Mapa de visitantes

terça-feira, 6 de abril de 2010

Abaetetuba 4 - Localidades, Furos e Igarapés de Abaetetuba - Vultos
















































LOCALIDADES DO MUNICÍPIO DE ABAETÉ/ABAETETUBA/PA: ASPECTOS E VULTOS 4
FUROS E IGARAPÉS DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA/PA
FUROS

Furo Acarajó

Furo Acaraqui

Furo Acriacá

Furo Arapapuzinho

Furo Arapiranga

Furo Assacú

Furo Assacuera

Furo Bacabal

Furo Belchior

Furo Biribatuba

Furo Campompema

Furo Cachoeirinha

Furo Caratateua

Furo Carió

Furo Caripetuba

Furo Caruí

Furo Casco

Furo Cavial

Furo da Boa Vista

Furo DO BACABAL

Furo do Boto. Sua embocadura fica na baía do Capim e leva ao centro da Ilha de Tabatinga. Abriga a Comunidade Santa Terezinha do Menino Jesus e a Escola de mesmo nome.
Furo do Capim. Liga o Rio Pará à Baia do Capim.
Furo do Careca

Furo do Ciríaco. Liga a Baia do Paramajó com o Rio Caripetuba.

Furo do Gaita. Na fase áurea da industria canavieira existiam alguns engenhos no Furo do Gaita. Vide Antigos Engenhos de Abaeté.

Furo do INFERNO. O furo do Inferno é importante como limite de Abaeté. Esse furo fica nos limites com o município de Igarapé-Miri. Descrição: Abaeté limita com o município de Igarapé-Miri: começa nas cabeceiras do Rio Mocajatuba, destas, alcança, por uma reta, as cabeceiras do rio Itanimbuca; desce por este até o furo do Inferno, pelo qual segue até sair no rio Meruú, o qual atravessa para a boca do furo Camarãoquara, pelo qual também segue até a sua foz, no furo Tucumanduba e segue por esse furo até encontrar o furo do Pinheiro e por este até a sua boca, no furo Itaboca, pelo qual continua até sair no furo Panacuéra e por este último até sair no rio Mahuba, pelo qual desce até a sua foz no rio Tocantins.

Furo do Limão. Liga o Furo Quiarana com o Rio Maratauhyra.
Furo do Pai Pedro

Furo do Paramajó. Liga o Rio Urubuéua à baía de Paramajó.
Furo do Paruru

Furo do Pinheiro. Abaeté limita com o município de Igarapé-Miri, começando o limite nas cabeceiras do Rio Mocajatuba, destas, alcança, por uma reta, as cabeceiras do rio Itanimbuca; desce por este até o furo do Inferno, pelo qual segue até sair no rio Meruú, o qual atravessa para a boca do furo Camarãoquara, pelo qual também segue até a sua foz, no furo Tucumanduba e segue por esse furo até encontrar o furo do Pinheiro e por este até a sua boca, no furo Itaboca, pelo qual continua até sair no furo Panacuéra e por este último até sair no rio Mahuba, pelo qual desce até a sua foz no rio Tocantins.

Furo dos Feios

Furo Efigênia

Furo Felipe Soares

Furo GENTIL. Comunidade São Paulo, no Furo Gentil. Na fase áurea da indústria canavieira, o Furo Gentil possuía alguns importantes engenhos em Abaeté. Vide Antigos Engenhos de Abaeté.

Furo Grande. Liga o Rio Tucumanduba ao Rio Quianduba. Onde acontece a Festa de Santa Terezinha, na capela da comunidade. Abriga a Escola Nossa S. da Guia.

Furo Grande, Ilha Santa Maria

Furo Grande, Ilha Santo Antonio

Furo Guajará.
Furo Guajarázinho

Furo Itaboca. Abaeté limita com o município de Igarapé-Miri:, cujo limite começa nas cabeceiras do Rio Mocajatuba, destas, alcança, por uma reta, as cabeceiras do rio Itanimbuca; desce por este até o furo do Inferno, pelo qual segue até sair no rio Meruú, o qual atravessa para a boca do furo Camarãoquara, pelo qual também segue até a sua foz, no furo Tucumanduba e segue por esse furo até encontrar o furo do Pinheiro e por este até a sua boca, no furo Itaboca, pelo qual continua até sair no furo Panacuéra e por este último até sair no rio Mahuba, pelo qual desce até a sua foz no rio Tocantins.

