Mapa de visitantes

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Abaetetuba 1 - Localidades, Cidade - Aspectos e Vultos








































LOCALIDADES DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA
ASPECTOS E VULTOS

CIDADE DE ABAETETUBA/SÉDE DO MUNICÍPIO
Alguns Conceitos e Definições, Vultos, Aspectos Políticos e Econômicos, Alguns Acidentes Geográficos, Vila de Beja, Limites de Abaeteuba, Texto do blogueiro Cametaoara: Vide e clique nas figuras.
A cidade de Abaetetuba se localiza na Mesorregião Nordeste Paraense e na Microrregião do Baixo Tocantins ou Microrregião de Cametá.
Abaeté é uma palavra de origem tupi que designa importante rio existente no município de Abaetetuba, localizado ao sul da cidade. Este rio detém o primitivo nome da cidade que se chamava Abaeté. Aba, significa homem; eté, significa valoroso, verdadeiro, valente. Abaeté significa, portanto, homem valoroso, verdadeiro ou pessoa boa, pessoa de palavra ou pessoa honrada.
Abaetetuba, também é uma palavra de origem tupi que designa esse importante município do Baixo Tocantins, com séde situada à margem esquerda do rio Maratauhyra. O nome vem de abaeté, uma tribo de índios existentes no lugar, acrescido do sufixo tyba, que significa lugar de muitos índios abaetés, ou lugar dos homens valorosos, pois é lugar onde existem muitos abaetés. Ou lugar cheio de gente boa.
Abaetetuba é um município pequeno medindo apenas 1.090km2, situado no Nordeste do Estado do Pará, no estuário dos rios Pará e Tocantins, onde esses dois rios formam a Baía de Marapatá, na Zona Tocantina.
A Microrregião do Baixo Tocantins compreende a área formada pelos rios Jacundá (afluente do Rio Pará), o Baixo Tocantins e o Rio Moju. Possui 10 municípios: Abaetetuba, Bagre, Baião, Barcarena, Cametá, Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajuru, Mocajuba, Moju e Oeiras do Pará.
AGLOMERADOS POPULACIONAIS DE ABAETETUBA EM 1/6/1956:
Abaetetuba (sede do município), Vila de Beja, Guajarauna, Caeté, Murutinga, Colônia Nova, Colônia Velha, Tauerá de Beja, Pontilhão, Coruperé-Miri, Itacuruçá, Quianduba, Santa Terezinha, Campompema, Paramajó e Urubuéua.
O ANTIGO MUNICÍPIO DE ABAETÉ/PA, ALGUNS ASPECTOS POLÍTICOS E VULTOS HISTÓRICOS
O município de Abaeté foi criado a 23/3/1880, quando a antiga Freguesia de Abaeté foi elevada à condição de Vila de Abaeté. Mas a Vila de Abaeté só foi instalada efetivamente em 7/1/1881. Ao novo município pertenceriam as terras da antiga Freguesia de Beja.
A 1ª Câmara Municipal de Abaeté, empossada em 7/1/1881 até 1884, era constituída das seguintes pessoas:
Tenente-Coronel Arlindo Leopoldo Correa de Miranda, como presidente e os demais componentes: Alferes Tenente-Coronel Torquato Pereira de Barros, José Benedito Rodrigues, José Augusto Fortunato, Camilo José de Freitas, Felippe Santiago de Araujo e Leonardo Antonio Furtado.
A 2ª Câmara, de 1884 a 1887, teve como presidente Manoel José Fernandes e os demais componentes: Hygino Cardoso Amanajás, Joaquim Emílio Roberto Maués, João Gonçalves Filho, João Antonio dos Santos e Luiz Antonio de Carvalho.
No período de 1888-1890 o presidente da Câmara foi substituído pelo Capitão Manoel João Pinheiro.
OS PRIMEIROS CONSELHOS DE INTENDÊNCIA DE ABAETÉ
Com o advento da República, a 13/2/1890, o Governo Provisório dissolveu a Câmara Municipal, porém, na mesma data, outro decreto criava o Conselho de Intendência Municipal, para os quais foram nomeados os seguintes componentes:
