Mapa de visitantes

sábado, 10 de dezembro de 2011

ESCOLAS SUPERIORES DE ABAETETUBA: UFPA/CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ABAETETUBA










UFPA/CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ABAETETUBA


Reproduzido de http://www.portal.ufpa.br/


Campus de Abaetetuba terá mais salas, nova cantina e quadra poliesportiva

Durante a Visita Institucional ao Campus da Universidade Federal do Pará (UFPA), em Abaetetuba, nesta terça-feira, 6, e quarta-feira, 7, dirigentes da Instituição e a comunidade universitária local discutiram desafios, propostas e soluções para a melhoria e ampliação da UFPA. O modelo de interação multicampi e a proposta de criação de uma nova universidade na região do Tocantins foram os principais destaques do encontro. Várias demandas do campus receberam respostas positivas dos dirigentes da UFPA.

No dia 6 de dezembro, a discussão foi sobre a criação da Universidade Federal da Amazônia Tocantina (UFAT). Na mesa-redonda, realizada no auditório do Campus de Abaetetuba, integrantes da Universidade e representantes políticos discutiram o projeto e as parcerias necessárias para sua efetivação. “No nosso Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), para os próximos cinco anos, está apontada a criação da nova Universidade como uma de nossas metas”, explicou o reitor Carlos Maneschy.

Nova Universidade pode propiciar mais professores e técnicos e ainda novos cursos ofertados no Campus - As demandas sobre infraestrutura e adequação de quadro de pessoal no campus foram discutidas na manhã desta terça-feira, 7 de dezembro. O reitor Carlos Maneschy explicou que a realização de concurso público é uma decisão do Governo Federal e que as últimas contratações estavam pactuadas pelo programa de Reestruturação do Ensino Superior (REUNI). “Os professores que chegaram eram para a expansão e precisamos cumprir as metas com as quais nos comprometemos. Em relação à necessidade de pesquisadores, a solução mais imediata é o aproveitamento de professores de outros campi”, afirmou.

Segundo o reitor, a longo prazo, a emancipação dos campi em novas universidades pode suprir as necessidades e propiciar condições de expansão. “Quando criada uma nova universidade, sempre são asseguradas as condições de seu funcionamento. Mas criá-las não é uma saída simples. Envolve uma intensa negociação, com a qual lidaremos nos próximos anos”, disse Carlos Maneschy.

Professores e laboratórios dos campi de Abaetetuba e Cametá já são compartilhados pelos dois campi na manutenção dos cursos de graduação ofertados. “Esse modelo de interação multicampi, com trânsito de professores e de alunos para disponibilizar acesso aos laboratórios, assim como o projeto conjunto de criação de pós-graduações stricto sensu, manutenção conjunta de um Pólo em Tomé-Açú e outras iniciativas semelhantes, são os primeiros passos que damos rumo ao desejo de criar a UFAT”, conta Eliomar XX, coordenador do Campus de Abaetetuba.

Demandas estudantis serão atendidas - Readequação do laboratório de informática, nova cantina, quadra poliesportiva e um novo bloco de salas de aula foram assegurados durante a tarde. A partir das 14h foi a vez dos estudantes reunirem com a administração superior. Além do reitor Carlos Maneschy e do vice-reitor e coordenador da Universidade Multicampi, Horácio Scheneider, participaram do encontro com os discentes, o representante da Pró-reitoria de Ensino de Graduação, Mauro Magalhães, e a representante da Diretoria de Assistência Estudantil da pró-reitoria de Extensão (Proex), Vânia Nogueira.

O reitor reafirmou que a Quadra Poliesportiva é uma realidade e a licitação para contratação da empresa que fará a obra já foi concluída. No espaço que será coberto, os estudantes também poderão realizar atividades culturais. “A inauguração do auditório já foi importante para o município porque não há espaços como estes em Abaetetuba. Assim, como sediamos eventos de outras instituições e da sociedade local em geral, a nova quadra poderá ajudar a propiciar novos projetos sociais e atividades esportivas a toda comunidade externa, incluindo o embrião do novo curso de educação física”, assegura Eliomar.