Furo Jenipaúba

Furo JOÃOZINHO. Liga o Rio Ajuahy com o Rio Tucumanduba.
Furo Jupariquara

Furo Mangal

Furo Maracapucu. Liga o Ri Maracapucu a outras localidades.
Furo Maracapu-Miri

Furo Marinteua

Furo Maúba. Descrição dos limites de Abaetetuba: Com a Baía de Marapatá, os limites se fazem através da foz, pela sua margem direita, chegando até a foz do Furo Mahúba, na mesma margem direita até o Rio Pará: Com o Rio Pará e a Baía do Marajó, os limites começam na foz do Rio, seguindo pela margem direita desse rio até a Costa do rio Uiarenga; com o município de Belém, os limites se fazem pela foz do Rio Uiarenga, na baía do Marajó, seguindo por esse rio até as nascentes do Rio Uraenga, nas margens nascentes do igarapé Cabresto, afluente esquerdo do Rio Moju.
Furo Mocajuba

Furo Narindeua

Furo Panacuéra. fica nos limites de Abaetetuba com o município de Igarapé-Miri. O Limite com o município de Igarapé-Miri começa nas cabeceiras do Rio Mocajatuba, destas, alcança, por uma reta, as cabeceiras do rio Itanimbuca; desce por este até o furo do Inferno, pelo qual segue até sair no rio Meruú, o qual atravessa para a boca do furo Camarãoquara, pelo qual também segue até a sua foz, no furo Tucumanduba e segue por esse furo até encontrar o furo do Pinheiro e por este até a sua boca, no furo Itaboca, pelo qual continua até sair no furo Panacuéra e por este último até sair no rio Mahuba, pelo qual desce até a sua foz no rio Tocantins.

Furo PANACUÉRAZINHO. Esse furo possuía alguns engenhos na fase em que Abaeté/Pa era chamada a “Cidade da Cachaça”. Vide Antigos Engenhos de Abaeté.
Furo Papuçal

Furo Paramajó. Liga o Rio Urubuéua à baía de Paramajó e liga o Rio Urubuéua com o Rio Caripetuba e o Rio Paramajó.
Furo Pirocaba

Furo Piquiarana-Miri

Furo Quianduba

Furo Quiarana. É um furo mais largo que outros por perto. Liga o Rio Maratahyra com outras localidades.
Furo SANTA HELENA. No Rio da Prata.

Furo São Bento. Liga-se pelas suas extremidades com o Furo Quiarana.
Furo Samaúma
Furo Tauerá

Furo Tucumã. Liga o Rio Tucumanduba ao Rio Quianduba e outras localidades.
Furo TUCUMANDUBA. Limita com o município de Igarapé-Miri, iniciando o limite nas cabeceiras do Rio Mocajatuba, destas, alcança, por uma reta, as cabeceiras do Rio Itanimbuca; desce por este até o furo do Inferno, pelo qual segue até sair no rio Meruú, o qual atravessa para a boca do furo Camarãoquara, pelo qual também segue até a sua foz, no furo Tucumanduba e segue por esse furo até encontrar o furo do Pinheiro e por este até a sua boca, no furo Itaboca, pelo qual continua até sair no furo Panacuéra e por este último até sair no rio Mahuba, pelo qual desce até a sua foz no rio Tocantins.
O distrito de Abaetetuba abrange os seguintes subdistritos: Abaetetuba, Arapapu, Maracapucu, Maúba, Tucumanduba e urubuéua. O distrito de beja não possui subdistritos.
ANTIGOS ENGENHOS NO FURO TUCUMANDUBA
O Furo Tucumanduba era um pólo comercial e Industrial de Abaeté. Esse furo possuía importantes engenhos nos áureos tempos de “Abaeté, a Terra da Cachaça”. Vide Antigos Engenhos de Abaeté.
Ali existiam os engenhos do Coronel Aristides dos Reis e Silva, que foi um importante vulto político e comercial em Abaeté. Como político chegou a ser Deputado da Assembléia Legislativa, Intendente Municipal em Abaeté (1919-1922) e prefeito nomeado na Revolução de 1930 (1/1/1938-28/2/1943). Outros donos de engenho, conforme atestam documentos de 1922 e cujos proprietários eram: Pinheiro & Irmão; Coronel Hygino Maués, importante vulto político e comercial de Abaeté, chegando a ser Intendente Municipal (1906-1908 e 1908-1911), Elias e Oliveira.
Festas de santos que aconteciam na chegada dos Padres Xaverianos nas Ilhas, estradas e ramais de Abaeté, em 1961: Festa de N. S. de Lourdes, na capela da comunidade, localizada nas terras do Sr. Aldemos Maués.

Furo URUÁ OU INFERNO
Furu Urucum:
Furo Xinguzinho

Furo Vilhena

IGARAPÉS DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA/PA
Igarapé ABELHEIRA
Igarapé ACAPU
Igarapé ACAPUTEUA
IGARAPÉ-AÇÚ. Corta a Pa-409 (Estrada de Beja).
Igarapé ALAMBIQUE. É afluente da margem direita do rio Tocantins.
Igarapé ALBANO
Igarapé ALCÂNTARA
Igarapé ANGÉLICA – É um igarapé urbano, histórico, afluente do rio Jarumã e banha vários bairros como Cristo Redentor, Angélica, parcialmente aterrado.

