Mapa de visitantes

domingo, 27 de maio de 2012

QUILOMBOLAS: CULTURA E PANELAS DE BARRO

Panelas de barro

QUILOMBOLAS: CULTURA E PANELAS DE BARRO

Fonte: www.agenciapara.com


Da Redação

Agência Pará de Notícias

Atualizado em 27/05/2012 às 17:35

Na Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal), que a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) promove até domingo (27), no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, quilombolas da Associação Quilombola de África e Laranjituba, que representa duas comunidades de Abaetetuba, no nordeste paraense, estão expondo seus modos de produção artesanal e vendendo panelas de barro.

No espaço “Ilha Temática da Sociobiodiversidade”, artesãos da comunidade África fabricam, ao vivo, peças de cerâmica, e o visitante pode participar do processo, sentando no torno e colocando a mão na massa, ou presenciar as etapas da fabricação, que incluem modelagem do barro com um rolo de madeira, tempo de secagem e acabamento a partir da esfregação com caroços de tucumã e anajá.

No mesmo espaço, há uma gamela (espécie de pia) feita com tronco de cupiúba e repleta de banho-de-cheiro, disponível a quem quiser “se purificar ou se curar”, como explica a quilombola Catarina Nascimento. Segundo ela, o banho-de-cheiro no qual o visitante da Agrifal pode mergulhar as mãos diretamente ou mesmo dali encher garrafinhas é “um santo remédio, curando de coração partido à gripe de criança”. A mistura é toda de ervas amazônicas, como manjericão, japana, cedro, cipó-curimbó e pião-roxo.

Ainda na ilha, há outros exemplos de artesanato quilombola, como enfeites feitos de “vassoura” (parte do cacho, sem os frutos) de açaí e móveis de madeira nativa. Uns passos à frente, dentro dos corredores da Agrifal, um estande da Associação África e Laranjituba expõe e vende panelas diversas, que são o carro-chefe do artesanato quilombola da região de Abaetetuba, Moju, Baião e Concórdia do Pará.

As panelas são produzidas com barro retirado do fundo do igarapé Caeté, que corta as comunidades. Representando um resgate da ancestralidade quilombola, os utensílios foram abandonados por um tempo pelas gerações atuais e só voltaram a ser considerados há cerca de dois anos, com o incentivo da Emater e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Atualmente, são produzidas por mês cerca de 200 panelas estilizadas (com motivos animais, em alto relevo – em geral, caranguejos e cobras – vendidas diretamente nas comunidades e em dois pontos permanentes de Belém: na Fundação Curro Velho, no Telégrafo, e no Mercado de São Brás, pela Cooperativa dos Micro Produtores e Artesãos (Comip). No verão, cada panela demora 15 dias para ficar pronta; no inverno, esse período pode chegar a um mês. O lucro dos quilombolas alcança os 70%, porque a matéria-prima é toda reciclada ou baseada na natureza.

Na Agrifal, as panelas médias, que costumam ter mais saída, custam por volta de R$ 40. Segundo o artesão Magno Nascimento, os objetos, se bem cuidados, podem durar séculos, literalmente. “Nas comunidades, temos panelas de mais de 300 anos”, conta. Nascimento garante também que o preparo de comida em panelas de barro é, em todos os sentidos, muito mais vantajoso do que aquele em panelas de alumínio.

“A ciência já provou que cozinhar no alumínio libera partículas do metal muito danosas à saúde. O barro, se soltar, não faz mal nenhum. Além disso, a comida feita em panelas de barro fica mais gostosa e se mantém aquecida por muito mais tempo, quando retirada do fogão”, afirma. A Agrifal funciona até às 22 horas. O acesso à feira é livre e gratuito. À noite, haverá show do Arraial do Pavulagem. O ingresso é um quilo de alimento não-perecível.

Texto:
Aline Miranda - Emater


Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural

Site: www.emater.pa.gov.br

Reproduzido pelo Blog do Prof. Ademir Rocha, de Abaetetuba-PA


Nenhum comentário:

Postar um comentário