Major José Honório Roberto Maués, como presidentes e os demais componentes (vogais): Leôncio Pereira de Araujo, Arlindo Leopoldo Correa de Miranda, Geraldo da Cruz Mello Lobato, Manoel Antonio da Silva, Fábio da Silva Góes e Manoel Francisco Pimentel. O Major José Honório Roberto Maués não aceitou a nomeação, tendo sido substituído por José Benedito Ruiz.
Seguiram-se outros Conselhos de Intendência no Período Republicano, entre os quais:
1891-1893: Tendo como Intendente Municipal o Capitão Manoel João Pinheiro e os vogais: Joaquim Gonçalves Chaves, Leopoldo Anísio de Lima, Raimundo Nonato da Fonseca e Augusto Geraldo Barbosa;
1894-1896: Intendente Tenente-Coronel Emygdio Nery da Costa e vogais: Marcolino Augusto Ferreira Vaz, Leopoldo Anísio de Lima, João Pedro Correa dos Santos e Fernando José Ribeiro;
1897-1899: Intendente Padre Francisco Manoel Pimentel e vogais: Marcolino Augusto Ferreira Vaz, Leopoldo Anísio de Lima, José Félix de Souza, Francisco de Paula Paes, Maximiano Cardoso da Silva.
AS MUDANÇAS DE NOMES DE ABAETÉ
Em 1943 o nome de Abaeté mudou para Abaetetuba e pelo mesmo decreto que entrou em vigor em 1/1/1944 foi a cidade erigida em comarca, desligando-se juridicamente da comarca de Igarapé-Miri.
Em 1961 o deputado Wilson Amanajás apresentou um projeto na Assembléia Legislativa, dando um novo nome ao município: Abaeté do Tocantins e a lei passou a vigorar a partir de 29/12/1961.
Porém, em 1963, outro deputado, João Reis, apresentava novo projeto para restituir o nome Abaetetuba, aprovado pela Assembléia e editada a lei em 19/7/1963.
O distrito de Abaeté/Pa abrange os seguintes subdistritos: Abaeté, Arapapu, Maracapucu, Maúba, Tucumanduba e Urubuéua. O distrito de Beja não possui subdistritos.
OS LIMITES DO RECÉM CRIADO MUNICÍPIO DE ABAETÉ/PA
Ao Norte, com a Baía do Marajó, o Rio Pará e o município de Barcarena.
A Leste, com o Rio Moju e município de Moju.
Ao Sul, com os municípios de Igarapé-Miri e Moju.
A Oeste, com os municípios de Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajuru , Cametá e Muaná. Vide mapas anexos.
BALNEÁRIOS NO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA/PA
Além das praias, Abaetetuba tem os seguintes balneários, que são rios ou igarapés de água gelada:
Zico
Paraiso
Balneário Conceição
Cameleão Dourado
Colônia Velha
Ipixuna
Camotim
Abaetézinho.
ASPECTOS ECONÔMICOS DE ABAETÉ
ALGUMAS FIRMAS E COMERCIANTES DE ABAETÉ/PA
1931: A firma B. Costa, ficou com ativo e o passivo da firma Saul & Costa, à Rua Justo Chermont.
Comerciantes na Cidade de Abaeté em 1930, 1931:
1930: Fábrica de sabão e óleos vegetais, de A. Lobato & Cia., nesta cidade.
1930: Felippe F. Ribeiro, com novo comércio de fumo e bebidas na Travessa Conceição, filial.
1930: A. Villaça
1931: Raymundo Lício Baia, com comércio à Rua Justo Chermont, possuindo uma ponte em madeira.
1931: Correa e Pinto, com comércio de exportação de semente de ucuhuba para Belém.
1931: Loureiro e Irmão, com fábrica de calçados na Rua Justo Chermont, mudando para a Avenida João Pessoa.
1931: Negrão e Irmão, com comércio de compra e venda de gado, em Abaeté.
1931: Jorge Felix dos Santos, se estabelecendo com comércio de mercearia, na Rua Justo Chermont.
1931: Prudente da Costa Lima, açougueiro em Abaeté.
1931: José Pinheiro Baía, com casa de comércio à Rua Justo Chermont.
1931: José Paes Moreno, com comércio de quitanda à Avenida João Pessoa, muda para a Rua Justo Chermont.
1931: José Bechir Elias, com comércio na Avenida João Pessoa.
1931: A viúva de Felippe João, substitui seu marido no comércio à Rua Justo Chermont.
1931: A. Villaça da Silva, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Kemil dos Santos, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Raymundo José Soares, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Miguel Jorge, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Saul e Costa.