Igarapé ANINGAL

Igarapé APEÍ/APIÍ. O rio Guajará é importante devido ao fato de de fazer divisa entre os distritos de Abaeté e Beja: a divisa começa na foz do Rio Guajará, subindo por este até a confluência do Igarapé Apeí, pelo qual sobe até as suas nascentes, donde alcança, por uma reta, as nascentes do Rio Jaurá, e daí, por outra reta, até as nascentes do Igarapé Cabresto. O igarapé Apeí é afluente do rio Guajará, entre os distritos de Abaetetuba e Beja.

Igarapé APEUÁ
Igarapé APOAÇU
Igarapé ARARA
Igarapé AREIÃO
Igarapé ARNADO. No Rio Ajoaí.
Igarapé ARSENO

Igarapé Atalaia. É um igarapé histórico de Abaeté/Pa. Localiza-se atrás do antigo Bancrévea Clube de Abaetetuba, está quase totalmente aterrado. No grande terreno onde foi assentada a sede social do Bancrévea Club de Abaetetuba, anteriormente, existia uma estância onde o farmacêutico Joaquim Mendes Contente possuía uma criação de gado bovino de nome Estância Atalaia, nome que se deve ao igarapé que banhava esse terreno, que depois foi repassado para se tornar a sede daquele clube. Hoje o antigo prédio do Bancrévea, devidamente reformado, abriga a Secretaria Municipal de Educação de Abaetetuba. Por trás o terreno sofreu uma invasão onde hoje existe um conjunto habitacional chamado, também, Atalaia.

Igarapé AVAIZINHO
Igarapé BACONDE
Igarapé BACURI
Igarapé BATISTA
Igarapé BIRIBÁ
Igarapé BURACÃO
Igarapé BURAJUBA

Igarapé CABRESTO – Esse igarapé é importante por servir de divisa entre os municípios de Abaetetuba e Barcarena. O rio Guajará é importante devido ao fato de de fazer divisa entre os distritos de Abaeté e Beja: a divisa começa na foz do Rio Guajará, subindo por este até a confluência do Igarapé Apeí, pelo qual sobe até as suas nascentes, donde alcança, por uma reta, as nascentes do Rio Jaurá, e daí, por outra reta, até as nascentes do Igarapé Cabresto. Divisas: Com a Baía de Marapatá, os limites se fazem através da foz, pela sua margem direita, chegando até a foz do Furo Mahúba, na mesma margem direita até o Rio Pará: Com o Rio Pará e a Baía do Marajó, os limites começam na foz do Rio, seguindo pela margem direita desse rio até a Costa do rio Uiarenga; com o município de Belém, os limites se fazem pela foz do Rio Uiarenga, na baía do Marajó, seguindo por esse rio até as nascentes do Rio Uraenga, nas margens nascentes do igarapé Cabresto, afluente esquerdo do Rio Moju.

Igarapé CAFEZAL. Esse igarapé é histórico e ficava no antigo Bairro de Cafezal e, anteriormente, possuía uma ponte que ligava a cidade de Abaeté, através da antiga Rua Torquato Barros (hoje trecho da Rua Barão do Rio Branco) às moradias de ribeirinhos que ficavam do outro lado do Igarapé Cafezal. Esse igarapé foi quase totalmente aterrado para constituir a continuidade da atual Rua Barão do Rio Branco que dá acesso a outros bairros da cidade como os Bairro de São José, São João, Francilândia. É um igarapé histórico para as velhas gerações de famílias do antigo Bairro do Cafezal, onde seus filhos tomavam banho, brincavam e pescavam nesse então aprazível igarapé, como a família Lobato, de Crizanto Lobato.
Citação: Casa à Rua Floriano Peixoto (HOJE Rua Lauro Sodré), fundos com o Igarapé Cafezal.

Igarapé CAMOTIM/CAMUTIM. O Rio Abaeté pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Igarapé Ipixuna. O Rio Abaeté é um afluente do Rio Maratahyra, com sua embocadura próxima à Ilha Campompema. A partir daí vai formando afluentes, tanto da margem direita, quanto da esquerda. Pela margem esquerda possui os seguintes afluentes: Igarapé Genipahuba, Igarapé Moju-Miry, Rio Curuperê, Igarapé Camotim. Pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Ig. Ipixuna.

Igarapé CANA VERDE
Igarapé CAPITÃO
Igarapé CARECA
Igarapé CARMONIFE
Igarapé CATAIANDEUA
Igarapé Cláudio

Igarapé COQUEIRO. Esse igarapé só possui uma referência histórica. Citação: Foi o Padre Jerônimo Pimentel quem aumentou o tamanho do terreno doado à Mitra Diocesana, por Manoel da Silva Raposo às dimensões da antiga sesmaria de Francisco de Azevedo Monteiro desde o Igarapé Coqueiro até a boca do Rio Jarumãzinho, sesmaria onde seria assentada a Paróquia de Abaeté. Portanto, é um igarapé mais que histórico do Povoado de Abaeté.

Igarapé Cujaré
Igarapé CUPUAÇU
Igarapé CURRO

Igarapé DA ANGÉLICA. É um igarapé urbano, afluente do rio Jarumã, passa pelo bairro de Francilândia, pela Av. São Paulo, avançando para o bairro da Aviação e passa pela Av. Anchieta em outro bairro.

