Mapa de visitantes

sábado, 17 de agosto de 2013

REMÉDIOS CASEIROS 2 DE ABAETETUBA: Receituários e Indicações Medicamentosas

REMÉDIOS CASEIROS 2 DE ABAETETUBA: Receituários e Indicações Medicamentosas
Garrafadas e poções à venda no Mercado
do Vero-o-Peso, em Belém/PA


O texto abaixo faz parte da nossa 1ª publicação sobre os Remédios Caseiros usados em Abaetetuba e que faz parte de nossa cultura. Nessa 1ª parte dos remédios caseiros apenas citamos as plantas medicinais e outros produtos dessa medicina caseira, sem nos determos nos receituários e indicações medicamentosas dos mesmos. Novamente dizemos que essas publicações são feitas em decorrência dessa peculiar e antiga cultura de Abaetetuba, e não recomendamos que as novas informações sejam usadas como medicamentos pelos nossos leitores ou pessoas interessadas, pois precisa de comprovação científica para que o receituário que vamos apresentar seja definido como verdadeiro remédio para os dias atuais. Para esta nova publicação recorremos novamente aos pesquisadores de Abaetetuba, especialmente a pesquisadora da cultura de Abaetetuba, Professora Maria de Nazaré Carvalho Lobato, a quem dedicamos esta postagem, pelo seu recente falecimento e também dados de outros pesquisadores ou fontes de antigas publicações, jornais, entrevistas ou outros meios ao nosso alcance. Novas informações serão acrescentadas sistematicamente e nas possibilidades de nosso tempo, hoje tomado por pesquisas em outros segmentos de nossa cultura geral.                                                 
O que dissemos na publicação anterior sobre os Remédios Caseiros de Abaetetuba: 
As plantas medicinais da Amazônia são coletadas nas matas, nas capoeiras ou nos terrenos dos ribeirinhos e quintais das casas.  As plantas medicinais são usadas há séculos pelos povos indígenas da América Latina, mas somente nas últimas quatro décadas passaram a ser pesquisadas e até patenteadas por laboratórios estrangeiros, devido á eficácia de seus poderes curativos. Para os cientistas a Amazônia é um vasto laboratório natural, onde ainda podem ser localizadas espécies desconhecidas e outras largamente utilizadas pelas populações ribeirinhas, mas estranhas aos pesquisadores. As técnicas de preparo dos remédios foram se aprimorando ao longo do tempo, graças á dedicação dos pajés, estes misto de sacerdotes, profetas e médico-feiticeiros, que curavam mau-olhado e encantamento de mãe-d’água e doenças com poções preparadas à base de raízes, caules, folhas, frutos e sementes. As plantas amazônicas continuam fazendo sucesso mesmo nas grandes cidades, especialmente Belém.
  Os REMÉDIOS CASEIROS, as Superstições e as Simpatias faziam parte da cultura de Abaetetuba também nas questões do tratamento da saúde do povo (essa cultura ainda existe, porém sem a intensidade do passado), especialmente das populações ribeirinhas, das colônias e até na própria cidade, devido a troca dos produtos da medicina caseira pelos remédios alopáticos das farmácias. Essas populações que viviam em centenas de lugares distantes e isolados, sem as facilidades de locomoção dos dias atuais, recorriam mesmo às fórmulas dos remédios caseiros vindos de seus antepassados, dos antigos curandeiros ou parteiras de comunidades, como também recebiam influências das antigas superstições existentes, no tratamento de todas as doenças e problemas de saúde do seu dia-a-dia.
Aqui trataremos dessas questões apenas como resgate da memória dessa antiga cultura, que está desaparecendo devido a vários fatores, sendo um deles a facilidade de aquisição de remédios químicos através da grande quantidade de farmácias existentes no município, como também a presença de clínicas e hospitais públicos e particulares, se não como a solução dos problemas de saúde, pelo menos como a maneira das pessoas conseguirem as receitas médicas recomendando os remédios a serem usados em seus problemas de saúde. Não recomendamos o uso dos remédios caseiros e procedimentos que aqui serão apresentados, a não ser daqueles casos que já foram devidamente comprovados e testados por estudiosos e centros de pesquisas do assunto e, repetimos, é apenas o Resgate da Memória de uma antiga cultura de Abaetetuba. Aliás, alguns remédios e procedimentos caseiros aqui apresentados, pensamos nós, serão de fácil percepção se estão no campo dos remédios caseiros usados com eficácia nos problemas de saúde ou, se estão eivados de superstições, mitos ou lendas também de nossa cultura.
Os remédios caseiros tiveram a sua fase áurea nos anos iniciais do século 20 até os anos da década de 1960 e 1970, quando começaram a surgir farmácias, médicos e a instalação de um posto dos antigos Serviços Especiais da Saúde Pública-SESP na cidade. A partir daí o tratamento e curas de doenças começaram a ser feitas através dos primeiros farmacêuticos e médicos e das primeiras poções e remédios químicos das primeiras farmácias que se instalaram na cidade. Porém, ainda continuou intenso o uso dos remédios caseiros no tratamento e cura de muitas doenças e essa cultura envolvia alguns componentes do misticismo e superstições dos rituais vindos dos indígenas e dos escravos vindos da África.
Essa prática ainda existe na Zona Ribeirinha e nas Colônias de Abaetetuba, pois nas matas dessas regiões ainda existem algumas espécies vegetais e animais que fazem parte dessa antiga cultura de Abaetetuba. Sabe-se que o tratamento e cura através dos remédios caseiros têm um fundo de verdade, porque muitas plantas e animais possuem seus princípios ativos, porém falta a comprovação científica para o uso desses remédios, que somente agora estão tendo a devida atenção e comprovação através de estudos universitários e pesquisas independentes, mas somente para o poder curativo de algumas plantas mais tradicionais na medicina caseira. 
E, como ambientalista que somos, temos a declarar que muitas plantas e animais citados nas postagens já estão extintos ou vias de extinção pelo intenso desmatamento que destruiu o habitat de muitas dessas plantas e animais e a coleta, caça e pesca predatória que levou à extinção a maioria das plantas e animais que serão citados nestas postagens, inclusive alguns seres vivos que foram extintos já nos séculos 17 e 18 durante o processo de colonização do Pará. Junto de algumas plantas citadas e da maioria dos animais, faremos as observações sobre a extinção ou superstições que envolvem alguns processos da medicina caseira com esses seres da flora e da fauna da Região Tocantina, como também de outros elementos usados na medicina caseira.
Os dados para estas postagens foram retirados dos escritos dos pesquisadores e historiadores da cultura de Abaetetuba, especialmente das professoras Maria de Nazaré Carvalho Lobato, Maria do Monte Serrat Carvalho Quaresma, de algumas pesquisas de conclusão de curso de alguns alunos do Campus Universitário de Abaetetuba-UFPA, do Blog do Professor Riba e das pesquisas do autor do Blog, professor Ademir Rocha junto às comunidades ribeirinhas visitadas.