O reitor se comprometeu a elaborar um projeto de construção de novas salas de aula para que as novas graduações ofertadas possam desenvolver suas atividades. Pelo mesmo motivo, o segundo laboratório de informática do Campus será revitalizado. Já a construção de uma nova cantina será provodenciada para que os alunos da UFPA em Abaetetuba possam ter mais opções na hora de se alimentar. Outra conquista estudantil foi o comprometimento na busca de solução para assegurar o uso do ônibus do Campus, atualmente parado por falta de motorista.

Texto: Glauce Monteiro – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Karol Khaled

Reproduzido pelo Blog do Prof. Ademir Rocha


Mesmo que tardiamente publicamos o convite que chegou até nosso e-mail através de um de nossos alertas e a importância que damos ao convite é a notícia do aumento da estrutura física do Campus Universitário de Abaetetuba, talvez se preparando para a instalação de outras dependências como um ginásio poliesportivo coberto e com amplas arquibancadas, piscinas, laboratórios das várias ciências, restaurante à preço popular e ao redor do Campus a existência de vários albergues construídos pela iniciativa privada para abrigar estudantes das várias localidades de Abaetetuba e das cidades vizinhas. Seria o início do que nós poderíamos chamar de UNIBAT-Universidade do Baixo Tocantins.


Aproveitamos a oportunidade para publicar o histórico extraído do site do referido Campus e mais abaixo algumas considerações e pesquisas de nosso próprio Blog.


Convite: Inauguração de Várias Dependências do Campus de Abaetetuba


Escrito por Administrador
Qua, 22 de Junho de 2011 15:04


UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ABAETETUBA

CONVITE

O Coordenador do Campus Universitário de Abaetetuba, Prof. Eliomar Azevedo do Carmo, tem a honra de convidar para a Cerimônia de Inauguração de várias dependências do Campus: Biblioteca, Auditório e Pórtico.


Dia: 28 de junho de 2011
Horário: 17h
Local: Rua Manoel de Abreu, s/n -Bairro: Mutirão

Prof. Eliomar Azevedo do Carmo
Coordenador do Campus Universitário de Abaetetuba

Histórico
Escrito por Administrador
Qui, 13 de Agosto de 2009 17:58

O Campus Universitário de Abaetetuba, também, conhecido como Campus do Baixo Tocantins, foi implantado em 1987, no município de Abaetetuba, sob a coordenação da professora Conceição Solano, indicada a esse cargo pelo reitor da época, o Profº. José Seixas Lourenço. O campus se localiza no município de Abaetetuba que é composto por 62 ilhas bastante povoadas, 36 comunidades que vivem à beira da estrada, além da cidade, zona urbana, com quase 133.316 mil habitantes, segundo o último censo do IBGE (2006).

Os primeiros cursos de graduação ofertados no Campus de Abaetetuba foram as licenciaturas em Matemática, Letras, Pedagogia, História e Geografia, todos em regime intervalar (atual Período Intensivo). As aulas eram ministradas nas escolas cedidas pela prefeitura municipal local, por meio de parceria com a UFPA, o que se tornou de fundamental importância para a implantação do Campus, pois, além de oferecer espaço físico para o desenvolvimento dos cursos, alojamento para professores, doou também as terras para a construção do campus. Através desta parceria, o campus pode contar, ainda, com a cedência de servidores municipais para apoio administrativo como vigilantes, secretários e motoristas.

As escolas que sediaram os primeiros cursos foram o colégio São Francisco Xavier, Basílio de Carvalho e Mendes Contente. A primeira administração funcionou na Avenida Dom Pedro, em uma casa cedida pelo prefeito João Bittencourt. Depois a administração passou para outra casa cedida também pelo prefeito, na Avenida São Paulo. Nesta última, além de funcionar a administração, servia também como residência da coordenadora Conceição Solano. Os professores ficavam em uma casa alugada pela prefeitura.