Igarapé DAS ALMAS. É um igarapé afluente da margem direita do rio Tocantins.
Igarapé DO COELHO
Igarapé FAVEIRO
Igarapé FELIPE
Igarapé FELIPE SOARES
Igarapé FUNDO
Igarapé FURINHO
Igarapé GALVÃO MONTEIRO

Igarapé GENIPAÚBA - O Rio Abaeté pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Igarapé Ipixuna. O Rio Abaeté é um afluente do Rio Maratahyra, com sua embocadura próxima à Ilha Campompema. A partir daí vai formando afluentes, tanto da margem direita, quanto da esquerda. Pela margem esquerda possui os seguintes afluentes: Igarapé Genipahuba, Igarapé Moju-Miry, Rio Curuperê, Igarapé Camotim. Pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Ig. Ipixuna.
Abriga uma Delegacia Sindical do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Abaetetuba. É um afluente do Rio Abaeté.
Os rios Ajuaí e Genipaúba em Abaetetuba, em novembro de 2008, estavam com visitas de pesquisadores para estudar o ciclo de vida do inseto barbeiro que é transmissor da Doença de Chagas.

Igarapé GENTIL
Igarapé GRANDE
Igarapé GRANDE. No Rio Paruru
Igarapé GURAJUBA
Igarapé IPETINGA
Igarapé IPIRANGA

Igarapé IPIXUNA. Localiza-se no tradicional lugar chamado Colônia Velha, está parcialmente aterrado e é um afluente do Rio Abaeté. O Rio Abaeté pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Igarapé Ipixuna. O Rio Abaeté é um afluente do Rio Maratahyra, com sua embocadura próxima à Ilha Campompema. A partir daí vai formando afluentes, tanto da margem direita, quanto da esquerda. Pela margem esquerda possui os seguintes afluentes: Igarapé Genipahuba, Igarapé Moju-Miry, Rio Curuperê, Igarapé Camotim.
Famílias Originárias no Igarapé Ipixuna:

Os ancestrais de Raimundo Rodrigues Cardoso/Ray Cardoso vieram do Ceará, fugindo da seca no século 19, e se fixaram ao longo das terras banhadas pelo Igarapé Ipixuna. Ray nasceu às margens do Igarapé Ipixuna em 6/8/1949, filho de Jofre Cardoso e Júlia Rodrigues Cardoso, c/c Edilena Dias Negrão e tiveram 3 filhos: Raísa, Radi e Raoni Negrão Cardoso.
Rai é cabelereiro de profissão, ambientalista e artista plástico nas artes da escultura. Também é ambientalista sendo o fundador, junto com alguns outros seus amigos, do Movimento Ecológico e Cultural de Abaetetuba/MECA, entidade que desenvolveu inúmeras atividades ecológicas e educacionais na cidade de Abaetetuba e cidades vizinhas, tendo iniciado em 1982, também, a instalação de uma rádio para a educação ambiental/preservação do meio ambiente, cultural e educacional em Abaetetuba, que hoje tem o nome de Rádio Conceição, de propriedade da Diocese de Abaetetuba. Ray tem irmãos: Mário, Hygino, Israel, Jesus, ...e uma parentela muito grande de tios e primos que vieram do Ipixuna. Algumas comunidades ao longo do Igarapé Ypixuna forma criadas pelos ancetrais de Ray:

• .ANANAÍ. Localidade localizada na área do campo natural Ananaí, ao longo do rio Ipixuna. Ananaí é uma fruta pequena parente do ananás, sendo ela que denominou o lugar, pois esse vegetal existe em grande quantidade naquele local. Alguns ancestrais do ambientalista e cabelereiro Raimundo Rodrigues Cardoso/Ray Cardoso, cearenses que vieram para Abaeté/Pa formaram essa comunidade.

• MIRITIZAL. Comunidade situada ao longo do Rio Ipixuna, também formada por ancestrais de Ray Cardoso que vieram do Ceará, fugindo da seca.

Bisavós maternos de Rai Cardoso (avós de Júlia). Quando chegaram em Abaeté subiram o Rio Abaeté e se fixaram no Ipixuna, na localidade São Raimundo, às proximidades da localidade Miritizal, do igarapé Ananaí ou Pernambuco, que deságua no Igarapé Ipixuna, sítio no Bacuri, ao lado do Campo das Cruzes, hoje Fazenda do Gata.

Foi o Intendente, Coronel Aristides dos Reis e Silva (1919-1922), que em 1920, que reconstruiu a ponte de 200 metros sobre o Igarapé ipixuna.

É um igarapé histórico de Abaeté. Banha uma extensa área que abriga várias comunidades. Quando da construção da Rodovia Dr. João Miranda teve que receber uma ponte em madeira, que depois foi substituída por outra em concreto. Serve de balneário público para a população de Abaetetuba.