OS REMÉDIOS CASEIROS DE ABAETETUBA E ALGUNS COMENTÁRIOS: 
Os REMÉDIOS CASEIROS eram fórmulas caseiras de medicação à base de ervas, plantas medicinais, óleos, gorduras e banhas de origem vegetal ou animal, banhos, fomentações, chás, garrafadas, choques, lavagens, defumações, infusões, ponches, dietas e outras formas de medicação caseira, ministrados muitas vezes de forma ritualística baseada de acordo com algumas crenças, rituais, mitos, superstições, lendas, simpatias ou na força do sobrenatural, como são os casos do curandeirismo, da pajelança, da macumba ou do candomblé. Eram muitos os remédios caseiros usados pelo povo de Abaetetuba e que já vêm de lnga data de uso. Esses remédios fazem parte da cultura de Abaetetuba e são costumes e conhecimentos vindos dos povos índios e negros. E o povo antigo de Abaetetuba, não tendo meios nem acesso aos medicamentos químicos, se valem até os dias atuais, dos remédios naturais vindos de plantas e animais que os ribeirinhos e moradores das colônias agrícolas cultivam, criam ou caçam em seus terrenos e que têm poder curativo satisfatório no meio rural e até na cidade.  e usados na forma de unguentos, defumações e outros meios na cura de todas as doenças. O uso de alguns remédios caseiros, vindo dos costumes indígenas e depois dos negros, é ainda conservado  precariamente como tradição no município.
               A Origem dos Remédios Caseiros: 
A origem dos remédios caseiros em Abaetetuba é secular, vinda através dos primitivos habitantes do lugar, os indígenas da região do Tocantins e, posteriormente, em mistura com a  cultura negra vinda com os escravos da época da colonização e com acréscimos de elementos da cultura dos colonizadores portugueses e dos comerciantes estrangeiros vindos da cultura árabe e judaica. Portanto, a secular medicina caseira vinda dos indígenas, incorporou elementos de outras culturas, que dominou o cenário da medicina caseira dos ribeirinhos e colonos e até na própria cidade até os dias atuais, onde pontificaram muitas pessoas
               OS ÍNDIOS:
Os ÍNDIOS, naturais da terra, que tinham a sua própria cultura, a sua própria língua, sua própria crença e que procuravam viver em comunhão com a terra, e usavam os elementos naturais como os vegetais, os animais, que em seus rituais e crenças no sobrenatural usavam esses elementos em sua medicina caseira. Assim, substâncias vindas das plantas, junto com saliva, urina e órgãos animais,  gorduras, chifres, ossos e outras eram abundantes em seus rituais de curas e pajelanças. Os índios usavam uma variedade enorme de vegetais em diferentes tipos de preparos medicinais.
               OS NEGROS: 
Os NEGROS que vieram para o Brasil durante o período da escravidão trouxeram consigo os seus costumes, suas crenças, sua cultura, e entre eles a sua medicina caseira que envolvia também elementos do sobrenatural. Muitos negros vindos como escravos para o Brasil eram curandeiros ou feiticeiros e, portanto, e eles eram peritos no uso de plantas e no Brasil também usavam seus conhecimentos na medicina mística das raízes e ervas em suas cerimônias de curandeirismos. Essa cultura não podia ser manifestada em sua forma original e, assim, foram obrigados a misturar suas crenças e conhecimentos da medicina caseira com a cultura do homem branco colonizador do Brasil, surgindo assim as crenças afro-brasileiras, onde também havia também os elementos da medicina caseira, agora manifestada nas tendas e terreiros de Candomblé e Macumba.
               OS BRANCOS:
Os BRANCOS, como os portugueses e os vindos de outras nações europeias trouxeram em sua bagagem pessoas com conhecimentos médicos elementares. Entre os milhares de portugueses vindos para o Brasil no período da colonização, muitos vieram na condição de degredados e entre estes, muitos eram acusados do exercício do curandeirismo, prática que era considerada crime pela Igreja Católica, pois era uma prática herética. Isso encheu a colônia brasileira de benzedeiras, milagreiras, parteiras, curandeiras. E também os judeus e árabes vindos para o Pará trouxeram consigo seus conhecimentos médicos através do uso de ervas e outros elementos naturais e suas superstições ou uso do sobrenatural no uso dos conhecimentos médicos.
               ALGUNS PROCEDIMENTOS USADOS NA ANTIGA MEDICINA CASEIRA DE ABAETETUBA:
                 Comentários: 
O uso dos remédios caseiros e os serviços dos curandeiros, puxadores, benzedeiros, parteiras e outros, era a única alternativa de tratamentos e curas na antiga Abaetetuba, costume que perdurou por muitos anos e hoje, apesar da presença de médicos, clínicas e hospitais, ainda se nota essa tradição, mesmo que em menor escala e desprovida do misticismo de antes, especialmente nas localidades distantes e de difícil acesso, e onde os serviços médicos atuais ainda não chegaram.
Não temos prevenção nenhuma contra o uso dos remédios caseiros, mesmo porque não se conhecem fatos de que essa tradição tenha atentado contra a vida de alguma pessoa em Abaetetuba. Porém, do modo como apresentamos abaixo não recomendamos sua aplicação, devido estes escritos serem apenas uma contribuição do Blog do Prof. Ademir Rocha, no resgate da MEMÓRIA DA MEDICINA CASEIRA DE ABAETETUBA. 
A secular medicina caseira, não só de Abaetetuba, como em todo o Brasil, vem recebendo atualmente a atenção de renomadas instituições científicas, centros de pesquisas e universidades, onde estão sendo comprovados os efeitos curativos de  plantas e animais, fato importante, pois tais estudos vêm apenas reforçar a crença de nossos antepassados nesse tipo de medicina ancestral.
               OS CHÁS: 
CHÁS, que era o mais usual processo usado contra doenças ou outros males, em procedimentos variados de fervuras de partes das ervas e plantas medicinais, isolada ou conjuntamente gerando o líquido que era usado conforme as doenças e demais males que acometiam os membros das populações ribeirinhas, das colônias e da própria cidade. Existiam chás para cada tipo de doenças e males na antiga cultura da medicina caseira de Abaetetuba. É claro que o processo de fervura das hervas e plantas levava em conta o princípio curativo das mesmas que se fixavam na água usada nas fervuras. Depois de prontos os chás eram bebidos conforme as recomendações de cada caso de uso.
Entre os chás de Abaetetuba existia o especial “CHÁ PRETO”, diferente do existente nos dias atuais e vendido na praça comercial. Esse chá preto de Abaetetuba era usado pelas antigas parteiras e que recebia os seguintes componentes da medicina caseira: 
Alecrim, mel de abelha, mamona, alfazema, salva, arruda, pluma, entre outras. Esse milagroso chá servia no tratamento dos problemas das mulheres paridas e limpeza de útero nos partos e para as mulheres que tinham abortado.
