetetuba. Era um jogador de uma boa altura e que jogava de cabeça erguida, sendo uma espécie de maestro na armação das jogadas. Era muito técnico e bom cabeceador. Veridiano era um dos poucos veteranos do grande time de futebol do Palmeiras nos anos de 1970.
Verediano era também um bom compositor musical de músicas carnavalescas. Participou dos blocos de rua, para quem compunha as canções. Suas principais composições são: “Rainha do Tocantins”, “Carajás Serra Dourada”, “Nossa Pobre terra Rica”, “Biquini vermelho”, “Conde, Vila Antiga”, “Roubaram Minha Nêga”, “Volta Pro Nosso Barraco” e “Vou embora deixar minha Carajás”. Eram músicas de exaltações às localidades e cidades e de críticas sociais e também são belas composições cheias de ironia e de amor pela terra natal. Ele é o autor da música “Abaetetuba” que nunca saiu das paradas de carnaviais. É casado e com filhos.
Benedito Góes Teixeira/Filito, jogador de futebol do Abaeté Futebol Club nos anos de 1970, casado e com filhos: Meire e outros. É irmão de Verediano e Zé Bossó, este trabalha e mora em Manaus/Am.

• Aristides/ Aristides dos Reis e Silva Sobrinho, comerciante e antigo jogador de futebol do Vênus e da Seleção de Futebol nos anos de 1950/1960, vereador na gestão do prefeito Francisco Leite Lopes e de seu substituto em 1964, o interventor municipal Mariuadir Miranda Santos (1963-1967), foi prefeito de Abaetetuba (1970-1972), vice-prefeito na gestão do prefeito Hildo Tavares Carvalho (1967-1970).
Chegou a exercer um mandato-tampão de prefeito municipal no período de 1972/73.
C/c Elizabeth Parente e Silva e tiveram filhos: Ana Rosa, João Clóvis, Aristides dos Reis e Silva Filho, Emília de Nazaré Parente e Silva e Marcolino Domingos Parente dos Reis e Silva. Era sobrinho do famoso político de Abaeté, Coronel Aristides dos Reis e Silva.
Como jogador de futebol foi um viril lateral direito, sem muita técnica, compensada pela sua disposição em campo.

• Didico Cacheado/Didico Cacheado Silva, aparece como dirigente do Vênus junto ao Góeszinho, era grande e simpático comerciante de Abaeté e comerciante viajante, casado e com vários filhos e filhas, algumas das filhas com olhos verdes, como de sua mãe Morena.

• Góeszinho/ Sebastião Pinheiro Góes, dono de oficina de marcenaria, comerciante, paraninfo da turma de Humanista da escola INSA em 1962, desportista, coletor de rendas, presidente do Vênus nos anos de 1960, já falecido, c/c Palmira Soares Sarges/Zeza e tiveram filhos: Cristina e outros.
Goészinho, foi um entusiasta e folclórico político de Abaetetuba e presidente do Vênus Atlético Club, período em que esse clube experimentou uma boa fase de hegemonia e fausto no futebol e nas atividades sociais do clube. Acredita-se que esse famoso desportista tenha tirado de seus recursos financeiros para manter o clube, tanto que ele chegou a ficar pobre no fim de sua vida.
Mas o Vênus Atlético Club e o futebol de Abaetetuba devem muito ao desportista Goészinho.

• Miguel do Domiciano, não temos informações sobre esse jogador. Sabemos que ele era filho do Sr. Domiciano e que praticava um bom futebol e sendo as suas maiores características o vigor nas jogadas e suas velozes arrancadas em direção ao gol adversário.