1931: Chafia Felix dos Santos, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Maués e Cia., com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Jorge Antonio, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Felippe F. Ribeiro, com comércio na Rua Justo Chermont.
1931: Garibaldi Parente e Cia.
1931: Anísio Alvim de Lima, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: Felippe F. Ribeiro-Filial, comércio de mercearia na Avenida João Pessoa.
1931: João de Figueiredo, comércio de mercearia na Rua Justo Chermont.
1931: Oscar Solano de Albuquerque, com comércio à Rua Justo Chermont.
1931: F. F. André, com comércio na Rua Justo Chermont.
1931: Serraria Veneza Paraense, de Garibaldi parente, exportando caixas de madeira.
1931: Hugo dos Santos, estabelece-se como comerciante, comprador de gado.
1931: João Gualberto Paes, filho Francisco de Paula Paes, com oficina de ourivesaria.
1931: Felippe F. Ribeiro, com filial à Avenida João Pessoa.
1931: Vicente Gama e Silva, comerciante de gado, com terreno à Rua Benjamim Constant, de 16 x 33m, confinando com ele mesmo à Rua Nilo Peçanha.
Comerciantes em 1931:
Kemil dos Santos, à Avenida João Pessoa, nº 4;
José Bechir Elias, na Avenida João Pessoa, nº 5 e na Rua Justo Chermont.
José Bechir Elias
Miguel Elias
Salim José Bechir
Ildefonso Augusto Correa Lima
Jorge Felix dos Santos
Chafia Félix dos Santos
Joaquim Loureiro da Silva
Raimundo José Soares
José Sertório de Miranda
Carlos Maués Loureiro
Acrísio Villaça da Silva.
1931: A firma B. Costa, ficou com ativo e o passivo da firma Saul & Costa, à Rua Justo Chermont.
ALGUMAS OFICINAS, DONOS DE OFICINAS EM ABAETÉ/PA, ANO DE 1922
Officina de funileiro, de Albino Antonio Alves Pereira, na Rua justo Chermont;
Officina de ourives, de Francisco de Paula Paes, na Rua Justo Chermont;
Officina de sapateiro, de Jorge padre & Irmão, na rua Justo Chermont;
Officina de Barbeiro, de Olyntho Rocha, na Rua Justo Chermont;
Officina de alfaiate, de Euclides Primogênito de Castro, na Rua Justo Chermont;
Officina de barbeiro, de João Baptista Rodrigues, na Rua Justo Chermont;
Officina de barbeiro, de Américo Nery Cordeiro, na Rua Justo Chermont;
Officina de barbeiro, de Vicente Ferreira Machado, na Rua Justo Chermont;
Officina de alfaiate, de Egydio Martins, na Rua Justo Chermont;
Officina de barbeiro, de Manoel Pereira Aracaty, na Rua Justo Chermont;
Officina de barbeiro, de Sergifredo José Cardoso;
Officina de ferreiro, de Paschoal Caporal de Francesco, na Rua Justo Chermont;
Officina de marceneiro, de Francisco Carlos Monteiro, na Rua Justo Chermont;
Officina de ourives, de Raymmundo Nonnato de Carvalho, na Rua Justo Chermont;
Officina de marceneiro de Manoel Pereira da Silva, na Rua Siqueira Mendes;
Officina de ferreiro de Lourenço Ferreira, na Rua Siqueira Mendes;
Officina de alfaiate de Claudomiro Ferreira Dias, na Rua Siqueira Mendes;
Officina de fogueteiro, de Ervécio José de Castro, na Travessa santa Luzia.
Funileiro: Ismael Augusto Gomes, na Avenida Garibaldi Parente.
ALGUNS ANTIGOS SAPATEIROS DE ABAETÉ
Alguns sapateiros ou donos de saparia, em Abaeté, em 1930:
Stoesel Orlando de Araujo/Bacuritita/Landico,
Stélio
Lauro Testa Branca,
Mestre Carlito Loureiro
Abílio Souza e outros mais antigos.
Depois vieram outros sapateiros, também que aprenderam com o Mestre Carlito:
Mário Tabaranã
Alcimar Carneiro de Araujo
José Orlando Carneiro de Araujo/Coropó.
Adonai Olívio Rocha/Dodó
Francisco de Lima Baptista/Pombo da Maroca Lim.
Clóvis Barros da Silva/Fuan.