               AS VENTOSAS: 
VENTOSAS, que eram copos e velas que eram instrumentos usados pelas “puxadeiras ou puxadores”, no tratamento de quebraduras de ossos, torceduras, costas rasgadas, luxações musculares e levantamento de espinhela caída. Pessoas que fazem esses serviços ainda existem pelo município. O puxador dava um jeito de pregar o copo pela pressão do ar contra o corpo, no local da parte afetada e ficava fazendo aqueles movimentos com o copo para colocar no lugar o osso ou músculo deslocado ou rasgado. A vela acesa era usada nesse procedimento, quando era colocado em cima do local em tratamento. Com o copo o puxador fazia aqueles movimentos em torno da vela acesa. Como é um ritual de cura, eram usadas também as rezas adequadas para a ocasião. Porém esses procedimentos jamais falhavam, apesar do misticismo presente. Existia também os puxadores que usavam unguentos, óleos, azeites e outros elementos da medicina caseira.
               A SANGRIA: 
SANGRIA, que era um procedimento usado nas picadas de animais peçonhentos, especialmente picadas de cobras e aranhas venenosas. O curandeiro fazia os procedimentos necessários no local picado, incluindo a amarração do braço ou perna (torniquete), fazendo a sangria com um pequeno objeto cortante para que o sangue envenenado saísse do membro afetado e emprego de outros rituais. Com esse 1º tratamento a pessoa envenenada pela picada era enviada para a cidade para receber a vacina adequada. O tratamento inicial do curandeiro era necessário para que a pessoa não viesse a falecer pela picada da cobra ou aranha e assim dispunha de mais tempo para o tratamento através de vacina.
               OS CHOQUES: 
CHOQUES, era procedimentos usados nos problemas de dor de cabeça, constipação nasal, fraqueza cerebral, esquecimento e outros males que afetam a cabeça e através de um preparado da mistura de remédios caseiros, que embebidos em uma toalha felpuda eram aplicados na cabeça,   no peito, nos pulsos da pessoa doente. O choque era aplicado conforme o tipo de doença ou problemas de saúde:
.   Choque para fraqueza na cabeça e esquecimento: uma mistura de água de coco, mamona, vinagre aromático, canela e tutano de boi, colocando-se rodinhas de panos embebidos nessa mistura e aplicando na fonte, no peito e nos pulsos da pessoa afetada.
.   Choque na constipação nasal, dor de cabeça: uma mistura de folhas de alfavacão, feijão-cuandu, suco de frutas, sumo de pião branco, mamona e vinagre aromático, com aplicação na cabeça do doente.
.   Choque para o reumatismo no sangue com reflexo na cabeça: uma mistura de urina choca, feijão cuandu, mamona e vinagre aromático, com aplicação na cabeça.
               AS BOLAS: 
BOLAS de pimenta, espécie de supositório, feito numa mistura de sebo de Holanda, pimenta malaguetas misturadas à pirão de farinha d’água escaldado e procedimento usado nas lavagens intestinais em várias situações, como nos casos da febre alta, febre maligna, dores abdominais, reanimações de instestinos com hemorróidas. Dizem os antigos que o efeito desse preparado com pimenta malagueta era eram avassalador pelo efeito da queimadura da  pimenta nas mucosas do ânus e intestinos, mas seu efeito curativo era certo. Pegava-se o sebo de Holanda que era misturado com  pirão de farinha coada e escaldada, mamona, pimenta malagueta socada, sumo do pião branco, óleo de copaíba, que formavam uma espécie de massa feita em bacia. O curandeiro ia fazendo pequenas bolas desse pirão e ia empurrando através do ânus da pessoa doente ou com algum mal intestinal. Quem recebeu esse tratamento nunca se arrependeu, apesar da queimadura na pimenta.
               A CURAÇÃO DA GARGANTA:
CURA DA GARGANTA, que era o principal procedimento usado nos casos de garganta inflamada, usando-se os dedos envolto em algodão  e este banhado no remédio caseiro, que era uma mistura de substâncias, entre as mais comuns, o azeite de andiroba, o óleo de copaíba, o mel de abelha, o suco de limão, o alho. Em todas as residências antigas de Abaetetuba existiam as pessoas que faziam esse procedimento e não se precisava de curandeiro. Era um procedimento um pouco traumático, pelo dedo na garganta e pela ardência e gosto intragável de alguns componentes da mistura. Os DEDOS NA GOELA, também eram usados nos casos dos engasgamentos por alimentos ou objetos engolidos por crianças, quando se usavam os dedos embebidos em azeite ou outro óleo de gosto amargo para ajudar na expulsão dos alimentos e objetos que estavam causando os engasgamentos.
               OS PURGANTES:
PURGANTES, que eram procedimentos em que as pessoas infestadas de vermes se submetiam ao uso dos purgantes caseiros, onde o óleo de mamona era imprescindível na mistura de substâncias como tiro-seguro comprado em farmácia, ingeridos pela boca.  O gosto era intragável e o cheiro insuportável, mas o efeito era certo, com a expulsão de dezenas de vermes e em alguns casos eram aplicados as lavagens intestinais para expulsar vermes mortos que ficaram no intestino. O antigo purgante de mamona era o terror das crianças desse tempo.
               AS AFOMENTAÇÕES:
Fomentar: Friccionar a pele com líquido ou unguento aquecido para fins curativos, fazer compressa quente e úmida. 
As AFOMENTAÇÕES, eram procedimentos de se “afomentar”, isto é, usar remédios caseiros em forma de unguentos feitos de banhas ou óleos de várias origens misturadas com outros componentes, que depois de preparadas, eram passadas pelas partes afetadas do corpo, para curar barriga inchada, garganta inflamada, baques, entorses e luxações no organismo, e ainda eram aplicadas nas fontes para dor de cabeça, contra a dor de peito, ossos, músculos, órgãos doloridos, etc.
               O CATAPLASMA:
CATAPLASMA, que era usado contra a dor, e era uma mistura da goma do cuí (farinha+água) de farinha de mandioca misturado com alfazema e alecrim, que era embebido em dobras de panos que eram colocadas em cima do local da dor.
               OS ESCALDA-PÉS: 
ESCALDA-PÉS, que eram procedimentos usados pelos curandeiros locais contra a febre, enxaqueca, males da garganta, derrame cerebral, congestão intestinal. O procedimento consistia em se colocar a bacia com água morna e colocar os pés do doente envolto em toalhas felpudas nessa água quente e ir colocando mais água quente até o suportável pela pessoa. Depois que o doente demonstrava alívio na doença o procedimento era encerrado, tendo a pessoa que obedecer às prescrições da dieta como não pegar vento, não pisar no frio durante um tempo determinado.
