Mapa de visitantes

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Animais 24 - Lagartos, lagartinhos, Lagartixas e Outros Pequenos Animais de Abaetetuba

Animais 24 - Lagartos, Lagartinhos, Lagartixas e Outros Pequenos Animais de Abaetetuba e Região

Alguns Lagartos em Abaeté
As populações rurais e ribeirinhas de Abaeté desde os tempos coloniais e provinciais, não atentaram para a preservação do seu meio ambiente e muitas espécies de vegetais e animais já foram extintos ou já estão em vias de extinção irreversível na região.
Um dos motivos da extinção dos animais das florestas e rios foi o uso de muitas espécies como alimento, o que é compreensível pela pobreza que sempre afetou as populações ribeirinhas e rurais de Abaeté. Até mesmo espécies exóticas da fauna foram ou são usadas como alimentação, criando até uma cultura pelo uso como iguaria alimentar, como são os casos da capivara e jacaré que até os dias atuais são usados como alimentos até mesmo pela população da cidade, apesar da proibição por lei federal.
Outros animais exóticos ainda são usados na alimentação do abaetetubense como: tracajás, tartarugas, tatus, mucuras, macacos, preguiças que ainda são apreciados como alimentos.
Porém gostaríamos de falar de alguns répteis citados em um belo encarte do jornal O Liberal, que foram e ainda são largamente usados como alimento pelas populações ribeirinhas e rurais de Abaeté e que atualmente são raros de encontrar devido a sua extinção ou quase extinção na região, que são o jacuraru e o camaleão.
Lagartos

O Jacuraru
O jacuraru era um dos maiores lagartos encontrados em Abaeté, de coloração vermelha com pintas pretas e que chegava a alcançar até meio metro de comprimento, incluindo a grossa cauda. Esse lagarto é da mesma família do jacuruxi e do jacarérana, que também já foram extintos na região. Conforme a reportagem o jacuraru alimentava-se de folhas, frutos, aranhas, insetos, sapos, ratos, soias e outros pequenos mamíferos, aves, cobras e até pequenos lagartos. Nas casas ribeirinhas e rurais de Abaeté ele assaltava galinheiros para comer ovos e pintos ali existentes. O temido jacuraru, pela sua valentia, virou lenda em Abaeté.
O Jacuraru, animal muito arisco, era um lagarto com dentes afiados e venenosos, de muita força, que enfrentava e vencia na luta até cobras venenosas, como as jararacas. Nessas lutas, quando ferido ou cansado, parava e se esfregava nas folhas e voltava valentemente para a luta.
Porém esse belo e temível animal também servia de alimento para as populações ribeirinhas e rurais de Abaeté e hoje está extinto ou em vias de extinção na região. Pela sua esperteza, o único meio de apanhá-lo era no buraco que lhe servia de toca. O buraco era escavado e com um pau, facão ou espingarda o jacuraru era morto para servir de alimento nas zonas ribeirinha ou rural de Abaeté. Outro modo de caçá-lo era através de cachorros que acuavam e cansavam o lagarto até ele ser morto pelo seu caçador. Também nas casas os cães eram usados para espantar os jacurarus que procuravam alimentos nos galinheiros dessas casas.
O Camaleão
A camaleoa "ovada" acima, pensando como atravessar
o lago e esse tipo de lagarto só desce das árvores quando
está cheia de ovos. Os ovos são postos em terra, enterrados

na areia para posterior eclosão dos filhotes.


Diferentemente do terrestre e valente jacuraru, existia também em abundância em Abaeté o camaleão, de hábitos arborícolas e inofensivo.