ALGUNS ANTIGOS DONOS DE EMBARCAÇÕES EM ABAETÉ
Emiliano de Lima Pontes, Canoa Madrugada, na cidade, 1922.

ALGUMAS ANTIGAS PADARIAS EM ABAETÉ
Franklim Correa dos Santos, na Rua Justo Chermont;
Júlia de Matos, na Rua Justo Chermont;
Raymmundo Reis, na cidade.

ALGUNS ANTIGOS AÇOUGUEIROS E MARCHANTES DE ABAETÉ/PA
Açougueiro: Valério Antonio Cardoso, na cidade;
Antonio Ferreira Fontelles, na cidade;
Miguel Jorge, que também era marchante, na Rua Justo Chermont;
Ricardino de Araújo Margalho, na cidade;
Alfredo Panglars de Almeida, na Rua Justo Chermont;
Antonio dos Santos, na Rua Justo Chermont;
Pacífico Antonio da Silva, que também era marchante, na cidade;
Raymmundo Nonnato Ferreira, na cidade;
Raymmundo Pauxis (Raymmundo Nonnato da Silva Pauxis), na cidade;
Antonio Paes Filho, na cidade.
Emílio Barros Ferreira, marchante;
Silva & Pauxis, de Raymundo Pauxis e sócio, atuando como marchantes.

ALGUNS ANTIGOS TABELIÕES EM ABAETÉ/PA
Tabellião Joaquim Lopes, na travessa 22 de Junho;
Tabellião Latino Lydio da Silva, na Rua Lauro Sodré;
Tabellião Manoel de Araújo Pimentel, na Povoação de Beja;
Tabellião Firmo Nonnato Cavalheiro, no Rio Urubuéua;
Tabellião Plácido José Ribeiro, no RiO Tucumanduba.

ALGUNS ANTIGOS ADVOGADOS EM ABAETÉ/PA
Escritório do Dr. João Nery da Costa, na Rua Justo Chermont;
Escritório do Coronel Aristides dos Reis e Silva, na Praça da República (atual Praça Francisco de Azevedo Monteiro).

ALGUMAS ANTIGAS FÁBRICAS EM ABAETÉ/PA
Fábrica de sabão, de Garibaldi Parente e Cia.;
Pequena fábrica de sapatos, de Felix Antonio, na Rua Justo Chermont;
Fábrica de sabão, de Francisco Assunção dos Santos Rosado, na Rua Justo Chermont.
ALGUMAS ANTIGAS OLARIAS EM ABAETÉ/PA
Olaria de Garibaldi Parente, no bairro de Santa Rosa, às proximidades dos igarapés Sertão e Mato Grosso, afluentes do Ig. Jacaréquara;
Olaria de João Avelino, na cidade;
Olaria de Mozar, na baixada de Av. Pedro Rodrigues, às proximidades do Ig. Atalaia.
Olaria do Zé Mucura, no bairro do Algodoal.

CONDULÇÃO DE CARGAS À FRETE NA CIDADE/ALGUNS FRETEIROS E CANOAS À VELA
Em 1922:
F. A. Santos Rosado/Francisco de Assunção dos Santos Rosado.
Emiliano de Lima Pontes (cidade-Canoa Madrugada).

ALGUMAS ENGENHOCAS DE GARAPA EM ABAETÉ
Engenhoca de garapa: Manoel Maria de Sousa.
Engenho e carro de garapa: Anísio Alvim de Lima.

ALGUMAS ANTIGAS SERRARIAS EM ABAETÉ/PA
Garibaldi Parente e Cia., na Rua Justo Chermont.

OS LIMITES DO RECÉM CRIADO MUNICÍPIO DE ABAETÉ/PA
Ao Norte, com a Baía do Marajó, o Rio Pará e o município de Barcarena.
A Leste, com o Rio Moju e município de Moju.
Ao Sul, com os municípios de Igarapé-Miri e Moju.
A Oeste, com os municípios de Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajuru , Cametá e Muaná. Vide mapas anexos.
BALNEÁRIOS NO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA/PA


Além das praias, Abaetetuba tem os seguintes balneários, que são rios ou igarapés de água gelada:
Zico
Paraiso
Balneário Conceição
Cameleão Dourado
Colônia Velha
Ipixuna
Camotim
Abaetézinho.
PRAIAS DE ABAETETUBA/PA
Praia do CAPIM – Na Ilha do Capim, na costa do Rio Marapatá
Praia de BEJA – Famoso balneário na Vila de Beja, na costa da baía do Marajó, que é distrito de Abaetetuba/Pa.
Praia do PIROCABA – Na localidade Pirocaba, na costa da baía do Tocantins, perto da cidade de Abaetetuba/Pa.
Praia do XINGU – Fica na confluência dos rios Tocantins e Marapatá em Abaetetuba/Pa.
Praia do GUAJARÁ DE BEJA – No rio Guajará de Beja, perto de Abaetetuba/Pa.
PRAINHA - Na Costa Marapatá .

ALGUNS LAGOS DE ABAETETUBA/PA
Lago AZUL – Na PA-409/Estrada de Beja, funcionando como balneário.
Lago das PRATAS
Lago N. S. DA CONCEIÇÃO – Funciona como balneário.
Lago do PIRATUBA
Lago PIRI - Fica perto do Igarapé Pacoval, próximo da Baia do Capim.
CACHOEIRAS DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA/PA:
CACHOEIRA DO RIO ABAETÉ – No Alto Rio Abaeté, já devidamente depredada pela retirada de suas pedras.

VILA DE BEJA (DISTRITO DE ABAETETUBA/PA)
A ANTIGA POVOAÇÃO DE BEJA, ALGUNS ASPECTOS HISTÓRICOS, POLÍTICOS, ECONÔMICOS E ALGUNS DE SEUS ANTIGOS VULTOS

A VILA DE BEJA chegou a ter o seu Senado da Câmara, a partir dos idos anos de 1804. Era ele constituído por um Juiz Ordinário e por cinco Oficiais do Senado. Juiz Ordinário equivalia, mais ou menos, ao cargo de prefeito e as funções de oficiais, às dos atuais vereadores.
Em 1804, o juiz ordinário era Manoel Jorge Soares. Em 1805, José Pereira de Lacerda, que ocupou o cargo até o ano de 1822, quando, na realidade, foi criado o Corpo de Oficiais do Senado.

Em 1822 o juiz passou a ser Tomé Rodrigues e os primeiros oficiais empossados foram: Vital Luiz Rodrigues, Laulo Souza, Manoel José Rodrigues, Francisco Antonio Silva Castro e Teodósio Luiz do Couto.

Em 1824 o juiz passou a ser Hermenegildo Francisco Melo; em 1825, Manoel Trindade; em 1827, José Raimundo Paiva; em 1828, ano em que o Corpo de Oficiais do Senado foi extinto, Bernardo Ferreira dos Santos;

Em 1829, Antonio Pereira, que ficou no cargo até 1833, quando o Senado de Beja foi extinto.
Finalmente, no dia 30/9/1839, o presidente Bernardo de Souza Franco extinguiu a autonomia da Freguesia de São Miguel de Beja, anexando o seu território ao da Vila de Abaeté.

A Vila de Beja possui a aprazível praia de Beja, localizada às margens do Rio Pará.

Prof. Ademir Rocha, de Abaetetuba/Pa, em 5/4/2010

8 comentários:

  1. Só para contribuir com o seu blog, no quesito advocacia, há que se reportar à figura dos Rábulas (Advogados sem curso universitário, mas que possuiam grande conhecimento legal e processual), dos quais destaca-se o cidadão Roldão Sereni e dos mais antigos advogados ainda em atividade e com escritórios fixados em Abaetetuba, dos quais atualmente destacam-se José Heiná Maués, cujo registro na OAB salvo o engano é 1115 e Luiz Roberto dos Reis, cujo registro na OAB é 2172.

    ResponderExcluir
  2. Caro Marcos Neemias,
    Suas informações sobre os advogados rábulas são importantíssimas e nos fazem voltar no tempo e nos depararmos com nossos primeiros advogados rábulas como Dionísio Pedro Lobato, seus filhos, entre os quais Messias de Sigmaringa Lobato, o Cel. Aristides e modernamente o grande profissional que foi o advogado Roldão Sereni. Sobre os Reis e os Maués estou preparando algumas informações sobre os membros dessas tradicionais famílias de Abaeté e que vão recair nos grandes advogados Luiz Roberto dos Reis e José Heiná Maués. Um Abraço do
    Prof. Ademir Rocha

    ResponderExcluir
  3. Prezado Prof.
    Procuro informações sobre um antigo Tabelião chamado Teodósio Lacerda Chermont. Acaso o amigo saberia dizer o nome atual do referido tabelionato?
    Obrigado
    Marco Miranda

    ResponderExcluir
  4. Caro Marco Miranda,
    A família Chermont é da Capital do Estado do Pará, Belém/Pa e lá eles possuem o Cartório Chermont. Feliz Ano Novo
    De Ademir Rocha

    ResponderExcluir
  5. Prezado Ademir,

    Parabéns pelo blog.

    Gostaríamos de saber alguma notícia do Sr. Emiliano Rodrigues de Sousa, morador da vila de Beja. Meu esposo (seu filho) gostaria muito de conhecê-lo. Já não se vêem desde quando o mesmo tinha apenas 5 anos de idade.

    Grata por qualquer informação.

    Elza Sousa (esposa).

    ResponderExcluir
  6. Cara Sra. Elza Sousa, esposa do Sr. Emiliano Sousa, verifiquei nas postagens e não encontrei o nome de Emiliano Rodrigues de Sousa. Estou incluindo centenas de novos nomes e essa inclusão exige um pouco de tempo devido a leitura no material digitado que possua. Também para facilitar a procura do pai de seu marido, vc pode, aqui mesmo na secção de comentários, dar dados do Sr. Emiliano, como idade, nomes de seus pais, irmãos, outros filhos, datas de nascimentos, caso possua. De qualquer modo, vou tentar apressar o acréscimo de novos nomes das famílias S, de Abaetetuba. Abçs, ADEMIR ROCHA

    ResponderExcluir
  7. Pesquisando sobre minha cidade,encontro este maravilhoso blog,sou estudante de direito,abaetetubense,tenho 18 anos e lamento tanto que a maioria dos jovens como eu não procure saber mais a respeito de sua terra natal,parabéns pelo blog.Seria interessante saber mais a respeito das antigas "sedes" de abaetetuba,como tartarugão e tietê.
    Até breve.

    ResponderExcluir
  8. Cara Juliane Rodrigues, obgdo pela visita e elogios ao n/Blog e penso que em algum lugar já devo de publicado alguma coisa sobre as sedes citadas e, de qquer modo, vou verificar o seu pedido. Abçs, do Ademir Rocha

    ResponderExcluir