               AS INFUSÕES:
INFUSÕES,  eram procedimentos usados para preparar algum tipo de licor, através da mistura de frutos, cascas, raízes com cachaça, álcool ou conhaque, ficando um longo tempo em processo de descanso a mistura dos componentes, até surgir o tipo de infusão necessária para alguns casos de doenças ou males do organismo. Nesse caso, os princípios curativos de frutos, ervas e plantas ficavam distribuídos por igual na mistura.
Também existia a infusão de frutos ou outras partes da planta para se fabricar os licores alcóolicos, muito comuns nas casas e usados como drinks ou aperitivos em determinadas ocasiões, especialmente as ocasiões festivas.
Segundo a tradição dos remédios caseiros, as bebidas alcóolicas usadas nos preparos dos remédios, deviam envelhecer enterradas no solo durante algum tempo (se à noite, para pegar o sereno) ou ficar em repouso para assim atingir o ponto de preparo dos medicamentos.
               AS DEFUMAÇÕES: 
DEFUMAÇÕES, que eram procedimentos de se queimar materiais como ossos, chifres de animais, incensos, plantas alfazemas, alecrins, benjoins, etc, para atrair sorte ou energia positiva e afastar os azares, ou maus espíritos, perturbações e energias negativas dos pacientes e suas residências e para combater inveja, quebrantos, maus olhados e até contra os trabalhos de feitiçarias. Esse processo era utilizado pelos simples curandeiros ribeirinhos e colonos ou, em casos mais complexos, era o pajé que praticava o ritual, soprando a fumaça desses materiais ou soprando a fumaça dos fumos de cachimbos das pajelanças.
               OS BANHOS:
BANHOS, eram procedimentos muito usados na medicina caseira, onde se misturavam uma série de plantas medicinais, cheirosas e místicas no preparo de banhos para a cabeça ou o corpo inteiro das pessoas acometidas com alguns tipos de problemas de saúde que exigiam o banho como terapia e esses banhos eram prescritos ou preparados pelos curandeiros. O banho frio só com água das torneiras ou chuveiros era recomendado no caso de pessoas com problemas de catarro no peito, quando esse banho servia para “soltar” esse catarro para ser expelido nas tosses. O banho da sorte era feito com ervas cheirosas e usado no dia de São João, para trazer sorte no amor, felicidade e sorte nos negócios. 
Os banhos de cheiros têm o seu grande momento místico na Quadra Junina, na véspera para o dia de São João, o 24/6, e o fator supersticioso era o elemento forte dessa crença. As ervas cheirosas eram vendidas nas feiras da cidade na véspera e dia de São João. Vide hervas e plantas cheirosas em Quadra Junina de Abaetetuba.
               AS GARRAFADAS: 
GARRAFADAS, são preparos resultantes da infusão de vários elementos, usando  procedimentos da medicina caseira com o uso de uma série de ervas, plantas e outros elementos de origem animal ou mineral, em fórmulas mais elaboradas da mistura proporcional desses elementos curativos. Para preparar uma garrafada o curandeiro deve ter grande experiência no conhecimento e manipulação das plantas e dos outros componentes animais, como ossos, chifres, etc e minerais (pedras, sais, etc) que são triturados ou raspados e que vão servir no preparo do medicamento.
As garrafadas com elementos curativos serviam para curar todos os tipos de doenças, ou  usadas no revigoramento do organismo debilitado e como revigorantes sexuais, usando as ervas marapuama, catuaba e outros afrodisíacos. O uso de algumas garrafadas exigia,  contemporaneamente, alguns tipos de banhos curativos e outros procedimentos recomendados pelos curandeiros.
Um exemplo de garrafada muito comum para a impotência sexual:
Foto do Viagra Natural do acervo fotográfico
de João Pedro Maués 
 Vide os componentes abaixo: 
Marapuama, catuaba,  imbiriba, jucá, pau-pra-tudo, pau-ferro, raiz de benjaminzeiro, pênis de macaco, raspa de bico de tucano, pênis de quati, arranca-toco e guaraná, que fazem parte dessa infusão, com a pessoa tomando 3 cálices pequenos por dia.
               AS GEMADAS: 
GEMADAS, eram misturas de sumos, sucos, raízes, frutos, sementes, folhas misturadas com ovos, e estes batidos à mão ou no liquidificador para ser misturado aos outros componentes, e que se constituíam remédios ou fortificantes para variados casos de fraquezas físicas, especialmente as curas das de doenças do peito e no revigoramento sexual. Eram vários tipos de gemada. O processo geral de uma gemada era assim: batia-se à mão ou no liquidificador a clara de ovos de galinha, até o ponto de ficar com aspecto de algodão, e colocava-se, posteriormente a gema, continuando-se com as batidas e, depois, colocavam-se as partes das plantas ou sumos, acrescentando-se um pouco de açúcar e, para as gemadas mais intragáveis, acrescentava-se pó de canela para dar sabor. Depois era só tomar o produto obtido durante vários dias, até as fraquezas desaparecerem.
·        .  Gemada com leite de ucuúba, usada contra as bronquites, tosses e asmas
·        .  Gemada de jucá, usada contra as fraquezas e para curar gripes e tosses
·         . Gemada de manjericão, para a tosse e peito (males do peito, como dizem os caboclos).
·         . Gemada de laranja, usada como fortificante e contra a anemia
·         . Gemada do sumo de mastruz, contra as fraquezas orgânicas
·         . Gemada de estoraque, usando as folhas desse vegetal, contra as fraquezas orgânicas.
·         . Gemada com café feito, para as fraquezas orgânicas
·         . Gemada com catuaba ou marapuama, para as fraquezas físicas e sexuais
               AS BENZENÇÕES: 
BENZEÇÕES, que eram processos de se benzer com galinhos de plantas arruda, hortelã ou outras plantas e com uso de breves orações e rituais e tocando na cabeça das pessoas afetadas, contra a inveja, o mau olhado, azares e no quebranto de crianças que dava até febre. O mau olhado afetava até as plantas e animais das famílias. Existiam também as benzedeiras para doenças como erisipela e cobrelo. Erisipela era a inflamação da perna e cobrelos eram infecções de partes do corpo, na forma de queimaduras na pele, causadas por micróbios e, se dizia, que se o afetado não curar o quanto antes o cobrelo, este avançava (invadia) o corpo, até a cabeça encontrar o rabo do cobrelo e, nesse caso, a pessoa morria, pela ação da infecção do cobrelo. A infecção por cobrelo dói e incomoda os que são vitimados pela doença. Após a benzeção do cobrelo e o uso de unguentos e ervas, as benzedeiras ou curandeiras recomendavam o uso das folhas do pião branco em chás com o açúcar maná vendido nas antigas farmácias nos dias subsequentes à benzeção. Dizem que eram poucos os curandeiros que conseguiam curar o cobrelo e este, mesmo curado, deixava sequelas permanentes na parte afetada do corpo como os formigamentos, as pequenas e incômodas dores, ferroadas internas e adormecimentos de músculos. Para cobrelos de feitiçarias, só chamando o pajé para tentar neutralizar a ação do mal. O tratamento do cobrelo envolvia, além da benzeção, o uso das pomadas e, depois, as “sulfas” (tabletes ou pó) dos farmacêuticos, Joaquim Contente e Velho Fernando. Usavam-se as benzeções nas pessoas e nas casas.