• Café/ Café Margalho, filho da famosa parteira de Abaeté, Zita Margalho, que trabalhou nessa função por mais de 35 anos “aparando” milhares de abaetetubenses que vieram ao mundo através de suas abençoadas mãos, pois naqueles tempos a cidade de Abaeté carecia de água encanada, luz elétrica e a falta de serviços de saúde na cidade.
O jogador de futebol Café atualmente, em 2011, já esta com 70 anos de idade, e é muito conversista e guardião de grande parte da memória do futebol de Abaetetuba, dos antigos cordões de pássaros e de bois e da genealogia da cidade. É um verdadeiro depositário dessas memórias. E é um antigo mestre pedreiros dos bons, entendendo também de muitos outros aspectos da construção de casas e de outros serviços de pedreiro, junto com alguns de seus filhos. Ele casou muito jovem com Socorro e teve 8 filhos. Ele é irmão do saudoso Miguel e do Bito, antigos moradores da Rua Magno de Araujo, em frente à Escola Bernardino. Suas irmãs: Ana, casada com o jogador de futebol Milico e Tereza, casada com o alegre Filoca Ribeiro.
Como jogador de futebol em sua juventude despontou para o futebol, como revelação, nesse jogo de Vênus 3 x 1 Tuna, e jogou em outros clubes de Abaeté, tendo baixa estatura, porém era rapidíssimo com a bola nos pés em direção ao gol adversário.

• Diquinho Bala/ Raimundo de Jesus Lima/ Diquinho Bala Lima, antigo jogador de futebol do Vasco da Gama, do Vênus e da Seleção de Futebol nos anos de 1950/1960, era filho de Francisco Lima/Chico Lima e Hidebrandina de Almeida, comerciante anos de 1940, 1950, sendo também este antigo jogador de futebol de Abaeté, delegado de polícia, fundador em 1936 da entidade futebolística Itatiaia Sport Club, casado e com filhos: Luís Lima, Diquinho Bala, Maria Lima, Santinha, Sandoval Lima e outros. Era de uma família de onde despontaram muitos e bons jogadores de futebol: Sandoval, Luís Lima e o Diquinho Bala e outros da 3ª geração de futebolistas: Fran Lopes, Ziza, Sapuca, Manelão, Cabá, Luluca e outros.
A casa da família de Chico Lima, pai de Diquinho Bala, ficava na antiga Rua Silva Jardim, hoje Trav. Pe. Luiz Varella servia de sede social para o Vasco da Gama.
Diquinho Bala/Raimundo de Jesus Lima, possuía um canhão nos pés e pobre do goleiro que tentasse pegar seus potentes e certeiros chutes e fazia uma dupla perfeita com o meia Bilico, este também de chutes indefensáveis.

• Afonso/Afonso Cardoso de Castro, filho de Euzébio de Castro e Dina Cardoso, funcionário aposentado dos Correios, antigo jogador de futebol do Clube da Saúde da Fundação SESP, do Vasco da Gama, do Vênus, da Seleção de Futebol de Abaetetuba, do Clube do Remo, do Payssandu, estes de Belém e vários outros clubes, tendo jogado até os 40 anos, sendo um dos melhores jogadores de futebol de Abaetetuba, casado e com filhos: Paulo Afonso e outros. Afonso era de uma família de jogadores de futebol:
Ari, jogou futebol dos anos de 1950/1960 no time da Praça e outros clubes e atualmente (1/20111) mora em Marabá/Pa;
Dijó, já é falecido, jogou futebol nos anos de 1940/1950;
Jovaci Cardoso de Castro/Laburina, já é falecido, e jogou futebol nos anos de 1940/1950, tendo falecido vítima de tétano;
Manoel Maria Cardoso de Castro/Mestre Dé, já é falecido, foi concluinte da 1ª turma de Humanistas do Ginásio Bernardino Pereira de Barros (1965), mecânico, vereador na gestão do prefeito João Alberto da Silva Bitencourt (1983-1988) e jogou futebol nos anos de 1960/1970, ferrenho torcedor da Tuna Luso Brasileira, de Belém, casado e com filhos.
Outros irmãos de Afonso: Josina, Mita e Rebenque Cardoso de Castro.
Afonso, foi um dos melhores jogadores de futebol de todos os tempos de Abaetetuba, um verdadeiro craque, um maestro com a bola nos pés, que jogava na armação das jogadas de meio do campo.

