Mapa de visitantes

quinta-feira, 3 de maio de 2012

HISTÓRIA DO PARÁ: SÍMBOLOS PARAENSES


OS SÍMBOLOS DO PARÁ, CLUBE REPUBLICANO E HYGINO AMANAJÁS

A Bandeira do Pará

 
O Clube Republicano Paraense congregava os militantes paraenses na causa republicana do Pará, clube que possuía a sua bandeira e com ela, foi proclamada a República no Pará a 16 de novembro de 1889, quando tremulou pela 1ª vez.
No ano seguinte, em sessão realizada a 10/4/1890, o Conselho Municipal, acolhendo proposta de seu presidente, Artur Índio do Brasil, aprovou a adoção da Bandeira do Clube Republicano como bandeira do município de Belém.
Em 3/6/1898, o deputado estadual Hygino Amanajás apresentou um projeto à Câmara Estadual pelo qual o tradicional símbolo dos republicanos passava a ser considerado como Bandeira do Estado do Pará, que foi aprovado por unanimidade e teve o seguinte teor:

                  “O Congresso Legislativo do Estado do Pará decreta:
                   Art. 1º - Fica considerada como Bandeira do Estado do Pará a que servia de distintivo ao Clube Republicano Paraense, antes da Proclamação da República, e que em sessão de 10 de abril de 1890 foi adotada como Bandeira do Município.
                   Art. 2º - Revogam-se as disposições em contrário”.

Simbolismo da Bandeira:

A faixa branca é a faixa planetária e representa o Zodíaco “projetada com um espelho horizontal”. Lembra o nosso equador visível e o gigantesco rio das Amazonas.

A estrela pertence à constelação da Virgem e é de 1ª grandeza. Chama-se Espiga, simbolizando o destaque do Pará na linha equatorial, visto que, na Bandeira Nacional, o nosso Estado goza de situação privilegiada sobre a faixa “Ordem e Progresso”.

O vermelho simboliza a força do sangue paraense, que corre nas veias com um verdadeiro espírito de luta harmonizada, dando provas de dedicação dos patriotas equatoriais pela Adesão do Pará à Independência e à República, realizadas em 11 de agosto de 1823 e 16 de novembro de 1889.

Assim é nossa Bandeira, símbolo de um passado heroico, presente brilhante e a esperança de um futuro promissor.

Autores da Bandeira:

Essa Bandeira foi idealizada por Philadelfo Condurú, membro entusiasta do Partido Republicano Paraense.

O Brasão do Pará

  
Histórico

O Brasão de Armas do Estado do Pará foi criado pela Lei nº 912 de 9 de novembro de 1903, sancionada pelo governador Augusto Montenegro em ato oficial e tem a seguinte redação:

            “Lei nº 912 de 9 de novembro de 1903 cria um Escudo D’Armas para o Estado.
              O Congresso Legislativo do Estado decreta e eu sanciona a seguinte Lei:
              Art. 1º - Fica criado um Escudo D’Armas para este Estado.

              Parágrafo Único: - O Escudo será vermelho, cortado por uma faixa oblíqua branca da esquerda para a direita, com inclinação de 45º, tendo a mesma faixa ao centro uma estrela azul. Este escudo avulta sobre outro, recortado nas extremidades de fundo róseo, encimando-o duas volutas ligadas a um pedestal, sobre o qual se vê uma altiva águia guianense prestes a alçar vôo.

               No último plano por trás da águia, destaca-se o sol nascente. A base do escudo maior cruzam-se dois virentes ramos, um de seringueira e outro de cacaueiro. O 1º acompanhando à esquerda os recortes do referido escudo e o 2º erguendo-se para a direita, entrelaçado com uma fita amarela, que se alonga até a parte superior do escudo sobre o qual se lê: “Sub lege progrediamur – Estado do Pará”.

                Art. 2º - Revogam-se as disposições em contrário”.

                O secretário de Estado da Justiça Interior e Inscrição Pública assim a faça escutar.

                Palácio do Governo do Estado do Pará, aos nove dias do mês de novembro do ano de mil novecentos e três – décimo quinto da República.

Simbolismo do Escudo:

As cores vermelho e róseo representam as cores republicanas.

Os ramos de seringueira e cacaueiro representam a riqueza exponencial da época.

A águia guianense representa a altivez, nobreza e realeza do povo paraense.

A faixa branca corresponde à linha imaginária do Estado do Pará ao extremo Sul.

A estrela solitária representa o Pará como unidade da república Federativa Brasileira.

A inscrição latina sub lege progrediamur, traduzida para o português, significa “Sob a lei progrediremos”.

Autores:

Foi autor do desenho o arquiteto José Castro Figueiredo, cabendo ao historiador geógrafo Henrique Santa Rosa a sugestão dos motivos para a sua confecção.

O Hino do Pará

 
Histórico:

O “Hino do Pará” surgiu em época anterior ao ano de 1915 e não tinha caráter ou sentido de hino oficial, desconhecendo-se qualquer ato que o tenha oficializado naquela oportunidade.

Era cantado pelo alunos do “Collégio Progresso Paraense” e foi publicado em 1915, na página 5 dos “Annaes do Collégio Progresso Paraense”, edição comemorativa do tricentenário da fundação de Belém.

O referido Hino foi tornado oficial com o nome de “Hino do Pará” através do artigo 4º da Constituição do estado do Pará (Emenda Constitucional nº 1, de 2 de outubro de 1969).

Simbolismo do Hino do Pará:

A letra deste hino é um verdadeiro poema de exaltação ao Estado do Pará. Ela fala de beleza natural do Estado, da exuberância de suas matas e florestas, dos seus rios, do heroísmo de seu povo e traz uma mensagem de otimismo e esperança para o futuro.

Autores:

Foi autor da letra do “Hino do Pará” o prof. Dr. Arthur Teódulo Santos Porto, conhecido intelectual e educador, fundador do “Collégio Progresso Paraense”, nascido em Pernambuco em 1866 e falecido em Belém-PA em 1938.

Embora atribuída a Gama Malcher, professor de canto coral do referido colégio, a autoria da música é na realidade de Nicolino Milano, violonista, compositor e regente brasileiro, nascido em Lorena-SP no ano de 1876 e falecido no Rio de Janeiro em 1931.

O Maestro Gama Malcher foi o autor da adaptação e do arranjo musical para o canto coral.

Obs.: São informações do estudioso do assunto, paraense e residente em Brasília, Vicente Salles e publicadas no Jornal “O Liberal”, edição de 4 de julho de 1993, reportagem do jornalista Ossian Brito.

Reproduzido pelo Blog do Prof. Ademir Rocha, de Abaetetuba/PA


Nenhum comentário:

Postar um comentário