Antigos Comerciantes no Igarapé Ipixuna
Salim Nagib, comerciante que se estabeleceu na Colônia Dr. João Miranda e que se comprometeu , no ano de 1940, a construir uma nova ponte sobre o Rio Ipixuna, fornecendo materiais, mão-de-obra e contando com a ajuda dos lavradores locais, cabendo à prefeitura o fornecimento de pregos e outros pequenos auxílios da administração sob a gestão do prefeito nomeado Coronel Aristides dos Reis e Silva (prefeito nomeado 1/1/1938-28/2/1943).
Rodrigo Roderico da Fonseca vende seu comércio no Rio Ipixuna a João de Mattos Bittencourt, em 1931.
Francisco Lopes. 1927: Comerciante e administrador da Colônia Agrícola Dr. João Miranda.
PA-252. Liga Abaetetuba ao município de Moju. Corta o Ig. Ipixuna, o Rio Abaeté. Nela existe o Trevo Moju-Barcarena, Km 12.

Igarapé ITACUPÉ

Igarapé JACARÉQUARA. É um rio urbano, histórico e está localizado no lado direito da cidade de Abaetetuba, perto do qual chegam importantes ruas da cidade, do bairro do Algodoal, como a Rua Siqueira Mendes, o Ramal da Helena (este no bairro de S. Sebastião). Passa ao lado do Curro/Matadouro Municipal de Abaetetuba/Pa, e nesse igarapé ou rio são lançados fezes, urina, carcaças e restos de gado abatido nesse curro, estando já esse rio em precário estado de poluição/degradação, o que caracteriza um sério problema ambiental que afeta os moradores do Bairro do Algodoal. Já existiram projetos para a construção de um novo Matadouro Municipal para Abaetetuba, mas devido conveniências políticas, essas intenções não saíram do papel. No futuro não existirá mais terras em Abaetetuba para a construção de um novo matadouro, como também para um novo cemitério público, um novo campo de futebol público e outros logradouros desse tipo que Abaetetuba precisa urgentemente.

Ruas do Bairro do Algodoal Banhadas Pelo Igarapé Jacaréquara
Nas suas margens terminam várias ruas e travessas de Abaetetuba. Por ser um igarapé situado em área urbana, nos bairro do Algodoal, e Santa Rosa, está fortemente pressionado pelos aterramentos de seus igarapés subsidiários que ali existem. Também o Matadouro Municipal, construído na gestão do prefeito Dr. Ronald Reis Ferreira, quando Abaetetuba era uma cidade pequena e de população pequena, contribui decisivamente para a poluição desse igarapé, por falta de uma infra-estrutura adequada para o funcionamento atual desse matadouro.

• Rua Jairlândia. É uma rua do Bairro Algodoal. Inicia às margens do Igarapé Jacarequara, avança e corta as travessas desse bairro, terminando na Trav. Rui Barbosa.

• Rua Barão do Rio Branco. Essa rua inicia no Bairro do Algodoal, perto do Igarapé Jacarequara e desse início saem algumas pequenas travessas, avança e corta as outras travessas desse bairro.

• Travessa João Nepomuceno. É uma pequena travessa do bairro do Algodoal, sendo a 1ª do bairro, próxima ao Igarapé Jacarequara e a 1ª a cortar a Rua Siqueira Mendes. Avança e corta as ruas Jairlândia, Barão e termina na Rua Frei José Maria de Manaus, próximo ainda do Ig. Ig. Sertão.

No Bairro Algodoal o Igarapé Jacaréquara se bifurca gerando os afluentes, Igarapés Sertão e Mato Grosso. Do Bairro do Algodoal avança para os bairros Santa Rosa e Centro.

O Igarapé Jacaréquara é um afluente do Rio Abaeté: O Rio Abaeté pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Igarapé Ipixuna. O Rio Abaeté é um afluente do Rio Maratahyra, com sua embocadura próxima à Ilha Campompema. A partir daí vai formando afluentes, tanto da margem direita, quanto da esquerda. Pela margem esquerda possui os seguintes afluentes: Igarapé Genipahuba, Igarapé Moju-Miry, Rio Curuperê, Igarapé Camotim. Pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Ig. Ipixuna.

Baixada do Bairro do Algodoal, à beira do Igarapé Jaquarequara, baixada construída sobre palafitas, o que vem concorrendo para uma degradação ainda maior do Igarapé Jacaréquara.

Igarapé JACUNDÁ

Igarapé JARUMÃZINHO. É um importante afluente do rio Jarumã, que fica situado à esquerda da cidade de Abaetetuba. O igarapé Jarumãzinho recebe ou corta importantes ruas de Abaetetuba, como as travessas Sergipe, Paraíba, a Passagem Vila Conceição e as ruas Manoel da Silva Raposo, Garibaldi Parente, do bairro Francilândia.

Foi o Padre Jerônimo Pimentel quem aumentou o tamanho do terreno doado à Mitra Diocesana, por Manoel da Silva Raposo, às dimensões da antiga sesmaria de Francisco de Azevedo Monteiro, desde o Igarapé Coqueiro até a boca do Igarapé Jarumãzinho, sesmaria onde seria assentada a Paróquia de Abaeté.