Atualmente o Campus de Abaetetuba conta também com a parceria entre UFPA e prefeituras próximas como Barcarena e Igarapé-Miri, por meio do apoio via cedência de servidores municipais que atuam na área da administração (secretarias).

O Campus de Abaetetuba teve como primeira coordenadora a professora Conceição Solano, que esteve no cargo de 1987 a 1991. Em seguida, o cargo foi ocupado pelo professor José Queiroz Carneiro, que exerceu dois mandatos, o primeiro de 1992 a 1995 – por indicação da administração superior da UFPA - o segundo de 1996 a 1999 - através de eleição. Em 1999, foi realizada eleição direta que elegeu o professor Adelino Ferranti, que atuou na coordenação do campus de 2000 a 2004. Em 2005, com a saída do professor Adelino Ferranti para assumir o cargo de Secretário de Educação do município de Abaetetuba, toma posse como Coordenadora Pró-Tempore a professora M. Sc. Alessandra Martins Matos Vasconcelos (vice-coordenadora do campus à época). Após eleição em 2006, assume a coordenação do campus o professor M. Sc. Waldir Abreu. E em 2007, assume, via eleição, a professora M. Sc. Francisca Carvalho, atual coordenadora do campus.

Em 1991, o prédio do campus de Abaetetuba foi inaugurado no bairro do Mutirão, na Rua Manuel de Abreu. O campus era formado por dois blocos, onde funcionavam a secretaria, a biblioteca, a cantina, o mimeógrafo e a coordenação do campus.

Em 1992, o campus inicia suas primeiras turmas do curso regular de Letras e Matemática. E em 2005, são criados os cursos de Ciências Contábeis, Física e Letras – Habilitação em Língua Portuguesa. No ano de 2007, o campus já ofertava 13 cursos com 1000 alunos matriculados.

Atuaa, o espaço físico do Campus de Abaetetuba comporta 08 (oito) prédios, dentre estes: 03 pavilhões de sala de aula, 01 prédio que abriga dois laboratórios de informática, sala dos professores e sala de reuniões,01 prédio administrativo onde se localiza a biblioteca, secretaria do Parfor e direções das três faculdades, 01 prédio que comporta um complexo, espaço cultural Toca Tocantins inaugurado em 2003, formado por auditório, Coordenação, Secretaria Executiva Coordenadoria de Planejamento e Gestão, Coordenadoria Acadêmica, Divisão de Pesquisa e Pós-graduação, Almoxarifado, Depósito, Copa, Secretaria Acadêmica, Diretório Acadêmico e Lanchonete. Além de 02 construções em andamento , a primeira destinadas a nova biblioteca e auditório; e a segunda ao Laboratório de Linguagem do Campus.


O Corpo docente do Campus vem se consolidado cada vez mais por meio de qualificação dos professores em programas de pós-graduação stricto-sensu (mestrado e doutorado). E o ingresso do campus na área da pesquisa científica, por meio de projetos de pesquisa e extensão aprovados no PROINT, CAPES, CNPq e outros, trazem a consolidação de um quadro docente mínimo nos Cursos Graduação em Pedagogia, Letras e Matemática e demonstram o desenvolvimento do ensino superior em Abaetetuba.


Hoje, o campus oferece cursos extensivos e intensivos em Letras (habilitações em língua portuguesa e língua espanhola), Matemática, Engenharia Industrial, Ciências Contábeis e Pedagogia, perfazendo um total aproximado de 1.126 alunos. O campus também já ofertou Turmas de Letras e Pedagogia - a partir de 2000 - regidas por contrato e subsidiadas com recursos do antigo FUNDEF, em parceria com prefeituras da região do Baixo Tocantins, criadas para a capacitação e formação de professores das redes municipais, oferecidas em Tomé-Açu, Concórdia do Pará, Tailândia e Abaetetuba, somando mais 350 alunos.