               AS POÇÕES: 
POÇÕES, que eram os remédios fabricados artesanalmente pelos antigos curandeiros e, posteriormente, pelos primeiros donos de farmácia de Abaeté, e vendidos no comércio ou nas farmácias dessas épocas. Atualmente os curandeiros da terra ainda fabricam poções conforme a doença do interessado. As poções também são típicas dos remédios da homeopatia praticada por algumas pessoas em Abaetetuba, como foi o caso da professora Esmerina Bou-Habib, que tratava as pessoas da cidade e interior através da homeopatia e remédios caseiros.
               OS UNGUENTOS: 
UNGUENTOS, que são remédios fabricados a partir dos óleos, banhas e azeites muito e que eram usados nas chamadas fomentações, isto é,  leves massagens com unguentos nas partes afetadas do corpo por dores ou inflamações usando essa mistura em forma pastosa. Em algumas fomentações era usado apenas o azeite de andiroba.
               AS LAVAGENS:
. LAVAGENS INTESTINAIS, que eram procedimentos usados para limpar ou curar algumas partes internas do organismo, como os males do aparelho digestivo, do aparelho sexual e as usadas pelas parteiras em mulheres de parto e essas lavagens eram feitas de vários modos:
. LAVAGENS COM REGRADORES, que eram uma espécie de vasilha improvisada de latas de folhas de flandes onde eram adaptadas uma borracha com um bico, o qual introduzido pelo ânus da pessoa, levava o preparado da mistura das plantas amor-crescido, solidonha e outras plantas da medicina caseira até o interior dos intestinos e a pessoa, pela ação dessa mistura, era obrigado a evacuar o material que estava causando as dores de barriga.
. LAVAGENS INTESTINAIS, que eram processos empregados para curar doenças do intestino, inflamações da barriga e prisão-de-ventre e fazer as lavagens após o parto ou lavagens na barriga para expulsar os vermes mortos pelo uso do purgante de óleo de mamona em crianças.
. LAVAGENS UTERINAS, processos realizados com um vasilhame com bicos alongados e perfurados que era introduzido no útero e despejando o chá feito com a mistura de verônica, casca de taperebázinho, casca de cajueiro, raiz do açaizeiro e outros componentes e com a finalidade de curar tumores, inflamações, corrimentos e outros problemas do aparelho sexual da mulher.
               COMENTÁRIOS:
O uso dos procedimentos acima enumerados da antiga medicina caseira de Abaetetuba, já não mais existe, pelo trauma e pelo constrangimento que causavam. Atualmente a presença de muitos médicos, clínicas, hospitais e uma variedade enorme de medicamentos são fatores que contribuíram para que os procedimentos da antiga medicina caseira fossem colocados em desuso. Mas os chás de ervas, raízes e plantas ainda são costumes que subsistem às modernidades.

PARTE 2: PREPARO, DOSAGEM E INDICAÇÕES PARA O USO DOS REMÉDIOS CASEIROS DE ABAETETUBA
Plantas Medicinais:
Esta postagem, devido algumas dificuldades de incompatibilidade das pesquisas já feitas e armazenadas em antigos formatos digitais em relação com os novos sistemas digitais de formatações, receberão novas informações na medida de nossa disponibilidade de tempo, haja vista os nossos inúmeros projetos para outras publicações sobre a Cultura de Abaetetuba.
     . Alface                   
·         Folha de alface fresca, verde,  na forma de chá
Modo de preparo: 1 colher de sopa cheia de pedacinhos das folhas de alface para 1 copo d’água vervendo.
Dosagem: uma xícara pequena do chá bem adoçado e tomar 4 vezes ao dia.
Indicações medicamentosas: calmante dos nervos, insônia.
     . Abutua, misturada com outros medicamentos
·         Folha de abútua fresca, verde, com outros elementos na forma de cataplasma
Modo de preparo: 10 folhas de abútua em pedacinhos e misturar com 5 limões esmagados, uma vela de sebo de Holanda e formar uma massa uniforme dessa mistura.
Dosagem: espalhar a massa em uma peça de pano limpo.
Indicações medicamentosas; para consolidação de fraturas ósseas.
     . Carapanã
·         Casca de carapanã seca cosida
Modo de preparo: 2 colheres de sopa cheias do pó das cascas para 1 litro d’água. Dosagem: tomar copos durante o dia, como se fosse água.
Indicações medicamentosas: uso contra a amebíase (ameba).
     . Mangarataia
·         Raiz fresca, verde, de mangarataia junto com outras plantas medicinais cosidas
Modo de preparo: uma xícara grande cheia de pedacinhos de mangarataia e retirar o sumo dessa porção e juntar com 5 folhas de japana, 5 folhas de sucuriju, duas colheres de sopa com casca de castanheira em pó grosso, duas colheres de amor amor-crescido cortado em pedacinhos para 1 litro d’água.
Dosagem: tomar os copos como água durante o dia
Indicação medicamentosa: contra úlceras
     . Catinga-de-mulata
·         Folhas frescas, verdes, cosidas
Modo de peparo: 3 colheres de sopa cheias de pedacinhos de folhas para 3 copos d’água.
Dosagem: 1 copo 3 vezes ao dia
Indicação medicamentosa: contra as cólicas uterinas
     . Mucura-caá
·         Casca seca cosida
Modo de preparo: duas xícaras grandes de casaca em pó grosso para 1 litro d’água
Dosagem: após o banho normal, enxugar o corpo e passar o líquido originado do cozimento na cabeça e no resto do corpo e deixar secar.
Indicação medicamentosa: contra o nervosismo e falta de sono (insônia)
     . Jucá, misturado com outras plantas medicinais:
·         Favas de jucá seca em chá
Modo de preparo: 3 favas secas de jucá misturada a 3 folhas de algodoeiro, 3 folhas de curuca-á, dois copos d’água fervendo e cobrir a mistura até esfriar. Coar em pano. Juntar ao coado: duas colheres de sopa de geléia interna da folha de babosa, 3 colheres de sopa de mel-de-abelha e agitar bem a mistura.
Dosagem:  tomar uma xícara das grandes 3 vezes ao dia
Indicações medicamentosas: contra tuberculose, pneumonia e gripe
     . Panamá, misturado com outras plantas medicinais:
·         Folhas frescas, verdes, em forma de gemada
Modo de preparo: uma colher de sopa do sumo das folhas de panamá e juntar com uma colher de sopa do sumo das folhas de tansaje mais uma colher de sopa de sumo de mastruço.
Dosagem:  tomar a mistura
Indicação medicamentosa: contra tuberculose, pneumonia e gripe
     . Pluma, misturada com outras plantas e produtos medicinais caseiros:
·         Folhas frescas cosida
Modo de preparo: 3 folhas de pluma e juntar com 6 folhas de malva-rosa, 1 colher de  sopa de casca da planta preciosa em pó grosso, 1 colher de sopa de casca doce em pó grosso, 2 copos de água e levar tudo à fervura até reduzir a um compo.
Dosagem: tomar uma xícara pequena 3 vezes ao dia
Indicação: para dores no estômago e intestino
     . Macaca-cipó com carvão:
·         Leite fresco da planta fresca, verde, na forma de cataplasma
Modo de preparo: retirar o leite da macaca-cipó e juntar ao pó de carvão de madeira em mistura.
Dosagem: aplicar o preparo no osso fraturado e cobrir com um pano em forma de atadura.
Indicação: para fraturas de ossos
     . Catinga-de-mulata, fresca, verde,  misturada com arruda, cravo de defunto, urubu-caá (o cipó) e pucá
·         Usar a planta inteira da cantinga-de-mulata junto com a arruda, a flor do cravo de defunto, o cipó de urubu-caá e folha de puçá
Modo de preparo: fazer a fricção da mistura e retirar duas colheres de sopa do sumo das partes vegetais conforme; em separado dissolver em duas colheres de sopa de álcool forte  ½ pedra de cânfora. Misturar os dois líquidos.
Dose: friccionar na cabeça
Indicação: para derrame cerebral


.       Papagainho com outras plantas medicinais, galho fresco, verde cosido
·         Modo de preparo: 3 colheres de sopa com galhos de papagainho em pequenos pedaços e juntar com uma colher de sopa com folhas de cuitar em pedaços pequenos e colocar 2 copos com água na mistura e levar à fervura até reduzir a 1 copo.
·         Dosagem: uma xícara pequena 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra hemorragias (vazamento de sangue de partes do corpo).
.        Carapanauba (carapanã) com outras plantas medicinais, casca seca cosida
·         Modo de preparo: 3 colheres de sopa da casca de carapanauba em pó grosso e juntar com 3 colheres de sopa da casca de jacareúba em pó grosso e juntar a mistura em 1 litro de água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: 1 copo 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra diabetes (urina doce)
.        Banana São Tomé com outras plantas medicinais, o fruto seco cosido
·         Modo de preparo: 3 rodelas de banana São Tomé secas, mais 3 colheres de sopa com raiz de mamão macho fresca e cortada em pequenos pedaços e juntar a 3 colheres de sopa com casca de caxinguba, fresca e em pó grosso, mais uma colher de café com erva-doce e levar tudo à fervura até reduzir a 1 copo.
·         Dosagem: Uma xícara pequena 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: combate o cogumelo (sapinho na boca de crianças) ou no intestino.
.        Borboleta, raiz fresca, verde cosida
·         Modo de preparo: 3 colheres de sopa de raiz de borboleta fresca, verde, cortada em pedaços pequenos e juntar com 2 copos d’água e levar à fervura até reduzir a 1 copo.
·         Dosagem: uma xícara pequena 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra a albumina (massa branca na urina)
  .         Puruá, folhas frescas, verdes cosidas 
    Modo de preparo: duas colheres de sopa com folhas frescas, verdes cortadas e juntar a 2 copos d’água e levar à fervura e depois coar.
·         Dosagem: uma xícara pequena de 4 em 4 horas
·         Indicação medicamentosa: contra dor de cabeça
.        Carapanauba (carapanã), casca saca cosida
·         Modo de preparo: 3 colheres de sopa com casca seca em pó grosso de carapanauba e juntar com 1 litro com água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: 1 copo quando tiver sede e tomar feito água.
·         Indicação medicamentosa: contra a amebíase ( a da diarreia com sangue)
.        Malvarisco, folhas e sementes secas para fricções (massageamento leve)
·      Modo de preparo e uso: Uma colher de sopa com folhas e sementes de malvarisco em pó e juntar com 1 copo de óleo de linhaça para friccionar nas partes do corpo com inchações e como descongestionante e antiflamatório de tumores.
.         Borboleta, raiz seca cosida
·         Modo de preparo; 3 colheres de sopa da  raiz da borboleta em pedaços pequenos e juntar a 1 litro d’água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: 1 copo quando tiver sede e tomar feito água
·         Indicação medicamentosa: contra a albumina
.        Canela, folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo de preparo: 2 colheres de sopa com folhas de canela fresca, verde cortada em pequenos pedaços e juntar com 2 copos com água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: uma xícara pequena, adoçada, 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra a pressão baixa
.         Coramina, folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo de preparo: 2 colheres de sopa de folhas frescas, verdes de coramina cortada em pedaços pequenos e juntar com 2 copos com água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem uma xícara pequena, adoçada, 3 vezes ao dia.
·         Indicação medicamentosa: contra a falta de ar e problemas do coração
.        Gengibre, raiz fresca, verde na forma de lambedor (xarope)
·         Modo de preparo: 3 colheres de sopa com a raiz ralada de gengibre fresca e verde e juntar com 1 copo de açúcar, meio copo com água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: 1 colher de sopa com o xarope 3 vezes ao dia.
·         Indicação medicamentosa: contra a tosse persistente
.        Hortelã, folhas fescas e verdes cosidas com outras plantas medicinais
·         Modo de preparo: 3 colheres de sopa com folhas frescas, verdes cortadas em pedaços pequenos e juntar com uma colher de sopa com folhas de mastruço cortadas em pedaços pequenos e juntar com 1 litro d’água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: 1 copo quando tiver sede e tomar feito água.
·         Indicação medicamentosa: contra dores no estômago e intestino
.        Arruda com outra plantas medicinais, folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo de preparo: duas colheres de sopa com folhas de arruda cortadas em pequenos pedaços e juntar com uma colher de sopa com folhas de catinga de mulata cortadas em pequenos pedaços e uma colher de sopa de folhas de cravo cortadas em pequenos pedaços e mais 3 copos d’água e levar a mistura à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: uma xícara pequena 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra dores de cabeça e falta de ar
.        Estoraque com outras plantas medicinais na forma de chá
·         Modo de preparo: duas colheres de sopa com folhas de estoraque cortadas em pequenos pedaços e uma colher de sopa com raiz de apihy cortada em pequenos pedaços e uma colher de sopa com folhas de urtiga do sertão (urtiga braba) cortada em pequenos pedaços e mais 2 copos d’água fervendo em 30 minutos de espera. Depois coar.
·         Dosagem uma xícara 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra tosses
.    Babosa com outras substâncias, folhas frescas e verdes na forma de cataplasma
·         Modo de preparo: cortar as folhas de babosa e extrair a geléia interna na dosagem de uma xícara pequena e juntar com dyas xícaras pequenas de cachaça com uma pedra de cânfora dissolvida e agitar a mistura. Depois aplicar o preparado nas áreas afetadas pelas doenças.
·         Indicação medicamentosa: contra eczemas e erisipelas
.      Anador com outras plantas medicinais, folhas frescas, verdes na forma de chá
·         Modo de preparo: duas colheres de sopa com folhas de anador cortadas em pedaços pequenos, com uma colher de sopa de cascas de laranja cortadas em pedaços pequenos e mais uma colher de sopa com casca de limão cortadas em pedaços pequenos e mais 2 copos d’água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: uma xícara pequena de 4 em 4 horas
·         Indicação medicamentosa: contra dores em geral
.        Jamaracaru, folhas frescas, verdes em forma de xarope lambedor
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com caule de jamacaru cortado em pedaços pequenos, mais 3 copos d’água e levar à fervura. Resfriar e espremer e juntar com 4 copos de açúcar e levar à fervura. Depois coar.
·         Doagem: uma colher de sopa 4 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra tosses
.        Hortelã com outras plantas medicinais, folhas frescas, verdes na forma de chá.
·         Modo de preparo: uma colher de sopa com folhas de hortelã cortadas em pedaços pequenos, mais uma colher de chá com raiz de chicória cortada em pedaços pequenos e mais 1 copo d’água fervendo e esperar 30 minutos. Depois coar.
·         Dosagem: uma colher de chá 3 vezes aos dia. Indicação medicamentosa: para ajudar na dentição de crianças pequenas.


Babosa com outras substâncias, folhas frescas, verdes na forma de cataplasma
·         Modo de preparo: cortar as folhas frescas, verdes de babosa e extrair a geléia da parte interior das folhas na medida de uma xícara pequena, e misturar com uma gema de ovo batida e aplicar nas áreas afetadas.
·         Indicação; contra a erisipela
Alpista com outras plantas medicinais, sementes secas cosidas
·         Modo de preparo: uma colher de sopa com sementes secas de alpista já devidamente trituradas, e uma colher de sopa com a planta comida de jaboti, fresca e cortada em pedaços pequenos, 2 copos d’água e misturar tudo e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: uma xícara pequena 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra a pressão alta
Caxinguba, o leite fresco, ao natural           
·         Modo de preparo: uma colher de sopa com o leite da caxinguba e misturar com meia xícara pequena com café.
·         Dosagem: tomar o preparado em jejum às 6h da manhã e ficar nesse estado tomando apenas goles de chá de erva-cidreira.
·         Indicação medicamentosa: contra as verminoses
Imbaúba com outras plantas medicinais, o broto fresco, verde cosido.
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com brotos de imbaúba cortados em pedaços pequenos e devidamente triturados, e uma colher de sopa com hortelãzinho fresco e cortado em pedaços pequenos, e uma colher da sopa com alecrim fresco, cortado em pedaços pequenos, e uma colher de sopa com amor crescido, fresco e cortado em pedaços pequenos, e uma colher de sopa com folhas de sucuriju, frescas e cortadas em pedaços pequenos, e mais 1 litro com água e levar a mistura à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: tomar 1 copo quando tiver sede, feito água
·         Indicação medicamentosa: contra úlceras no estômago
Goiabeira com outras plantas medicinais, brotos frescos, verdes na forma de chá
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com brotos de goiabeira, frescos, verdes, cortados em pedaços pequenos, uma colher de sopa com folhas de salva, fresca e cortada em pedaços pequenos, uma colher de sopa com macela, fresca e cortada em pedaços pequenos, jogar 1 litro d’água fervente na mistura e esperar 30 minutos. Depois coar.
·         Dosagem: tomar 1 copo quando tiver sede, feito água
·         Indicação medicamentosa: contra a desenteria
Verônica com outras plantas, a casca fresca em forma de tintura
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com casca de verônica em pó grosso, 3 colheres de sopa com casca de pariri, fresca e em pó grosso, meio litro de cachaça e colocar a mistura em repouso durante 10 dias. Depois coar e acrescentar 3 colheres de sopa com açúcar.
·         Doasagem: uma colher de sopa antes do almoço e jantar
·         Indicação medicamentosa: contra a anemia
Amapá, leite fresco aplicado ao natural
·         Modo de preparo: uma colher de sopa com leite de amapá, mais uma xícara pequena com café e misturar.
·         Dosagem: tomar de uma só vez durante 3 dias o preparado
·         Indicação medicamentosa: contra o impaludismo
Mamoeiro macho, folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo de preparo: 3 colheres de sopa com folhas de mamoeiro macho cortadas em pequenos pedaços e juntar com 3 colheres de sopa com raiz de mamoeiro macho cortado em pedaços pequenos, 2 copos com água e levar a mistura à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: tomar uma xícara pequena 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra as verminoses
Camembeca, a raiz fresca, de planta verde cosida
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com raiz de camembeca cortada em pedaços pequenos e juntar com 1 litro d’água e levar a mistura à fervura. Depois coar
·         Dosagem: tomar 1 copo quando tiver sede, feito água
·         Indicação medicamentosa: contra dores no estômago e intestino
Jucá com outra plantas medicinais, o fruto seco cosido
·         Modo de preparo: duas colheres de sopa com frutos secos de jucá, em pó grosso e juntar com uma colher de sopa com raiz de apihi fresco e cortada em pequenos pedaços, mais uma colher de sopa com folhas frescas de hortelã do Maranhão, cortada em pedaços pequenos, mais 2 copos d’água e levar a mistura à feverua. Depois coar.
·         Dosagem: uma xícara grande 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra a gripe
Cumaru, o fruto fresco ao natural
·         Modo de preparo: ralar os frutos frescos do cumaru e triturá-los em compressa de pano e recolher o óleo.
·         Dosagem: pingar duas gotas em cada ouvido
·         Indicação medicamentosa: contra a dor de ouvido
Oriza, folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo do preparo: 5 colheres de sopa com folhas verdes de oriza, cortadas em pedaços pequenos e juntar a meio litro d’água e levar à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: meio copo, 4 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra a asma
Caruca-á com outra planta medicinal, as folhas frescas, verdes em forma de gemada
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com folhas de caruca-á cortadas em pedaços pequenos e juntar com duas colheres de sopa com folhas frescas de algodoeiro e moer em máquina de moer carne e colocar em pano e extrair o sumo da mistura e colher uma xícara pequena com o sumo e juntar a uma gema de ovo e tomar de uma só vez.
·         Indicação medicamentosa: contra a tosse
Sucuriju com outra planta medicinal, folhas frescas, verdes em forma de chá
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com folhas verdes de sucuriju, cortadas em pedaços pedaços pequenos e juntar a duas colheres de sopa com flores frescas de mamão macho., cortadas em pedaços pequenos e juntar a 1 litro d’água fervendo e esperar 30 minutos. Depois coar.
·         Dosagem: 1 copo 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra o colesterol alto (gordura no sangue)
Caju-do-mato, a casca seca em forma de chá
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com casca seca de caju-d0mato em pó grosso e juntar a uma colher de sopa com erva-doce, mais 1 litro com água fervendo e esperar 30 minutos. Depois coar.
·         Dosagem: 1 copo 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra o diabetes
Flor do mamoeiro macho com outra planta medicinal, fresca, verdes, na forma de infusão
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa de flor fresca de mamoeiro macho, cortada em pedaços pequenos e juntar com 3 colheres de sopa com cascas de limeira fresca, cortadas em pedaços pequenos e juntar com 1 litro d’água em condições normais e manter a mistura por 12 horas de repouso. Depois coar
·         Dosagem: 1 copo 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra o colesterol (gordura no sangue)
Pata-de-burro, folhas frescas em infusão
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com folhas frescas de pata-de-burro, cortadas em pedaços pequenos e juntar com 2 copos de álcool e manter a mistura em 10 dias de repouso. Depois coar
·         Dosagem: 30 gotas em meio copo com água, tomado em jejum. 10 gotas em meio copo com água, tomado depois do almoço. 10 gotas em meio copo com água tomado depois do jantar.
·         Indicação medicamentosa: contra o diabetes
Castanheira-do-Pará, o ouriço seco em forma de infusão em água
·         Modo de preparo: partir o ouriço e retirar as sementes de castanha e lavar o ouriço com água e, depois, enchê-lo com água limpa e deixar uma noite no sereno da noite.
·         Dosagem: tomar 1 copo quando tiver sede, feito água
·         Indicação medicamentosa: contra a hepatite
Pião branco com outro produto, as folhas frescas, verdes na forma de cataplasma
·         Modo de preparo: murchar uma folha fresca de pião branco no calor do fogão e espalhar sobre as folhas murchas o sebo de Holanda e aplicar na fonte (testa) por uma hora.
·         Indicação medicamentosa: contra a sinusite
Verônica, o caule seco em raspas na forma de infusão na água
·         Modo de preparo: raspar 1 palmo do caule seco da verônica e extrair das raspas o sumo e colocar a massa sem sumo em infusão com 1 litro d’água limpa em condições normais e deixar a mistura em repouso por 12 horas. Depois coar.
·         Dosagem: beber 1 copo da infusão quando tiver sede, feito água
·         Indicação medicamentosa: contra as infamações do útero e ovário
Marupazinho com outra planta medicinal, a raiz (batata) fresca, verde cosida
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa de raízes (batatas) de marupazinho lavadas e cortadas e trituradas e juntar com uma colher de sopa com erva-doce, mais 1 litro d’água e levar a mistura à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: 1 copo 3 vezes ao dia
·         Indicação medicamentosa: contra hemorroidas
Ucuubeira branca com outras substâncias, o leite e a casca da ucuubeira na forma de gemada.
·         Modo de preparo: uma colher de sopa com casca fresca da ucuubeira branca na forma de pó groso e juntar com duas xícaras grandes com água fervendo e abafar a mistura até o esfriamento. Depois coar e juntar uma xícara grande com o coado
Extrair uma colher de sopa com leite da ucuubeira branca
Bater a gemada
Juntar uma xícara grande do chá da ucuubeira branca e uma colher de sopa com o leite já recolhido e bater a mistura até ficar uniforme e tomar o preparo (gemada) às 9 horas da manhã.
Indicação medicamentosa: contra a tuberculose e água na pleura dos pulmões.
Trevo cumaru, as folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com folhas de trevo cumaru cortadas em pedaços pequenos e juntar com 1 litro d’água e levar à fervura. Depois coar
·         Dosagem: tomar um copo quando tiver sede, feito água ou fazer o asseio vaginal com o preparo morno.
·         Indicação medicamentosa: contra as doenças venéreas tipo: flores brancas, gonorreia e coceira vaginal.
Abacateiro, o caroço do abacate, fresco em infusão.
·         Modo de preparo: ralar 1 caroço de abacate e juntar o ralado com 1 litro d’água e levar a mistura para repouso de 12 horas. Depois coar.
·         Dosagem: tomar um copo da infusão quando tiver sede, feito água.
·         Indicação medicamentosa: contra os problemas de rins, as flores brancas vaginais.
Ananinzeiro, o leite fesco na forma de licor
·         Modo de preparo: retirar por golpes no tronco do ananinzeiro colheres com o leite dessa árvore e juntar com 1 litro d’água, mais 250g de açúcar e levar à fervura até o ponto de xarope. Depois retirar do fogo e deixar esfriar e juntar o preparado com 1 copo de cachaça e agitar
·         Dosagem; uma colher de sopa com o licor antes do almoço e outra antes do jantar
·         Indicação medicamentosa: contra as inflamações no útero
Canafístula com outras plantas medicinais, as folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com o caule verde da canafístula, cortado em pequenos pedaços e juntar com duas colheres de sopa de folhas frescas, verdes de quebra-pedra, cortadas em pedaços pequenos, mais uma colher de sopa da planta comida de jaboti, fresca, verde e cortadas em pedaços pequenos, mais uma colher de sopa de folhas frescas, verdes de mendoca, cortadas em pedaços pequenos e juntar tudo com 1 litro d’água e levar à fervura. Depois coar
·         Dosagem: tomar 1 copo quando tiver sede, feito água.
·         Indicação medicamentosa: contra os problemas e dores dos rins
Vassourinha de botão, toda a planta, fresca, verde cosida
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com vassourinha de botão, fresca, verde, cortada em pedaços pequenos e juntar a 1 litro d’água e levar a mistura à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: tomar 1 copo quando tiver sede, feito água
·         Indicação medicamentosa: contra as hemorróidas
Sucuriju com outra planta medicinal, folhas frescas, verdes cosidas
·         Modo de preparo: 5 colheres de sopa com folhas frescas, verdes de sucuriju, cortadas em pedaços pequenos e juntar com uma colher de sopa com folhas de sacaca, frescas, verde, cortadas em pedaços pequenos, e juntar com 1 litro d’água e levar a mistura à fervura. Depois coar.
·         Dosagem: tomar um copo do preparado quando tiver sede, feito água
·         Indicação medicamentosa: contra os problemas do fígado.

Continua

Blog do ADEMIR ROCHA, de Abaetetuba/PA

Nenhum comentário:

Postar um comentário