O Horto Municipal foi criado pelo Decreto nº 14, de 8/5/1939, pelo Coronel Aristides dos Reis e Silva (1/1/1938 a 28/2/1943), às margens do Igarapé Jarumãzinho.

Passa pelos bairros de São João, Francilândia, Aviação e já está parcialmente aterrado.

ANTIGOS ENGENHOS NO IGARAPÉ JARUMÃZINHO
Esse igarapé possuía importantes engenhos nos áureos tempos de “Abaeté, a Terra da Cachaça”. Vide Antigos Engenhos de Abaeté.

Igarapé JANINDUBA
Igarapé JAPURÁ
Igarapé JARAIQUARA
Igarapé JENIPAPO
Igarapé JOÃO SANTOS
Igarapé JUPARIQUARA
Igarapé Laranjal. Passa pelos fundos do terreno onde estão as edificações do local Laranjal, da Diocese de Abaetetuba, bairro de São Sebastião.
Igarapé LONTRA
Igarapé Maúba
Igarapé MANDUBÉ. Mandúbé é palavra de origem tupi que designa um peixe e é um igarapé em Abaetetuba/Pa.

Igarapé MANOEL RAIMUNDO
Igarapé MARANHÃOZINHO
Igarapé MARAPATÁ
Igarapé MARATAUÁ
Igarapé MARINQUARA

Igarapé MATO GROSSO – É um igarapé urbano, histórico, afluente do Ig. Jacaréquara e fica no Bairro do Santa Rosa, divisa com o bairro do Algodoal e está parcialmente aterrado. Recebe ou corta importantes ruas da cidade de Abaetetuba, como as travessas Higino Maués, Everaldo Santos Araujo, Rui Barbosa, Pe. Pimentel, Tiradentes e Altino Costa, no bairro do Algodoal.

Ruas Banhadas Pelo Igarapé Mato Grosso
• Travessa Padre Pimentel. É uma grande travessa do bairro do Algodoal, iniciando à beira-mar, onde recebe o fim da pequeníssima Rua Nominando de Carvalho e segue avançando e cortando as ruas Getúlio Vargas, Siqueira Mendes, Barão, avança recebendo o fim das pequenas ruas Veiga Cabral e Olavo Ribeiro, passa sobre o Igarapé Mato Grosso, na divisa do bairro de Santa Rosa, onde corta a Rua Joaquim Mendes Contente. Sua continuidade para esse outro bairro é a Travessa Bibiano Cardoso dos Santos.

• Travessa Rui Barbosa. É uma travessa do bairro do Algodoal, que inicia na pequeníssima Rua Nominando de Carvalho, quase à beira-mar, corta a Rua Siqueira Mendes, avança e recebe o fim da Rua Jairlândia, avança e corta a Rua Barão do Rio branco, vai seguindo e recebe o fim da pequena Travessa Olavo Ribeiro, segue e passa sobre o Igarapé Mato Grosso e vai terminar fazendo canto com o fim da grande Rua Joaquim Mendes Contente, na divisa do bairro de Santa Rosa.

• Travessa Everaldo Santos Araujo. É uma travessa do bairro Algodoal, maior que as anteriores, que faz o mesmo trajeto das mesmas e, ao cortar a Rua José Maria de Manaus, avança até as margens do Igarapé Mato Grosso, nas divisas com o bairro de Santa Rosa.

• Travessa Sandoval de Almeida Lima. Segue o mesmo trajeto das travessas Manoel Pedro e Higino Maués, mas termina às margens do Igarapé Mato grosso, nas divisas com o bairro de Santa Rosa.

• Travessa Major Frederico da Gama Costa. É uma travessa do bairro do Algodoal, que inicia na Rua Justo Chermont, avança e vai cortando as ruas: Getúlio Vargas, Siqueira Mendes, Barão, avança e recebe o fim da Rua Francisco Antonio da Costa, ao lado do Cemitério Público, avança e passa sobre o Igarapé Mato Grosso, avança e faz uma dobra e vai terminar na Rua Joaquim Mendes Contente, na divisa com o bairro de Santa Rosa.

• Travessa Tiradentes. É uma travessa do Bairro do Algodoal que sai da Rua Justo Chermont, à beira-mar e com quem faz canto e segue cortando as ruas: Getúlio Vargas, Siqueira Mendes, Barão do Rio Branco, Veiga Cabral, recebe o fim da Rua Lauro Sodré, avança e passa sobre o Igarapé Mato Grosso, já no bairro de Santa Rosa, recebe o fim da Rua 1º de maio e termina na Rua Joaquim Mendes Contente. Sua continuidade no Bairro de Santa Rosa é a Trav. Benedito Sena dos Passos.