• Bilico, do qual só sabemos o apelido, pai dos craques de futebol Ramito e Carmo. Bilico foi outro grande craque do futebol de Abaetetuba, muito habilidoso com a bola nos pés, rápido e que tinha um canhão no pé esquerdo e brilhou nos times do Vênus e da Seleção de Futebol de Abaetetuba, goleador nato, tendo marcado muitos gols pelo Vênus e Seleção. Bilico, pelo brilhante futebol que praticou se tornou uma lenda do futebol de Abaetetuba, junto com Diquinho Bala, dupla que era terror das defesas adversárias.


Foto do time do Vênus, em jogo realizado em 25/4/1971, de placar: Vênus 1 x 1 Palmeiras, jogo no antigo campo do Abaeté Futebol Clube.

De pé:
Tiririca, Zé Leitão, .....(filho de D. Eudócia), Zé Maria, Dé, Banana, Filinho, Perácio (técnico) e Messias Lobato.
Agachados:
Abel do Neves, Ítalo, Tatu, Zé Elídio, Ari, ....(casado com a filha do Sr. Capivara) e André Pontes.

Comentários:

Para quem não se recorda dessas pessoas tão caras para a memória do futebol de Abaetetuba, publicamos um pequeno resumo de suas biografias e existem 2 jogadores desse time do Vênus de quem o Sr. Café só lembra alguns detalhes e não lembra o nome. Quem souber o nome desses jogadores favor nos avisar nos comentários ou (e-amail-ademir-heleno@bol.com.br). Desde já agradecemos a grande contribuição para a memória do futebol de Abaetetuba.

• Tiririca, é filho do popular Marcelino/ Marcelino Soares de Lima, fruteiro no antigo Mercado de Carne e sobrinho do popular Benedito Soares de Lima/Benedito Fruteiro, nascido em 1932, ambos falecidos e filhos de Sebastiana Venuta Soares de Lima.

• Zé Leitão, possivelmente de nome José Leitão, grande zagueiro dos times de futebol de Abaetetuba e da Seleção de Futebol de Abaetetuba. Ele marcava de perto os atacantes adversários e não lhes dava chances de gol, mesmo que para isso tivesse que dá umas bicadas nos tornozelos em faltas imperceptíveis pelos juízes de futebol. É casado e com filhos.

• O filho de D. Eudócia o Sr. Café não lembrou o nome, mas ele é de fisionomia conhecida nossa do blog, tendo estudado na Escola Bernardino.

• Zé Maria, é o José Maria Matias de Sena, que jogava um futebol razoável e foi estudar para Belém, formando-se engenheiro civil e presta seus serviços profissionais em Abaetetuba.

• Dé, é o saudoso Manoel Maria Cardoso de Castro/Mestre Dé, irmão dos jogadores Afonso, Laburina, Dijó e Ari. Vide família de Dé em Afonso Cardoso de Castro, acima. Mestre Dé já é falecido, foi concluinte da 1ª turma de Humanistas do Ginásio Bernardino Pereira de Barros (1965), mecânico de bicicletas em Abaetetuba, vereador na gestão do prefeito João Alberto da Silva Bitencourt (1983-1988), que por sua honestidade como político, não se reelegeu, porém famoso jogador de futebol nos anos de 1960/1970, que depois de parar com a vida de jogador tornou-se desportista incansável no futebol de sua terra em defesa do Vênus e de outros clubes e da Seleção de Futebol, um dos poucos torcedores da Tuna Luso que quando ganhava um título o Mestre Dé fazia churrasco de carne de carneiro, casado com filhos.