O camaleão era um pouco maior que o jacuraru, que chegava a alcançar mais de meio metro de comprimento. Na verdade existem dois grupos de camaleões em Abaeté: um menor e de coloração mais verde e outro maior de coloração mais verde-escura. O camaleão se alimenta de folhas, flores e insetos.
Se o abaeteense se alimentava do jacuraru de dentes venenosos, muito mais apreciava a carne e os ovos do camaleão e que também já está ameaçado de extinção. O camaleão de Abaeté tem as seguintes características: podem mudar de cor rapidamente (camuflagem), têm olhos móveis e independentes (avistam 180% ao seu redor) e línguas retráteis na captura de suas presas. Nas árvores o camaleão assumia a coloração verde das folhas dessas árvores onde o camaleão buscava seus alimentos. Nas vezes que descia ao chão, assumia a cor da folhagem seca desse chão. A vulnerabilidade do camaleão, ou melhor, da camaleoa, estava justamente nos momentos em que a camaleoa ovada, em setembro, que descia para por seus ovos em buracos escavados nas areias das praias. As pessoas se aproveitavam desse momento para apanhar os camaleões que lhe serviriam de alimento, juntamente com seus saborosos, dizem, ovos. Uma cena triste na feira de Abaetetuba é ver esses animais todo amarrado pelas patas para ser vendido como alimento à população, pois existem também pessoas na cidade que apreciam a carne e ovos desses dóceis, inofensivos e simpáticos animais.
Lagarto marrom e verde dos quintais
Esse lagartinho existe em grande quantidade pelos quintais urbanos e se alimenta de insetos e outros pequenos animais



Lagarto preto dos muros
 Este estranho lagarto preto dos muros, cercas e paredes
é muito arisco. Porém esse da foto acima foi fotografado em estado de total
 imobilidade e por vários minutos, mesmo com pessoas passando perto dele

 Vide os detalhes do corpo do lagarto preto acima mencionado

Outros Lagartos de Abaeté
A maioria dos lagartos citados abaixo já estão extintos em Abaetetuba e região, devido a caça e desmatamento desenfreado nas Ilhas e Colônias de Abaetetuba e região.
Jacarerana
Jacarerana, praticamente extinto na região.
Jacuruxi
Jacuruxi ou lagarto-jacaré, lagarto, de cor vermelha, muito vistoso, que se escondia por baixo das folhas podres dos igarapés, muito difícil de ser achado. Comia caramujos, sararás, ararutas. Já extintos ou em via de extinção na região de Abaeté devido destruição de seus habitats.
Lagarto verde
. Lagarto verde, habitantes da zona rural e urbana e que ainda existem em quantidade relativa.
Tamaquaré ou papa-vento
. Tamaquaré ou papa-vento, que ainda existe em Abaeté.

Osgas
Osgas são as lagartixas de paredes e arbustos, que dormem de dia e caçam insetos à noite e põem seus ovos em frestas das paredes ou ocos de árvores. .
Osgas
 As osgas são encontrados na zona urbana
e na zona rural de Abaetetuba e região e elas são animais úteis porque se alimentam de pequenos
insetos e até de osgas pequenas. Elas são de várias espécies e variedades.
As osgas de parede de cor branca são as mais comuns
As osgas pretas, são chamadas "trapupéuas", que vivem nas cercas e muros
das casas.
A osga de plantas, acima que vive nas plantas dos quintais das casas
Existe uma variedade de osga gigante, que vive nas
 árvores e arbustos das matas das localidades interioranas
Osga vermelha com pintas e listas

 A osga de plantas, acima, vista de perfil
 A nesma osga vista com melhores detalhes do colorido
do corpo
Osga de parede
 A osga acima possui padrão dos detalhes do colorido
do corpo diferente da osga de arbusto acima. Esta
osga foi vítima do cachorrinho de casa que passa
o dia caçando pequenos animais. Ela irá reconstituir
seu rabinho arrancado por outra osga ou outro animal

Osga branca com escamas


As pequenas lagartixas saem à noite para se alimentar dos insetos presentes nas árvores e elas
mesmas acabam servindo de alimento para as lagartixas maiores, aqui chamadas de osgas.

Osga marrom com garras





Blog do Ademir Rocha

Nenhum comentário:

Postar um comentário