Igarapé MOCAJUBA
Igarapé MOJU

Igarapé MOJU-MIRY. O Rio Abaeté pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Igarapé Ipixuna. O Rio Abaeté é um afluente do Rio Maratahyra, com sua embocadura próxima à Ilha Campompema. A partir daí vai formando afluentes, tanto da margem direita, quanto da esquerda. Pela margem esquerda possui os seguintes afluentes: Igarapé Genipahuba, Igarapé Moju-Miry, Rio Curuperê, Igarapé Camotim. Pela sua margem direita possui os seguintes afluentes: Rio Jacaréquara, Ig. Ipixuna.

Igarapé MOULEINHO
Igarapé PACOVAL. É um afluente do Rio Pará, próximo ao Furo do Capim e perto do Igarapé Vilar.
Igarapé PADROS
Igarapé PAI PEDRO
Igarapé PAU D’ARCO
Igarapé PEDRAS
Igarapé PEDRINHAS
Igarapé PERDENEIRAS Igarapé Perdeneira
Igarapé PEUÁ
Igarapé PINDOBAL. Sua embocadura fica na Baia do Capim, próximo ao Igarapé Pirocaba. Suas águas deságuam na Baía do Capim, próximo à Ilha Tabatinga. Exite uma secretaria da Colônia de Pescadores Z-14.

Igarapé PIQUIARANA
Igarapé PIQUIARANA-MIRY
Igarapé PIQUIATUBA
Igarapé PIRARUCUCU

Igarapé PIRATUBA ou Rio Piratuba. É um local histórico de Abaeté devido o fato de ter sido esse lugar um dos escolhidos para a famosa pesquisa do medido sanitarista, Dr. Evandro Chagas, sobre a doença Calazar/Leyshimaniose Visceral Americana. Vide Rio Piratuba.

Igarapé PIROCABA. Abriga uma Delegacia Sindical do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Abaetetuba. Suas águas deságuam na Baia do Capim, próximo à Ilha Tabatinga.

Famílias originárias do Pirocaba
Miguel Araujo e Silva. Era agricultor e morava na localidade Pirocaba. Já é falecido. Era casado com Cezarina Martins de Araujo e tiveram os seguintes filhos: Raimundo/Diquinho, Joana, Bonifácio, Benedito/é falecido, Getúlio e Luiza Martins de Araujo e Silva.

Irmãos de Miguel Araujo e Silva, por parte de mãe (Cipriana Maria de Barros): Ana Araujo Alves, Nezinha, Domingas e Manoel Araujo.

Filhos de Cipriana:
Ana Araujo Alves, casada com Expedito Alves e moram na cidade Goianésia do Pará.
Miguel Araujo e Silva era filho de Cipriana Maria de Barros e Clarimundo S. de Abreu e este morava na localidade Jarumã. Clarimundo casou e teve outros filhos, que são meio-irmãos de Miguel Araujo e Silva: Raimundo, Dina, Sabá, Antonia, Josefina e João de Abreu, todos do Jarumã.

Pais de Cezarina Martins de Araujo, esposa de Miguel Araujo e Silva: Fermina Ribeiro da Paixão e Manoel Francisco Martins.

Filhos de Miguel e Cezarina Martins de Araujo e Silva:
Getúlio Martins de Araujo e Silva. Agricultor, homem simples e sábio, produz produtos oriundos da mandioca, especialmente farinha que ainda vende a clientes selecionados entre seus amigos da cidade de Abaetetuba na forma de farinha acondicionada nos tradicionais/culturais paneiros de folhas e talas. Nasceu no dia 15/11/1949 e reside na localidade Pirocaba. É casado e possui os seguintes filhos: Geraldo, Juscelino, Juscelina, Graciete, Maria de Nazaré, Marcelino e Maria Creuza Martins e Silva, filhos a quem educa na simplicidade, na moral e bons costumes. É um católico autêntico.

Juscelino é casado com Maria de Jesus e possuem um filho: Manoel de Jesus.
Uma lenda no Pirocaba: Seu Joaquim, morador do rio Pirocaba, diz que já foi assombrado por Curupira, no Igarapé Sapucaia, poço Pacapuá, ficando 6 meses com febre e só foi curado pelo pajé Demetrius.

Igarapé PONTILHÃO. É um afluente do Rio Moju.

Igarapé PRAIA LIMPA
Igarapé PRAMONTINHA
Igarapé PRATA
Igarapé QUIANDEUA
Igarapé SACO
Igarapé SACUEIRA. É um afluente do Rio Arumanduba.
Igarapé SANTA RITA. No Rio Tucumanduba
Igarapé SÃO JOÃO. Abriga a Comunidade N. S. de Nazaré.
Igarapé SÃO JOSÉ. Abriga a Comunidade S. José.
Igarapé SAPUCAIA. Onde existe o poço Pacapuá.