• Banana, filho do conhecido e popular Guilherme Medeiros, citado em 1930, amável comerciante com famoso botequim na Ponte Grande em Abaeté nos anos de 1940, 1950 que era ponto de alguns notáveis de Abaeté no jogo de gamão e dominó, c/c Maria Medeiros e tiveram filhos: Ubirajara/Birá, Pedro Poty, Iracema, Banana, Pindubussu, Parajara, Manoel Urubatan, Jacy, Paraguassu, Ubiracy, Esmeralda Medeiros. Ramos e Rochedo eram agregados a essa família. Banana, é irmão dos jogadores de futebol Pedro Poty e Parajara e é mestre mecânico em Abaetetuba e casado. Após esta postagem o ex-jogador e mecânico veio a falecer, onsternando todos os seus familiares e numerosos amigos.

• Filinho, Benedito Góes Teixeira, grande e alegre figura e bom jogador de futebol de Abaeté, irmão do também jogador Verediano. Vide Verediano acima.

• Perácio/Edilson da Silva Lobato, pertence a uma família, incluindo seus primos Bebé do Preto, família também de grandes mestres serralheiros, fundidores e mecânicos e grandes jogadores de futebol, penso que até a 3ª geração, como Baíco e outros. Foi vereador na 2ª Gestão do prefeito Hildo Tavares Carvalho (1973-1977). Se caracteriza na vida pessoal por ser uma figura alegre e bonachã. São seus irmãos, também grandes jogadores de futebol: Vavá (este falecido em desastre de moto na antiga Rua do Arame, atual Rua 7 de Setembro), Toró, Crizantinho, Tatu, Evandro e alguns seus filhos e primos, que grandes glórias proporcionaram aos seus clubes e à Seleção de Futebol de Abaetetuba.
Como jogador de futebol, Perácio jogava na defesa como zagueiro central e também era uma muralha, que junto com Aristides Sobrinho formavam uma grande dupla de zagueiros na Seleção de Abaetetuba, porém quando furavam os chutes, os adversários dos bons times de Bragança, Capanema, Castanhal, Monte Monte Alegre e outras seleções não perdoavam e aconteciam as poucas derrotas da Seleção de Futebol de Abaetetuba, que foi 11 vezes campeã de futebol do interior do Pará, contando com jogadores dessa tradicional família de Abaetetuba.
Perácio e seus irmãos jogadores de futebol, devido influência de seu saudoso pai Crizanto Lobato, ferrenho torcedor do Abaeté (deve ter sido também seu jogador) jogaram inicialmente no Abaeté Futebol Clube. Porém Perácio, como bom desportista, também jogou e trabalhou como técnico de futebol em outros clubes, inclusive no grande time do Vênus Atlético Club.

• Messias Lobato/Messias de Sigmaringa Lobato Neto, filho do saudoso dono de farmácia Dionísio Edmilson Lobato, este nascido em 19/7/1919, católico fervoroso e baluarte na construção da Igreja Matriz de Abaeté, c/c Inês Bahia e tiveram filhos: Bernardete, Maria Ellen, Maria José, José Edmilson,Maria de Fátima, Messias de Sigmaringa Neto, Paulo e outros. Messias Neto, conforme o Sr. Café, era apaixonado torcedor de jogos do Vênus e entrou na foto como um alegre penetra.

• Abel do Neves. Abel Neves/Abel do Neves, filho do dono do engenho Santo Antonio, comprado de Arthur Nunes Ferreira na Costa Maratauhyra e comerciante de ferragens, Raimundo Neves. Abel jogou futebol na juventude como folclórico ponta direita do Abaeté e rápido como era na ponta direita, quando avançava, o público vibrava e gritava “Cruza Abé, cruza Abé” e com esses cruzamentos saíram muitos gols do Abaeté e Abel herdou a loja de ferragens de seu pai e é casado.