Outras Considerações, Personalidades, Fatos Sobre a História do Campus Universitário de Abaetetuba:

O Campus Universitário de Abaetetubado, da UFPA, foi criado por Decreto-Lei em 6/5/1982, na gestão do prefeito Ronald Reis Ferreira, porém só iniciou suas atividades na gestão do prefeito João Alberto Silva Bittencourt, que foi o prefeito que mais beneficiou o funcionamento do referido campus em Abaetetuba.


João Alberto Silva Bitencourt, nascido em 17/2/1954, filho de Firmo Lima Bitencourt Filho e Benedita Silva, formou-se bacharel em Direito formado em 8/1978, tendo exercido a advocacia por alguns anos em Abaetetuba e em 15/11/1982 foi eleito prefeito com 27 anos, tendo por vice o empresário Gabriel Pereira Paes, e torna-se o 1º prefeito municipal de Abaetetuba após fim da ditadura militar para o período de 1983 a 1984, porém foi beneficiado por lei que prorrogou o mandato dos prefeitos por mais 2 anos, tendo governado Abaetetuba até o ano de 1988. No seu governo foi implantado o Campus da UFPA.


Podemos dizer que a Prefeitura de Abaetetuba, através do prefeito João Alberto, foi fundamental na implementação e afirmação do Campus Universitário, pois este, sem a mínima estrutura física, começou a funcionar precariamente em espaços cedidos ou alugados pelo prefeito para abrigar a 1ª administração do Campus, os primeiros professores e os espaços para as aulas dos primeiros cursos. E o prefeito João Alberto ainda conseguiu o terreno para a construção do Campus, que agora inaugura outros espaços e dependências. Não se conhece outro prefeito local que tenha beneficiado tanto o Campus Universitário do Baixo Tocantins (outra denominação) que grandes benefícios trouxe para a educação em geral para Abaetetuba e cidades vizinhas.


Vejamos:


Antes da implantação do Campus os jovens de Abaetetuba tinham que ir buscar sua formação superior em Belém ou outras cidades com cursos universitários e isso com sacrifícios de todos os tipos, principalmente os financeiros. O próprio autor do Blog teve que buscar sua formação em curso superior na linda cidade de Bragança/Pa e Belém.


A maioria absoluta do professorado das inúmeras escolas de Abaetetuba e cidades vizinhas trabalhavam à título precário como professores de todas as disciplinas dos currículos do 1º e 2º graus, pois os mesmos não possuíam a chamada formação superior nas diversas licenciaturas e com isso vinham também os prejuízos financeiros para os trabalhadores na educação, ganhando salário de aluno ou de nível médio. O Campus, com cursos em licenciaturas de Letras, Matemática, História, Geografia, Pedagogia e outros, veio prover essa grande carência da educação de Abaetetuba e região. Méritos também para a UEPA-Universidade do Estado do Pará, que na vizinha cidade de Moju, implantou licenciaturas nos ramos das ciências, coisa que o nosso Campus ainda não possui. Atualmente é difícil alguma escola estadual de Abaetetuba possuir professores sem a devida habilitação. Uma grande quantidade de mestres e até doutores já estão devidamente qualificados com esses títulos, tudo graças ao nosso Campus que iniciou o preparo desses professores.


Além de Abaetetuba, o Campus possui pólos funcionando em cidades vizinhas do Baixo Tocantins.


Agora é só recorrer aos políticos que se elegeram com votos obtidos em Abaetetuba e região em todas as esferas do legislativo, às empresas que subtraem as riquezas do sub-solo paraense e com lucros estonteantes, com a iniciativa privada da cidade e região, que podem ajudar na construção das dependências que faltam, algumas citadas acima, para que o Campus possa se tornar um verdadeiro reflexo da Universidade Federal do Pará-UFPa ou uma universidade autônoma, a UNIBAT, citada acima. Soubemos que um empresário local já ofereceu à UFPa um grande terreno próximo ao Campus para abrigar outras instalações necessárias ao desenvolvimento da educação superior em Abaetetuba e região. Essa notícia carece de confirmação.


Blog do Prof. Ademir Rocha, de Abaetetuba/Pa

Nenhum comentário:

Postar um comentário