Mapa de visitantes

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

2012: BRINQUEDOS E ARTESÕES DE MIRITI DE ABAETETUBA

CÍRIO 2012: BRINQUEDOS E ARTESÕES DE MIRITI DE ABAETETUBA

Os Brinquedos de Miriti de Abaetetuba obtiveram grande destaque no mês de outubro em Belém/Pa, antes, durante e depois do grandioso Círio de Nossa Senhora de Nazaré, edição 2012. Os Brinquedos de Mriti foram objeto de exposições, temas de eventos culturais, estudos, pesquisas e vendas por vários pontos da Capital. Porém a tradicional Feira do Miriti não obteve o realce desejado como as de anos anteriores e nem mereceu destaques como os de outros eventos que tiveram os Brinquedos de Miriti e seus artesões como temas e exposições variadas. O espaço da feira ficou acanhado e a divulgação deixou a desejar. Porém, nestas postagens, mostraremos uma série de eventos onde os Brinquedos de Miriti e seus artesões foram destaques em várias exposições, temas e estudos e de acordo com as publicações de várias fontes de informações da mídia e de órgãos do governo do Pará.

Estação das Docas sedia exposição sobre artesãos de Abaetetuba, no Pará

A mostra revela detalhes sobre o processo de produto dos brinquedos de miriti

Portal Amazônia, com informações da Agência Pará

BELÉM – Desde a última sexta-feira (12/10/12) os visitantes da Estação das Docas – um dos pontos turísticos mais procurados durante o período do Círio – poderão apreciar a exposição fotográfica “Abaeté: paisagens etnográficas”, com imagens do fotógrafo Valério Silveira. A mostra fica aberta para visitação até o dia 21/10/12, no Armazém 2, da Estação das Docas.

O município de Abaetetuba, no nordeste do Pará, foi o cenário para o registro fotográfico. Durante a realização do projeto “Miriti das Águas”, no período de julho a outubro deste ano, Valério Silveira foi convidado para registrar todo o processo, desde a produção das peças até a seleção dos trabalhos em miriti. Após quatro meses, 24 imagens foram escolhidas para mostrar esta jornada, que estará à mostra na Estação.

“As imagens de Valério mostram a natureza, a arquitetura, tipologia habitacional e o universo dos artesãos de Abaetetuba, revelando sua rotina, onde vivem e como produzem sua arte. Nosso objetivo é retratar o núcleo de produção e desenvolvimento da arte a partir do miritizeiro. A exposição é uma síntese da jornada documental feita na cidade. É uma extensão fotográfica do projeto Miriti das Águas”, explica o curador da exposição e diretor do Memorial Amazônico da Navegação, Emanuel Franco.

De acordo com o fotógrafo potiguar, as imagens retratam o cotidiano de uma cidade, suas peculiaridades, dos trabalhadores, das crianças, das paisagens habitadas. “A etnografia pesquisa os grupos sociais, suas características antropológicas e socioculturais, e a fotografia foi a linguagem que escreveu isto com a luz dos dias e das noites de Abaetetuba”, conta.

Ao ver as imagens expostas, a funcionária pública Lucineide Machado, 45 anos, destacou: “O fotógrafo teve a sensibilidade de retratar com olhar diferenciado, o que para nós é corriqueiro. São belas as imagens sobre a rotina ribeirinha, os detalhes, os traços e olhares. A exposição valoriza o que é nosso, da terra”.

A exposição “Abaeté: paisagens etnográficas” é uma realização do Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) em parceria com a Organização Social Pará 2000. A mostra fica aberta para visitação até o dia 21 de outubro, das 10h à meia noite, no Armazém 2, da Estação das Docas. A entrada é gratuita.

Valério Silveira

Desde 1970, o fotógrafo potiguar Valério Silveira é “paraense de alma”, assim por ele definido. É arte educador e mestrando em Infância na Fotografia na Universidade Federal do Pará (UFPA). Valério acumula prêmios na área: venceu o Concurso Cultural National Geographic (2009), com foto publicada na revista National Geographic Brasil em 2010; Menção Honrosa no Concurso Nacional Universitário de Fotografia – Canon/Fotografe Melhor 2011 e 2012.