• Ítalo/Ítalo Calliari Baía, filho da descendente de italianos Roma Calliari Parente, c/c Aluízio Baía, com imóvel na Av. D. Pedro II e que além de Ítalo, tiveram outros filhos: Júlio (também jogou futebol no Vênus), Otoni Bebedito/Suto (jogou futebol no grande time do Palmeiras dos anos de 1970), Rui e Anita Maria. Ítalo era de baixa estatura, bom e técnico jogador de futebol na juventude, iniciado nas peladas do Time da Praça. Foi para Belém e se formou engenheiro agrônomo. Deu muitas glórias aos times da Praça, do Palmeiras e do Vênus. Otoni Benedito Calliari Bahia/Sutó c/c Luzia Rodrigues Batista, esta filha de Francisco de Lima Batista e tiveram filhos. Sutó apesar de magrinho era um vigoroso zagueiro do Time da Praça e do Palmeiras.

• Tatu/ é irmão de Vavá, Perácio, Toró, Crizantinho, Evandro que também eram jogadores de futebol e moravam no antigo bairro do Cafezal, filhos de Crizanto Lobato/Mestre Crizanto, que possuía uma grande oficina de serralharia, fundição, mecânica na Rua Siqueira Mendes no bairro de São José e onde trabalhavam a maioria de seus filhos, genros e muitas outras pessoas. Tatu, rompedor de áreas, como seus irmãos jogadores eram vigorosos jogadores, incansáveis em campo e que davam tudo pelos seus times de futebol.

• Zé Elídio/José Elídio Santos, filho de um freteiro marítimo de Abaeté, chamado Marcírio e sobrinho de Raimundo Souza Santos/Dico Souza, este lendário fotógrafo e seresteiro de Abaeté, músico que tocava violão, c/c Maria Silva Melo e tiveram filhos: Cecé, Dorinha Melo Santos, Raimundo Alírio e outros. Raimundo Alírio, o Gabiru, também foi jogador de futebol, jogando na ponta direita do Abaeté.
Zé Elídio era um rapidíssimo atacante de muita habilidade com a bola nos pés, que quando jogou contra o time do Clube do Remo, de Belém/Pa, o mesmo despertou grande interesse desse time e Zé Elídio foi outro grande craque de futebol de Abaeté a jogar nos grandes clubes de Belém.

• Ari/Ari Cardoso de Castro, irmão dos jogadores Afonso, Dijó, Laburina e Dé, era um baixinho e habilidoso meia armador que iniciou sua vida de jogador jogando na Time da Praça e daí passou para o Vênus, time para o qual contribuiu com muitas vitórias desse time do Vênus dos anos de 1970. Vide Afonso Cardoso de Castro acima. Ari foi embora para Marabá e lá deve estar aposentado de suas atividades na vida civil e futebolística.

• O jogador no meio de Ari e André Pontes, conforme o Sr. Café, é casado com filha do popular Sr. Capivara, cunhado do professor José Maria, este que foi diretor da Escola Leonardo até pouco tempo atrás. Quem souber de suas refências, favor repassá-las para nosso blog para os devidos acréscimo.

• André Pontes/André Pontes Pimentel, filho do grande músico tocador do instrumento “rabecão”, um contrabaixo poderoso dos antigos conjuntos musicais de Abaeté e Silvio de Sousa Pimentel foi também o antigo administrador da merenda no governo do prefeito Pedro Pinheiro Paes (1948-1951), músico da Banda Carlos Gomes, c/c Pautila de Lima Pontes e com filhos: Sílvia Maria, Ivo, Miguel, Sandra, Cileno e André Pontes Pimentel/André Pontes, que era adotivo.
André Pontes é uma pessoa boa praça, trabalhador e razoável jogador de futebol, com um característico drible riscado, com o pé esquerdo, que desnorteava o adversário e o time do Vênus tirava proveito dessas jogadas.

Prof. Ademir Rocha, de Abaetetuba/Pa, em 9/1/2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário