Mapa de visitantes

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

AMBIENTALISMO: CONSUMO RACIONAL DE ENERGIA


AMBIENTALISMO: CONSUMO RACIONAL DE ENERGIA

Consumo racional de energia na indústria cerâmica

Fonte: http://ambienteenergia.com.br/

Agência Ambiente Energia

Consumo racional: na direção certa




Da Agência Ambiente Energia - Um total de 90 das 120 indústrias cerâmicas da região do Seridó – entre os estados do Rio Grande do Norte e Paraíba – foram avaliadas pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT/MCTI), através do projeto Eficiência Energética em Cerâmicas de Pequeno Porte na América Latina para Mitigar a Mudança Climática (Eela). Promovido Agência Suíça de Cooperação e Desenvolvimento (Cosude) e pela organização não-governamental Swisscontact, o trabalho é desenvolvido paralelamente também na Argentina, Bolívia, Colômbia, Equador, México e Peru.
O objetivo é incentivar medidas para otimizar o uso da energia nessas empresas, bem como reduzir as missões de carbono e diminuir o impacto ambiental da atividade, desenvolvendo um modelo para ser replicado por outros núcleos produtores de cerâmica da América Latina. No Brasil, coordenada pelo INT, a iniciativa conta com a parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Nacional), Sebrae/RN, Sebrae/PB, com o Centro de Produção Industrial Sustentável (Cepis), o Serviço Florestal Brasileiro (SFB/MMA) e a Associação Nacional da Indústria Cerâmica (Anicer).
O projeto Eela previa em seu início uma atuação nas regiões Norte e Nordeste. O Nordeste acabou sendo escolhido para implementação de um modelo que servisse para uma replicação mais ampla. A partir de meados de 2010, o INT começou a fazer testes de campo em fornos da região do Seridó, avaliando sua eficiência e as possibilidades de redução do consumo de energia, das emissões de CO2 e do impacto ambiental da atividade das olarias locais.
Na Região Norte, no estado do Pará, foi realizado um diagnóstico do modelo de fabricação e do uso de energia nos municípios de São Miguel do Guamá, Abaetetuba e Igarapé-Miri. Nesses dois últimos municípios, especificamente, foi detectado um modelo rudimentar, com empresas informais e familiares, sem acesso a energia elétrica, semelhante a situações já trabalhadas pelo projeto em outros países da América Latina. Para esse tipo de olarias, foi recomendado o uso de forno como o tipo catenária, desenvolvido pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e avaliado pela equipe do INT. Esse equipamento permite o uso de outras biomassas presentes na região, tais como o caroço de açaí e a casca de castanha do Pará.
Na região do Seridó, foram feitos estudos comparativos entre os fornos do tipo caipira, tradicionalmente usados, e o abóboda, onde há melhor aproveitamento da energia e menos emissões. O trabalho também avaliou algumas formas de arranjar as peças cerâmicas no interior dos fornos, visando aumentar a proporção da produção de peças de primeira qualidade. E outra vertente, apontou as soluções de emprego de ar de combustão forçado e de recuperação de calor em fornos caipira, medidas que promovem uma economia de energia.
“Os fornos caipiras são abertos e dispersam enorme quantidade de calor e gases poluentes, enquanto a opção em forma de abóboda aproveita melhor essa energia, inclusive a reutilizando para a secagem das cerâmicas”, explica Mauricio Henriques, chefe da área de Energia do INT.
Objetivando levar políticas públicas, tecnologias e sistemas de gestão e de qualidade a essas e outras indústria cerâmicas com características semelhantes, o projeto aborda também a questão ambiental. Além de buscar conter as emissões atmosféricas, o trabalho indicou também mecanismos para racionalizar o uso e a extração de argila a ainda modelos para ampliar a oferta de biomassa renovável, evitando o desmatamento e a degradação do solo.
– Algumas soluções em uso tem sido a substituição da lenha nativa extraída da caatinga por briquetes de resíduos de biomassa, compostos de bagaço de cana e serragem, ou pelo emprego de podas dos municípios da região e de árvores frutíferas, como o cajueiro – complementa o tecnologista Joaquim Augusto Pinto Rodrigues, coordenador do projeto Eela.
O projeto Eela disseminou ainda, entre produtores locais, um modelo para ampliar o comércio de créditos de carbono decorrentes das medidas de otimização do uso da energia e dos recursos naturais. O trabalho envolveu ainda o levantamento de indicadores sociais, observando as relações de trabalho e indicando a correção das distorções encontradas.
A iniciativa se estende até 2013, com possibilidades de renovação, visando a mudança completa no uso da energia e dos recursos ambientais, nas relações de trabalho e na qualidade da produção das pequenas indústrias cerâmicas na América Latina. (As informações são do INT)
Conteúdos Relacionados:
1. Prédios com consumo racional
Etiqueta que aponta nível de eficiência no uso da energia elétrica já foi emitida para 80 edificações, sendo 54 para construções comerciais e 26 residenciais, segundo dados da Eletrobras/Procel...
2. Eficiência energética: na direção certa
Relatório do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) mostra que, em 2010, economia alcançada chegou a 6,16 bilhões de kWh. Economia equivale a 1,47% do consumo total do país...
3. Consumo racional na ordem do dia
Campanha Europeia de Energia é uma iniciativa para o consumo racional. Veja o vídeo que mostra como é o desperdício energético comum em muitas casas e apresenta soluções para melhorar a conservação e o uso racional da energia...
Tags: Conservação de Energia, Eficiência Energética
publicado em 13 de fevereiro de 2012

economia verde e sustentabilidade


Outros assuntos interessantes do mesmo blog: leia


Manchetes


o Chuveiro elétrico é mais econômico que aquecedores
o Energia nuclear
o Belo Monte: Ibama emite esclarecimentos
o Biomassa: uma dupla solução
o A energia eólica e os impactos ambientais
o Horário de Verão: projetos de lei contra
o Eficiência energética e meio ambiente
o Tecnologia LED na iluminação pública
o Um poste que gera sua própria energia
o Fome e energia

Reproduzido pelo Blog do Prof. Ademir Rocha, de Abaetetuba/Pa

Nenhum comentário:

Postar um comentário