Reproduzido pelo Blog do Ademir Rocha

Fonte: governo-pa.jusbrasil.com.br

Extraído de: Governo do Estado do Pará - 13 de Outubro de 2012

Estação das Docas sedia exposição sobre o universo de artesãos de Abaetetuba

Revelar um pouco mais da cidade de Abaeteuba e as inúmeras faces que habitam essa acolhedora cidade. Desde a última sexta-feira, 12, os visitantes da Estação das Docas - um dos pontos turísticos mais procurados durante o período do Círio - poderão apreciar a exposição fotográfica "Abaeté: paisagens etnográficas", com imagens do fotógrafo Valério Silveira. A mostra fica aberta para visitação até o dia 21 de outubro, no Armazém 2, da Estação das Docas.

O município de Abaetetuba, no nordeste do Pará, foi o cenário para o registro fotográfico. Durante a realização do projeto "Miriti das Águas", no período de julho a outubro deste ano, Valério Silveira foi convidado para registrar todo o processo, desde a produção das peças até a seleção dos trabalhos em miriti. Após quatro meses, 24 imagens foram escolhidas para mostrar esta jornada, que estará à mostra na Estação.

"As imagens de Valério mostram a natureza, a arquitetura, tipologia habitacional e o universo dos artesãos de Abaetetuba, revelando sua rotina, onde vivem e como produzem sua arte. Nosso objetivo é retratar o núcleo de produção e desenvolvimento da arte a partir do miritizeiro. A exposição é uma síntese da jornada documental feita na cidade. É uma extensão fotográfica do projeto Miriti das Águas", explica o curador da exposição e diretor do Memorial Amazônico da Navegação, Emanuel Franco.

De acordo com o fotógrafo potiguar, "As imagens retratam o cotidiano de uma cidade, suas peculiaridades, as coisas comuns que o dia a dia revela nas faces dos seus moradores, dos trabalhadores, das crianças, das paisagens habitadas. A etnografia pesquisa os grupos sociais, suas características antropológicas e socioculturais, e a fotografia foi a linguagem que escreveu isto com a luz dos dias e das noites de Abaetetuba", conta.

"Sinto-me honrado em ter sido escolhido para esse trabalho, lembrando que não foram apenas os meus olhos que viram essas paisagens, mas sim, de todo um grupo de pesquisadores que estavam comigo e que me auxiliaram nesse projeto", ressalta Silveira. Ao ver as imagens expostas, a funcionária pública Lucineide Machado, 45 anos, destacou: "O fotógrafo teve a sensibilidade de retratar com olhar diferenciado, o que para nós é corriqueiro. São belas as imagens sobre a rotina ribeirinha, os detalhes, os traços e olhares. A exposição valoriza o que é nosso, da terra".

A exposição "Abaeté: paisagens etnográficas" é uma realização do Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) em parceria com a Organização Social Pará 2000. A mostra fica aberta para visitação até o dia 21 de outubro, das 10h à meia noite, no Armazém 2, da Estação das Docas. A entrada é gratuita.

Valério Silveira

Desde 1970, o fotógrafo potiguar Valério Silveira é "paraense de alma", assim por ele definido. É arte educador e mestrando em Infância na Fotografia na Universidade Federal do Pará (UFPA). Valério acumula prêmios na área: venceu o Concurso Cultural National Geographic (2009), com foto publicada na revista National Geographic Brasil em 2010; Menção Honrosa no Concurso Nacional Universitário de Fotografia - Canon/Fotografe Melhor 2011 e 2012.

Serviço:
Exposição "Abaeté: paisagens etnográficas" na Estação das Docas
Até o dia 21 de outubro, das 10h à meia noite, no Armazém 2, na Estação das Docas. Entrada gratuita
 Brinquedo de Miriti de Abaetetuba/Pa

Reproduzido pelo Blog do Ademir Rocha

Nenhum comentário:

Postar um comentário