Igarapé SARAPUQUARA

Igarapé SERTÃO. É um igarapé urbano, histórico, afluente do Igarapé ou rio Jacarequara. Fica, também, no lado direito da cidade de Abaetetuba, perto e atravessado por importantes ruas dos bairros do Algodoal (principalmente) e Santa Rosa, como a Cel. Pedro Borges do Rego a Trav. Bibiano Cardoso dos Santos, no bairro de Santa Rosa e as ruas Jairlândia, Barão do Rio Branco e a Frei José Maria de Manaus e a Trav. Higino Maués, no bairro do Algodoal. Grande parte desse igarapé foi aterrado para expansão do Bairro de Algodoal e do Santa Rosa. Esse igarapé foi referência para antigas ruas de Abaeté, como a Rua do Sertão (hoje trecho da atual Av. D. Pedro II) e outros trechos de ruas dos bairros citados acima. Abrigava olarias, estaleiros de construção naval.

Ruas Banhadas Pelo Igarapé Sertão
• Travessa Higino Maués. É outra pequena travessa do bairro do Algodoal e segue o mesmo trajeto da Trav. Manoel Pedro Ferreira, terminando, também, às margens do Igarapé Sertão, já nas divisas com o bairro de Santa Rosa.

• Travessa Manoel Pedro Ferreira. Outra pequena travessa do bairro do Algodoal, que nasce cortando a Rua Siqueira Mendes e avança cortando as mesmas ruas cortadas pela Trav. João Nepomuceno e corta ainda a Rua Frei José Maria de Manaus e duas pequenas ruas: Berlindo Ribeiro e 8 de Dezembro e finaliza perto do Igarapé Sertão.

• Travessa João Nepomuceno. É uma pequena travessa do bairro do Algodoal, sendo a 1ª do bairro, próxima ao Igarapé Jacarequara e a 1ª a cortar a Rua Siqueira Mendes. Avança e corta as ruas Jairlândia, Barão e termina na Rua Frei José Maria de Manaus, próximo ainda do Igarapé Igarapé Sertão.

• Rua Berlindo Ribeiro. É uma pequena rua do bairro do Algodoal. Nasce fazendo canto com a Trav. Crisanto dos Passos Lobato, avança e corta as travessas: Sandoval de Almeida Lima, Higino maués, Manoel Pedro Ferreira, avança mais e vai terminar às margens do igarapé Sertão.

• Rua 8 de Dezembro. É uma pequena rua do bairro do Algodoal. Nasce e sai cortando as travessas: Sandoval, Higino Maués, Manoel Pedro e avança mais para terminar às margens do igarapé Sertão.

• Rua Barão do Rio Branco. Essa rua inicia no Bairro do Algodoal, perto do Igarapé Jacarequara e desse início saem algumas pequenas travessas, avança e corta as outras travessas desse bairro. No Bairro Algodoal se aproxima de outro Igarapé, o Igarapé Sertão. Do Bairro do Algodoal avança para o Bairro Centro.

O Igarapé Sertão fica na divisa dos bairros de Algodoal e Santa Rosa, tendendo mais para o Bairro do Algodoal. no Bairro de Santa Rosa, divisa com o Bairro do Algodoal e está parcialmente aterrado.

Igarapé SOCORRO
Igarapé TAPIRI
Igarapé TAUARI
Igarapé TAUÁ
Igarapé TAUÁ-AÇU
Igarapé Tauerá

Igarapé TAUERÁZINHO.
ANTIGOS ENGENHOS NO IGARAPÉ TAUERÁZINHO
Esse igarapé abrigava importantes engenhos na antiga cidade de Abaeté. Vide Antigos Engenhos de Abaeté/Pa.

Igarapé TORQUIA. Sua embocadura fica na Baia do Capim e se liga ao Furo Guajará, que leva à Vila de Beja.

Igarapé TIJUCAQUARA. E outro igarapé urbano e histórico de Abaetetuba, cortado pela Rodovia Dr. João Miranda. Localiza-se na localidade Colônia Velha, parcialmente aterrado, Funciona como um balneário público às margens daquela rodovia.

Igarapé TINGA
Igarapé TUCUNARÉQUARA
Igarapé URUBUQUARA
Igarapé VILAR. Abriga a Comunidade S. José e a Escola Santa Ana.

Prof. Ademir Rocha, de Abaetetuba/Pa, em 6/4/2010

2 comentários:

  1. Caro Ademir
    Gostaria de entrar em contacto com vc para tratarmos de assunto que, parece, é comum a nós. Eu coleciono nomes indigenas, geralmente toponimos para tentar descobrir sua etimologia. E como vc está a par dos toponimos de Abaetetuba e talvez de outras localidades do Pará peço-lhe que entre em contacto comigo. Sou medico, 75 anos casado e pai de três filhos e tenho 5 netos. Um grande abraço para vc e familia
    Clovis

    ResponderExcluir
  2. Caro Clóvis,
    Tenho publicado algumas postagens com uma infinidade de nomes de origem indígena, pois nossa região era habitada abundantemente por povos indígenas que deixaram impressos em n/cultura muitos elementos que ainda hoje subsistem às modernidades.
    Um abraço do
    Prof. Ademir Rocha

    ResponderExcluir